Quarta-feira, 5 de Outubro de 2011
Av. da República, 37; notas soltas (obra 25.717)

Av. Miguel Bombarda, Lisboa (A.J. Fernandes, 1961)
Av. da República, 37 tomado da Av. Miguel Bombarda, Lisboa, 1961.
Augusto José Fernandes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..


 Dos índices da obra nº 25.717 no arquivo da Câmara.
 O edifício pode ter sido iniciado em 1917 ou perto; há notícia nesse ano da construção de alicerces e dum certo António Castanheira de Moura ter pedida licença para fazer um barracão. Em 1917 uma «empreza panificadora» requere construção duma padaria. Em 1919 uma Soc. de Padarias pede para ampliar a construção. 
 A notícia de vistoria e a atribução do nº de polícia indiciam a conclusão do prédio; foi dado como pronto a habitar em 1924... Um dono parece ter sido um sr. Alberto Graça (já não a «empreza panificadora», portanto) até, talvez, ao fim dos anos 40. Consta em processos de obra de ampliação (1920), alterações (1922-23), indicação de nº de polícia e vistoria (1924), limpeza e reparações (1929 e 36), limpeza geral e pinturas (1942), reparação (1944) e colocação de andaimes e beneficiação geral (1945).
 Uma Soc. Americana, Lda. é referida como requerente de «junção de elementos» (lojas?), nos anos de 39 e 44 (23906/DSC/PG/1939, 31836/DAG/PG/1944).
 O café «A Cubana», onde os anais do Surrealismo em Portugal dizem que Alexandre O'Neill conheceu Mário Cesariny, era neste prédio. O encontro foi em 1944 (cf. Mª de Fátima A. C. M. Saraiva, O Surrealismo em Portugal e a obra de Mário Cesariny de Vasconcelos, Porto, 1986, p. 20). Seria a Soc. Americana a designação comercial d' «A Cubana»?
 Julgo que o dr. Francisco José Calheiros Lopes (de Benavente?) adquiriu depois disto o prédio. Há processos que o referem nos anos de 63 (beneficiação geral), 64 (pedido de instalação de elevador e obras de reparação), 65 (limpeza geral e obras de conservação), 66 e 67 (mais obras de conservação).
 O Banco Lisboa & Açores mutilou a fachada no fim dos anos 50, ou nos anos 60 (61?). — Alvores duma prática assassina que descaracteriza inúmeros edifícios doutras eras pela a cidade inteira e ninguém liga...
 Depois de tanta obra, não descurando um pedido de instalação dum elevador, a Câmara manda em 1969 (um ano após o passamento do dr. Francisco José Calheiros Lopes) o fotógrafo Artur Goulart documentar o prédio e arquiva a fotografia com um título sugestivo: «Prédio para demolir».
 O prédio tem resistido. Há intimações e processos por obras clandestinas em 1962, 64, 65, 77, 78, 80 e 86. Daí para cá...
 A florista (resiste ainda lá hoje) pediu parecer sobre o estabelecimento em 1981 (19894/DAG/PG/1981). Um eng.º Alberto Briosa e Gala figura em procº de obra (18830/DAG/PG/1967) como requerente de baixa de responsabilidade da obra. Um certo João Pedro Homem de Melo (?) figura em processo de obra; idem. — Só «lambendo» papel no arquivo se saberá mais. — Em 2004/05, uma Crunch (dentada?!) — sociedade de gestão de património imobiliário requer vistoria de propriedade horizontal.
 O prédio está devoluto do r/c para cima e tem uns ricos logradouros...



Escrito com Bic Laranja às 20:39
Verbete | Comentar

5 Comentários:
De Attenti al Gatti a 6 de Outubro de 2011 às 00:44
Crónica de uma morte anuncada: é mais um para ir ao chão. Admira-me como ainda sobrevive. O estilo arquitectónico deve ter agradado porque foi replicado em vários outros prédios da mesma avenida e também em outros locais, como já aquí foi dada notícia.
Curiosa é a referência a Castanheira de Moura,provávelmente um dos maiores empresários lisboetas do século passado. Empresário ligado ao ramo da panificação, instituíu a Sociedade de Padarias, que controlava uma grande parte desses estabelecimentos em Lisboa. Entre outro património,teve uma quinta com cinema ao ar livre e local de merendas, perto do Largo do Lumiar. Creio que ainda lá estão as ruínas.
Domingo bem passado para muita gentinha que vivia em Lisboa nos meados do século XX, era apanharem o eléctrico até ao Lumiar, carregando (elas!)cestos com tachos e panelas, talheres e "casqueiro", mais o "palhinhas" (eles!), paparem um almoço bem regado à sombra do arvoredo e depois baterem uma matiné, alí ao lado, também ao ar livre. Coisa impossível de fazer hoje. Não pelo pic-nic em sí, mas porque já não há eléctrico, Já ninguém leva tachos e panelas e muito menos o "palhinhas". Em contrapartida, não faltariam toques de telemóvel e música batucada em altos berros, pipocas de cheiro rançoso no cinema e brutinhos a beberem refrigerante como quem aspira a salvação
A.v.o.


De Bic Laranja a 7 de Outubro de 2011 às 23:17
É interessante o que conta de Castanheira de Moura. Desconhecia.
Cumpts.


De tron a 6 de Outubro de 2011 às 23:20
Caro amigo cada vez mais o seu recanto é uma delícia e como de vez enquando ando a passear pelas avenidas, me poderia informar o que existe agora no lugar deste prédio e da cerca anexa e dexar a sugestão de passar uma foto daquilo que é o maior buraco de Lisboa que é o local onde era a feira popular


De Bic Laranja a 7 de Outubro de 2011 às 23:21
Note que o prédio a que se refere o texto é o que se vê na imagem. O lote com tapumes tem lá hoje um «stand» de automóveis japoneses, creio.
O maior buraco de Lisboa é na Câmara. Se no cofre, se na cabeça do presidente, não sei agora dizer.
Cumpts.


De tron a 9 de Outubro de 2011 às 00:35
eu não me referia ao crónico buraco das finanças municipais, me refiro àquela fossa a céu aberta deixada aberta por Sacana Lopes e cujo problema nunca teve solução qual fosse as obras de Santa Engrácia


Comentar

Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

17
18

20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----