Quinta-feira, 26 de Julho de 2012
Ódio a quê?!...

 Um artigo de 17 de Julho no Jornal de Oleiros — «Acordo Ortografico? Não, obrigado» —, pelo advogado dr. António Moreira, provocou uns perdigotos dum João acordita que cuspiu, «a verdadeira base da aversão ao A.O. [de] 90 em Portugal» é o «ódio latente antibrasileiro». — Formidável! — E logo ali, como português contrito de o ser, bolça que a reforma de 1911 é que feriu os brasileirinhos durante décadas, tadinhos; a eles, pobres ostracizados, mai-la sua ortoépia (ele diz prolixamente «traços de fonética e de sintaxe levados pelos 'valentes marinheiros' e 'heróis do mar'») de antigo e genuíno sabor português. Como contraponto, a nós portugueses (quais insectos), borrifa-nos de cacofonia (ele chama-lhe «mal falar»...) pelo castiço nortenho «vâlho» e «Tâjo» (notai já agora que o étimo latino aqui é Tagus — está justificado o «a»).
 Pois bem, por desfastio larguei-lhe lá uma rabecada que vai levar tempo a publicar. E por certo não na há o destinatário de entender. Mas aqui o benévolo leitor entende-me.

« Ódio latente antibrasileiro? Não desvie a questão. Porque haverão os portugueses em Portugal de sujeitar-se a uma grafia brasileira quando o Brasil firmou de livre vontade o Acordo de 45 e não honrou a palavra? Ainda agora, depois desta despropositada e desqualificada reforma [de 90], o Vocabulário da Academia Brasileira ignora imperialmente os neografismos absurdamente portugueses como "receção", "deceção", &c. [v. «Busca, Malaka! Busca!»]
  Pior do que chamar ódio latente antibrasileiro ao sentimento pátrio legítimo dos portugueses (ou não podem já os portugueses pugnar pelo que é seu sem serem enxovalhados como racistas?), pior que isso, dizia, é o comprovado desprezo da Academia Brasileira pelo português legítimo (*) dos portugueses; tão legítimo como o português de qualquer outro. Foi isso que Angola tão bem entendeu e por tal se não sujeitou a ditame tão abrasileirado na forma como no motivo.
  O Brasil roeu a corda ao acordo de 45 e desafio quem quere que seja a mostrar-me uma palavra de ódio antibrasileiro dos portugueses quando se isso deu em 1955. Os brasileiros sim, faltando à palavra, destilaram ódio aos colonizadores portugueses (**) esquecendo-se (ou não no sabendo entender) que os colonizadores do Brasil são aqueles mesmos que lhe regeram e regem o destino. Tratantes falhos de entendimento e sem palavra que intentam agora despudoradamente colonizar Portugal, Angola, &c.
   Em suma, vergar a cerviz em 1990 a quem não teve palavra em 45 e negociar o que já fora negociado rastejar como se nada fosse é duma humilhação inqualificável. Proclamar um presidente de Portugal em 2008 o ratificar da humilhação em terra brasileira, e dizê-lo assim — e dizê-lo assim! — que foi por pressão de algo ou alguém (***), isto então é já qualquer coisa que nem sei dizer o nome! — Mas talvez venham daí os acorditas novíssimos do Restelo esclarecer-me que este presidente de ópera bufa nutre um ódio antiportuguês latente, a verdadeira base da imposição do A.O. de 1990 em Portugal.»

As vergonhas do Malaca
(O. Braga. Série d' «As Vergonhas do Malaca».)

 


(*) O português dos portugueses é por definição legítimo. Por mais abastardado que se torne. O mesmo se diria do brasileiro dos brasileiros...
(**) «[...] à mistura com o Acordo, segundo consta o anedotário, os distintos Senadores brasileiros consumiram largo tempo a discutir os malefícios da colonização lusitana e o ouro levado do Brasil, no tempo de D. João V [...]». António Viriato, «O Trigo e o Joio, a propósito do Desacordo Ortográfico», in Alma Lusíada, 23/III/2011.
(***) «Quando fui ao Brasil em 2008, face à pressão que então se fazia sentir no Brasil, o Governo português disse-me que podia e devia anunciar a ratificação do acordo, o que fiz.» Cavaco Silva sobre o seu papel na ratificação do Acordo Ortográfico («Cavaco elogia Acordo Ortográfico mas confessa que em casa ainda escreve à moda antiga», Público, 22/V/2012.)



Escrito com Bic Laranja às 23:02
Verbete | Comentar |

Comentários:
De tron a 27 de Julho de 2012 às 04:09
caro amigo, na revista brasileira de origem alemã editada em Portugal que dá pelo nome de Super Interessante há pelo menos dois colunistas que das duas uma: ou não escrevem com o aborto ortográfico ou que escrevem quase como obrigados porque a coluna que escrevem é o seu ganha-pão.
Um deles é o autor (ou autora) da coluna de literatura que não regular (pelo menos no número do mês passado não veio publicada) e no caso de escrever sob protesto contra o AO, mas obrigado por imposição laboral temos o astrofísico Paulo Afonso que explica em vocabulário comum a matéria escura do Universo e suas implicações


De Bic Laranja a 29 de Julho de 2012 às 11:34
Ninguém tem de se sujeitar a nada. Por força de lei a ortografia portuguesa não pode deixar de ser a do Decreto n.º 35.228 de 8/12/1945, com as alterações do D.L. 32/73 de 6/2. Nenhum foi revogado. Isto é bom que se saiba.
Cumpts.


De tron a 30 de Julho de 2012 às 01:13
obrigado pela informação porque eu ainda desconheço a legislação sobre o aborto ortográfico


De Sc a 31 de Julho de 2012 às 15:48
Por força da Lei, do Direito - que é diferente de dispositivo normativo - e do bom senso.


De Bic Laranja a 1 de Agosto de 2012 às 23:03
Sim, sim. Isso tudo. Muito bem posto.
Obrigado.


De Inspector Jaap a 27 de Julho de 2012 às 11:29
Eu também li o artigo em causa, via blogo “Perspectivas”, que aproveito para saudar!
Subscrevendo todo o conteúdo do verbete, caro Bic , cumpre-me apenas dizer que, se bem que, quiçá necessário, continuamos a gastar cera com maus defuntos; tão maus que é bem dessa massa que se forjam as hordas dos vendilhões quando a coisa vira; esse mesmo celenterado que cospe o veneno da maneira que se viu, estaria na primeira linha em 1580 a vociferar impropérios conta D. Afonso Henriques, que não tinha nada que subtrair esta parcela de terreno a um país que tinha muito mais população, etc, etc… e que viva o castelhano, e tal...
Que nojo!
Cumpts


De Bic Laranja a 29 de Julho de 2012 às 11:39
De certo que é com gente dessa qualidade que nos vamos regendo. Mas importa trazer vivo o assunto. Mormente no Jornal de Oleiros que é uma boa terra distante dos areópagos da moda.
Cumpts.


De Inspector Jaap a 29 de Julho de 2012 às 11:47
E muito justamente!
Cumpts


De [s.n.] a 31 de Julho de 2012 às 01:43
A festa do mau português continua impante. A mania que o pessoal tem, incluíndo políticos, quando vai falar às televisões de não conjugar o verbo principal das orações já ultrapassou há muito os limites do mìnimamente aceitável. Há pouquíssimas excepções - o Primeiro Ministro e o Dr. Bagão Félix são duas delas. Haverá pouquíssimas mais. Trata-se de um escândalo que tem de acabar. Será esta desgraça culpa do Malaca, de Bolonha ou do Ministério de (des)Educação?
Se os culpados deste desafôro tivessem uma gota de vergonha nos focinhos, desapareciam deste país em direcção a Marte.
Maria


De Sc a 31 de Julho de 2012 às 15:46
O argumentário do tal joão limita-se a reproduzir a ideia leninista do "acusa-os daquilo que tu fazes".
Já em 1823 os brasileiros queriam mudar o nome do idioma para "brasileiro".
A língua foi uma arma usada pelo nacionalismo daquele país que é fortemente anti-português.
O que nunca terão pensado - daí a violência do argumentário - foi que o estado português e os seus representantes ( de que se destaca cavaco bnp silva) tivessem tão pouca noção dos seus deveres para com o seu País e acedessem, de braço dado com a maçonaria, a este crime.


De Altamirano a 19 de Agosto de 2012 às 16:14
Ódio anti-brasileiro? Da parte dos portugueses? Devem estar a brincar. Infelizmente o que sucede é precisamente o contrário, uma abertura e condescendência para com o Brasil da nossa parte que não é nada saudável, ainda por cima quando eles possuem um visceral ódio anti-português que qualquer português com acesso à Internet pode constatar (mas isto é só uma amostra...).



De Bic Laranja a 19 de Agosto de 2012 às 17:06
Pois é. Mas dá impressão que só aos portugueses é vedado serem nacionalistas, por xenofobia. O nacionalismo dos outros nunca é tal.
Cumpts.


Comentar

Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

14
15
16
17
18
19

20
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Visitante


Contador

Projecto de lei
Assinaturas: 14 112 (faltam 20 899)

Rejeita o Acordo Ortográfico e procura um meio de acabar com ele? Subscreva a Iniciativa Legislativa de Cidadãos! São dois passos:

  1. Assine em PDF ou em Word
  2. Remeta para:

  3. Apartado 53
    2776-901 Carcavelos (se por CTT)

A ILCao, não é uma Petição, é um Projecto de Lei redigido por um grupo de cidadãos para submissão ao Parlamento, sem qualquer patrocínio ou instituição subjacentes. A ILCao, é a forma directa e apartidária de exprimir a vontade popular à Assembleia da República.

A ILCao está redigida e publicada. Todas as informações estão disponíveis no sítio oficial http://ilcao.cedilha.net

  • NÃO SE RESIGNE. ASSINE!
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chez George Sand
Cidade Surpreendente (A)
Combustões
Corta-Fitas( pub)
Delagoa Bay (The)
Delito de Opinião
Dias que Voam
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Garden of Philodemus
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Jansenista (O)
Lisboa
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Palaurossaurus Rex
Perspectivas(pub)
Pipàterra
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Pena e Espada(pub)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Fides