Terça-feira, 30 de Abril de 2013
Salazar em discurso directo e em retórica de papagaios

 Ando às vezes com Salazar debaixo do braço. Ontem vinha com o primeiro volume dos Discursos porque queria passar a forma electrónica as páginas do prefácio à 4.ª edição. O que nele pude ler em escassas 40 páginas assombrou-me pela clareza da exposição de todo um pensamento político e pela capacidade de o sintetizar sem perda em tão pouco papel. Admira-me tamanha simplicidade tanto mais que sei o penoso que me é redigir coerentemente a partir duma meada de ideias que me amiúde assalta e a que tanta vez não acho o fio.
 A admiração por Salazar, nem que seja por um mero prefácio, não se deve verbalizar, nem muito nem pouco (é exactamente isto a censura) pois o papaguear de chavões e ideias feitas (o ruído -- a censura de hoje) que se ouve em reposta é quase pavloviano. Mesmo que comece por uma admiração formal -- Ah! era ele duma inteligência muito superior. Entendia muito bem os problemas. E acho que era sério. Só fez uma coisa mal: o analfabetismo...
 O anlfabetismo?! A que propósito agora esta...?
 Parece que para dizer que com intuito de manter o povo dócil pela ignorância.
 Como consegue alguém concluir isto doutrem quando lhe acaba de afirmar uma inteligência superior e uma índole séria espanta-me. Mas não vou estar (como não estive, no caso) a perder-me em grande retórica para rebater estes ditos que se dizem. Basta-me um quadrinho com o número dos indígenas cá no reino pelo séc. XX e a porção deles que eram analfabetos, com o bocejo de ver o progresso de 2 milhões e 700 mil que sabiam as letras em algo menos de 7 milhões de portugueses (1930), e compará-lo com 6 milhões e 400 mil alfabetizados numa população de oito milhões e 600 mil (1970); eis aí o trabalho feito do começo ao fim do Estado Novo.
 Cada um perceba os factos consoante seja mais ou menos analfabeto ou deixe-se meramente andar na crença em vive.

 


Evolução da população e regressão

do analfabetismo em Portugal

 (1900-2001)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anos

total

analfabetismo (*)

alfabetos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1900 …………

 

73%   

 

1911 …………

5 049 729

69%   

1 567 941

1920 …………

6 032 991

65%   

2 099 481

1930 …………

6 825 883

60%   

2 709 193

1940 …………

7 722 152

52%   

3 694 278

1950 …………

8 510 240

42%   

4 955 513

1960 …………

8 851 289

33%   

5 930 364

1970 …………

8 648 369

26%   

6 399 793

1981 …………

9 833 041

21%   

7 768 102

1991 …………

 

11%   

 

2001 …………

 

9%   

 

Fontes:

Censo da População, I.N.E. - Lisboa;

(*) António Candeias et al., Alfabetização e Escola em Portugal nos Séculos XIX e XX. Os Censos e as Estatísticas, Fund. C. Gulbenkian, 2007.

 

 

(Revisto às 5h30 da tarde.)



Escrito com Bic Laranja às 13:05
Verbete | Comentar

11 Comentários:
De MCV a 30 de Abril de 2013 às 17:07
Tabela esta que significa termos saído, por maioria, da Pré-História na década de 40 do séc.XX.
É um tema a que ando para dedicar umas linhas há tempo, linhas essas que andam elas também enleadas na construção de edifícios escolares.
O bichinho do Pavlov (para mim não é quase, é mesmo ele) anda a salivar por muito lado.
Abraço


De Bic Laranja a 4 de Maio de 2013 às 22:16
Saímos da pré-história mas com Salazar foi sempre a piorar.
Os edifícios escolares, esses, já começam a levar sumiço, se não por isto, por aquilo. É preciso apagar a memória à gente para daí sacar o homem novo.
Cumpts.


De Paulo Cunha Porto a 30 de Abril de 2013 às 18:44
Meu Caro Bic,
aliás, tomo a liberdade de Lhe chamar a atenção para a denúncia dessa falcatrua difamadora ecoada pelo inefável casal Sartre/Beauvoir, em boa hora publicada por Alan Bloom no livro «A CULTURA INCULTA».

Abraço


De Bic Laranja a 6 de Maio de 2013 às 17:30
Não li o livro, mas o prezado Paulo suscitou-me o interesse.
Grato!


De Marcos Pinho de Escobar a 3 de Maio de 2013 às 04:12
Os democratas são numerólatras, menos quando os números não lhes são favoráveis. Mas uma coisa é certa: os alfabetos do Estado Novo não eram estatística - escreviam o que desejavam dizer e compreendiam o que liam. Da "fornalha" abrileira já não se pode dizer o mesmo.
Abraço, Caro Bic.


De Inspector Jaap a 4 de Maio de 2013 às 23:25
Muito bem dito! interessante seria este estatística considerar os analfabetos funcionais (chique, não?) que estão no grupos do alfabetos.
Cumpts


De Bic Laranja a 6 de Maio de 2013 às 17:44
Analfabetos funcionais são ditos os que modernamente padecem duma novidade chamada iliteracia (do amaricano 'illiteracy', que quer dizer -- pasme-se -- analfabeto, sem mais).
Também gostava que me explicassem qual a diferença funcional entre um analfabeto e um dito cujo funcional. Será a caligrafia? Ou será o funcional um analfabeto que funciona, enquanto que o analfabeto só anlfabeto não funciona...
São tudo questões de analfabetos, bem sei...
Cumpts.


De Bic Laranja a 6 de Maio de 2013 às 18:01
Numerólatras ou não, só o que lhes serve é a ideologia: a verdade é a ideologia e vice-versa; dantes pagavam viagens a Moscovo (ou à Sibéria) a quem a queria (devia) aprender. Agora pagamos nós a TV por cabo para no-la porem na mesa à hora de jantar. Ou a qualquer outra hora. Se quisermos só verdade sem ideologia não vendem. É o mercado...
Cumpts.


De Vítor a 3 de Maio de 2013 às 14:33
Porque me presumo pertencente à "fornalha abrileira", não posso deixar de concordar com o post e discordar do último comentário.
Sustento-me nos mais de 20 anos que levo de contacto diário com os que fizeram a "quarta classe antiga" e com os que deambularam pelos ciclos do ensino básico. Concluo tratar-se de realidades diversas e, cuja comparação, deve ser cuidadosamente ponderada.
Assumir a vantagem dos primeiros é, a meu ver, errado.
Mas, enfim, o monóculo muda de vista mas não de graduação.


De Inspector Jaap a 4 de Maio de 2013 às 23:28
Então mude também a graduação e veja se descobre o que fez ao c.


De Bic Laranja a 6 de Maio de 2013 às 19:12
Eu não me presumo da fornalha abrileira, sou-o necessàriamente. De Outubro de 73 às férias da Páscoa de 74 só por engano havia de dar em «fachista».
Por ledo engano também, de certo, nutri durante e depois do 25 de Abril um certo fascínio pelos livros de leitura da primeira e da segunda classe, livros únicos do oficalão Ensino Ofical -- fachista, claro. Guardei-os logo desde criança e sem motivação de adultos, vá lá entender-se... enquanto a democrática liberdade não teve tempo de substituí-los com ou até sem proveito antes de 76. Pois logo nesse ano que era o da minha terceira classe primeira fase do segundo ano, o livrinho de leitura lembra-me bem o seu nome: «Vento Novo»; uma baforada ideológica logo no título bufado às ventas de criancinhas de 8 anos, que era o que a livre domocracia gastava (hoje começa mais cedo). Nunca tive pulsão de o conservar como aos outros, não sei dizer porquê. Talvez da liberdade de o poder deitar fora... Do livro da 4.ª classe, esse nem o nome me ficou, muito por efeito da tal fornalha que começava a derreter as criancinhas, já não na 4.ª classe, mas na segunda fase do segundo ano.
Dou-lhe razão, porém, em que devemos ponderar sèriamente as comparações com realidades tão derretidamente diversas. Um homem é ele mesmo e as suas circunstâncias. Logo, um menino com a quarta classe em 1970 ou um menino com o quarto ano em 2013 não se hão nunca de comparar sem muita ponderação. Podia lá não ser!... O de 2013, além de 4 anos de meios dias na escola carrega outro tanto de outros meios dias em actividades na escola (muito doutrinadamente orientadas, nada de jogatana de bola ou correr o bairro a tocar às campainhas), a que somaremos a bem da liberdade e da democracia mais três anos inteirinhos de jardim-escola ou «escolinha» com, não esquecendo, todas as respectivas actividades orientadas por educadeiras certificadas e viagens de finalistas. Havemos de admitir: dois democratíssimos ciclos de ensino assim como se praticam em 2013, e em plena liberdade, equivalem no mínimo ao antigo sétimo ano dos liceus e talvez mais o propedêutico. Que pode alguém com a 4.ª classe de 1970 ser ao pé disto senão um mono que aprendeu a ler, escrever e contar?!...
Que espécie de gente anda o estado a criar agora é que eu não sei.
Cumpts. :)


Comentar

Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
15
17

18
19
20
21
24

25
26
27
28
29
30


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----