Terça-feira, 26 de Abril de 2016
Casal Vistoso ou Quinta das Ameias

I.S.T., Lisboa (M. Novais, anos 30)

  O adjectivo 'vistoso' é comum ser usado por elegante ou garrido, mas significa primeiramente dar nas vistas, isto é, que se vê ou avista distintamente. A fotografia acima (1) foi tirada aquando da construção do Instituto Superior Técnico. Cuido que o benévolo leitor não achará difícil ver um casarão que se recorta contra o horizonte encimando uma colina. Fica na direcção do Areeiro. É o Casal (lá está!) Vistoso.
  A designação Quinta das Ameias, por que também era conhecido, ela advém-lhe do que se notava vendo mais ao pé, quando se percebia a casa cujos muros eram recortados em ameias.
  Há algo mais a dizer sobre...

Casal Vistoso, Areeiro (A. Serôdio, 1974)
Casal Vistoso tomado da Av. Gago Coutinho, Areeiro, 1974.

  O Casal Vistoso é do séc. XVII. Os Abreu e Castro, a quem talvez tenha pertencido nesse século (ou no seguinte), não soube eu agora descobrir quem foram. Não sei se a quinta coincidiria então com os limites que conhecemos da Planta Topográfica de Lisboa de 1908 (2) mas julgo que sim. Tinha esta quinta rudemente a forma duma meia lua em fase de minguante. De Sul para Norte, ia desde os terrenos próximos da Rua do Garrido até ao planalto onde hoje ficam as ruínas do Casal e, para lá dele, até umas terras sobranceiras à linha de cintura, no troço entre o Areeiro e Chelas. Confinava a Leste com o Casal dos Arciprestes (3), a NO com a quinta dos Peixinhos (4) e a SO e S com a quinta do Bacalhau. Entre esta e ela, corria a Azinhaga do Areeiro.

Planta 12 M, Lisboa (Planta Topográfica de Lisboa, 1908)
Planta Topográfica de Lisboa: 12 M [correspondência actual: Areeiro, Casal Vistoso, Av. Afonso Costa, Olaias], Lisboa, 1908.

  O casal propriamente dito situava-se no ponto mais alto da quinta. Tinha (e ainda tem) portão de entrada pelo Norte, que antigamente ficava no fim dum caminho em cotovelo que subia desde o velho lugar do Arieiro (Estrada de Sacavém). Formavam o Casal duas filas de casas alinhadas de Poente para Nascente com um pátio entre elas. Um jardim de buxo nas traseiras das casas no lado Sul deixa presumir que estas eram as principais. Tinha o jardim um muro de cercadura com ameias e sacadas de arco quebrado.
  Todas as casas eram térreas excepto a do topo oriental da fileira Sul, que tinha um sobrado com telhado de quatro águas. As da fileira Norte, mais pequenas, destinar-se-iam porventura ao serviço da quinta ou a habitação de criados.
  Há testemunho (5) que teve o Casal Vistoso interiores decorados com azulejos de Delft e que serviu o lugar de retiro do príncipe D. Luiz Filipe. Este facto leva-me a admitir que o Casal passou ao património da Coroa depois de ter pertencido à condessa d' Edla, à semelhança do palácio da Pena que el-rei D. Carlos [Luiz] tomou para a Coroa mediante indemnização. Neste caso do Casal Vistoso é uma mera conjectura, porém.

Casal Vistoso, Lisboa (A.Serôdio, 1974)
Casal Vistoso tomado da Rua Sarmento Beires, Areeiro, 1974.

  Sem mais trabalho de arquivo (6) é difícil adiantar aqui mais. É uma pesquisa que caberia à D.G.E.M.N. que, por motivo dalgum interesse tardio lançou a quinta no seu inventário em 2002 (7); então as casas eram já um pardieiro inqualificável. O caso deve obedecer a uma dessas formalidades de registo (descargo de consciência?); o mais difícil não se fez...
  Os projectos de urbanização do Casal Vistoso no Arquivo da Câmara levam a crer que esta propriedade pertença ou haja pertencido à C.M.L., mas não posso garantir (8). O Inventário Municipal de Património (9) regista-a, mas tal também não significa nada em termos da conservação do património. A história desta quinta, tudo parece, há-de contar-se pelo número de mamarrachos que nela se conseguirem construir.

Casal Vistoso, Lisboa (A. Serôdio, 1974)
Portão do Casal Vistoso, Areeiro, 1974.
 


(1) Recorte destacado dum original do Estúdio de Mário de Novaes (1933-1983), in Biblioteca de Arte da F.C.G..
(2) J.A.V. da Silva Pinto, A. de Sá Correia,
Levantamento da Planta de Lisboa: 1904-1911: planta 12 M (des. por Abel Santos), Lisboa, 1908.
(3) Há referências a este casal como sendo dos Aciprestes ou Ciprestes.
(4) Uma visão do estado actual desta quinta dos Peixinhos em
Que cidade é esta, Lisboa S.O.S., 19/12/2009.
(5) Dr. Quintanilha Mantas. Cf. Dom Gastom, in
Quinta das Ameias ou Casal VistosoRuinarte, 20/12/2009.
(6) O
Arquivo Municipal refere o Casal Vistoso sobretudo a propósito dos planos de urbanização dos anos 60 para cá. Outras referências marginais prendem-se com o alargamento da Estrada de Sacavém c. 1890.
(7) Cf.
D.G.E.M.N., Nº IPA PT031106030236.
(8) Arquivo da C.M.L.,
Projectos de construção de arruamentos do Casal Vistoso.
(9) C.M.L., Plano Director Municipal, anexo I (
Inventário Municipal de Património), 03.02.
Fotografias do Casal Vistoso em 1974: Armando Serôdio, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

(Originalmente publicado às vinte para as dez da noite de 27/XII/2009.)



Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | Comentar

43 Comentários:
De MCV a 28 de Dezembro de 2009 às 17:37
Sempre me intrigou esta construção ameada, ali na colina.
Com este e outros textos seus, tenho vindo a conhecer-lhe a história.
Obrigado.
Abraço


De Bic Laranja a 28 de Dezembro de 2009 às 17:50
Obrigado eu pelo seu interesse. Cumpts.


De Gastao de Brito e Silva a 28 de Dezembro de 2009 às 21:14
Ao fim de tantos anos em que me interrogava sobre esta ruína, finalmente consegui saber algo mais sobre a sua história...bem hajas Bic Laranja, por este teu grande trabalho...


De T a 28 de Dezembro de 2009 às 23:13
Ui, Casal Vistoso! Vou mostrar esse seu post a um amigo meu:)


De Bic Laranja a 28 de Dezembro de 2009 às 23:57
E saberá ele dizer-nos quem foram os Abreu e Castro?
Obrigado!


De Bic Laranja a 28 de Dezembro de 2009 às 23:55
O seu artigo foi inspirador. Obrigado eu.
Cumpts.


De tron a 29 de Dezembro de 2009 às 00:21
o que foi feito disto tudo ??


De Bic Laranja a 29 de Dezembro de 2009 às 11:33
Aqui e aqui.~
Cumpts.


De tron a 29 de Dezembro de 2009 às 12:45
ficou uma ruina daquilo que era


De Attenti al Gatti a 29 de Dezembro de 2009 às 00:31
Aí pelos meus quatro anos ía com o meu pai, aos Domingos de manhã, à Rua Alves Torgo. Fatalmente, fugiam-me os olhos para o Casal Vistoso, lá no alto. O edifício causava-me uma impressão que nunca conseguí definir. Talvez fosse o ar de castelo assombrado, com aquelas estranhas cinco janelas,sem portas, a deixar vêr o Sol através delas, não sei. Também não sei porque nunca o fotografei. E oportunidades não faltaram até porque estive lá dentro há uns anos atrás.
Mas estou convecido que se mais este magnífico trabalho de Bic Laranja tivesse aparecido nessa altura, as coisas teríam sido diferentes. Também já não sei se prefiro continuar a vêr aqueles restos de paredes que balizam as minhas memórias de infância ou se seria melhor que desaparecessem rápidamente, pondo fim ao pungente espectáculo de uma morte a conta-gotas. Mas de uma coisa tenho a certeza: uma casa que albergou gente tão ilustre não merecia este fim.


De Bic Laranja a 29 de Dezembro de 2009 às 18:07
Dava realmente nas vistas e daí o teor de muitos dos comentários. Mas o valor dos séculos hoje só se mede ao m2.
Cumpts.


De pedro a 29 de Dezembro de 2009 às 14:59
Este post matou a curiosidadeque tinha sobre aquela ruína há imenso tempo. Muito obrigado pelo belíssimo trabalho.
Com frequência insistem para que faça um livro, pois eu insisto para que faça também um de passeios por Lisboa....e que maravilha seriam se fossem interpretados pelo autor.
Bom 2010!


De Bic Laranja a 29 de Dezembro de 2009 às 18:09
Obrigado pelo apreço.
Feliz 2010!


De T a 29 de Dezembro de 2009 às 21:03
LIVRO! LIVRO! LIVRO!

Tanta porcaria a ser publicada neste País, e este excelente material não se edita? Porquê?

Queremos LIVRO!

Olhe que crio uma página no Face Book a dizer Queremos livro do senhor Bic Laranja!


De Bic laranja a 29 de Dezembro de 2009 às 22:30
Obrigado! Mas isto é muito pouco. :)
Bom ano novo!


De pedro a 30 de Dezembro de 2009 às 08:27
Mas avise aqui no blog para eu me inscrever logo de seguida no facebook :-)


De T a 30 de Dezembro de 2009 às 10:22
Crio? Estou já de dedo no ar !


De Bic Laranja a 30 de Dezembro de 2009 às 11:19
Obrigado, mas não.
Cumpts.


De emília reis a 1 de Janeiro de 2010 às 19:54
Não creio que a Quinta das Ameias tenha pertencido alguma vez à Condessa d'Edla porque não consta no testamento através do qual a Condessa se tornou a única herdeira dos bens que foram propriedade de D.Fernando no Concelho de Sintra, o Palácio da Pena e as várias Tapadas que adquiriu, que são os únicos nele mencionados.
Era curioso saber de onde veio a informação de que D.Fernando e a Condessa d'Edla teriam ocupado para veraneio esta Quinta.
emília reis


De Bic Laranja a 2 de Janeiro de 2010 às 13:06
A presença da condessa d' Edla na quinta das Ameias (cf. Jorge Santos Silva, «A dama de Sintra, o apagar de uma memória», in Lesma Morta, 23/2/2008 e J. F. do Alto do Pina, História da Freguesia). Sendo certo que nenhuma delas dá a fonte, tal não lhes retira à partida o crédito. Mas concordo com a prezada leitora: seria muito interessante conhecer a origem deste dado.
Cumpts.


De emília reis a 1 de Janeiro de 2010 às 22:41
Será mais correcto dizer que a Condessa d'Edla herdou tudo o que por lei o Rei D.Fernando II podia dispor dado que existiam ainda vivos, à data da sua morte, três dos seus filhos do casamento com D.Maria II e os netos filhos da Infanta D.Maria Anna entretanto falecida. O testamento diz: "...todas as minhas propriedades situadas no Concelho de Cintra, taes como, palacio da Pena e pertences, incluindo os chalets , castello dos Mouros, quinta da Abelheira e pertences, S.Miguel e pertences, as tapadas ultimamente compradas, incluindo a tapada nova dos Capuchos, assim como a mobilia , prata, loiças, e mais recheio do palacio da Pena, dos chalets e das outras casas acima mencionadas".
O Palacio e Parque da Pena assim como todas as restantes propriedades foram posteriormente vendidas, pela Condessa d'Edla , ao Estado depois das enormes polémicas que o testamento levantou e que são conhecidas.
Portanto, não é provável a hipótese de que a Quinta das Ameias tenha pertencido à Condessa d'Edla .


De Bic Laranja a 2 de Janeiro de 2010 às 13:13
Nada garante que a quinta tenha pertencido ou não à condessa (pode tè-la habitado como simples locatária); o facto, porém, de não constar fo testamento de D. Fernando II garante-nos que lhe não pertenceu a ele.
Cumpts.


De Jacinto Apóstolo a 28 de Junho de 2010 às 16:42
Obrigado pelo vosso artigo sobre o Casal Vistoso.
Tenciono apresentar uma proposta ao orçamento participativo da CML para Reconversão do mesmo em Jardim Público com a componente de conservação da memória do sítio.


De Jacinto Apóstolo a 28 de Junho de 2010 às 16:50
Peço desculpa, mas na minha comunicação de há pouco esqueci-me de inserir um parágrafo a pedir a vossa colaboração e qualquer eventual achega para a defesa da pretensão de salvar/resguardar aquela zona da invasão do cimento em bruto.


De Bic Laranja a 29 de Junho de 2010 às 00:28
De nada. Disponha do artigo se para tal tiver préstimo. Mais não sei em que possa valer na sua pretensão.
Cumpts.


De Jacinto Apóstolo a 29 de Junho de 2010 às 11:42
Obrigado. Eventualmente irei citar o seu blog/artigo. O que me dava mesmo jeito era conseguir saber a quem pertence o Casal Vistoso/Quinta das Ameias. O sítio da CML, no Levatamento do Parque Edificado Devoluto, diz sobre a propriedade do dito: "Sem Informação". E eu digo "sem comentários".


De Bic Laranja a 29 de Junho de 2010 às 22:58
Também não sei a quem pertence. Supunha que fosse da Câmara. Na certa já ninguém sabe...
Cumpts.


De Jacinto Apóstolo a 17 de Setembro de 2010 às 16:53
Tenho o prazer de informar que o meu projecto (nº 813) para reconversão em jardim público da Quinta das Ameias/Casal Vistoso foi considerado para concorrer ao orçamento participativo da CML. Favor ver http :/ www.cm-lisboa.pt op / action =3&fnum=813&fprojecto=S
Esse sucesso deve-se certamente ao facto de ter indicado o blog biclaranja como suporte do projecto.
Solicito a V. melhor colaboração para a concretização do referido projecto.


De Jacinto Apóstolo a 17 de Setembro de 2010 às 17:10
Peço desculpa mas o endereço correcto é:
http://www.cm-lisboa.pt/op/?action=3&fnum=813&fprojecto=S


De Bic Laranja a 17 de Setembro de 2010 às 23:03
Prezado sr. Jacinto Apóstolo,
É uma rica notíca!
O mérito, contudo, deve-se necessariamente a si. Fico-lhe grato pela profícua utilização que deu a este modesto verbete.
Por favor diga-me para biclaranja[a]sapo.pt em que poderei ajudar a levar por diante o projecto.
Cumpts.


De Fernando Sarzedas a 9 de Dezembro de 2016 às 14:59
Origem dos Abreu de Castro
http://genealogias.info/1/upload/abreus_castro.pdf


Comentar

Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

17
18

20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----