Quinta-feira, 12 de Junho de 2014
Pontapé na «chincha»

 Havia há dias uma batata caída no caminho ao pé do infantário. Ainda lá estava depois do feriado, redondinha, mesmo a pedir para jogar com ela à bola. Alembrou-me de em gaiato...
 Em gaiato, lá na rua é que havia uns com o bichinho do pontapé na bola, sempre sem conseguirem estar no que fosse a não ser a jogar a bola. Naqueles tempos, uma lata vazia, uma garrafa de plástico deitada fora, qualquer coisa que se pudesse chutar sem se desfazer nem fazer mossa nos pés (e ainda assim) e lá vinham umas fintas... Ainda agora se isso vê em latagões de sempre alienados ao futebol; topam-se amiúde...  Mesmo assim eram tempos em que não abundavam pela rua objectos perdidos capazes para o pontapé, salvas as pedras da calçada, que não davam jeitinho nenhum para uma futebolada. De modo que achar uma batata...
 A grande dificuldade era havermos chincha (*) a sério para dar uns toques, para jogar um desafio como devesse ser. Bolas de borracha lá na rua eram só dalguns afortunados que as tinham, normalmente birrentos como o caneco e que, volta não volta, amuavam por mau perder ou por lhes não passarem a bola em todas as jogadas. Iam dali com a bola só sua e amandavam-na para a varanda da avó. Arrumavam de vez com o divertimento de todos por capricho particular e pronto!...
 Das bolas de borracha que havia, as mais vulgares que me recorda, eram umas dos iogurtes Grande Ponto. Quem juntasse 25 frascos dos iogurtes ia à fábrica que era mesmo lá na rua e podia trocá-los por uma bola de borracha. A minha mãe não apreciava desafios de bola como eu nem nunca teve a paciência de me deixar ajuntar 25 frascos de iogurte; bem lhe eu o pedia, mas logo que somávamos 5 deles, trocava-os por 1 copo de vidro, o outro brinde da fábrica dos iogurtes. Calhava-lhe decerto melhor sobretudo por me não agravar o risco de vir a quebrar alguma vidraça aos vizinhos com boladas. Coisas de mãe.
 Uma vez comprei uma bola de plástico na drogaria do Sr. Aníbal; eram a vinte e cinco tostões, baratinhas à brava! Percebi logo como ninguém as não comprava: dois pontapés mais valentes e a bola rebentava-se; por isso todos as desprezavam como coisa de bebé. Ainda me soam os outros: Hi, uma bola de plástico, pff!...
 Lembro-me ao depois de, finalmente, ainda franzino, ter desencantado dinheiro nalguns recados a carregar garrafões 5 L de água do Luso (aos pares) para o sr. Praças e no aviar de mercearias, drogarias e uns Alka Seltzer na farmácia para a D.ª Libânia. Consegui comprar uma Futebol 2 de borracha castanha; era maior que a Futebol 1 e mais em conta que Futebol 3, a maior de todas.
 Azar desgraçado!
 Estávamos nas primeiras vezes a jogar aos centros e num remate desajeitado meti-a eu próprio pela janela do velho do 72. Cavámos dali todos a correr que o velho era carrancudo e embesoirava com as nossas jogatanas de rua. Nunca me afoitei em lá ir pedir-lha, não fosse ter partido alguma jarra à mulher do velho ou algo assim e ter de lha pagar.
 Isto era o que havia de bolas lá na rua e nem era mau, comparando...  Às vezes tresmalhava-se por lá pela rua algum copinho-de-leite mais precioso, equipado a preceito, com botas de jogador (não sabíamos dizer chuteiras) trazidas de Badajoz e bola de cá-de-chumbo (ninguém sabia do que fosse caoutchouc e cá-de-chumbo soava mais que certo; aquelas bolas pesavam que fartavam). Estas aparições de cromos de caderneta eram um acontecimento, mas também ele era ver a inveja roer-nos fundo por o bijou não querer passar a bola a ninguém para dar um toquezinho sequer, nem querer fazer um desafio por se lhe não engelhar o equipamento. Meninas do caraças, pareciam o Nené!...


Bola de cá-de-chumbo do Mundial de 74...


(*) Chincha era bola na nossa gíria de rua. Não lhe encontro este significado nos dicionários que consultei. Não sei se se usava noutros bairros.



Escrito com Bic Laranja às 18:15
Verbete | Comentar

12 Comentários:
De MCV a 13 de Junho de 2014 às 06:42
Chincha já no meu tempo e na minha zona suburbana e saloia era um dos termos.
Haveria de estar espalhado um pouco por todo o lado.
Quanto à origem...
Abraço


De Bic Laranja a 13 de Junho de 2014 às 11:45
Usava-se noutros bairros, portanto.
Cumpts.


De Pedro Jaime a 13 de Junho de 2014 às 22:34
catchumbo tem mais pinta


De Bic Laranja a 13 de Junho de 2014 às 23:12
Não tem nada.

Abraço.


De [s.n.] a 16 de Junho de 2014 às 15:09
...exactamente, sempre a conheci por chincha ou pelo nome cientifico de cá-de-chumbo! e muitas vezes no verão ao fim de semana havia uma jogatana ou uns centros no relvado da Alameda... até aparecer a bófia!


De Bic Laranja a 16 de Junho de 2014 às 17:11
Confirma-se o uso noutros bairros, pois.
Cumpts.


De ASeverino a 17 de Junho de 2014 às 13:54
E não é que fiquei ontem a saber que o Fábio Coentrão (discípulo de JJ no português) não era médico...


De Bic Laranja a 17 de Junho de 2014 às 17:51
Discípulo do J.J.?
Cumpts.


De ASeverino a 17 de Junho de 2014 às 19:12
O tal dos pinates " (Jorge Jesus-treinador do Benfica) .

Mas ao menos louve-se-lhe o baile que deu ao treinador inglês quando, em Inglaterra, este arrogante treinador do Tottenham se apressava para se pôr de escadote a gozar com o portuguesinho só que este felizmente não se pôs de cócoras como, se calhar a maioria dos "media" (é assim que agora se diz imprensa, não é...) mas dizia eu como a maioria dos jornalistas queria, tanto assim que ficaram logo todos indignados com a atitude "carroceira" (palavras deles) do JJ


De Bic Laranja a 17 de Junho de 2014 às 22:34
Confesso que me nem ocorreu o óbvio. Devo estar mais envelhecido do que pareço.
Agradeço-lhe a aclaração (muito melhor que dizer-se «esclarecimento», hem!) e louvo-lhe a fina ironia sobre essa língua de pau que escorre das melhores cabeças destes tempos.
E sim senhor, louve-se J.J. (o moderno) por manter vivos os pergaminhos dos velhos cocheiros e saber meter na ordem as bestas.
Quanto à não medicina do coentrão depreendo que seja descoberta dalgum jornalista, não...?

Cumpts.


De ASeverino a 17 de Junho de 2014 às 23:52
Declarações do Coentrão no final do jogo contra a Alemanha, quando saiu lesionado e os restantes mais tarde humilhados: senti uma coisa, uma coisa na perna, mas não sou médico, é coméudigo não sou médico...

Daí eu ter salientado que não era preciso ele dizer, não acha meu caro amigo?

A propósito da expulsão do brasilênho Pepe, que muitos jornalistas da praça acharam exagerada, mesmo depois deste ter pregado uma cabeçada no seu adversário: é que um gajo quando é rufia da favela é rufia da favela mesmo que se desloque de Porshes.


De Bic Laranja a 18 de Junho de 2014 às 12:10
Foi bom ele ter dito porque assim ficamos aclarados; nunca se sabe quantos não passearem numa dessas nas universidades socrático-rélvicas...
O que eu perco por perder os campeonaatos de martraquilhos.
Cumpts.


Comentar

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----