7 Comentários:
De [s.n.] a 29 de Agosto de 2017 às 20:33
Se este não foi ainda derrubado deve estar guardado para os 'irmãos' ou para uma sede de partido (dos deles), é mais do que certo. +E como o outro do lado opostro, como bem frisou.

Não sei se é por ser Prémio Valmôr que nãofoi abaixo, não cheguei a ler toda a sua história, mas mesmo que o fosse isso não impedia a malta brava (que tem vindo a destruir tudo o que era belo na cidade de Lisboa) de o derrubar, como sucedeu a outros P.V. lindos, sitos na então perfeitamente urbanizada e muito bonita Av. da República.

E já agora é bom não esquecer que os energúmenos fizeram o mesmo ao esplêndido Cinema-Teatro Monumental.

Quando é que nos vamos livrar destas criaturas infectas que só vieram para o nosso país para nos fazer mal?
Maria


De Bic Laranja a 29 de Agosto de 2017 às 22:24
Não foi prémio Valmor. Teve sòmente uma menção honrosa em 1912. Mas mesmo se o fôra, de nada servia, como é evidente...
Cumpts.


De [s.n.] a 29 de Agosto de 2017 às 23:28
Exacto, não podia ter mais razão. Todos eles crimes urbanísticos e todos sem punição. Pulhas.
Maria


De Mandarinia a 31 de Agosto de 2017 às 14:42
Caro Bic,

Também os lindos candeeiros que se vêem na fotografia há muito desapareceram. Derrubam-se edifícios, candeeiros, vai tudo a eito. Não fica assim a cidade descaracterizada?

Cumprimentos


De Bic Laranja a 31 de Agosto de 2017 às 21:58
Fica. Esses lampiões de pé, na' ruas onde resistem, dão logo outro encanto. A Rua Eduardo Brazão é dessas.
Noutras, como a Av. Álvaro Pais, puseram uns palitos todos modernaços que até fazem aflição.
Uma desgraça!

Cumpts.


De José Leite a 2 de Setembro de 2017 às 17:58
Caro BIC

Um aditamento: Esta casa foi projectada pelo arquitecto Manuel Norte Júnior, e concluída em 1912 para o seu primeiro proprietário Nuno Pereira de Oliveira.

Cumprimentos


De Bic Laranja a 2 de Setembro de 2017 às 18:50
Sim. Faltou esse pormenor.
Obrigado!


Comentar