Segunda-feira, 14 de Setembro de 2015
Redondilha maior

Garrett, «O Romanceiro», Simões Lopes, Porto, 1949 (In Livros Suméria)

 

Ora da nau catrineta (*)
Dela vos quero contar!
Ouvide agora, senhores,
Uma história de pasmar.

                == // ==


Lá vem o João Ancinho
Que tem muito que plantar
Sacos, alfaias, sementes,
E a Dyane a transportar.

— Bom dia! — Viva! Bom dia!

*  *  *


 
No sossego dum destes serões lia calmamente eu a Garrett no Romanceiro: Esta é sem questão a mais geralmente sabida e cantada de nossas xácaras populares, a «Bela Infanta», cujos versos são aqueles — Estava a bela Infanta // No seu jardim assentada // Com o pente de oiro fino // Seus cabelos penteava &c.Estranha coisa a dos referenciais. A verdade dela, que me deixa até nalguns cuidados, é que no ritmo dos versos que lia e trauteava mentalmente vinha-me à ideia aquela velha ladainha publicitária da Citroën Dyane, que aprendi de ouvido em pequenino: Lá vem a D.ª Maria // Mais o seu belo carrinho // Leva os meninos à escola // Faz as compras de caminho. // E eu a vê-los passar...
 Os meus cuidados são, pois, aflição fácil de entender a quem me conheça: a xácara da Bela Infanta, a mais geralmente sabida e cantada das nossas xácaras populares, nunca a conhecera eu de tradição oral, nem de lê-la sequer, senão agora nesta idade que a lia. E no entanto o reclamo da Dyane (uma coisa moderna e lá de fora) aprendera-o em tenra idade como por... tradição oral. Que ironia!
 Metido nestes cuidados, pois bem, lembrei-me d' A Nau Catrineta, o único rimance aprendido de que retinha memória; bem certo que lhe não sabia mais que um par de versos (que aflitiva falta de cultura, Jasus!), mas pelo menos tinha-o de ouvir dizer. E folheando adiante o Romanceiro que lia sempre o achei — Lá vem a nau Catrineta // Que tem muito que contar! — A semelhança com aqueles Lá vem o João Ancinho // Que tem muito que plantar é evidente, mas nunca tal me ocorrera até ali. Bem lhes percebo, agora, aos do anúncio, a inspiração. Já lá vamos...
 O caso é que A Nau Catrineta, como todo o romanceiro português, esqueceu. Se se ouve é como curiosidade etnográfica; se sobrevive é em livros que poucos lêem; pode até dar (e talvez deia) nas TV, mas como coisa de museu, nada como as ladainhas repetitivas e efémeras da publicidade hodierna. Aquele velho e vivo repetir dos romances populares na voz das gentes acabou; hoje trauteiam-se outras coisas...
 Desculpo-me da minha ignorância do romanceiro português com fracos argumentos, pois bem. E com uma descoberta: nestas cogitações apercebi-me do saber literário e da destreza poética do publicitário por estribar-se habilmente nos versos d' A Nau Catrineta; se bem que gente em geral como eu nem haja aprendido o seu romanceiro, o ritmo que ancestralmente nos fazia, aos portugueses, com toda facilidade reter de ouvido os romances da tradição era a redondilha maior, que é muito do génio da nossa linguagem. Vejo por conseguinte como são os versos da Citroën Dyane todos em redondilha maior e como me por isso ficaram até hoje no ouvido. Se n' é cousa de pasmar, é bem ela de admirar.

Lá vem o João Ancinho
Que tem muito que plantar
Sacos, alfaias, sementes,
E a Dyane a transportar.

— Bom dia! — Viva! Bom dia!

Lá vem a Dona Maria
Mais o seu belo carrinho
Leva os meninos à escola
Faz as compras de caminho.

(Nhã nhanhã nhanhã nhã!)

E eu a vê-los passar!

Que diabo de negócio
Eu havia de arranjar:
— Gasolina, mal precisam!
— Oficina, nem falar!

 

 


(*) Sigo a lição da Estremadura ensinada em nota por Garrett, que preferiu seguir no seu Romanceiro a mais geral Lá vem a nau Catrineta // Que tem muito que contar (ed. do Círculo de Leitores, 1997, p. 272).

Imagem dos Livros Suméria.



Escrito com Bic Laranja às 07:45
Verbete | Comentar

2 Comentários:
De Inspector Jaap a 15 de Setembro de 2015 às 17:51
Obrigado, Caro Bic, por me ter feito sorrir e lembrar os tempos de infância da minha filha mais velha; nesse tempo ainda havia neurónios nos publicitários (que eram uns exagerados - lembra-se?); agora é o deserto em todo o seu esplendor.
Cumpts


De Bic Laranja a 15 de Setembro de 2015 às 20:22
Assistimos a histriões como cachos...
Tão cachos que ante uma Sagres querem rimar milagres. Milagre, como sabemos, era ser tinto.
É o pátio das cantigas em sinapses de euromelões...
Cumpts.


Comentar

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
13

15
16
17
18
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----