Sexta-feira, 28 de Abril de 2017

Salazar, por Franco Nogueira

« Termino com este sexto volume a biografia de Oliveira Salazar. Na portada do primeiro tomo, afirmei o propósito de isenção, serenidade, frieza e recusa a elogio e vitupério. Quanto humanamente viável, penso que o consegui. Creio que não terei agradado aos fanáticos de sinais opostos: para uns, não afirmei com suficiência a grandeza do homem; para outros, não fiz sobressair as suas sombras o bastante. Mas em verdade eram outros os meus desígnios: aproveitar os documentos, descrever os factos, intervir nas fontes o menos possível [...] Figura de muitos ângulos, com traços contraditórios e sempre vincados, de características extremadas, Salazar presta-se a muitas versões, a muitos retratos, e todos verdadeiros ainda que falsos se incompletos. Ao erguer uma biografia daquele homem, que poderia perguntar-se às fontes disponíveis? Era um homem com força de vontade inquebrantável? Era lúcido, inteligente? Era honesto, incorruptível? Era duro, autoritário? Era vaidoso, arrogante? Era frio, insensível? Era nervoso, emotivo? Era ambicioso, amante do poder? Era bom português, patriota? Todas estas perguntas se poderiam formular, e mil outras; há elementos para lhes responder, e documentação para comprovar as respostas. Seria viável escrever uma biografia que seleccionasse algum daqueles traços, e o transformasse no tema central. Seria viável; mas não seria intelectualmente e historicamente honesto. Será isso, no entanto, que pretendem os fanáticos a que aludi. Para uns, basta descrever um Salazar desumanizado, provido de todas as perfeições; para outros, se não se afirmar que Salazar foi um criminoso ou apenas um autoritário, não se está a compor uma obra exacta. Rejeitei as duas atitudes, procurei investigar [...] Alguns criticaram os volumes precedentes porque, da sua leitura, o leitor desprevenido poderia concluir que o biografado fora um homem de génio, e portanto eu estava sendo parcial, ou faccioso. Ora a verdade é esta: Oliveira Salazar foi um homem de génio. «Não é popular afirmá-lo», escreveu um jornalista de extrema-esquerda, «mas foi-o». Enquanto não se aceitar esta realidade, nenhuma biografia daquele vulto político será possível, e é este ponto que muitos não sofrem reconhecer ou admitir, sendo levados a exigir uma biografia de Salazar necessariamente e exclusivamente demolidora. Desde que o não seja, pensam que não é isenta e que é unilateral. Mas do facto de ter sido um homem de génio não se segue que haja sido um intocável, um divino, um santo, e há que aceitar também esta realidade, porque de outro modo continua a não ser viável uma biografia, salvo se esta se confinar ao panegírico hagiológico. No mais, e quanto aos cinco volumes já publicados, ninguém impugnou um documento e a sua interpretação, ninguém contestou um facto e a sua relevância.

  Outro equívoco importa destruir: afirmar a genialidade de Salazar não implica compromisso político ou ideológico; é um acto de inteligência, que não traduz adesão a princípios, ainda que lúcida e independente, e muito menos devoção embevecida sem atitude crítica. Salvo excepções, para muitos políticos portugueses, todavia, negar hoje o mérito pessoal de Salazar (o que é diferente de negar o Salazarismo) tornou-se um expediente e um imperativo ou uma obsessão, parecendo que sentem terror de uma sombra que se diria esmagá-los, ou de uma comparação ou paralelo que se diria diminuí-los; mas esses, quase clandestinamente, não têm deixado de se debruçar sobre a vida e a figura de Salazar na ânsia de descobrir o segredo e a receita da sua longa permanência no poder. No fundo, sentem avidez de mando, pouco democrática, e que parece julgarem ser-lhes inerente; e desejariam saber como exercer esse mando a título vitalício, e sem restrições. Ao fim e ao cabo, têm ânimo de ditadores, sem espírito de servir nem de sacrifício, com gosto pelo exercício pessoal de um poder arbitrário e discricionário, que não estava nas coordenadas de Salazar. Simplesmente o génio não se transmite por herança nem é susceptível de cópia; e os imitadores são epígonos, a situar no limbo da história.»

Franco Nogueira, Salazar; O Último Combate (1964-1970), Civilização, Porto, 1985, pp. XI-XIII.

Franco Nogueira, «Salazar», Atlântida/Civilização, 1977-85.

Escrito com Bic Laranja às 22:00
Verbete | comentar
6 comentários:
De Valdemar Silva a 30 de Abril de 2017 às 00:13
Ó Dr. Franco Nogueira, afinal houve ou não houve salazarismo? A Mocidade Portuguesa, a Legião Portuguesa e a PIDE-DGS(tropa de choque e polícia política iguais /cópias às da Alemanha nazi) representavam o salazarismo? As prisões para os contestatários ao governo/situação, censura prévia de tudo, de jornais, rádio e televisão e livros, teatro, música, cinema nacional e estrangeiro, representavam o salazarismo?
Ó Dr. Franco Nogueira isto (foi) foram mais de 40 anos. Isto, para isto é como quem diz, para isto tudo, nem uma palavrinha.
Ó Dr. Franco Nogueira, afinal esta situação, toda esta situação foi necessária para quê? Não consegue explicar e 'passa a bola para canto', assim também eu, ou afinal houve salazarismo.
Valdemar Silva
De Zé bigode a 29 de Junho de 2017 às 15:36
Ó Valdemar Silva, e hoje é melhor? com toda a corrupção, o porreirismo dos subsídios, as nacionalizações compulsivas expropriando a propriedade privada construída a pulso, a falta de identidade e soberania nacial, somos uns paus mandados da Alemanha e união eurpeia. Ao menos nesse tempo tinhamos rumo, destino, força e pulso. Por isso Caro Valdemar enfie os cravos para perfumar as nádegas!
De [s.n.] a 30 de Abril de 2017 às 19:32
Fugiu-me mesmo agora um comentário inacabado. Só faltava concluir a última frase:

"... a esquerda reinante não o quer admitir e menos ainda aceitar por pura inveja e ódio a quem, contràriamente a eles que nada construíram e só têm destruído, tanto fez por Portugal. Têm porém de se capacitar de uma vez por todas que Salazar foi um governante excepcional, um português de primeira, um herói. E como tal será lembrado por todos os portugueses, presentes e vindouros, que amam e respeitam acima de tudo a sua pátria-mãe.
Maria
De [s.n.] a 30 de Abril de 2017 às 19:55
Espero que a parte principal do comentário que me desapareceu de repente, tenha não obstante chegado ao destino, o que às vezes acontece e esteja guardado naqueles que vai retendo por algum tempo, para ir mantendo o controlo a que se tem referido... É que nele até dizia umas coisas interessantes relativas ao brilhante texto/página extraído do livro de Franco Nogueira e particularmente a Salazar.
Maria
De Bic Laranja a 30 de Abril de 2017 às 22:25
Desta vez não moderei. Infelizmente perdeu-se.
Cumpts.
De Bic Laranja a 30 de Abril de 2017 às 22:28
Não se capacitam. São gente dogmática, para não dizer outra coisa. Aliás, o catecismo já está aí, à vista.
Cumpts.

Comentar

Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____