Segunda-feira, 27 de Março de 2017
A Gùiana

Mapa da Gùiana, 1656

 O Fernando Alves perorava há pedaço sôbre a Gùiana francesa, êsse dept.º ultramarino da França. Claro que êle dizia Guiana sem ler o «u». Dizia e repetia. Repetiu sempre, porque não sabe, porque não aprendeu e nunca leu êste blogo. Mas lá do «quadro geral de instabilidade social» que lhe fere o sentido gramsciano com «acutilância social» e lhe inspira a veia social evangelista, disso sabe êle: quis morigerar a França por desprezar a sua possessão ultramarina, mas não pelo colonialismo — ele lá chegará... — Verberou-a, à França, porque na Gùiana, «uma em quatro famílias vive abaixo dos limites [há mais que um?] da pobreza» e porque «o desemprego na Guiana [sic] francesa atinge os 22%, enquanto na França metropolitana ronda os 9%». Eis já o colonialismo a aflorar pela faixa da esquerda, mesmo que se lhe pressinta, ao Fernando Alves, uma certa complacência de oratória neocolonial por êste «lugar recôndito», «parcela ultraperiférica da União Europeia» que «se sente abandonada» pela metrópole. Eis cá um dept.º ultramarino (não confundir com censuráveis províncias) duma França pós-colonial que hoje por hoje até sabe a pato porque… é «território da União Europeia». Isto é: é nosso, atributo de «favores mediáticos» bem calhado para legitimar todo o anticolonialista-neocolonialista-colectivista em geral, e o Fernando Alves em particular, no dever missionário de botar voto de faladura na matéria e enfiar por ali o bedelho à conta da sua moral social exclusiva e da impante solidariedade contra o desprêzo metropolitano. Tudo sem fascismo. Este é um ultramar que vem a calhar...

 O Ultramar português, em tempos, é que estava mal. Para começar era português. Depois tinha muita (demasiada) atenção da metrópole — um estôrvo. E enquanto cá penso nele, o Ultramar português, de sempre, esteve errado. Logo de há séculos, a julgar de como foi parida não só esta Gùiana «dept.º ultramarino da França», «território ultraperiférico da União Europeia», mas outrossim as suas gémeas inglesa e holandesa. É que desde que os portugueses se afoitaram ao mar e extenderam seus domínios — muito até por se não quererem meter em questões de castelhanos e outros dalém Pirenéus — que essoutros daí, pouco inventivos, mas mui cobiçosos, sempre lhe procuraram lançar a gadanha. É com isto que vêm a fabricar as Gùianas, êsses entalhes açucarados esculpidos do Brasil português e tão a jeito de lhe não deixar falecer, a essoutros, um quinhão do rendoso trauto açucareiro. Para êsses gulosos do açúcar do Novo Mundo, a geometria do encontrão e do latrocínio fazia escola já desde a pirataria atlântica (não sabiam navegar até mais longe) contra as naus da carreira da Índia. E de tal maneira lhes corre a inveja no sangue que só lhes podia infectar os bestuntos, como infectou, com requinte de régua e esquadro na partilha de África. Alemães e Belgas, incompetentes antes e após a conferência de Berlim na fabricação de impérios (ou reinos metropolitanos homogéneos que fosse), mas inchadíssimos de bazófia, melhor não arranjaram do que imperialmente se instalarem em África a abocanhar talhões portugueses. O Sudoeste africano alemão, o Sudeste africano alemão e a coutada pessoal de Leopoldo II, rei dos Belgas, são exemplos acabados duma velha história de esbulho e parasitagem advinda de terras de puritanos, modernamente sublimada nos foros do Direito Internacional e do concêrto das nações com o lindo nome de «autodeterminação dos povos», uma habilidade neocolonial.
 Aqueles outros (isto é irónico), brutos como bárbaros ou covardes como ratos, logo houveram de perder em África os impérios que nunca construíram e lhes fôram servidos de bandeja. Por cá também fizeram escola.
 Ora da França e da sua Gùiana, hoje, o melro Fernando Alves que assovie às massas a moral exclusiva que lhe aprouver. Mas, como orador que se quere de nomeada, aprenda a dizer Gùiana com todos os sons.

 

http://7.fotos.web.sapo.io/i/oa6140b94/17408127_eJ5bs.png

(Recorte de Rebelo Gonçalves, Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa, Atlântida, Coimbra, 1947, p.182.) 

(Revisto.)


Assunto:

Escrito com Bic Laranja às 19:02
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Segunda-feira, 28 de Março de 2016
A epifania

O Caso do Chalet Misterioso

 Esta fotografia atribuída ao fotógrafo Paulo Guedes (1886-1947), está titulada pelo AML como «Moradia», não referindo o local e, estabelecendo como data, uma qualquer década de «19--». O processo que levou à identificação do local deste estranho e misterioso chalet, tem algo de novela policial. Tudo por causa daquele prédio que ali se vê atrás. Havia qualquer coisa de familiar na traça daquele antigo edifício. Uns meses depois, procurando imagens para publicar aqui no tasco, eis senão quando, ao rever umas fotos da Praça do Saldanha, deparo nada mais nada menos que com o «prédio do anjo»: Eureka! Fez-se luz!
 Aquela sensação "familiar" tinha a ver com o "anjo". Depois desta epifania [!!!] o resto foi fácil. Bastou pesquisar no arquivo pela planta topográfica da zona do Saldanha,
et voilá! Ali se vê o contorno inconfundível do «Chalet Misterioso» e, logo ao lado, o "prédio do anjo, na esquina da Av. Fontes com a antiga estrada das Picoas (hoje Rua Engº Vieira da Silva). Já quanto à data da foto, a coisa já fia mais fino; a única pista que temos é-nos dada pelo sinal de "Paragem", plantado no candeeiro da esquina. O eléctrico já por ali passava desde 1902, era a carreira 2 (que na altura não tinha número), entre os Restauradores e o Lumiar (Estrada da Torre). Assim sendo, já é possível atribuir a localização exacta e, uma data aproximada, à fotografia d' «O Caso do Chalet Misterioso».

[Putativo autor Epifânio], «O último chalet da Avenida Fontes Pereira de Melo» [último?!...], in Lisboa de Antigamente, 27/9/2015 [sublinhados meus].

*   *   *

Epifania do dia de S. Lourenço, Biclaranja. 10/8/2011
Epifania do dia de São Lourenço
, Bic Laranja, 10/8/2011.



Escrito com Bic Laranja às 19:05
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

15
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----