Segunda-feira, 8 de Julho de 2024

Bailinho da Madeira

8/VII/1964 — 1.º voo Lisboa/Funchal. Início das ligações aéreas entre Lisboa e Funchal, e inauguração do aeroporto de Santa Catarina. 5 voos semanais.
L-1049 Super Constellation CS-TLC. Ctes. Pereira + Silva Soares.

Voo especial de inauguração Lisboa/Funchal, via Porto Santo, recebido em festa no aeroporto de St.ª Catarina.

Bailinho da Madeira no aeroporto de St.ª Catarina à chegada do voo inaugural, Madeira, 1964. Foto Perestrellos, in Museu da T.A.P.
Chegada do voo inaugural LIS/PXO/FNC, Madeira, 1964.
Foto Perestrellos, in Museu da T.A.P.



Escrito com Bic Laranja às 08:45
Verbete | comentar
Sábado, 29 de Junho de 2024

Algarve: colorido rodapé numa terra de lendas

Pintura mural de Manuel Lapa e Tomaz de Melo, Museu de Arte Popular, in «Panorama : revista portuguesa de arte e turismo», n.º 35, 1948
Pintura mural de Manuel Lapa e Tomaz de Melo, Museu de Arte Popular.
In «Panorama : revista portuguesa de arte e turismo», n.º 35, 1948.

Escrito com Bic Laranja às 09:45
Verbete | comentar | comentários (2)
Sexta-feira, 28 de Junho de 2024

5 carradas de couves

Cinco carradas de couves, Lisboa (Rio Tejo), 1958-70. Amadeu Ferrari, in archivo photographico da C.M.L.
Cinco carradas de couves, Lisboa (Rio Tejo), 1958-70.
Amadeu Ferrari, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 15:11
Verbete | comentar | comentários (10)
Quinta-feira, 27 de Junho de 2024

Ao largo da Alfama

Vista do Tejo sobre a Alfama, Lisboa, 1955-70. Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.
Vista do Tejo sobre a Alfama, Lisboa, 1955-70.
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 20:16
Verbete | comentar | comentários (4)
Terça-feira, 25 de Junho de 2024

VF617TL

Fragata VF617TL, Ribatejo, 1940-59. Ant.º Passaporte, in archivo photographico da C.M.L.
Fragata VF617TL, Ribatejo (Mar da Palha?), 1940-59.
António Passaporte, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 11:36
Verbete | comentar
Domingo, 23 de Junho de 2024

Portugal é isto

«Isto é Portugal» [Portugal é isto], A Bola, 23/VI/24.
«Isto é Portugal» [Portugal é isto], A Bola, 23/VI/24.

Escrito com Bic Laranja às 19:19
Verbete | comentar | comentários (12)

Lisboa!…

Fragata [i.é, varino] carregada com saccas — n.º 26,  Rio Tejo ao largo da Ribeira das Naus (Lisboa), [s.d.]. A. n/ id. in archivo photographico da C.M.L.
Fragata [i.é, varino] carregada com saccas — n.º 26, Rio Tejo ao largo da Ribeira das Naus, [s.d.].
A. n/ id., in archivo photographico da C.M.L.

 



Trio de Guitarras e Viola: Ant.º Coelho, Ant.º Martins e Augusto Nogueira, Selecção de Fados, 192…
In RDZ — Radiodifusão Zonofone.

Escrito com Bic Laranja às 08:10
Verbete | comentar | comentários (2)
Sábado, 22 de Junho de 2024

Imagem dum outro mundo… Português!

Linha de África da T.A.P. em Super Constellation, Lourenço Marques, 1962. A. n/ id., in Delagoa Bay. 
Linha de África da T.A.P. em Super Constellation, Lourenço Marques, 1962.
A. n/ id., in Delagoa Bay.

Escrito com Bic Laranja às 00:00
Verbete | comentar | comentários (11)
Sexta-feira, 21 de Junho de 2024

Interior original de um A.E.C. Regent III ou Regal da Carris

Inauguração da carreira 37, Rossio-Castelo, Lisboa, 1959. Armando Serôdio, in archivo photographico da C.M.L.

 Ainda me lembro dos bancos estofados de couro verde aos gomos, as molduras das janelas em madeira envernizada, as cortinas de couro ou lona verde, o chão de ripas para se não escorregar, os frisos cromados. O único plástico era a fórmica dos painéis de tecto. No meu tempo já não havia chapeleira.
 Não tinham ar condicionado, mas tinham quebra-sol ao longo das janelas e no óculo traseiro. Agora falem-me em ecologia, ou salvar o planeta ou lá o que é isso…
 As reformas em fins de 60 nestes autocarros de um piso — os primeiros que vieram, ainda pelos anos de 1940 — puseram-lhe portas automáticas e alargaram-lhe as plataformas traseiras em metro, metro e meio, retirando-lhe todos os assentos atrás do eixo traseiro para poder ensardinhar melhor os passageiros. Entre eixos, acabaram por ter só bancos de 1 lugar e não de 2, para ensardinhar mais ainda o que se pudesse o nobre passageiro, que assim viajaria confortàvelmente [ou aconchegadamente] de pé nas amplas coxias.
 Tem sido um aprimorar de qualidade que só visto. Parece-me que desde que o uso de chapéu caiu em desuso, ele é só barretes, mas ninguém repara. Já crescemos assim e a propaganda pinta a falta de qualidade ao contrário.

 

 A fotografia é da inauguração da carreira 37, Rossio-Castelo, em 10 de Agosto de 1959 e é de Armando Serôdio, à guarda do archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 17:04
Verbete | comentar | comentários (5)
Quinta-feira, 20 de Junho de 2024

De quando os verdes deram em laranjas

Autocarro 25A para a Portela (Urb. da), Terreiro do Paço (Museu da Carris,  post 1976
Autocarro 25A para a Portela (Urb. da), Terreiro do Paço, post 1976
Autocarros clássicos [sic], in Carris.


 Em 75 vieram Volvos para a Carris. Dera-se a viradeira em 74 e amigos da situação, agora, em 75, eram os Suecos. Suecos que pouco antes nos combatiam humanitàriamente em África… Mas disperso-me: os Suecos são tão virtuosos que ajudam sempre à paz e à concórdia, mesmo só entre alguns…

 Dera-se a viradeira, pois, e nada podia ficar como antes; era preciso mudar tudo. Nem que fosse só na aparência. Só a lembrança do passado!… Ainda agora…

 Vieram autocarros novos para a Carris e mudou-se a cor do verde oficial para o laranja nacional. Não só na Carris, portanto, mas em tudo o que rolasse ou vogasse como transporte colectivo nacional-izado: os comboios, as camionetas da carreira, até os cacilheiros… Para os autocarros, a Volvo deve feito preço humanitário ou deixado escorrer comissãozinha em boa paz; o Rui Mateus há-de sabê-lo, de tanto que andou ele tratando lá com os Suecos para firmar cá a democracia; ou o socialismo democrático… Mas disperso-me outra vez: isto são memórias dum P.S. desconhecido que não vêm muito agora ao caso dos autocarros laranjas.

 Vieram os Volvos e logo foram eles laranjas (cor de). Os verdes da frota não se iam em todo o caso e apesar de tudo jogar fora logo assim. Não! Talvez fosse vontade, mas naquele tempo eram os eléctricos que estavam mais na calha para liquidar. Bem que era imperativo mudar tudo, sim, mas calma! A seu tempo. Entretanto haviam de verter-se os verdes da frota em laranjas, a cor eleita dos amanhãs que já cantavam.

 

«Fumarada de autocarros; Lisboa em hora de ponta», Campo Grande, [1984]. Cristóvão Leach, in Busworld Photography, 28/IX/08.
Fumarada de autocarros; Lisboa em hora de ponta, Campo Grande, 1984.
Cristóvão Leach, in Busworld Photography, 28/IX/08.

 

 Não deixaram de me fascinar os novos Volvos laranjas quando os vi. Mas gostava mais dos velhos autocarros ingleses da Carris, de dois pisos e também dos pequenos, todos eles tão característicos com aquela cabina onde ia o motorista. E também gostava dos mais modernos dos verdes, pois então: os direitinhos, de que também havia pequenos; fascinavam-me desde que os vi com seu ar já moderno por 70 ou 71, a contrastar com os velhos que ainda tinham radiadores e faróis a fazer lembrar calhambeques. Ao depois então, os Volvos laranjas em 75 também me fascinaram. Mas tão só logo ali, quando foram novidade. Desencantaram-se-me depressa, não sei porquê… Sei: triviais, sensaborões, sem encanto, bem certo: levavam 90 passageiros de pé!…

 Quando começaram a chegar os laranjas, a Carris, entre ir deitando alguns dos velhinhos para a sucata, foi pintando de laranja os talvez menos cansados. Estes foram naturalmente os direitinhos: os Daimlers fleetline e freeline e os A.E.C. Regent V — os de porta à frente…

 

«Três gerações», Rossio (Biblioteca de Wood, 1980)
Três gerações [de autocarros], Rossio, 1980.
Biblioteca de Wood, n.º 1449, in Flickr.

 

  Por 1980 sobrava um punhado de Regents V ainda verdes, os tais de porta à frente, um ou outro direitinho dos mais modernos de dois pisos — uns que houve com duas portas — e alguns dos pequenos de três portas portas que normalmente faziam o 15, o autocarro das Portas de Benfica. Mas estes seriam uma questão de tempo, como foi, até acabarem laranjas.

 Dos de porta atrás a ficarem laranjas é que, nada.

 

Dois quinzes para as Portas de Benfica, Cais do Sodré (Biblioteca de Wood, 1980)
Dois quinzes para as Portas de Benfica, Cais do Sodré, 1980.
Biblioteca de Wood, n.º 1440, in Flickr.

 

 Por esse tempo, lembra-me de ter pensado: — Hão-de pintá-los talvez no fim dos outros!… — Mas mais que coisa certa, era desejo, muito pouco provável quando reflectia nele. Eu gostava daqueles autocarros Regent III de porta atrás: podíamos saltar deles em andamento… — Espigadote já então por essa época, saltar dos autocarros em andamento era coisa que me calhava bem nas voltas que dava. — Mas no tal caso da pintura laranja, em melhor juízo, não deveria ele de vir a ser; no mais, somava-se que se não ajeitavam os de porta atrás a serem automatizados. Era uma época em que um carreira Automatizada. Cobrança pelo motorista era bem a face do futuro que os Volvos laranjas trouxeram: além de 90 sardinhas em pé, o motorista cobraria também o bilhete. Ainda assim pintaram muitos dos pequenos que andavam nas carreiras do B.º da Serafina e do Castelo e que mais por fietio que por defeito não podiam deixar de manter um pica. E duraram, estes…

 Porém, dos de dois pisos nem um pintaram de laranja…

 

Dois A.E.C. Regent III nas carreiras 13 e 20, B.º da Serafina (M. Rhodes, 1983)
Dois A.E.C. Regent III nas carreiras 13 e 20, B.º da Serafina, 1982.
Miguel Rhodes, in Flickr.

 

 Bem!… Talvez um afinal. Este que, recorda-me agora dumas vezes que passei na Av. da Índia no 43 e o entrevi na cor do futuro a cantar amanhãs por cima dos muros da estação de St.º Amaro.

 

AEC Regent III V-2 — ex-n.º 283 da frota da Carris, St.º Amaro (M. Rhodes, 6/VI/83)
A.E.C. Regent III V-2 — ex-n.º 283 da frota da Carris, St.º Amaro, 1983.
Miguel Rhodes, in Flickr.

 

 No fim o futuro deveio amarelo, se bem que no geral o digam [o queiram, agora] a pender para o verde.

Escrito com Bic Laranja às 20:31
Verbete | comentar | comentários (4)
Terça-feira, 18 de Junho de 2024

Dyane e …

Lá vem o João Ancinho
Mais o seu belo carrinho
Leva os amigos à caça
Reza à deusa de caminho

Dyane e … Diana, Évora, 1987. A. n/ id., in Colecção da Fundação Portimagem.
Dyane e … Diana, Évora, 1987.
A. n/ id., in Colecção da Fundação Portimagem.

Escrito com Bic Laranja às 08:04
Verbete | comentar | comentários (4)
Domingo, 16 de Junho de 2024

No tempo das leitarias

Leitaria Santa Cruz, Jardim Constantino (prox.) (H. Novais, c. 1960)

Leitaria Santa Cruz, Lisboa (H. Novais, c. 1960)
Leitaria Santa Cruz, R. José Estêvão, 117A-B / R. Alexandre Braga, 1-1A, c. 1960.
Horácio Novais, in bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 16:55
Verbete | comentar | comentários (10)
Quinta-feira, 13 de Junho de 2024

Fado da sardinha assada


Maria Albertina — Fado da Sardinha Assada
(Raúl Ferrão, Amadeu do Vale)
(Gravação de 1935, com Fernando Freitas e Casimiro Ramos (guitarra), Armando Machado (viola), reed. em em 1946, in RDZ — Radiodifusão Zonofone, 18/II/17.)

Escrito com Bic Laranja às 13:55
Verbete | comentar
Quarta-feira, 12 de Junho de 2024

Portugal de postal ilustrado

Casal de Loivos, Alto Douro (© Maarten van der Velden, 2009)
Casal de Loivos, Alto Douro, 2009.
© Martim dos Campos, in Flickr.

Escrito com Bic Laranja às 14:46
Verbete | comentar
Segunda-feira, 10 de Junho de 2024

De António Valdemar, Chiado: O Peso da Memória

«Chiado: O Peso da Memória» / António Valdemar. — [s.l.] : Inapa, 1989. — 153 p. : Il.; 33cm. — Col.: «O Espírito do Lugar».

Chiado: O Peso da Memória / António Valdemar. — [s.l.] : Inapa, 1989. — 153 p. : Il.; 33cm.


*   *   *

 Primeiras impressões (à  p. 37): escrita escorreita; leitura agradável; informes interessantes.

 O A. parece que é o decano dos jornalistas; tem a carteira n.º 1 da profissão.
 Natural de S. Miguel, mandaram-no em moço estudar em Lisboa; no Colégio Moderno. Li que se tornou amigo do filho do reitor do colégio, que fôra padre, por birra de não querer ir à missa. O filhote do reitor apoiou-o… Também li na Casa das Aranhas que amadureceu bem: mais tarde fez profissão de fé na loja Tolerância… A quanto podem chegar as birras de ir à missa…

 

Colégio Moderno, Estr. de Malpique (M. Novais, c. 1937)
Colégio Moderno, Estr. de Malpique, c. 1937.
Mário Novais, in bibliotheca d' Arte da F.C.G.

 

 De missas, pois, diz o A. no posfácio que era assíduo nas diversas tertúlias que ainda há uns sessenta anos animavam o Chiado. Enumera-as e é interessante: era a do Quilino, na Bertrand; a do Sérgio, na Sá da Costa; a de Almada, Jorge Barradas, Abel Manta, Eduardo Viana, David Benoliel, e Mário Novais na Brasileira. Abancou também por ali com o olisipógrafo Matos Sequeira…

 Frequentador das últimas tertúlias do Chiado, conhecedor da obra dos olisipógrafos, daqui, por conseguinte, o livro. Redigido na Ribeira Grande logo em Setembro de 88 ainda o Chiado estava quente do incêndio de 25 de Agosto, é um resultado daquele conhecimento e vivência do A., e do convite do editor Fernando Chaves Ferreira logo em 26 de Agosto, um dia depois do incêndio. Se houve reconstrução do Chiado feita ràpidamente, e bem, foi esta, em livro, cuja concepção se sucedeu como digo e cuja edição é de Agosto de 89, um ano após o incêndio.

 Não me lembro quando nem como me chegou às mãos este exemplar, que está autografado com dedicatória do A.:

Para o Manolo Segura (amigo como só ele sabe ser!) esta introdução ao conhecimento de um Chiado histórico e cultural.
Com o abraço fraterno do Antonio [sic] Valdemar
Novembro 14 de 1992.

 

Chiado: O Peso da Memória / António Valdemar. — [s.l.] : Inapa, 1989. — 153 p. : Il.; 33cm. — Col.: O Espírito do Lugar.

 

 Não sei o pai do filho da baronesa de Thyssen o leu ou se gostou. Do abraço, fraterno, desconfio se não é coisa de irmãos…
 O que sei é que, resultado numa outra medida do incêndio do Chiado, este Chiado; o Peso da Memória que me calhou bem de ler ontem, não ardeu.
 Não ardeu, mas apanhou água.
 O manchado da capa em baixo, o ondulado das páginas no pé, uma ou outra página grudada são marcas dum outro sinistro. Felizmente os danos pela água são mínimos e o estrago não deitou o livro a perder. Salvo para o Manolo, mas não sei se lhe importou por aí além!…

 

 

 Profusamente ilustrado, ilustração ecléctica — o desenho das Portas de Santa Catarina de Alberto de Souza não no conhecia, e nunca o vi em mais lugar nenhum —, a resenha histórica e cultural do Chiado é rica de informes e de contexto e cheia de interesse. A parte final sobre o incêndio é reportagem; relata o acontecido, contém as respostas do Siza e do Abecassis ainda no rescaldo da tragédia a perguntas do A. sobre o que haveria a esperar depois dela e acrescenta um apêndice com os pareceres e a legislação paridos para resolver a desgraça.
 Por fim, a bibliografia é preciosa.

 

Chiado: O Peso da Memória / António Valdemar. — [s.l.] : Inapa, 1989. — 153 p. : Il.; 33cm. — Col.: O Espírito do Lugar.

 

 Nota final: o A. quando refere a Rainha Santa Isabel di-la sòmente rainha Isabel. Para irmão descrente (ou crente, afinal) não está mal; não na diz santa nem ao menos dona, mas vá lá que em cima (ou abaixo) do desprezo no-la não deprecia ainda mais em sogra…

 

Escrito com Bic Laranja às 11:05
Verbete | comentar | comentários (5)
Domingo, 9 de Junho de 2024

...


Amália Rodrigues — Cansaço
(Luís Macedo, Joaquim Campos)

Escrito com Bic Laranja às 20:57
Verbete | comentar
Sábado, 8 de Junho de 2024

O Catatau

A.C.P., «O Código da Estrada pela Imagem», [s.l.] 1956.

 O Catatau era uma referência entre os que tiveram de estudar o código de estrada. Todos os livros que formaram os portugueses que têm agora entre 40 e 80 anos, foram escritos por esta personagem tornada marca. E como quase todos os que se transformam numa marca deixou de ser visto como uma pessoa. Ninguém terá pensado duas vezes sobre João Catatau, mas há milhões de portugueses que sabem que existiu.
 Como não conhecer o português que vendeu mais livros do que Saramago, António Lobo Antunes e José Rodrigues dos Santos juntos?
 João Catatau morreu.
 E não houve uma notícia.
 Foi como se não tivesse acontecido ou como se ele nunca tivesse existido.
 Ao pesquisar dei por um artista da bola e por um homicida, os dois brasileiros e os dois
Catatau, mas do João nem uma referência. Nem um apontamento acerca da morte do engenheiro agrónomo que nunca chegou a sê-lo. O homem que enriqueceu com o código da estrada, que disso fez profissão e depois arte. O homem que ensinou meio mundo a conduzir, que fundou uma empresa que dominou o mercado e que nunca deixou os seus créditos em searas alheias.
 Quando um dia lhe perguntaram, certamente que para gozar o prato, se tinha carta de pesados, respondeu:
 — «De pesados, de ligeiros, de autocarros, de tractores e de motociclos».
 E tinha mesmo.
 Não brincava em serviço.
 O João Catatau reformou-se e foi viver para o Brasil. Não sei onde morreu, se lá ou se cá. Sei que partiu incógnito o homem que mais livros vendeu em Portugal.
 Tinha 78 anos e não houve uma única notícia.
 É bem possível que se tenha feito à estrada.

 Luís Osório, in Livro das Fuças, 1/VI/24.


Estação de serviço Mobil (publicidade), Évora, 1958 (adaptado da Col. da Fundação Portimagem)

 


Imagens: «Código da Estrada pela imagem», A.C.P.., 1956; «Mobil Oil Portuguesa» (publicidade em publicação n/ id. — adaptada), 1958; in Col. da Fundação Portimagem.

Escrito com Bic Laranja às 15:49
Verbete | comentar | comentários (4)

E.M.E.L., versão 1940

Recolha de dinheiro da cabina telefónica na Av. Ant.º Augusto de Aguiar, Lisboa (A. n/ id., c. 1940)
Parelha de animéis da E.M.A.L. (*) recolhendo o dinheirinho dum parquímetro na Av. Ant.º Augusto de Aguiar, Lisboa, c. 1940.
Museu da F.P.C., in Flickr.


(*) Empresa da Multa ao Automobilista em Lisboa.

Escrito com Bic Laranja às 11:57
Verbete | comentar | comentários (4)
Sexta-feira, 7 de Junho de 2024

Praia do Restelo tomada da Torre de S. Vicente a par de Belém


Panorâmica sobre a praia do Restelo e do Mosteiro dos Jerónimos, Belém, c. 1880.
A. n/ id., in Colecção da Fundação Portimagem.

Escrito com Bic Laranja às 19:19
Verbete | comentar | comentários (4)
Quarta-feira, 5 de Junho de 2024

No tempo das avenidas (Lisboa com horizonte)

«184. Lisboa – Vista parcial». Postal ilustrado n/ id., post 1906, in Colecção Portimagem.
184. Lisboa – Vista parcial. Postal ilustrado, c. 1932.
Ed. n/ id, in Colecção Portimagem.

Escrito com Bic Laranja às 10:27
Verbete | comentar | comentários (6)

Julho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Kruzes Kanhoto
Lisboa
Lisboa Actual
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Olhar o Tejo
Paixão por Lisboa
Perspectivas(pub)
Planeta dos Macacos (O)
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.