Sexta-feira, 1 de Julho de 2022

Do badalo do dia

 Em 26 de Junho de 1929 o Ministro da Justiça e dos Cultos, dr. Mário de Figueiredo, publicou a Portaria 6 259, a célebre «portaria dos sinos», que esclarecia quanto à autorização prévia das autoridades públicas para a realização de procissões e, mais importante como se viria a vêr, anulava a proïbição do toque dos sinos ao depois do pôr do Sol. Sôbre o toque dos sinos a portaria esclarecia que o mesmo era permitido a qualquer hora, sem necessidade de autorização ou participação às autoridades administrativas valendo para tanto o art.º 2.° do Decreto 3 856, de 22 de Fevereiro de 1918 que dispunha que o «culto público de qualquer religião pode, de harmonia com as leis, exercer-se nos lugares adequados e a qualquer hora, sem dependência de licença da autoridade pública».

 Na reünião do Conselho de Ministros de 2 de Julho de 1929 alguns ministros — mòrmente o Ministro da Guerra, Júlio de Morais Sarmento — opuseram-se à «portaria dos sinos» invocando que violava a Lei de Separação do Estado e a Igreja. A «portaria dos sinos» foi anulada nêsse dia 2. O dr. Mário de Figueiredo, desautorizado que foi, apresentou imediatamente a demissão.

 No dia 3 de Julho, o dr. Oliveira Salazar, Ministro das Finanças, pediu também a sua exoneração ao Presidente do Ministério (de há tempo diz-se em Portugal «primeiro-ministro», à inglêsa), o coronel Vicente de Freitas.

 No dia 4 de Julho de 1929 o sr. Presidente da República, general Carmona, promoveu um Conselho de Ministros. Após a reünião do Conselho fôi distribuída uma nota oficiosa à imprensa:

« Por divergencias de opiniões no seio do gabinete, o presidente do Ministerio aprsentou [sic] a Sua Excelencia o Presidente da Republica a demissão colectiva do mesmo, que foi aceita. O Chefe do Estado iniciou as consultas para a resolução da crise. Os ministros continuarão a gerir as pastas até á sua substituição». (Diario de Lisbôa, 5-7-929.)

 Alembrou-me hoje isto, nem sei bem dizer porquê. A rábula do ministro dos aeroportos não tem nada que vêr. Nem o ministro se demitiu nem o govêrno caíu.

Torre sineira do palácio real da Ajuda, Lisboa (H. Novais, s.d.)
Torre sineira da capela real da Ajuda, Lisboa [s.d.].
Horácio Novais, in bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 15:31
Verbete | comentar | comentários (1)
Quarta-feira, 29 de Junho de 2022

Há várias formas de confinar a gente…

 Fui vêr o preço do barril de Brent e vi que em 2013 estava pelo mesmo valor de há pedaço: 114 dólares americanos. O gasóil na bomba é que não era 2 eurodólares como hoje.
 Não se pode andar por aí assim como dantes.

 



Castelo de Sesimbra, Portugal, post 1937.
Horácio Novais, in bibliotheca d'Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 18:23
Verbete | comentar | comentários (4)
Terça-feira, 21 de Junho de 2022

...

Comprei-o há quási 20 anos. Cuidei que podia ser interessante…

Eduardo Nobre, «Paixões Reais», 3.ª ed., Quimera, Lisboa, 2002
Eduardo Nobre, Paixões Reais, 3.ª ed., [Lisboa], Quimera, 2002.

 Levava-o aí a mais de meio quando o passei à senhora. Despertaram-lhe o interêsse estas «Paixões…»; pelo entusiasmo em que me via por elas fora e, do que lhe delas ia contando. Não no retomei ao depois senão agora ao cabo dêstes anos tôdos. E tomei-o agora do princípio com o gôsto de então, porquanto entre tanto me passara da memória o que já lêra.
 A trama genealógica da família real requere certa atenção à leitura (como as genealogias em geral, inclusivè a própria) e acredito poder não ser inteiramente fácil ao leitor médio actual. Ou talvez não, não sei… O estilo do A. é suficientemente claro para que se perceba, porém. Nalgumas histórias revelam-se barbaridades bem além de simples episódios picarescos. É o caso do imperador do Brasil que, diz, pontapeou a imperatriz Leopoldina na barriga achando-se ela grávida. Por má ventura veio o coice a acabar-lhe com a vida (à imperatriz, não à imperial cavalgadura). Legou esta imperial cavalgadura por fim o coração ao Pôrto ao cabo de o gastar com inúmeras mulheres. A alma, contudo, tinha-a com aquêle fundo de bêsta que ficou para os anais. Cuido que se haja arrependido, mas não sei haverá perdão…
 Outras paixões reais foram todavia mais serenas, passe alguma contradição aqui.
 Da de D. Fernando II já viúvo, pela condessa de Edla, desarrisco agora a rasura que pus em D. Carlos num apontamento de há anos sôbre a compra pela Coroa do Palácio da Pena deixado em testamento à condessa pelo rei D. Fernando. O que lá escrevi inicialmente (D. Carlos) e emendei ao depois (para D. Luiz) é que estava certo — flagrante caso de pior a emenda que o soneto. Foi de feito já no reinado de D. Carlos que a Coroa se entendeu com a condessa de Edla sôbre esses bens entendidos como nacionais e talvez tenha sido aqui que o houvesse lido.
 Fica algum amargor quando se encerra o livrinho, porém. A última historieta tem desfecho infausto nos amores do exilado infante D. Afonso, o popular «Arreda», irmão de el-rei D. Carlos, às mãos duma amaricana divorciada, contumaz caçadora de fortunas por via de casamentos interesseiros e, no caso, de nobilitação. A I.ª República não soube ou não quis atalhar-lhe e do Palácio da Ajuda logrou a «cabeça de víbora da americana» carregar várias galeras em 1920 com os bens do infante D. Afonso à guarda da Repartição de Património da Direcção-Geral da Fazenda Pública. Mas isto, porém, são já os desamores da República Portuguesa a Portugal…

Escrito com Bic Laranja às 20:07
Verbete | comentar | comentários (3)
Segunda-feira, 20 de Junho de 2022

Areia pròs olhos

Fernando Dacosta, «Máscaras de Salazar», 15.ª ed., Casa das Letras, [Cruz Quebrada], 2007  Salazar ligeiro, ligeirinho (agora diz-se light, não é?...), para entreter as massas...

  Na badana:

Um livro indispensável para conhecer a história recente de Portugal. — Javier García, El País.


  A propaganda badanal faz parte do que se quere para endrominar a gente, seja para induzir a compra, seja ao depois para doutrinar por reflexões avulsas, pelas opiniões caprichosas do A. ou pelos mexericos das tais máscaras (eufemismo para os depoentes que ventilam sôbre Salazar ou, inclusivè, não), que são assim passados à Nação como factos. Como prosa livre pode o A. até contar umas coscuvilhices mais inconvenientes, sórdidas, reles até. Passa por isenção, originalidade. Como rolha Abrilina — e homossexual principalmente — ninguém no condenará.
  Já de Salazar, mais que objecto, é meio e garantia de boa tiragem com chuvada de reedições. Nada mais. Está muito bem assim e não podia ser de outra maneira!
  Arrumado em meia dúzia de págs. no ano 17, repescado de recurso agora para encher o vazio duma semana na praia. Calha com o vento e a areia…

Escrito com Bic Laranja às 15:03
Verbete | comentar | comentários (2)
Domingo, 19 de Junho de 2022

...

 Hoje, porque choveu e como estamos em Junho, lembrou-me dum escrito de há anos, mas… Hoje não. A luz não é aquela tal.

Palacete Sotto-Mayor, Lisboa (Paulo Guedes, s.d.)
Palacete Sotto-Mayor, Lisboa, [s.d.].
Paulo Guedes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 15:13
Verbete | comentar
Domingo, 5 de Junho de 2022

EL-11-11, o A.E.C. Regente n.º 4

 As primeiras quatro carreiras da Carris foram inauguradas sem bandeira de número (e a quinta também). O 1 e 2 dos Restauradores ao aeroporto e volta em percursos alternados pela Rodrigo da Fonseca, Alferes Malheiro e, Duque de Loulé, Areeiro; o 3 e o 4 dali, dos Restauradores, às avenidas novas (à Miguel Bombarda) e volta, em rota circular oposta — salvo êrro o 3 pela Rodrigo da Fonseca e o 4 pela Duque de Loulé. Foram essas primeiras quatro carreiras inauguradas em 9 de Abril de 44. (A quinta, o 5 do Areeiro, foi inaugurada em 2 de Março de 48). Eis uma data (9/IV/44) que enquadra a fotografia.
 Em fins de 1947 o terminus dos auto-carros da Miguel Bombarda nos Restauradores foi prolongado à Praça do Comércio. Vista a bandeira dos Restauradores sôbre a porta de entrada do auto-carro, eis outra data para enquadrar a fotografia dêste A.E.C. modêlo Regente EL-11-11 com o n.º de frota 4, na carreira 4 dos auto-carros da Miguel Bombarda.


A.E.C. modêlo «Regente» n.º de frota 4 na carreira 4, Restauradores, 1944-47.
Horácio Novais, in bibliotheca d'Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 14:29
Verbete | comentar | comentários (2)
Segunda-feira, 30 de Maio de 2022

Novidade antiga: «O triunfo do movimento militar»

«O movimento militar continua alastrando por toda a provincia», in Diario de Lisboa, 29-5--926, p. 1

(Diario de Lisbôa, 30-5-926, adaptado dumas fotocópias manhosas da fundação do irmão do dr. Tertuliano.)

Escrito com Bic Laranja às 17:11
Verbete | comentar
Domingo, 29 de Maio de 2022

Mais novidades antigas: «Os acontecimentos»

«O movimento militar continua alastrando por toda a provincia», in Diario de Lisboa, 29-5--926, p. 1

(Diario de Lisbôa, 29-5-926, adaptado dumas fotocópias manhosas da fundação do irmão do dr. Tertuliano.)

Escrito com Bic Laranja às 16:37
Verbete | comentar | comentários (5)
Sábado, 28 de Maio de 2022

Novidades antigas

«A divisão de Braga que a noite passada se revoltou vais ser atacada por tropas do Porto e de Viana», in «Diario de Lisbôa», 28-5-926, p. 1

 

O movimento militar

«Reuniram[-se] esta tarde no Governo Civil todos os membros do governo tendo declarado em nota oficiosa tendo declarado que dispõe[m] de todos os elementos para manter a ordem», in «Diario de Lisbôa», 28-5-926, pp. 4-5)

 

Ultimas noticias

«O Chefe do Estado chamou ao Palacio de Belem os 'leadesrs' parlamentares», in «Diario de Lisbôa», 28-5-926, p. 8)

(Diario de Lisbôa, 28-5-926, adaptado dumas fotocópias manhosas da fundação do irmão do dr. Tertuliano.)

Escrito com Bic Laranja às 15:17
Verbete | comentar | comentários (2)
Sexta-feira, 27 de Maio de 2022

Arrimo modernista a gaioleiros uniformes… E calceteiros!…

Av. Almirante Reis, Lisboa (H: Novais, c. 1939)
Av. Almirante Reis logo acima da Portugália, Lisboa, c. 1939.
Horácio Novais, in bibliotheca d'Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 11:34
Verbete | comentar | comentários (6)
Quarta-feira, 25 de Maio de 2022

Petúnias

 No ano das vuvuzelas ou no anterior lancei umas sementes de petúnia à floreira duma sardinheira. Nos anos seguintes tornaram a florir, menos, até que num ano qualquer deixaram; não floriram. Passado um par de anos ao depois disto admirei-me quando refloriram umas poucas de petúnias. Sempre naquela floreira da sardinheira que passei para a sacada dum quarto. Alegrei-me, mas não fiz mais caso, embora haja ficado meio curioso de não florirem por um par de anos e ao depois reaparecerem. Êste Maio reapareceu uma meia dúzia delas ao fim duma meia dúzia de anos em que, nada. Pensando eu no que houve diferente agora, sucede que podei bem rente aquela sardinheira; tanto que ficou só a terra e uns esparsos de pés de sardinheira. Cuido que, pois, houvesse latentes na terra algumas sementes de petúnia que germinaram ao receberem o Sol, coisa que nos anos passados não sucedia pelo frondosa que estava a sardinheira. São coisas de que não sei nada.

Floreira, Lisboa — © 2022
Floreira, Lisboa — © 2022

Escrito com Bic Laranja às 10:09
Verbete | comentar
Domingo, 22 de Maio de 2022

Variedades: Dionne Warwick


Dionne Warwick ao vivo no 27 Club, Knokke, 1964

 

Escrito com Bic Laranja às 21:55
Verbete | comentar
Sexta-feira, 20 de Maio de 2022

Recordando…


Scenas de Blake Edwards, O Regresso da Pantera Cor-de-Rosa, 1975.
Música de Henri Mancini, The Greatest Gift, 1975.
Montagem de Mr. Fotakias.

Escrito com Bic Laranja às 20:31
Verbete | comentar
Quinta-feira, 19 de Maio de 2022

Há coisas que nunca mudam

«Graffiti» de gladiadores na porta Nucéria com os nomes de Pinceps e Hilário, Pompeios (C.I.L. IV 10 237, in Wikimedia Commons)


 Parece que já nas paredes de Pompeios e Herculano se acharam graffiti em copioso número. Era um tempo em que não havia muito como passar as idéias, apregoar estados de alma, prègar uma fé, fazer uma lista de compras. Na falta de talões do super, agendas e moleskines, cadernos de cópia ou de desenho, cartazes e écrans gigantes a tolher horizontes, jornais, blogos, rádio e TV, rabiscar paredes era há dois mil anos uma maneira prática de passar recados.


«Thyasa  noli amare Fortunatu(m). [phallus] Vale» (C.I.L. IV 4 498)Thyas não quere amar Fortunato  [Zé Bastos a desejar boa sorte]. Adeus! (C.I.L. IV 4 498).

 

 Hoje a civilização soma para cima de dois mil anos em camadas de verniz e, todavia, de há tempos para cá não há esquina que eu dobre nesta cidade que não ache reles javardice sem sentido na parede a seguir. Se vamos além das esquinas e das paredes, qualquer pedra serve. Não chegam, pois, já, as paredes ou as pedras nos matos?  Vai de adornar o alcatrão

Montes Claros, Monsanto — © 2021

Montes Claros, Monsanto — © 2021


 Empreendendo bem no caso, nivelar obra de arte pela cota dos pavimentos dessas ruas não é de agora; v. os cãezinhos!… O nível, porém, é tal, já, que nem aos cãezinhos apetece cagar-lhe em cima, o que é pena; obra assim em duplas camadas dobraria, no mínimo, o valor cultural a transmitir ao transeunte — o cheiro genuíno do ornamento canino largado acrescentaria justíssimo realismo à coisa.

«Uma obra de grandes dimensões», Arroios (Valter Leandro, «A arte urbana [sic] saiu dos muros para o chão, em Arroios», in Lisboa Secreta [sic], 22/VI/21)Uma obra de grandes dimensões, Arroios (Valter Leandro, «A arte urbana [sic]
saiu dos muros para o chão, em Arroios», in Lisboa Secreta [sic], 22/VI/21)

 Esta coisa dos graffiti — perdão! arte urbana — mancha tôdo o lugar em que vagueiem as rêses das urbes e muito até das suburbes. Na praia é tal qual; à falta de muros, calhaus de tamanho capaz ou asfalto consistente para arte urbana, servem os próprios lombos de escaparate; dantes, graffiti no lombo do gado eram simples ferro do ganadero. Agora…

Xana, Lisboa — (c) 2010Xana, Lisboa — © 2010

 

(Revisto às 7 de 20.)

Escrito com Bic Laranja às 19:27
Verbete | comentar | comentários (4)
Domingo, 15 de Maio de 2022

Estrada nacional, algures…

Estrada nacional, Portugal (M. Novais / J.A.E., post 1945)
Estrada nacional, Portugal, post 1945.
Mário Novais, in bibliotheca d’ Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 13:26
Verbete | comentar | comentários (13)
Quarta-feira, 4 de Maio de 2022

Lisboa: Luzes e Sombras

 Álbum a evocar Lisboa com poesias inéditas de David Mourão-Ferreira, fotografias a p/b em alto contraste, de Pepe Diniz, com patrocínio do Metropolitano de Lisboa.

Lisboa Luzes e Sombras / Pepe Diniz (fotografias), David Mourão-Ferreira (poesias). — Lisboa : Metropolitano de Lisboa, 1992. — 102 p. : Il.; 24cm


 Fotografias desfocadas, tremidas, cortadas (mal tiradas), a fazer de que é arte. Poesias como que em forma de assim…

Parece às vezes que o Tejo
é Tejo sob outro Tejo
como às vezes o desejo

sob o desejo é desejo
Que uma só ponte é a mesma
tanto por cima do Tejo
como por baixo do Tejo
pedras e corpos os mesmos
tão sob e sobre o desejo
como sem desejo mesmo

Mas se isto acontece às vezes
a grande culpa é do Tejo


 Produto típico duma certa intelectualidade urbana. Pouco provê à cultura de Lisboa, dos lisboetas ou dos portugueses. Antes provê à bolsa dos intelectuais, comissionistas e agentes da produção dos 3 000 ex., com o dinheiro da empresa do Metropolitano de Lisboa.
 Subterfúgios culturais do subproduto intelectual. Há-de haver quem aprecie!…

Lisboa Luzes e Sombras / Pepe Diniz (fotografias), David Mourão-Ferreira (poesias). — Lisboa : Metropolitano de Lisboa, 1992. — 102 p. : Il.; 24cm

Lisboa Luzes e Sombras / Pepe Diniz (fotografias), David Mourão-Ferreira (poesias). — Lisboa : Metropolitano de Lisboa, 1992. — 102 p. : Il.; 24cm


Lisboa Luzes e Sombras / Pepe Diniz (fotografias), David Mourão-Ferreira (poesias). — Lisboa : Metropolitano de Lisboa, 1992. — 102 p. : Il.; 24 cm.

Escrito com Bic Laranja às 12:19
Verbete | comentar | comentários (2)
Segunda-feira, 25 de Abril de 2022

Portugal em dia de S. Marcos, s.d.

Era uma vez… Portugal (Portimagem, s.d.)
Era uma vez… Portugal…, [s.d].
Portimagem, in Flickr

Escrito com Bic Laranja às 18:45
Verbete | comentar | comentários (10)
Quarta-feira, 20 de Abril de 2022

Nortada rija


Júlio Pereira, Nortada
(Cádoi, 1984)

Escrito com Bic Laranja às 15:04
Verbete | comentar
Sábado, 16 de Abril de 2022

A Magdalena com sol de Verão

Largo da Magdalena, Lisboa (Machado & Souza, 13/7/1901)
Largo da Magdalena, Lisboa, 1901.
Machado & Souza, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 13:07
Verbete | comentar | comentários (7)
Terça-feira, 12 de Abril de 2022

Diário da Manhã

 Cheira a torradas na escada. A D.ª Tânia do 2.º tem hoje o «Papa Don’t Preach» da Madonna. Ressoam de lá muito os anos 80. No outro dia era o «True» dos Spandau Ballet. Mediante isto não devia havê-la por D.ª, antes só Tânia. Mas os anos 80 foram há já trinta anos… Oitenta por oitenta — em tempos de há oitenta anos, entendei —, se soasse seria o Fado Malhoa ou assim; numa telefonia sintonizada na Emissora ou no Rádio Clube. E por Tânia do 2.º haveria de ser Amélia; D.ª Amélia. Descontando a naftalina disto tudo, o cheiro a torradas havia de ser igual.

 Na esplanada do café (coisa moderna, a armar ao fino; mesmo assim, já dos anos 70 e, logo aí em largos e praças de aldeias, porque… — porque era o progresso; e porque antes dêle seria ao balcão da taberna)… Dizia eu: na esplanada do café (duas mesas de plástico com cadeiras postas na calçada do passeio) um, com uma cerveja de ante; outro, com uma tacinha de tinto. Ambos mais a dormir do que acordados, que o petróleo às tantas já deixa de alumiar… — Por castiço salva-se o do tinto; se fôr do carrascão.

 Está um daquêles dias incertos de Abril. Ora chove; ora há uma olheirada.




Amália, Fado Malhoa

Escrito com Bic Laranja às 09:30
Verbete | comentar

Julho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____