Terça-feira, 26 de Dezembro de 2006

A velhinha Rua do Arco do Cego

 Esta é uma imagem rara e preciosa do primeiro troço da velha Rua do Arco do Cego entre a Av. Duque de Ávila e a Av. António José de Almeida. Pense o benévolo leitor em parar à porta do Centro Comercial de São João de Deus; pouse o tripé e a máquina de Eduardo Portugal, aponte a objectiva para dentro do centro e foque para 1940.
 Cá está!

R. do Arco do Cego (E.Portugal, 1940)
Rua do Arco do Cego [vista S. desde o cruzamento da Av. Antº José de Almeida], Lisboa, 1940.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Mas o que tinha esta rua de extradordinário? Provavelmente nada. Por isso não tenho encontrado sem trabalho descrições ou imagens dela.
 Aqueles prédios de rendimento à esquerda, pelo género, são dos anos 20, semelhantes a muitos em Arroios ou na Estefânia; em 1908 não figuraram no Levantamento da Planta de Lisboa (1). A rampa teria pouco mais de meia dúzia de anos quando Eduardo Portugal passou por ali com o Sol a pino num dia de Agosto de 1940; servia para nivelar o cruzamento com a novíssima Av. António José de Almeida (A) cuja cota ficou uns bons dois metros acima da velhina Rua do Arco do Cego.
 Com porte senhorial, a casa à direita (2) diante do moço que se debruça na grade é por certo uma das casas da quinta do conde de Sintra (áreas azul e cor-de-rosa); uma que ficava entre um jardim de buxo (3) (certamente já soterrado em 1940 pela António José de Almeida) e uma passagem (portão?) de acesso da dita quinta (4). As casas seguintes não tenho a certeza se eram da dita quinta do conde de Sintra; certo é que a segunda casa a contar do suposto portão (5) - a que se vê meia janela do primeiro sobrado - também dá ares de nobre; sabe-se pela planta topográfica de 1908 que possuía nas traseiras um jardim de buxo (6). Se uma delas seria a casa nobre da quinta do conde de Sintra é o que fico por saber.
 Como vedes, uma rua com prédios de rendimento e casas de quinta não merecia especial atenção na Lisboa de 1940. Extraordinária nesse longínquo ano foi a Exposição do Mundo Português; talvez fosse por ela que obtivemos uma bonita fotografia da Rua do Arco do Cego engalanada com bandeiras da fundação nas varandas; um festivo suspiro de glórias passadas duma rua sem história aparente, e já condenada.


Adenda:

 Com o que entretanto consegui colher, soube que a casa nobre do Conde de Sintra foi queimada durante a guerra civil (os proprietários eram miguelistas) e reconstruida numa versão em que as janelas eram arrendondadas ou ogivais e que acabaria por ficar junto ao famoso "sobe e desce" [...]. A família (que já saíra da antiga casa familiar, o hoje Ateneu, à R. dos Condes, vendida aos argentários Burnay) foi expropriada deste refúgio e saíu em 1934. Falta perguntar a quem sabe, se confirma a sua sugestão de identificação. Lá irei e cá virei; entretanto..bem haja!

Comentário de Je Maintiendrai em 26/12/06 às 11:26 PM


2ª adenda:

 Já voltei. A casa é mesmo, como aventou, a dos Condes de Sintra. No r/c uma porta entre três janelas e sete de sacada no 1.º. A travessa à esquerda era, de facto, a entrada para um beco com as casas de serviço e portão da quinta. [...] Como bem lembra, só falta espiolhar na "Lisboa de Lés-a-Lés"

Comentário de Je Maintiendrai em 27/12/06 às 11:32 PM

 

Escrito com Bic Laranja às 12:12
Verbete | comentar
16 comentários:
De Bic Laranja a 30 de Dezembro de 2006 às 00:20
Obrigado eu pelas boas palavras. Fica ainda o mistério da fotografia... Feliz ano novo!
De marta a 29 de Dezembro de 2006 às 17:12
E vá-se lá saber porquê hoje só apareceu a fotografia.
Fico admirada com o que os Senhores sabem!
Obrigado por nos darem a conhecer.
De Bic Laranja a 29 de Dezembro de 2006 às 09:05
Obrigado! Cumpts.
De tron a 29 de Dezembro de 2006 às 00:28
Força continua
De Bic Laranja a 28 de Dezembro de 2006 às 11:24
Dá sim senhor. A grade que fala é na Rua Pascoal de Melo, creio. Cumpts.
De Paulo Cunha Porto a 28 de Dezembro de 2006 às 09:53
Como sempre, a sensibilidade da T merece a postagem: a curva perspectivada com a nitidez dos prédios decrescendo dá uma aura romântca à fotografia muito digna de memória, E, por falar em Arroios, a protecão metálica de uma das abas da via lembrou-me outra que ainda hoje lá se debruça sobre umas escadas. Abraço.
De Bic Laranja a 28 de Dezembro de 2006 às 00:21
Grato pela descrição e pela confirmação. Logo mais segue nova adenda. Passe a imodéstia, rico serviços aqui fizemos. Cumpts.
De Je Maintiendrai a 27 de Dezembro de 2006 às 23:32
Já voltei. A casa é mesmo, como aventou, a dos Condes de Sintra. No r/c uma porta entre três janelas e sete de sacada no 1º. A travessa à esquerda era, de facto, a entrada para um beco com as casas de serviço e portão da quinta. Uma vez mais, parabéns pelo achado e pelo acréscimo olisipográfico. Como bem lembra, só falta espiolhar na "Lisboa de Lés-a-Lés"
De Bic Laranja a 27 de Dezembro de 2006 às 23:25
Talvez... Obrigado! // Dona T., muito obrigado! Nessa eventualidade oferecer-lhe-ia com prazer um exemplar. Mas não gaste mais a vista; este troço da rua já não existe. // Cumpts. e feliz 2007.
De T a 27 de Dezembro de 2006 às 16:51
O senhor Bic podia juntar estas crónicas todas e fazer um livro! Eu comprava com todo o gosto.
A foto é espantosa. Estou a arremelgar os olhos a ver o que reconheço e eu passo por lá todos os dias.

Comentar

Setembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
14
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____