Quarta-feira, 25 de Novembro de 2015

É a demência geral

 Até à sexta-feira 13 não havia telejornal sem publicidadezinha diária aos «refugiados», ilustrado com filmagens muito bem montadas de hordas de infelizes em botes de borracha transmediterrânicos, mulheres e crianças em desespero transumante e, fatalmente, algum doloroso saldo de vítimas. Um dramalhão das arábias pronto a aliviar consciências por conta solidária.
 No dia 13 à noite, porém, calaram-se as trombetas dos «refugiados». Chocavam tanto, mas tanto, com o acontecido no Bataclan e arredores que melhor era calar.
 Não obstante o senso imediato, no refluir do choque logo dei pela a central da propaganda começar a verter a moirama do terrorismo e a dos «refugiados» como água e azeite: nada lá de misturas... — Terrorismo e moirama, aliás, neste refluxo civilizacional teleinoculado, só a custo se misturariam, nem mesmo esgravatando linhagens franco-belgas a Tunes ou a Argel. Mas o principal de que não vi nem ouvi notícia foi o nada e o nunca mencionar de confissões a motivar o massacre: do narcojornalismo para o cidadão infantilizado da cristandade Europa jacobina basta dizer dos passaportes; livre-se alguma vez esse jornalismo catequístico de libertar do requebro o teleinduzido o cristão eurocidadão, não vá acordar-lhe alguns instintos primários de sobrevivência, coisa primitiva!...
 Os bárbaros do Bataclan soaram assèpticamente, por conseguinte, como franco-belgas, formalmente e de subúrbio (e um lusodescendente, vá lá, para orgulho do jornalismo doméstico...) Gente semicivilizada, mas — entendo-o — nossa...
 Enquanto tal, no telegulag euro-instituído calhou afortunadamente o destino em achar uma heroína Jasmine el Yousfi (ao contrário dos terroristas, aqui um nome destes ajuda) a juntar à cadela Diesel e ao caridoso solidário que socorreu um terrorista ferido (estranho ferido — terá ele sido alvejado por terroristas iguais?...) Pelo meio um filme lindo dum catecùmenozinho aculturado (outra mensagem subliminar) trinando um bucólico sont por nous proteger, les fleurs et les bougies...
 O derrengo da cristandade Europa pela narcopropaganda é atroz. Ainda assim carece do maior fomento: hoje ouvi mais um na emissora nacional a falar-me em bom estilo como se aquilo em Paris não fosse jihad, nem terrorismo de motivação confessional nenhuma (nem já franco-belga), mas sim obra de vulgares assassinos de mente toldada por mistelas de cafeína e anfentaminas desembestados em euforia suicida.
 Ora eu bebo café e não sei já se ando a preceber tudo mal ou se a euforia suicida é a demência geral.


Cruz de Cristo, Praça do Império, 2014.
Rui Gaudêncio, in Público.

Escrito com Bic Laranja às 21:20
Verbete | comentar
5 comentários:
De zazie a 25 de Novembro de 2015
Não me diga que ainda não lhe explicaram que os refugiados fogem para cá, destes que até são belgas e franceses e fruto dos males do capitalismo.

De Bic Laranja a 26 de Novembro de 2015
Sim, mas não serem já terroristas, antes reles drogados?!...
Maldita cafeína.
Cumpts.
De Josephvs a 26 de Novembro de 2015
The Thief in the Night :

Would you want to die singing the song "Kiss the Devil"? A song that chorus actually says "I will love the devil and sing his song". In fact there is not any substance to it, it almost reads as a satanic parody of the Divine Praises. That was the song that apparently the band Eagles of Death metal started performing according to the Daily Mail when the gunmen showed up and starting their killing spree.


http://unamsanctamcatholicam.blogspot.ca/2015/11/the-thief-in-night.html

De Bic Laranja a 26 de Novembro de 2015
Bem visto.
Cumpts.
De [s.n.] a 28 de Novembro de 2015
Sim, Josephvs, de facto tem razão. Só o título da cantiga é apavorante.

Há uns anos largos, talvez trinta ou mesmo quarenta (isto diz-vos alguma coisa?), uma senhora alentejana, creio que de Portalegre, escrevia no jornal O Tempo, nas cartas ao Director, uns importantes avisos, entre os quais alguns em que argumentava com toda a razão - o que, tenho a certeza, para muitos leitores seria possìvelmente um exagero desmesurado - que as bandas musicais Heavy Metal e quejandas, bem como os concertos-rock, que já estavam desde há muito na berra lápor fora e começavam então a proliferar em Portugal, eram uma forma sub-reptícia de alienar a juventude. A RTP, por exemplo, a mando nos novos mandantes do País, chegava a transmitir por essa altura emissões de quatro horas (sim, leram bem, quatro horas ininterruptas e por vezes mais!!!) destas músicas, melhor, ruído satânico. Eu, que já as detestava pelo ruído insuportável, ausência de melodia e a inestética a olhos vistos, ainda assim fiquei a pensar se esta senhora teria total razão nos argumentos que desenvolvia a este propósito. Claro que tinha carradas de razão. E, note-se, isto foi escrito há tanto tempo! Os resultados desta alienação da juventude tràgicamente são hoje mais do que conhecidos. E continuam a agravar-se tremendamente a cada ano que passa. Todo este mal que levou gerações de jovens em todo o mundo a perderem-se e por arrasto a igual número de famílias destroçadas, ambas as tragédias consequência directa e inquestionável desta praga infernal e sem sentido que assolou o mundo, só pode ter tido origem em mentes doentes - seres estes apoiados e incentivados pelos próprios governantes norte-americanos desde então até ao presente - ou, para sermos mais precisos, em verdadeiros psicopatas. Como aliás todos aqueles são classificados desde há muitas décadas pela maioria do povo americano. Do povo são, bem entendido.

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____