6 comentários:
De Bic Laranja a 28 de Janeiro de 2008
Bem observado. Nem tinha reparado. Cumpts.
De O Réprobo a 26 de Janeiro de 2008
Sintoma da decadência: até as expressões "vaca" e "leite" para significar "sorte" estão em decadência entre os mais novos... Abraço
De Bic Laranja a 26 de Janeiro de 2008
Dª Luísa: Obrigado! Também eu me inquieto, acredite. É aquilo que disse na fábula e na verdade... // Silvestre Félix: Não sei se as quotas se mantêm; até me tinha já esquecido delas (como toda a gente, creio), não fora esta tola notícia. // Carlos Portugal: Uma desculpa para aumentarem os lucros é o que me parece.
De Luísa a 25 de Janeiro de 2008
Meu caro Bic, a conclusão de que as vacas servem para «enfeitar» é brilhante. Curioso é também o comentário do Carlos Portugal. Não conhecia esses meandros da nossa produção de leite e fiquei um pouco inquieta...
De Carlos Portugal a 25 de Janeiro de 2008
Caro Bic: os mentecaptos que fazem as leis e nos desgovernam pensam que todas as outras pessoas são como eles - imbecis com ares de «chicos-espertos». Vai daí, arranjam uma desculpa perfeitamente estúpida para aumentarem os lucros. Aliás, a maior parte da produçaõ de leite não vai para consumo, mas sim para a indústria química e farmacêutica (lactoses, produtos de beleza, etc). O refugo dessa indústria, mais o leite que azedou no produtor, é levado a alta temperatura (UHT), tratado quimicamente, homogeneizado, é-lhe adicionado água oxigenada industrial e é vendido nos hipermercados como «ultrapasteurizado» (que não é), e «muito bom para a saúde» (ainda menos). Ou seja, estão a tentar aumentar os lucros sobre o refugo. E as vaquinhas ainda continuam a dar quantidades industriais de leite, alimentadas a rações. E o biodiesel continua a poluir tanto ou mais que os derivados do petróleo. Enfim... continuo eu também a beber leite, mas pasteurizado (dizem que é uma espécie de «do dia»). UHT é que não é adequado para o consumo humano, como determinou - e bem - o governo da Noruega.
Abraço.
De Silvestre Félix a 25 de Janeiro de 2008
Não dá para perceber como é que continuamos a ter quotas de produção de leite.
Silvestre Félix

Comentar