Sexta-feira, 18 de Agosto de 2006

A noute e a importância do nome Amélia

 A primeira vez que ouvi pronunciar noute em vez de noite foi à D. Amélia, a mãe do Luís. Achei esquisito e disse à minha mãe que a mãe do Luís dizia boa noute e não boa noite.
 — Pois diz filho. Talvez seja porque nunca foi à escola.
 Admirei-me de a D. Amélia não saber ler mas fez sentido; julguei então que dizer noute em vez de noite era por isso...
 É curioso que havia mais duas Donas Amélias lá na rua e ambas eram explicadoras. Havia a D. Amélia, a avó do Carlitos e a D. Amélia do 8. E havia ainda a Amélia dos jornais que não era dona, com certeza por ser dos jornais. À D. Amélia do 8 ia o Vijó levar algumas vezes garrafas de vinho branco lá da taberna do pai. Íamos muito os dois; ele deixava-as à porta sem bater e depois íamos brincar. Mas onde o Vijó andou na explicação foi na outra D. Amélia, a avó do Carlitos.
 Não imagino Lisboa na primeira metade do séc. XX, das avenidas novas aos bairros antigos, sem haver imensas (*) Amélias: costureiras, criadas, floristas, vendedeiras, avós, tias, senhoras, algumas quadrilheiras, donas, meninas... O nome Amélia era mais vulgar que hoje, com certeza por a rainha D. Amélia se chamar assim. Os nomes são como as roupas: há-os com naftalina e há-os em plástico. Uns andam comidos pela traça, outros queriam-se no... ecoponto...

Palacete Silva Graça, Lisboa (J.Benoliel, post. 1908)

 Não tenho a certeza mas, depois da D. Amélia, a mãe do Luís, acho que nunca mais ouvi ninguém pronunciar noute por sua fala natural. Talvez nos Açores... Mas a D. Amélia não era de certeza de lá. Tenho ideia que até era lisboeta... Na verdade não sei (**). Sei é que o duplo emprego de ouro/oiro, louça/loiça é comum e acho que cada um opta pelo que calha. A forma noute (e dous também), parece-me eu, apoia-se já só no cajado da naftalina; enquanto a traça das amélias lhe não dá.


Fotografia:
Palacete Silva Graça (depois Hotel Aviz) e senhoras subindo o troço inicial da Av. 5 de Outubro, Lisboa, post. 1908.
Joshua Benoliel, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..
[Revisto em 20/8/06. Publicado de novo em 28/6/2016 à meia-noute e quarenta.]

Notas em 28/6/16:
(*) Imenso é o mar; hoje escreveria inúmeras ou numerosas.
(**) A D.ª Amélia, a mãe do Luís, era de Setúbal, disse-me o Carlos cujo pai tinha um táxi e que morou lá no prédio.

 

Escrito com Bic Laranja às 06:26
Verbete | comentar
22 comentários:
De Bic Laranja a 22 de Agosto de 2006
Fernão Lopes usou 'estoria', que correspondia provavelmente à sua pronúncia. Modernamente a única grafia dicionarizada é 'história' (ainda que pronunciemos quase sempre como o Fernão Lopes), sem embrago de muitos usarem a grafia 'estória'. Noute está dicionarizada mas nem as amélias já a usam. Obrigado pela visita, Cumpts. :)
De marius70 a 22 de Agosto de 2006
Pode realmente a palavra "noute" estar no cajado da naftalina, como todas as outras palavras antigas que pouco a pouco vão sendo substituídas por fato em vez de facto e cagado em vez de cágado. Sabemos que, quando queremos referir a histórias do passado, utilizámos a palavra "estória", só que há uma diferença, é que enquanto "estória" não faz parte do dicionário actual, "noute" ainda lá permanece "hirta e firme", deixando aos vindouros a possibilidade da sua utilização e não necessitam para isso de se chamarem Amélias. Tudo de bom
De Bic Laranja a 20 de Agosto de 2006
Obrigado Tron! Cumpts.
De tron a 20 de Agosto de 2006
Grande texto como sempre, mil vezes melhor do que ir ao burger king
De Bic Laranja a 19 de Agosto de 2006
Cara MFBA, pelo que diz dizer 'noute' era comum em Lisboa mas, do que vemos hoje, deixou pura e simplemente de o ser. Obrigado pela visita. Cumpts.
De Bic Laranja a 19 de Agosto de 2006
Caro Paulo: tem vossemecê razão no que diz. Nos casos de oi/ou li que havia uma assimetria norte/sul. Julgo que a tendência é a generalização duma das formas e o decaimento da outra. Mas o fenómeno parece aleatório... Cumpts.
De mfba a 19 de Agosto de 2006
A minha Avó dizia "noute". Era de Lisboa e muito prendada, como se dizia à época: tocava piano e falava francês, além de bordar divinamente.
De Paulo Cunha Porto a 19 de Agosto de 2006
Meu Caro Bic Laranja:
Próximo de «noute» poderíamos considerar "cousas", contra "couro" e "touro", relativamente alternados com os seus homólogos portadores de "ii". É curioso, mas sempre pensei a opção do i em vez do u fosse mais frequente no Norte, como a acentuação do primeiro "i" de "ministro", ou a pronúncia como "ê" de certas sílabas que por cá lemos "â": coelho, fedelho, etc.
Abraço.
De Bic Laranja a 18 de Agosto de 2006
Ilhas. Fico-lhe mui grato pelo pertinente interessante esclarecimento. Muito obrigado pelas boas palavras e pela sua simpática disponibilidade. Tê-la-ei em conta quando visitar a sua ilha Terceira. Cumpts. // Caríssimo Manuel. É sempre amável, o meu bom amigo. Parabéns pela volta de mais um ciclo do Gasolim. Cumpts.
De Manuel a 18 de Agosto de 2006
Pois também eu gostei e gosto sempre que desata os nós da sua memória. Do Túnel da Bruxa às Amélias, pois. Boa noute, Amigo Bic.

Comentar

Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____