22 comentários:
De Bic Laranja a 22 de Agosto de 2006
Fernão Lopes usou 'estoria', que correspondia provavelmente à sua pronúncia. Modernamente a única grafia dicionarizada é 'história' (ainda que pronunciemos quase sempre como o Fernão Lopes), sem embrago de muitos usarem a grafia 'estória'. Noute está dicionarizada mas nem as amélias já a usam. Obrigado pela visita, Cumpts. :)
De marius70 a 22 de Agosto de 2006
Pode realmente a palavra "noute" estar no cajado da naftalina, como todas as outras palavras antigas que pouco a pouco vão sendo substituídas por fato em vez de facto e cagado em vez de cágado. Sabemos que, quando queremos referir a histórias do passado, utilizámos a palavra "estória", só que há uma diferença, é que enquanto "estória" não faz parte do dicionário actual, "noute" ainda lá permanece "hirta e firme", deixando aos vindouros a possibilidade da sua utilização e não necessitam para isso de se chamarem Amélias. Tudo de bom
De Bic Laranja a 20 de Agosto de 2006
Obrigado Tron! Cumpts.
De tron a 20 de Agosto de 2006
Grande texto como sempre, mil vezes melhor do que ir ao burger king
De Bic Laranja a 19 de Agosto de 2006
Cara MFBA, pelo que diz dizer 'noute' era comum em Lisboa mas, do que vemos hoje, deixou pura e simplemente de o ser. Obrigado pela visita. Cumpts.
De Bic Laranja a 19 de Agosto de 2006
Caro Paulo: tem vossemecê razão no que diz. Nos casos de oi/ou li que havia uma assimetria norte/sul. Julgo que a tendência é a generalização duma das formas e o decaimento da outra. Mas o fenómeno parece aleatório... Cumpts.
De mfba a 19 de Agosto de 2006
A minha Avó dizia "noute". Era de Lisboa e muito prendada, como se dizia à época: tocava piano e falava francês, além de bordar divinamente.
De Paulo Cunha Porto a 19 de Agosto de 2006
Meu Caro Bic Laranja:
Próximo de «noute» poderíamos considerar "cousas", contra "couro" e "touro", relativamente alternados com os seus homólogos portadores de "ii". É curioso, mas sempre pensei a opção do i em vez do u fosse mais frequente no Norte, como a acentuação do primeiro "i" de "ministro", ou a pronúncia como "ê" de certas sílabas que por cá lemos "â": coelho, fedelho, etc.
Abraço.
De Bic Laranja a 18 de Agosto de 2006
Ilhas. Fico-lhe mui grato pelo pertinente interessante esclarecimento. Muito obrigado pelas boas palavras e pela sua simpática disponibilidade. Tê-la-ei em conta quando visitar a sua ilha Terceira. Cumpts. // Caríssimo Manuel. É sempre amável, o meu bom amigo. Parabéns pela volta de mais um ciclo do Gasolim. Cumpts.
De Manuel a 18 de Agosto de 2006
Pois também eu gostei e gosto sempre que desata os nós da sua memória. Do Túnel da Bruxa às Amélias, pois. Boa noute, Amigo Bic.

Comentar