16 comentários:
De Bic Laranja a 25 de Novembro de 2007
Sete Rios é um vale. Pela topografia do terreno a possibilidade de haver vários regueirões fluindo para a Ribeira de Alcântara é bastante plausível. Se iam secos a maior parte do ano, se a contagem está bem ou mal feita é que é mais difícil. Cumpts.
De um estudante de arquitectura a 20 de Outubro de 2007
Caro Bic Laranja, foi com surpresa que descobri o seu blog durante uma pesquisa para um trabalho academico...bastante interessante e muito util pois fez-me compreender as mudanças que a cidade de Lisboa tem sofrido, algumas bem drásticas e nem por isso para melhor. No entanto debato-me com a incógnita de saber qual a verdadeira razão para a designação de Sete Rios, pois ao longo da minha pesquisa so encontrei uma ribeira, a de Alcântara...será que me consegue esclarecer ou algum dos comentadores? Muito obrigado e até breve!
De Bic Laranja a 5 de Janeiro de 2006
Exma. Verdade,
Agradeço-lhe muito os votos de bom ano; saúde e alegria é que desejo também
a si e todos os seus!
O seu relato é extraordinariamente emocionante. Conheço mal Sete Rios e
nunca lá morei (por isso não se pode lembrar de mim). O lugar mudou muito
ultimamente e do que foi no passado só tenho vaga ideia. Já vê como não pude
compor mais que um árido escrito para acompanhar a fotografia que pus no
blogo. Muito me contento que esta minha curiosidade por coisas do passado
lhe haja avivado o interesse e motivado o seu contributo. Todas aquelas
pessoas de que fala voltaram a encher de vida o lugar; Sete Rios ganhou
alma. A poesia das suas saudades vale por mil imagens. Mil obrigados por
partilhá-la!
Com respeitosos cumprimentos,
De jörge de Sousa Noronha a 14 de Julho de 2015
Caro Bico Laranja,
Tudo isto trz-mz velhas recordações ! vivi por ali perto, mesmo ao pé da meia laranja em frente da antoga entrada do Jardim Zoologico. Em Sete Rios tinha amigos de infancia, oe Franças, que moravam perto da C SANTOS, naquela rua perpendicular à Estrada de Benfica.
Tera conhecimento do que é feito dêles? Um dos irmãos, o Luis, entrou para frade nos Dominicanos. E a minha memoria acaba aqui...
Agradeço se me pode ajudar.
Cordialmente,
Jörge
De Bic Laranja a 22 de Julho de 2015
Como dizia à leitora Verdade nunca morei em Sete Rios. Apenas publiquei esta fotografia daqueles tempos e... recebi cá estes comentários.
Muito obrigado do seu, também.
Cumpts.
De Verdade a 3 de Janeiro de 2006
Não me lembro de si mas lembro-me muito bem de Sete Rios e ao ver estas fotografias a comoção é enorme. Fui um dos promeiros nascimentos da maternidade Alfredo da Costa e um dos primeiros baptismos na Igreja de Fátima até onde íamos a pé, pela mão de nossa Avó, aos Domingos, ouvir a missa. Quando não íamos a Fátima iamos à capela dos Condes de Caria ou à Quinta das Mil Flores dos Carvalho. Pela manhã juntavamo-nos no cruzamento da rua de Campolide com a rua de Carnide e com a parte velha da estrada de Benfica esperando as camionetas dos respectivos colégios. Entre a criançada estava José Carlos Ary dos Santos e irmãs que vinham de Carnide e declamava. Às vezes era a mãe dele que nos ía buscar para juntos irmos ouvir a missa.
Ali vivemos até nos terem demolido e a câmara nos ter dado tuta e meia pelas casas e terrenos. A casa dos meus trisavós beijava a linha do combóio, foi vendida posterirormente a Caeeiro da Mata e nós viviamos naquelas casas que as àrvores escondem. No prédio da direita viviam os Burnay gémeos e por baixo um parente nosso da família do conde de Farrobo. Um irmão da minha mãe morreu ali à porta de casa. Trucidado por um eléctrico que esmagou o seu side-car quando vinha duma festa no palácio dos marqueses da Fronteira. O palácio dos Fronteira já era em Benfica. A minha avó tinha como inquilino um tal advogado Palma Carlos e a firma Pardal Monteiro para onde me escapava pois adorava talhar a pedra. Que Saudades!!! Saí dali com 11 anos, não posso esquecer o enorme jardim onde demos nomes a cada rua e onde andavamos de bicicleta, jogavamos voley, tinhamos horta e estrumeira, e enchiamos de amigos e primos todos os fins de semana. Na rua de Campolide morada o nosso médico, o dr. França e os Paraty irmãos da D. Teresa de Noronha que visitava a minha avó. Mais adiante na estrada de Benquita morava a Srª. D. Angela Calheiros, amigos da minha familia que visitavamos com certa assíduidade, tinham um jardim lindo. Parece ter sido uma repartição da polícia e agora em ruínas. Muitas Histórias e muitas recordações o Sr. me veio acordar. Hoje já com uma duzia de netos estranho a emoção que estas fotografias me proporcionaram e me fez correr Sete Rios pelos olhos. Obrigada!!! Nem sei como o seu Blog me apareceu na frente...é tudo tão estranho... eu nem procurava Sete Rios... A vida tem coisas....
Tudo de Bom para si e seus familiares no Novo Ano de 2006.
De Bic Laranja a 19 de Dezembro de 2005
Em boa verdade foi mais para assustar mochos que disse isso. Cumpts.
De Mocho a 19 de Dezembro de 2005
Penas de pato? Muito engraçado e conveniente, sim senhora!!! PIU!
De Bic Laranja a 17 de Dezembro de 2005
O palácio de Fronteira fica adiante, à mão esquerda da Estrada mas afastado. Este jardim foi ocupado pelas instalações do Metropolitano. Canetas, gosto das de aparo; ou então penas de pato. Cumpts. e obrigado! :)
De Mocho a 17 de Dezembro de 2005
Por acaso o jardim que vemos ali à direita não pertencerá ao Palácio dos Marqueses de Fronteira, agora propriedade de um marquês gordo, anafado, que dorme até às 5 da tarde (é ele que o diz) e que tem "sorte de ter nascido rico porque não gosta de fazer nada"? Nos meus tempos de estudante, saia da faculdade e descia sempre nesta paragem do palácio (não sei é se é este jardim ou este edifício, claro, mas é muito parecido com o que eu tenho na ideia). Fica bem. Queres uma Bic no Natal? Eu dou-te uma...hi, hi, hi...(pensava que gostavas mais das canetas de tinta permanente). PIU!
De Bic Laranja a 17 de Dezembro de 2005
Insolente: também aprecio os carros antigos; notou o trânsito atrás do eléctrico àquela hora da tarde? Um engarrafamento há 50 anos, hem?! - Manuel: 2/3 do tríptico que montei em 'Sete Rios' pertencem-lhe; e por eles vejo que a maior mudança no lugar se deu nos últimos 20 anos: a perenidade da mudança adensa-se. Cumpts. a ambos.
De Manuel a 16 de Dezembro de 2005
Sim. Lisbon Story. Algum tempo depois, desapareceu a frota Marcel. :) Abraço

Comentar