Quinta-feira, 25 de Abril de 2019

Leituras

 Não consigo saber quando vi pela primeira vez livros aos quadradinhos. Lá em casa havia alguns destes.

  Interessei-me genuinamente pelo seu conteúdo por altura da 2.ª ou da 3.ª classe (antes disso acho que pensava que serviam para arrancar folhas e testar canetas Bic). Mas só pelos bonecos, as letras ainda davam muito trabalho. Porém, chegado à 4.ª classe lá lia toda a conversa com sotaque inscrita nos balõezinhos.
  Mas o pior estava para vir.
  O meu irmão, que enveredara pela idade do armário, namorava uma moça que decidiu fazer de mim um juvenil. No Natal de 76 recebi deles uma prenda decepcionante:
  — Um… livro?! — balbuciei.
  — É dos Cinco — disse ela. E sorrindo perguntou — conheces?
  — Não.
  — É para leres, ouviste! — disse o autoritário do meu irmão.
  Fiquei aflito. Abri o livro e em quase 100 folhas voando debaixo do meu polegar não vi senão meia dúzia de ilustrações. Era palavreado a mais. Com tão poucos bonecos eu não ia conseguir perceber a história sem ler. Como sabia que eles me perguntariam algo sobre o livro, não tinha remédio senão ler aquilo.
  — Leio um bocadinho por dia — pensei — se me perguntarem, não há muito a dizer.
  No dia de Natal li o primeiro capítulo (e aprendi que o livro se dividia em capítulos).
  — Então, gostas do livro?
  — É… Já li um capítulo.
 Durante quatro dias a cena foi a mesma. Eu aflito e eles percebendo…
 No dia a seguir, que era quarta-feira, os Cinco salvaram o tio e… eu. Fora uma fabulosa aventura por passagens secretas no castelo da ilha Kirrin. Os espiões foram presos e o tio Alberto fez grandes descobertas científicas. E eu tinha acabado o livro!


Enid Blyton, Os cinco salvaram o tio, Lisboa, Emp. Nac. de Publicidade, 1974.

 Quando o meu irmão chegou do namoro perguntei-lhe se a namorada tinha muitos livros dos Cinco.
  — Eu peço-lhe para ela te emprestar os dela — e sorriu. Em 1978 deu Os Cinco na televisão
. .
______
[A recordação — em 8/8/2005, às 10h29 da noite — foi inspirada por isto. — É tornada a recordar hoje, pelo paganismo dos santos dos dias.]

Escrito com Bic Laranja às 11:29
Verbete | comentar
13 comentários:
De Bic Laranja a 9 de Agosto de 2005
Somos então uma geração rasca, hem! Cumpts.
De Ana a 9 de Agosto de 2005
Os cinco, os Sete, O colegio de Stª. Clara, O Colégio das 4 Torres... que saudades do tempo que tinha para ler. A minha primeira colecção foi a Anita. Agora para os mais saudosistas vamos ter o Herbie um carocha dos diabos e o regresso do franginhas "Carrossel Mágico"
De Bic Laranja a 9 de Agosto de 2005
Os Pequenos Vagabundos andam aqui: http://www.misteriojuvenil.com/vagabundos_Home.htm
O tema está lá também http://pwp.netcabo.pt/0449732802/audio/pq_vagabundos.wma . Cumpts.
De José Lima a 26 de Abril de 2019
Para quem os queira ver, todos os episódios de "Os Pequenos Vagabundos" estão disponíveis no "You Tube" - https://www.youtube.com/watch?v=AK2X79mSQaM
De Bic Laranja a 26 de Abril de 2019
Obrigado!
Cumpra.
De riacho a 9 de Agosto de 2005
Ah os Cinco! Também eu os devorei todos.
E a Patrícia, lembras-te dessa colecção?
E com eles vem-me à memória também o filme dos Pequenos Vagabundos--nunca me esqueci do som que fazia parte da banda sonora.
De Ana Paula a 26 de Dezembro de 2008
Foram os meus primeiros livros também, eu não parava de ler enquanto não chegasse o fim. Abraço
De Bic Laranja a 1 de Maio de 2019
:)
Cumpts.
De Inspector Jaap a 30 de Abril de 2019
Ai que saudades...
Devo confessar que, por motivos vários comecei um pouco mais tarde do que o caro Bic, graças às bibliotecas itinerantes da Fundação Gulbenkian; alguém conheceu? Eram umas carrinhas da marca Citröen que semanalmente paravam em sítios previamente designados; no meu "baptismo de fogo" fui aconselhado por um antigo professor primário (o CEO da furgoneta, ora essa!) a ler aqueles livros, já que tinha, ao tempo, 10 anos.
Calhou-me em sorte "Os cinco e o comboio-fantasma"; estava um dia de chuva, lembro-me bem, e eu comecei a leitura à lareira - enorme - dos meus avós. Fui corrido para a cama na fase em que eles descobriram que os carris de uma linha abandonada (até podia ser aqui que se passava a acção, caramba!) estavam bem luzidios; fui-me deitar e estive prestes a apanhar uns tabefes quando o meu pai descobriu, noite adentro, que eu tinha o candeeiro debaixo dos lençóis para conseguir ler; mas, verdade seja dita, que a ameaça foi devidamente temperada com um leve sorriso e o conselho:
- Amanhã acabas de ler que não perdes por isso!
E não perdi; demorei tempo, que o dinheiro não abundava, mas valeu bem a pena.
Só mais uma nota: alguém conheceu uma outra colecção de livros mas muito mais volumosos em que o “Tim" foi substituído pela catatua “Didi”? Era uma série “Uma Aventura em…"de 5 ou 7(?) livros; o tio Alberto era James Cunningham, homem dos Serviços Secretos Britânicos e os seus sobrinhos…
Obrigado, caro Bic, por me fazer - ainda que fugazmente - voltar à minha meninice. Bem-haja por isso.
Cumpts
De Bic Laranja a 1 de Maio de 2019
Colecção Aventura. Deles só apanhei a «Aventura no Mar», que era do meu irmão. Edição de 1969, com capa dura.
Cumpts.
De inspector Jaap a 7 de Maio de 2019
Lamento por si , por não ter lido a totalidade da colecção (7 volumes????), uma vez que a achei superior à dos "Cinco", imagine!
Ainda se lembra do "Bufo" e do "Bufão"?
Cumpts
De Bic Laranja a 11 de Maio de 2019
Também lamento. «A Aventura no Mar» só peguei nela depois de esgotar «Os Cinco», «Os Sete» e todos os «Mistério». Teria já uns 12. O livro, como disse, era do meu irmão. Andava lá por casa e era de maior fôlego do que aqueloutros, de modo que enveredei por ele com dúvida se me agradaria como aqueloutros que já lera da Enid Blyton. Foi entusiasmenante. O Bufo e o Bufão eram os papagaios-do-mar (cuido que na tradução portuguesa se diziam mergulhões). Lembro-me melhor deles que do enredo da história ou o nome dos pequenos heróis.
Infelizmente não tive arte nem engenho de procurar os mais.

Grande abraço!
De Inspector Jaap a 12 de Maio de 2019
Justamente; eram mesmo papagaios-do-mar; curiosamente, estou como o caríssimo Bic: lembro-me mais deles que do resto da história, com a excepção dum pequeno trecho quase no começo da aventura em que o tio leva os sobrinhos, suponho que para as Órcades, de avião e como queria uma certa zona do avião só para ele(s), fingiu um furioso ataque de tosse para afugentar os outros passageiros... (suspiro)!
Um grande abraço por mais esta viagem no tempo.
Cumpts

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____