Sábado, 6 de Novembro de 2010

Portugueses primitivos



Inaugura-se no dia em que o Arquivo Fotográfico da C.M.L. comemora a independência de Angola.

Escrito com Bic Laranja às 14:18
Verbete | comentar

Do complexo [do] emprego dos adjectivos

Isto anda complicado!... (J.L., 3/11/2010)

 Afinal a sociedade e a corte portuguesas de há 500 anos sempre se complicaram. O que faz dos portugueses de então bem menos primitivos, ou não?
 O sábio da exposição que se exprime neste modo, com ecos pelos jornais de letras,artes &c., comunica muito mais do que consegue dizer. A aquisição de produtos artísticos denuncia-o logo como tratante, não como curador de exposições de Arte. É como pensar em Calouste Gulbenkian e em Joe Berardo; o primeiro coleccionou arte, o segundo adquire produtos artísticos. – O benévolo leitor perceberá, por certo.
 Eruditos como Oliveira Caetano, que dizem as coisas nesta maneira, não são naturais de cá; arribam-nos contentorizados e certificados da Europa; daí a expansão portuguesa afigurar-se-lhe como extra-europeia. Quando Portugal era Portugal, e nós naturalmente portugueses, a expansão portuguesa depois da Reconquista foi simplesmente ultramarina... – Mas é muito complicado, não?!...

Escrito com Bic Laranja às 12:10
Verbete | comentar

Isto anda complicado!

mnaa.org


 O Museu de Arte Antiga vai realizar uma exposição de pintura portuguesa dos séculos XV e XVI. São os séculos de maior explendor da nossa História.
 E qual foi o nome que resolveram dar à exposição? – Primitivos Portugueses.
 Primitivo é um adjectivo bem achado. Remete os portugueses da Idade Média para além das cavernas e livra os comissários da exposição de se misturarem muito com aquela molhada dos painéis de S. Vicente.

 É, pois, uma exposição que "complexifica mais do que simplifica" (Jornal de ... Artes e Ideias, 3/11/2010).

 É no falar dos agora não primitivos assaz complexos portugueses que se nota a complexificabilidade em que isto se tornou.

Escrito com Bic Laranja às 11:00
Verbete | comentar | comentários (2)
Quinta-feira, 4 de Novembro de 2010

Incidentes...

Sitemeter...
 Um disparo no conta-quilómetros ali ao lado (320 entradas neste blogo hoje em meio-dia quando foram 355 ontem o dia inteiro) é um estranho fenómeno. O Sitemeter revelou o destino: um verbetezinho sobre o aivião Airbus 380 (http://biclaranja.blogs.sapo.pt/34810.html) de há três anos. Coisa de motores de busca atirando gente para cá, por certo. Mas porquê tanta busca por A380?
 Pois bem: um incidente, que não um acidente.
 No terra.com.br leio:

 O fabricante aeronáutico europeu Airbus reconheceu nesta quinta-feira que o incidente ocorrido com A380 da companhia Qantas, que teve de fazer uma aterrissagem de emergência em Cingapura, é o maior de passageiros do mundo desde a entrada em operação em 2007.

 Felizmente nada de pior a lamentar. Apenas três apartes:

  1. Contemporizo com a aterrissagem porque, enfim, foi uma emergência;
  2. Confunde-me que o incidente ocorrido [seja] o maior de passageiros do mundo porque; a) ninguém se feriu; b) o português escrito é paupérrimo;
  3. Que irá acontecer à Singapura com o aborto gráfico?!...
Escrito com Bic Laranja às 15:10
Verbete | comentar | comentários (8)
Quarta-feira, 3 de Novembro de 2010

Ainda a Av. da República, 37

 Ele há coisas que não entendo. Quem possua um prédio de cinco andares, sólido, em plena Av. da República em Lisboa há-de de ter jeito de fazer negócio, seja arrendando as casas, seja vendendo os andares, seja até vendendo o prédio todo. Mais estranho é não fazê-lo tendo uma tela publicitando a venda há muitos meses. O sacrossanto mercado não proporciona um encontro de valores para uma venda? Ou os mercados, como agora se diz, serão mera ditadura da oferta a preços absurdos...?
 Ou será a venerada economia de mercado algo surreal, em que o senhorio dum prédio, em vez de promover o legítimo negócio das suas propriedades, se recria (é o verbo recriar, não confundir o prémio municipal) em campanhas publicitárias a obscuras maçãs azuis enquanto deteriora a propriedade com as janelas escancaradas às intempéries?
 De feito, foi no café "A Cubana", que era neste prédio, que o Alexandre O'Neill conheceu o Mário Cesariny em 1945. Dois homens do Surrealismo, pois então.

Av. da República, 37
Av. da República, 37, Lisboa - (c) 2010

 

 Notai as janelas abertas no piso da mansarda e no 1º andar junto à árvore. A fotografia é de ontem ás 14h00. Hoje às 9h30 da manhã havia muitas mais, completamente escancaradas.

Escrito com Bic Laranja às 21:42
Verbete | comentar | comentários (4)
Segunda-feira, 1 de Novembro de 2010

Avenida da República, 37

 Esta agora serve de recado para uma Aguirre Newman e uma outra imobiliária sonante que pespegaram há meses na fachada uma tela a dizer «vende-se edifício».
 — Os senhores costumam arruinar as propriedades que têm para vender?
 De há meses até sexta-feira passada havia duas janelas entreabertas na mansarda do lado da Miguel Bombarda. Pois na dita sexta-feira — precisamente: o dia em que choveu que Deu-lo dava, com alertas da protecção civil e tudo — à hora de almoço passaram as tais janelas da mansarda a ver-se despudoradamente escancaradas; as duas do lado da Miguel Bombarda e mais uma (esta foi novidade) do lado da Avenida da República. Isto é o que vê quem passa, porque nas traseiras sabe Deus a incúria em que irão...
 Este prédio tem pormenores de Arte Nova, cada vez mais raros de achar nas avenidas graças à bruta avidez das imobiliárias e à grosseira conivência dos entendidos da Câmara. Já em 1969 o prédio parece que era para demolir; a fotografia abaixo assim o indicia. Um banco, e ao depois uma loja de cozinhas espanhola, mutilaram-lhe desgraçadamente a fachada. A Sociedade Portuguesa de Matemática foi arredada do 4.º andar e mandada um quarteirão para diante há dois ou três anos. O 3.º andar assemelha-se a um desses parques de empresas que todos os autarcas hoje fazem nos termos dos concelhos com tortuosas rotundas pelo caminho: Lisinur, Euro-atlântica, Imoatlântica, Sodege. Tudo imobiliárias ou parecido. Tudo negócios idóneos, não duvido. Mas amontoam-se todas no mesmo andar? Talvez repartam o custo a renda; talvez passem testemunho umas às outras... 
 No meio disto dois cafés e uma florista vão mantendo porta aberta (e o prédio de pé?). Por quanto tempo mais?


Av. da República, 37, Lisboa (J.H. Goulart, 1969)
Prédio para demolir, Lisboa, 1969.
João H. Goulart, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 16:18
Verbete | comentar | comentários (7)

Contra eventuais sismos...

J. Mascarenhas, «Sistemas de Construção - V», 3ª ed., 2009, p. 165

Jorge Mascarenhas, Sistemas de Construção – V, 3ª ed., Livros Horizonte, [Lisboa], 2009, p. 165.

Escrito com Bic Laranja às 07:30
Verbete | comentar | comentários (4)

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____