Segunda-feira, 6 de Outubro de 2014

A propósito de bronzes

 Obra do escultor Leopoldo de Almeida inaugurada em 24 de Novembro de 1970 e apeada num desses cunhais da História...
 Como entretanto as fundições de canhões nacionais cederam lugar à importação de submarinos p.p.p. pode ser que se ache [a estátua] nalgum armazém da falsa História -- a tal que nos legou uma pesada herança que também não existe...

Monumento ao marechal Carmona, Campo Grande (A.Serôdio, 1970)
«Por Portugal uno e indivisível», Campo Grande, 1970.
Armando Serôdio, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 16:48
Verbete | comentar | comentários (8)

A propósito de bustos

História de Portugal XV (Verbo, 2002) História de Portugal XVI (Ed. Verbo, 2006 ) História de Portugal (Verbo, 2008)


 Há cinco anos publiquei estas imagens para ilustrar a representação do Estado na II.ª e na III.ª repúblicas. As de cima são dos últimos volumes da História de Portugal do prof. Veríssimo Serrão. As inferiores (literalmente e em todos os sentidos) são da Presidência abrilina. Como documentos históricos a sua eloquência é óbvia. Como sinal dos tempos, as superiores, tal como a II.ª República, nunca existiram.

   Mário Soares (Júlio Pomar) Jorge Sampaio (Paula Rego)


(Imagens da
Editorial Verbo e do museu da Presidência)

Escrito com Bic Laranja às 12:22
Verbete | comentar | comentários (8)
Sábado, 4 de Outubro de 2014

Fantochada republicana

 Em 1911, à falta de melhor, a República comemorava os seus desgraçados mártires: um almirante sem navio que, desorientado numa recôndita azinhaga de Arroios (v. n.º 11), meteu uma bala nos miolos, e um psiquiatra propagandista que falhou a revolução porque foi morto na véspera por um furioso louco, doente seu. Dois heróis equívocos da República. Ambos falharam rotundamente o 5 de Outubro (um foi morto em 3, o outro matou-se em 4 de Outubro); a própria República proclamou-se por um equívoco. Neste ensarilhado de equívocos prosseguiu a malta do barrete frígio montando em 3 de Outubro de 1911 grande romaria de marujos pelos dois finados e botando inevitável discurso pela obra (?) do infeliz almirante Reis e pela memória do triste dr. Bombarda (ou não seria pela alma? -- de ambos...).
Marinheiros no cortejo fúnebre, Rua Morais Soares (J. Benoliel, 1911)

 

 Bom, factos são factos e propaganda é propaganda. Da propaganda aproveita-se esta imagem da Illustração Portugueza (II série, nº 295, 16 de Outubro de 1911, pp. 500-501) que mostra a Rua Conselheiro Morais Soares por alturas da Rua Barão de Sabrosa. Os marinheiros não me interessam nada, o que me interessa é o cenário campestre, são os curiosos empoleirados nos muros e são os vultos ao fundo, com umas árvores diante, do Hospital de Arroios e dum casarão com capela que havia na Azinhaga das Freiras - onde deram com o tal almirante suicida. À esquerda ainda se topam umas casas que serviram porventura de posto fiscal ao fundo do Poço dos Mouros. O monte no horizonte é para os lados do Arco do Cego. -- Extraordinário!

(Publicado originalmnete no dia de Nossa Senhora da Conceição de 2010 à uma da tarde. Remissões revistas. Cliché de Joshua Benoliel.)
Escrito com Bic Laranja às 21:05
Verbete | comentar | comentários (6)
Sexta-feira, 3 de Outubro de 2014

Da imperiosa evolução

 Não li a «Chacina do texto» além da chamada naquela escrita de mongolóides, mas pouco importa, conheço-lhe o argumento.
 E conheço o que o Hernâni quer... Leio os primeiros parágrafos desta réplica e só gasto tempo aqui a comentar porque são eles todo um estilo, todo um programa: diminui o Toledo a ignorante e prega-lhe o pior ferrete destes tempos: retrógrado. Nada melhor para desfazer alguém do que tachá-lo por burro e ferrá-lo modernaçamente como velho do Restelo. Depois, mais adiante, é ver o Hernâni sem agá aniquilar panfletàriamente o Toledo com o seu programa progressista de 1) para aprender a orthographia (ou o que seja) nada se haver de decorar e 2) a mocidade não querer outra coisa senão questionar, raciocinar, entender e evoluir.
 Pois experimente o Hernâni fazer uma continha de somar sem antes decorar os algarismos de 0 a 9 (pode usar máquina de calcular se lhe for mais fácil) ou ensine a mocidade brasileira a questionar a mãezinha em casa sobre se o pai é mesmo o pai. Pode ser que se daí entenda qualquer evolução...

Academia Portuguesa da História, Crónica Geral de Espanha de 1344; Edição Crítica do Texto Português por Lindley Cintra, vol. IV, I.N.-C.M., Lisboa, 1990, p. 328
Academia Portuguesa da História, Crónica Geral de Espanha de 1344; Edição Crítica do Texto Português por Lindley Cintra, vol. IV, I.N.-C.M., Lisboa, 1990.

Escrito com Bic Laranja às 23:59
Verbete | comentar | comentários (4)

Os homens das mantas

 Outro episódio para recordar aqui é o da invasão dos «homens das mantas». Em 5 de Outubro de 1911, quando se completava um ano sobre a implantação da república, em Lisboa, entraram pela raia próxima cerca de cento e cinquenta monáqruicos, cada qual com a sua espingarda e uma grande manta ao ombro. À frente da coluna, a bandeira azul e branca do regime deposto. Foi a chamada «incursão de Vinhais». Os invasores entraram na vila e acreditavam sinceramente que a população das aldeias transmontanas, tradicionalmente legitimista e amante da realeza, viria para a rua aclamar os libertadores, dando início a uma inctível avalancha popular. A decepção não podia ser mais completa. Nem sequer lhes chamaram «monárquicos», ou partidários do rei, ou cousa semelhante. Apenas os «homens das mantas». Sem apoio, completamente sós, voltaram à fronteira e internaram-se de novo em Espanha.
 Eram republicanos os aldeões de Vinhais em 1911? Eram monárquicos? A minha opinião é que eram gatos escaldados. Os comandantes da incursão não lançaram nas cartas do Estado-Maior um elemento que podia ser decisivo: o concelho de Vinhais é, de todos os de Trás-os-Montes, o que maior contingente deu para os autos-de-fé. Vila fundada na época dioniosíaca, povoou-se de filhos de Israel e foram eles que puseram aquelas encostas de pedra nua a dar o sumo da uva, e transformaram desertas serranias em lavouras úberes. Depois de 1500 começou a perseguição. Um desabafo imprudente, um dito infeliz, podiam provocar a denúncia, e a denúncia era o início de um longo martírio que acabava no auto-de-fé.
 Esta gente não tem nada de estúpida; basta meter conversa e percebe-se imediatamente que estamos perante uma população de excelentes qualidade mentais. Mas até hoje ninguém achou estranho que aos paladinos do rei exilado não tenham dado outro nome que esse epíteto, aparentemente bisonho e alvar, de homens da manta. É que nem perceberam que eram monárquicos. Nem equer viram a bandeira azul e branca, ou notaram que de cada ombro pendia, presa pela bandoleira, uma espingarda
Mauser; não ouviram rufar as caixas ou tocar clarins: tudo o que eles viram foi a pacífica manta, que, simbolicamente serve para apagar fogos. Muitos avós seus, por terem visto mais do que isso, conheceram trágicos destinos. Aqui está o que a Inquisição nos deixou: não ver nada para lá da manta. Se ao nenos a manta fosse larga e quente! Não é. Cada qual puxa-a para seu lado, e todos sentem o frio.

José Hermano Saraiva, O Tempo e a Alma. Itinerário Português, 2.º vol., Círculo de Leitores, imp. 1987, pp.171-172.

~~~~ * * ~~~~


A Incursão de Paiva Couceiro, Illustração Portugueza, N.º 295, 16 Out. 1911, p. 496.
«A Incursão de Paiva Couceiro», Illustração Portugueza, N.º 295, 16 Out. 1911, p. 496.

Escrito com Bic Laranja às 08:00
Verbete | comentar | comentários (6)
Quinta-feira, 2 de Outubro de 2014

Baixa, scena de rua

Rua da Assumpção, Lisboa (E.Portugal, 1939)
Rua da Assumpção, Lisboa, 1939. 
Eduardo Portugal, in Archivo Photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | comentar
Quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

Deu-lhe a traça

Casa Mariposa, Rua dos Fanqueiros 87-91 (A. Passaporte, 1940)
Casa Mariposa, Rua dos Fanqueiros, 1940.
António Passaporte, in archivo photographico da C.M.L.

 Não tardará em dar-lhe, a Lisboa por inteiro. Por mais ingrazéu em joguinhos que inventem, a armar saberem Inglês...

Adenda: peddy-crioule

Peid' e peiper...?!

Escrito com Bic Laranja às 19:40
Verbete | comentar

Fevereiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
15
18
19
25
29

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____