Sábado, 11 de Julho de 2015

Orada bucólica

Litoral rural, Orada (A. Pastor, 197...)
Litoral algarvio... rural, Orada, 197...
Artur Pastor, in archivco photographico da C.M.L.
 

Escrito com Bic Laranja às 09:01
Verbete | comentar | comentários (1)
Sexta-feira, 10 de Julho de 2015

Filha do homem que devorava livros?

Moça que devorava livros, Algarve (A. Pastor, 198...)
Moça que devorava livros, Algarve, 198...
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

 

Escrito com Bic Laranja às 09:01
Verbete | comentar
Quinta-feira, 9 de Julho de 2015

Geometria humanizada

Geometria humanizada, Algarve (A. Pastor, s.d.)Algarve, Geometria humanizada, Algarve, 1945-65.
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 09:01
Verbete | comentar
Quarta-feira, 8 de Julho de 2015

Geometria

Açoteias, Olhão (A. Pastor, 1955-65)
Açoteias, Olhão, 1955-65.
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

 

Escrito com Bic Laranja às 09:01
Verbete | comentar | comentários (7)
Terça-feira, 7 de Julho de 2015

Olhos de...

Olhos de..., Quarteira (A. Pastor, 1965)Olhão..., Quarteira, 1965.
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 09:01
Verbete | comentar | comentários (4)
Segunda-feira, 6 de Julho de 2015

Sol ardente, Anália Maria

ART016071.jpg
Paz no areal
, Olhos de Água, [s.d.].
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 09:01
Verbete | comentar
Domingo, 5 de Julho de 2015

Praia... com banhistas

Praia dos pescadores, Albufeira (A. Pastor, 196...)
Praia dos Pescadores, Albufeira, 196...
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 09:01
Verbete | comentar
Sábado, 4 de Julho de 2015

No tempo dos aldeamentos...


Aldeia das Açoteias, Algarve, 198...
Artur Pastor, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 09:01
Verbete | comentar
Sexta-feira, 3 de Julho de 2015

Abastecimento

fotografia.JPG
Bomba da Mobil, (s.l.), (s.d.). (Portugal Velho.)

Escrito com Bic Laranja às 08:02
Verbete | comentar | comentários (3)
Quinta-feira, 2 de Julho de 2015

Da resistência ao aborto gráfico

 Quem me conhece sabe que não sou de militâncias. Não me embalo com democracias. Todavia há maneiras de prosseguir intentos.

 Há cinco anos, o surpreendente empenho do institucionalão saco de plástico apanhou-me num fim-de-semana na praia e tomei consciência de que o inacreditável estava a ir por diante com mão invisível ante a bovina atonia geral. Depois da petição das 100 000 assinaturas à Assembleia encabeçada por Vasco Graça Moura haver sido humilhantemente arquivada ao esquecimento por uma horda de deputados desqualificados, parecia-me bem que mais nada se haveria fazer por contrariar a ignomínia. O que era surpreendente! Porque todos a que falava na porcaria do aborto gráfico se mostravam tão contrariados e ofendidos como eu.

 Pois bem, no meio daquela resignação fúnebre animei-me quando descobri a I.L.C. e os seus mentores, que prosseguiam, afinal, o intento de atalhar ao vergonhoso aborto gráfico com um projecto definido. A I.L.C., com os seus mentores e colaboradores era o único porto de abrigo dos que, como eu, não desistiam, mas não viam bem o que fazer.

 Infelizmente a I.L.C. não teve êxito. Congregadora de vontades individuais, mas apolítica, apartidária e não corporativa -- uma verdadeira iniciativa de cidadãos -- a I.L.C. demonstrou que a democracia -- sempre incensada nos media e agitada panfletariamente contra ditaduras e fassistas -- há-de ser boa é para... gregos.

 O diário Público e o semanário O Diabo, que se assumiram e assumem militantemente contra o aborto, e outros que continuam a escrever em português sem caso de abortografias como o Sol, o I, os Económicos ou a revista Sábado, nenhum - NENHUM! -- se dispôs a encartar os impressos da I.L.C. para recolha das necessárias 35 000 assinaturas.

 Mas a I.L.C. perseverava. E era só o que mexia.

 Outros, por vaidade, ciumeira ou sei lá porquê, em lugar de congregarem a massa de descontentes que como eu andava à nora em 2010, dividiram-na. -- O espectáculo dos grupelhos rivais da I.L.C. no livro das fuças a maldizerem-na, com erros de português, foi desgraçado.

 Chegados aqui, o aborto gráfico tomou Portugal de presúria e, refastelado no diário do governo, alambazado aos dicionários, mina tudo para embrutecimento do indígena. Ele é ver o índex das asneiras compilado pelo confrade J.P.G. da I.L.C.. A única asneira que lá falta -- a pior, a meu ver -- é dos novos mentores do referendo que surgem agora, ou mais outra vez, a fazer melhor que a I.L.C.: recolher, não 35 000, mas 79 000 (!) assinaturas para propor um referendo àqueles deputados engajados a tudo menos às Belas Letras ou sequer à Gramática. Como o farão não sei dizer; sem o empenho de diários, semanários, pasquins ou folhas de couve com um encarte de impressos como descrevi em cima, e sem os voluntários que angariaram a custo e expensas próprias as c. de 15 000 assinaturas da I.L.C. ...

 E é isto, a resistência ao aborto gráfico. Cada um faz a sua. Eu, por mim, enquanto tiver caneta e força nos dedos vou assinando e rasurando. E evitando protagonismo.

 Isto foi só um desabafo!... --  E agora vou ver a corrida na monumental da minha terra.

Arte & Emoção.
(Imagem da Radiotelevisão Portuguesa, ex-programa «Arte & Emoção».)

 

(Revisto no intervalo da tourada.)

Escrito com Bic Laranja às 20:37
Verbete | comentar | comentários (3)

Toiros na R.T.P.

Não me refiro a ninguém... É só o título do oráculo das corridas de touros que hão-de dar.

Toiros na Radiotelevisão.JPG
(In O Diabo, 23/6/15.)

 

Escrito com Bic Laranja às 08:01
Verbete | comentar
Quarta-feira, 1 de Julho de 2015

Que jeito me daria!...

 Calhava bem haver alguém capaz de esquartejar o Lince e pô-lo a trabalhar às avessas. Um Lince multiplicado por menos um para emendar os aleijões do Acordo Abortográfico. Isso é que era!
 Como se decifrará esta gaita...?

UM LINCE QUE CORRIGISSE AS MUTILAÇÕES DO ACORDO ORTOGRÁFICO

Escrito com Bic Laranja às 18:57
Verbete | comentar | comentários (5)

Da espuma dos dias

 Na espuma dos dias fervilha a Grécia. Na bancarrota há anos e a pagar o dinheiro que pediu emprestado com dinheiro pedido emprestado, hoje deu um calote porque lhe ninguém não emprestou mais. Estas coisas têm mais graça ditas por entendidos que falam na telefonia: um diz que é incumprimento oficial, outro chamava-lhe incumprimento objectivo; graças a Deus que não é default !...

  Com a bancarrota da Grécia, que hoje é oficial e objectiva, a bolsa -- perdão os mercados --, ontem, quando não era nem uma nem outra, afundava (?!). Ora hoje, sendo como é, estava em alta. -- Natutralmente não espero as marianas adams e outros entendidos que sopram nas telefonias desta vida saberem de verbos pronominais ou transitivos, portanto assumamos o crash do complemento enquanto a cotação da gramática na bolsa nos mercados se afunda. Daqui podemos continuar em alta na evolução do idioma para os níveis da linguagem infantil: -- «Senta aqui. Vê como os mercados afundam? -- Isto para não dizer que este nível de linguagem é equivalente ao falar crioulo...

 A bola (a bola jogada, não a chachada do jogo falado que dá todos os dias nas TV), -- quando me dedico a olhar para ela em dias letárgicos, se se me pega o quebranto dalguma lazeira estival -- é uma monotonia bocejante. Um tédio de dar sono! Ontem vegetei na 2.ª parte e prolongamento do campenoanto europeu de reservas enganado pelos 5-0 à Alemanha. -- Dantes diziam-se reservas, depois chamaram-lhe esperanças e hoje designam o escalão em modo de rotina informática como sub-21. A evolução da linguagem é bem o marcar passo desta civilização:
  Reservas carreava uma réstia de linguagem militar (nada em que se hoje queira pensar), com divisões de primeira linha e, cá está, reservas; não era dispiciendo dizê-lo assim pois falamos em grupos de homens de 20 anos, em boa idade de assentar praça...
  Já as esperanças eram muito mais deste tempo adocicado, em que ir á tropa obriga a uma anacrónica disciplina e... é violento; a violência e a virilidade quere-se aparente só, como os povos primitivos e as suas típicas pinturas de guerra; daí verem-se os atléticos corpanzis dos ases da bola todos alcatifadinhos de tatus que até assustam.
 Sub-21 será, afinal, o último grito de excelência tecnológica aplicada ao corriqueiro do dia-a-dia que é falar da bola à mesa do café com o diário da dita à frente: a segmentação sub- é para o indígena se não perder, segundo o melhor rigor da automação; nada de juvenis, juniores &c., que eram uma confusão.

 Pois os ditos sub-21 andaram por lá, na Europa, em campanha e... fracassaram!
 Hoje o Cavaco felicita a selecção nos jornais e até o Figo, nas redes suciais, lhe deu  parabéns!
 Acho piada a estes tiques de linguagem porque mostram o arrumo das cabeças e a pureza do papaguear.
Noticiário desportivo (Google, 1/1/15)

 

(Muito revisto às 11h00 da noite.)

Escrito com Bic Laranja às 13:00
Verbete | comentar | comentários (2)

Da real palavra de honra e de certa pontualidade... descabelada

(Nesta agora mistura-se o comboio e a pontualidade por um cânone assaz extravagante — ou out of the box, como parece chic a valer louvar-se por aí agora qualquer imbecil extravagância...)

In illo tempore, conta Trindade Coelho o curioso e caricato caso que pregou na cadeia academica, em «paternal custodia», os estudantes Azevedo e Silva e Manuel Palma, que eram redactores duma folha, a Evolução, que publicavam em Coimbra. Aquilo é que foram tempos de censura e presos políticos...

« Este incidente do Palma e do Azevedo e Silva, foi dos mais interessantes do meu tempo de Coimbra. Foi por causa da Evolução, um jornal de que o Palma era também editor, e onde sahiu um artigo do Azevedo e Silva, irreverente para a Universidade! Foram julgados pelo conselho de decanos, que os condemnou a uns dias de prisão e á perda de um anno; mas os dias de prisão foram de um grande pagode, porque á porta da cadeia academica, na rua dos Loyos, tinham sempre musica á hora de jantar, e champagne e companheiros a rodos; e quanto á perda do anno, remediou-se com uma portaria que revogou o accordão do conselho de decanos, mas que foi arrancada a ferros pelo Eduardo d' Abreu, ao ministro que era então o Fontes! Farto já de telegraphar ao Fontes sem resultado, o Eduardo d' Abreu apresentou-se na estação de Coimbra, quando o rei D. Luiz vinha do Porto de inaugurar os Albergues Nocturnos; e depois de conferenciar com Sua Magestade, no salão do comboyo, como o rei, constitucionalmente, só lhe désse bonitas palavras, e o Fontes, que estava ao pé, nem isso ao menos, o Eduardo d' Abreu vem á plataforma do salão real, e grita assim para a Academia toda:
  — Estudantes de Coimbra! Sua Magestade El-Rei acaba de me dar a sua palavra d' honra de que logo que chegue a Lisboa fará expedir uma Portaria readmittindo os estudantes Azevedo e Palma! — Viva Sua Magestade El-Rei!

Comboio n.º 1 (M. Novais 1933-83)

  A cara do Fontes não se descreve; mas caso é que logo que chegou a Lisboa, a Portaria foi expedida, e em Coimbra, durante uns poucos de dias, reinou um pagode real! Tenho todos os documentos, sem faltar um, d'esse longo e accidentado incidente, e formam um volume como um diccionario!
  O Azevedo e Silva está advogado em Lisboa, e é um commercialista de grande nomeada, aliás justissima; — e o Palma, o Manuel Palma que era o rei dos rapazes, e a quem chamávamos o conselheiro por usar barba toda e ser o modelo da pontualidade e do apuro, esse está em casa no Alemtejo, acho que em Beja.
  A pontualidade do Palma era tal, que cortava sempre o cabello no dia 1.º de cada mez, no Vaz que tinha loja de barbeiro ao pé da Feira; e como quer que uma vez alterasse a regra, e nos apparecesse na aula, no dia 1, sem o cabello cortado, e só o cortasse no dia 3, o Alfredo da Cunha fez-lhe logo estes versos:


Caso estranho e singular!

Singular e estranha ideia !
Venham sábios da Chaldeia
Tal phenomeno explicar!
Elle — o Palma — foi cortar
O cabello em dia três!!!
Mas porque é que d'esta vez,
Porque é que elle desvairou,
E o cabello não rapou
No primeiro d'este mez?!

Trindade Coelho, In illo tempore, estudantes, lentes e futricas, Aillaud, Paris — Lisboa, 1902, pp. 152-153.

 

 Pois deste caso tenho ainda que me meti hoje, eu, a ensaiar a tonsural pontualidade do Palma. Com uma diferença, que foi a de cortar o cabelo em dia 30 — o último do mês e não o primeiro — porque doutra forma não acharia como o fazer em tempo de aparecer na aula, no dia 1, com a lã tosquiada.

tonsure.gif


Imagens: Locomotiva D. Luiz, [s.l.], 1933-83. Mário de Novais, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.; Fradinhos, da rede...

Escrito com Bic Laranja às 00:05
Verbete | comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____