Quarta-feira, 21 de Outubro de 2015

Dos fracos...

 O grande Afonso de Albuquerque, homem valente e destemido que o medo não conhecia, conquistou Ormuz e fez o seu rei vassalo de el-rei de Portugal. Quando o rei da Pérsia ali mandou o seu embaixador a cobrar o habitual tributo ao rei de Ormuz, este mandou-o entender-se com o representante do novo suserano. Não sei se o embaixador da Pérsia tinha algum nome parvo como Valdis Dombrovoskis, mas, certo é que o grande Afonso de AIbuquerque o recebeu com cortesias de protocolo. Porém, em sabendo ao que vinha, logo mandou apresentar-lhe um monte de armas dizendo:
 — Esta é a moeda com que el-rei de Portugal paga os seus tributos.

 Isto não é lenda.


Ilustração: Carlos Alberto, História de Portugal, 13ª ed., Agência Portuguesa de Revistas, [s.l.], 1968.

Escrito com Bic Laranja às 18:26
Verbete | comentar | comentários (2)
Terça-feira, 20 de Outubro de 2015

R.F.E.

 Sabe o que é o R.F.E.?

 Regime de Fruta Escolar, cujas regras cá no burgo são instituídas complementarmente ao regime de fruta escolar europeu (R.F.E.E.?), por portaria conjunta dos ministérios da Agricultura, Saúde e Educação. O regime desta fruta (ou a fruta deste regime — dá no mesmo), mete ainda hortaliças, inclusive transformadas (genèticamente!?), não descurando mencionar expressamente as bananas (!) e derivados (!!). Fico por saber se o regime de fruta escolar regulará luso-complementarmente (eia avante, soberania!) marmelos ou outra qualquer marmelada, hortícola ou &c., em que a U.E. parece pródiga, como... o padrão da curvatura dos pepinos.

 Vai uma banana?

 

(Revisto. Um bocadinho.)

Escrito com Bic Laranja às 17:30
Verbete | comentar | comentários (2)
Segunda-feira, 19 de Outubro de 2015

Amanhã não...

... Mas depois de amanhã dão sol.

 

Terreiro do Paço, Lisboa, c.1970
Terreiro do Paço, Lisboa, c. 1970 [1972].

(Fotografia de não sei quem, achada não sei onde Jean-Henri Manara)

Escrito com Bic Laranja às 20:01
Verbete | comentar | comentários (10)
Domingo, 18 de Outubro de 2015

Tempo de chuva

Cais das Colunas, Lisboa (S. Silva, c. 1970)
Cais das Colunas, Lisboa, c. 1970.
Sena da Silva, apud Portugal Velho.

Escrito com Bic Laranja às 08:35
Verbete | comentar | comentários (2)
Sábado, 17 de Outubro de 2015

Estrada de Sintra, km 0,2

E.N. 249, Venda Nova, 193…
Estrada Nacional 249, Venda Nova, 194…

Escrito com Bic Laranja às 21:04
Verbete | comentar
Sexta-feira, 16 de Outubro de 2015

O gajo que leve chapéu

33A/33, Alto do Pina (P. Nunes, 2015)
33A/33, Alto do Pina, 2015.
Pedro Nunes/Lusa brasílica, in D.N.

Escrito com Bic Laranja às 22:18
Verbete | comentar | comentários (4)

Animação cultural

« Uma vez que a data limite acabou de expirar, esperamos receber sem mais demoras o plano orçamental de Portugal num cenário de políticas inalteradas e, a devido tempo, o projecto completo de Orçamento de Estado do novo governo», afirma esta sexta-feira uma porta-voz da Comissão.  [...]  Embora Bruxelas conheça a actual situação política portuguesa, «instou Portugal a submeter um plano orçamental num cenário de políticas inalteradas, em cumprimento dos requerimentos legais».  Ou seja, a Comissão Europeia quer [...]


 O mandarete que aí vegeta em fim de turno recebeu reprimenda lá de fora em forma de ultimato. Parece ele que anda meio rebelde; pois não passa de amanuense amuado que deu em mandriar porque, além de protocolarmente servir de capacho aos da Ouropa, viu-se agora extraturno como palhacito às mãos doutro trampolineiro igual a si.

 No tempo do Grande Afonso de Albuquerque a resposta àqueles bem sei qual seria. A mesma nação de gente há umas décadas, nem resposta daria. Mas o que os azares da fortuna nos reservaram para esta sexta-feira foi isto.

Escrito com Bic Laranja às 11:10
Verbete | comentar | comentários (2)
Quinta-feira, 15 de Outubro de 2015

Do noticiário de actualidades

 Se o anúncio do luzido dispondo-se a garrir salões foi a notícia do cão que mordeu um homem, o anúncio agora dos dois pardos que se não perfilam para embaciar o que nunca anunciaram garrir é como dar notícia de cães que não morderam homem nenhum.


Portugal, 1900-1919.
Foto: Charles Chusseau-Flaviens, in George Eastman House.

Escrito com Bic Laranja às 23:50
Verbete | comentar
Quarta-feira, 14 de Outubro de 2015

Traseiras do Júlio de Matos

Campos de Alvalade (Júlio de Matos), Lisboa (E. Portugal, 194...)

Plácida vista do manicómio antes de se os alienados afidalgarem por castas e se alaparem no poder.
Photographia, salvo erro, de Eduardo Portugal, com patrocínio do archivo photographico da C.M.L., para calcar para o fundo o quadratura Circoelho.

Escrito com Bic Laranja às 01:05
Verbete | comentar
Terça-feira, 13 de Outubro de 2015

Olhai lá o meu taxímetro, 'tá bem!

Jorge Coelho, SIC-N, 13/10/15

-- Só falo na quadratura do círculo. Não falo fora disso, 'tá bem! (Jorge Coelho, S.I.C., 13/X/15.)

Escrito com Bic Laranja às 21:38
Verbete | comentar | comentários (4)

Trova do tempo que passa

Mandaretes com cara de apeados do mando, Rato (© 2015)

 A prioridade do combate à pobreza infantil, ou a sua falta, entre outras assim, trouxe-me esta faustosa visão do Poder. Democrático.
 Ao vivo e em directo, do Rato...
 Seguiu-se o Cristiano Ronaldo, ora bem! E só ao depois o outro.

Escrito com Bic Laranja às 21:25
Verbete | comentar | comentários (2)
Segunda-feira, 12 de Outubro de 2015

Ciências fundamentais: formação avançada

Vai de pagar formação avançada a cientistas ultramarinos

 O Ultramar não podia ser nosso, mas, podemos sempre fazer umas vaquinhas por cá para continuarmos a sustentá-lo em forma(ção) avançada.
 Perfilemo-nos!

Lá vamos, cantando e rindo
Levados, levados, sim
Pela voz de som tremendo
Das tubas, clamor sem fim.
Lá vamos, que o sonho é lindo!
&c. &c.

🎼 ♬ ♪ ♫

Escrito com Bic Laranja às 16:19
Verbete | comentar | comentários (6)
Domingo, 11 de Outubro de 2015

Não dizem que ele é bom é para abrilhantar salões?

FullSizeRender.jpg

Telejornal, T.V.I., 11/X/15

Escrito com Bic Laranja às 21:08
Verbete | comentar | comentários (2)
Sábado, 10 de Outubro de 2015

Anseios de jornalista

«Mas não era saudável para o país [um governo estribado nos comunistas]?»

 

«Mas não era saudável para o país [um governo estribado nos comunistas]?» (M.ª João Ruela, Telejornal, S.I.C., 10/X/15, 21h01)

(M.ª João Ruela, Telejornal, S.I.C., 10/X/15, 21h01.)

Escrito com Bic Laranja às 22:16
Verbete | comentar | comentários (6)
Sexta-feira, 9 de Outubro de 2015

Nada novo debaixo do Sol

 O cata-vento candidato é a notícia do cão que mordeu um homem.

 

Pitonisa, Belém (fotomontagem da globalização a partir da «Bairrada Digital» e d' «O Diabo».)

(Alegoria de «fim da globalização» a Belém, a partir da «Bairrada Digital» e d' «O Diabo».)

Escrito com Bic Laranja às 22:02
Verbete | comentar | comentários (6)

Locutores trôpegos e fariseus de opinião

 Tanta paneleirice com a ladainha igualitária d' os portugueses e as portuguesas havia só de dar no que deu.

«E.R.C. abre processo contra RTP devido a notícia sobre novos deputados», Económico, 8/X/15.

Escrito com Bic Laranja às 20:05
Verbete | comentar | comentários (2)

Mediocridade

 — Não acha picante o falso ardor com que certas personalidades e  órgãos da democracia defendem o comunismo? Como se o comunismo não fosse um dos maiores inimigos da democracia...
 — Claro está, concorda Salazar. Quem defenda o comunismo, ou quem pretenda converter-se a essas ideias, tem de renunciar, se a sua atitude é sincera, à defesa da liberdade... Liberdade e Comunismo são duas ideias antagonicas...
 Acrescento:
 — Contradição tão assombrosa, afinal, como se essas personalidades e órgãos começassem, de repente a defender a Ditadura...
 E Salazar, que se entusiasma, que quasi gesticula, depois de já ter sorrido, depois de já ter rido, depois de já me ter provado que tem reacções visiveis diante de certas ideias, como qualquer português sensivel.
 — Retorica, mentalidade de comicio, processos eleiçoeiros, que nos inferiorizam, que são os maiores obstaculos para uma obra desempoeirada, renovadora e sã. Poinsard, que fez um inquerito à vida portuguesa há vinte e tantos anos, a convite do sr. D. Manuel, viu-nos como somos, à luz duma boa observação. Fazendo justiça às nossas qualidades, acreditando no nosso futuro, êle impressionou-se principalmente com o nosso provincianismo, com a nossa mediocridade na industria, no comercio, na agricultura, na vida política, no jornalismo, na arte e na literatura de então. Muito se tem andado desde êsse momento, mas é preciso não parar, é preciso lutar continuadamente contra a falta de elevação nas ideias e nas atitudes, contra essa mediocridadede processos, que atinge, por vezes, as inteligencias mais altas e os valores mais sérios...
 — Não acredita, portanto — pergunto eu, em busca da frase final da conversa de hoje — na sinceridade de certas promessas, nas declarações avançadas, extremistas, de certos homens públicos?
 E Salazar rindo com gôsto, com exuberancia, como os seus compatriotas não fazem uma ideia:
 — Olhe... Porque não diz a êsses estadistas, tão amigos do povo, tão amigos da igualdade, que regulem a sua vida particular, a sua vida íntima, pelas ideias que defendem? Talvez lho prometam, e até com boa-fé, mas daí à realidade...
 E ditas estas palavras, as últimas da tarde, o dr. Salazar, despedindo-se de mim, entrou para a sua casa na rua do Funchal, essa casa que não seria mais simples e mais modesta se êle fôsse um comunista praticante, que vale mais para o povo, no seu exemplo raro do que todas as palavras ao vento, do que todas as promessas...

António Ferro, Salazar, o Homem e a sua Obra, Empresa Nacional de Publicidade, 1933, pp. 68-70.


A. Ferro, «Salazar, o Homem e a sua Obra», E.P.N., 1933 (in Coisas)
(Imagem adaptada de Coisas.)

Escrito com Bic Laranja às 19:34
Verbete | comentar | comentários (2)
Quinta-feira, 8 de Outubro de 2015

Outubro de 73

Rua Garrett, Lisboa (A. Pastor, 1973)
Rua Garrett, Chiado, 1973.
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 16:18
Verbete | comentar | comentários (4)

Ainda a Rua do Carmo

Casa Geraldes; Casa Fanny, Sapataria Select, &c., Rua do Carmo (J. Benoliel, 1957)
Rua do Carmo,
Lisboa, 1957.
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 14:30
Verbete | comentar

O prèdiozinho da casa Fanny

Rua do Carmo, Lisboa (J. Benoliel, 1957)

 Curiosa sobrevivência dum r/c, 1.º e trapeiras — o prédio da Casa Fanny — em 1957. Photographia numa de Judah Benoliel numa manhã de Inverno, do passadiço do elevador de Santa Justa.
 No archivo photographico da Câmara de Lisboa.

P.S. ás cinco para as duas da tarde: roupa estendida numa janela a secar... Na Rua do Carmo...

Escrito com Bic Laranja às 11:49
Verbete | comentar

Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
17
19
21
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____