Domingo, 31 de Dezembro de 2017

À roda da meia-noite

Eléctrico 333, Alcântara-Terra (T. Boric, 1978)

Legenda do fotógrafo: eléctrico da carreira 19 em lisboa, á espera c. da meia-noite no terminus em Alcântara (Tim Boric, 1978).

Escrito com Bic Laranja às 23:55
Verbete | comentar
Sexta-feira, 29 de Dezembro de 2017

O umbigo de Marcelo

 Marcelo de Sousa, disseram há pedaço no telejornal, tem dois caixotes de documentos e livros no quarto. Este volumezinho já o ele leu mais duma vez no post operatório. Leu e gostou.


(A lista de Marcelo outrora na periférica.)

Escrito com Bic Laranja às 20:13
Verbete | comentar

Tio Zé Lapa

  No tempo do bilhete operário o tio Zé Lapa ia e voltava do trabalho no carro eléctrico. Era também costume naquele tempo, à medida que o eléctrico seguia o seu percurso, o cobrador [condutor, vulgo, pica-bilhetes] ir dizendo alto o nome dos sítios principais onde passavam.
 — SOCORRO! — avisava ele por alturas do Martim Moniz. — INTENDENTE! — dizia a seguir, a caminho de Arroios. — ANJOS! — E assim por diante.
  Vezes houve no regresso a casa que o tio Zé Lapa lhe dava tal moleza que se deixava dormir no eléctrico. Era um dormitar de orelha meia arrebitada, entremeado aqui e ali pelos pregões do pica-bilhetes. Numa daquelas vezes pegou no sono mal quase se sentou. Ouviu talvez um distante e sonolento «SOCORRO!» logo ali na Rua da Palma e ferrou a dormir. Quase que despertou, ao depois, com um sonoro «ANJOS!». Mas sem abrir os olhos só se ajeitou no banco para prolongar a soneca até Arroios. 
  — INTENDENTE!
 Mau!... Intendente?! Ali o tio Zé Lapa esbugalhou pela janela os olhos estremunhados. Que diabo! O carro eléctrico já ia de volta; descia em boa marcha a Rua da Palma! Saltou do atribulado eléctrico mal ele estacou no sinaleiro da Rua São Lázaro. Apressado, atravessando a rua, deu notícia do pica-bilhetes o fitar anunciando aos passageiros:
  — SOCORRO!

Rua da Palma, Lisboa (E. Portugal, 194...)
Rua da Palma, Lisboa, s.d..
Foto de Eduardo Portugal.

  Naquele dia o tio Zé Lapa chegou mais tarde para jantar. Nunca se convenceu que a sopa tardia não tivesse um saibo de malícia de pica-bilhetes.

(Publicado originalmente em 27 de Setembro de 2006 às 10 menos 24 da noite.)

Escrito com Bic Laranja às 16:02
Verbete | comentar | comentários (18)

Cenário de esquerda com carreta à direita (I.V.A. à taxa legal)

 Agora que se fala em partidos, merece a pena ler a legenda [o mural, queria dizer]. O governo parece que era de direita. Mas o cenário é, todo ele, de esquerda; incluída a carreta funerária à direita e a base do arco grande do aqueduto 25 de Abril.
 O autocarro foi da Carris. Antes de ser nacionalizado.

Autocarro da Serafina, Campolide (M. Rhodes, 1983)
Autocarro do B.º da Serafina, Campolide, 1983.
Mike Rhodes, in Flicker.

Escrito com Bic Laranja às 15:29
Verbete | comentar | comentários (2)
Quinta-feira, 28 de Dezembro de 2017

Rui... rio...

Subo e desço este rio
De Miranda ao Areinho
Sob a torreira e o frio
Faço a escarpa brotar vinho

Sonhei que era o Mississipi
E que Mênfis era no Pinhão
Vindimando ao som de adufe
Bandolim e acordeão

Rio abaixo rio acima
A dar aos remos no rabelo
Rio abaixo rio acima
Sayago paira por cima
O sonho vira pesadelo

Vinha eu no meu caíco
A ouvir das águas do Douro
Velhas lendas de fronteira
Entre o cristão e o mouro

Quando vi um pescador
Olhando o rio inconsolável
Que é da enguia e do robalo
Da tainha e do sável

Rio abaixo rio acima
A dar aos remos no rabelo
Rio abaixo rio acima
Sayago paira por cima
O sonho vira pesadelo

(bis)


Rui Veloso, Sayago Blues
Concerto Acústico, 2003.


Não é mau, este Rui rio abaixo, rio acima...

 


Sayago Blues. Letra e música: Carlos Tê / Rui Veloso.



... Mas quando o comparo com o Rui rio abaixo, rio acima ao vivo no Coliseu em 1987… — Pois! Já lá vão 30 anos!…


Rui Veloso, Sayago Blues
(Ao Vivo, 1988)

 

Escrito com Bic Laranja às 21:04
Verbete | comentar
Quarta-feira, 27 de Dezembro de 2017

Nesga da Betesga

Eléctrico da Gomes Freire, Rua da Betesga (ou Pr. da Figueira) (T. Boric, 1981)
Eléctrico da Gomes Freire, Rua da Betesga (ou Praça da Figueira), 1981.
Fotografia de Tim Boric.

Escrito com Bic Laranja às 17:52
Verbete | comentar | comentários (11)
Segunda-feira, 25 de Dezembro de 2017

Trinitá

 Do baú dos natais esquecidos recordei certa vez que no tempo das tardes de Natal com o circo do Billy Smart e das manhãs de Ano Novo com saltos de esqui na televisão, também havia irmos ao cinema: havia os filmes do Trinitá... Ir ao cinema era uma das prendas de Natal do tempo da minha infância (tempo em que os abrasileirados presentes pouco se ouviam).
 Por 2014, alguém a dava por finalmente achada, a voz original do «Trinitá, Cowboy Insolente»; na Austrália, em sua casa, no seu sofá, ante uma rica taça de vinho. Annibale Giannarelli.

 

Annibale Gianarelli, «O verdadeiro e original de Trinitá, Cowboy Insolente».
(por Daniele Giannarelli, in Youtube, 2014)



 Trinitá foi um nome que pegou por aí: nalguns bares, cafés ou pastelarias, nalguns pintas mais toleirões... E o assovio da melodia não havia quem no não soubesse; todos os putos lá da rua o sabíamos. Ainda há pouco o ouvi num telemóvel. Era dum manganão da minha idade.

Trinitá Cowboy Insolente, 1970.

Escrito com Bic Laranja às 16:12
Verbete | comentar | comentários (5)

Espírito dos natais presentes

 Em atenção à quadra e ao ermamento lexical oratório-televisivo, estão abolidas as «prendas» na linguagem. Há apenas e só «presentes».
 Siga!


O Natal descartável, subúrbios, 2005.

Escrito com Bic Laranja às 14:42
Verbete | comentar
Domingo, 24 de Dezembro de 2017

Tempos do fim

 A Polícia de Segurança Pública (portuguesa) fez fingiu uma cantiga de Feliz Natal (em amaricano) na melhor tradição pop contemporânea (amaricana). — Vi no noticiário ao meio-dia.
  No mesmo noticiário a notícia «[A] Venezuela expulsa dois diplomatas do Brasil e do Canadá», dada assim: A Presidente da Assembleia Nacional Constituinte venezuelana considerou o embaixador brasileiro Ruy Carlos Pereira e o diplomata canadiano Craig Kowalik "personas non gratas" no país.
  Personae non gratae
é latim. Personas non gratas bem vejo o que é (*).
  Estamos no advento, sim, mas no advento doutra era.

Personae-non-gratae-(SIC-N,.jpg
Jornal do Meio-Dia, S.I.C.-N., 24/12/17.

_______
(*) A locução latina persona non grata usa-se no nominativo, singular ou plural; personas non gratas é o plural, mas do acusativo; declinar latim a um jornalista, porém, é hoje escusado.

Escrito com Bic Laranja às 13:16
Verbete | comentar | comentários (6)
Sábado, 23 de Dezembro de 2017

Cartão de Natal



Natal, Carlo Maratti, c. 1650 — Óleo sobre tela, 90 x 75 cm (Galeria Gemälde, Dresda)

Natal *

Carlo Maratti, c. 1650 — Óleo sobre tela, 90 x 75 cm
(Galeria de Pinturas, Dresda)


 


 

 

 

Aos benévolos leitores que
generosamente visitam este blogo,
sinceros votos de

 



FELIZ NATAL


A todos


BOAS FESTAS !

 

 

 

 

Escrito com Bic Laranja às 14:56
Verbete | comentar | comentários (6)
Sexta-feira, 22 de Dezembro de 2017

Crepúsculo

Av. dos Estados Unidos, Lisboa (A. Pastor, 197...)

Av. dos Estados Unidos, Lisboa, 197...
Artur Pastor, in Arquivo Fotogáfico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 18:18
Verbete | comentar
Quarta-feira, 20 de Dezembro de 2017

Concessão à bola

Pus-me agora a ver a bola. Ia dizer isto e que o Sportem está a jogar ao contrário; era o que meu pai diria. O meu pai não gostava assim. Era uma daquelas fèzadas de dar galo. Não que desse, mas podia dar. Pois, olha! O Sportem acabou de meter golo.

 

Entrada do campo do Sporting, Campo Grande (E. Portugal, 1938)

Entrada do campo do Sportem, Campo Grande, 1938.
Eduardo Portugal, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 21:38
Verbete | comentar | comentários (7)
Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Lisboa moderníssima

Viaduto, Av. dos Estados Unidos (A. Pastor, 197...)

Viaduto da Av. dos Estados Unidos, Lisboa, 197...
Artur Pastor, in Arquivo Fotogáfico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 17:35
Verbete | comentar | comentários (11)

Lisboa moderna

Praça de Alvalade, Lisboa, c. 1970 (Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

Praça de Alvalade, Lisboa, c. 1970.
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 16:43
Verbete | comentar | comentários (2)
Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Avó gera neto?!

O jornalismo é bom, a linguagem é que atrapalha:

 Uma avó portuguesa vai mesmo poder gerar o neto. O Conselho de Procriação Medicamente Assistida deu luz verde à primeira gravidez de substituição em Portugal (R.T.P., 15/XII/17).

 Pela ordem natural, quem gera é mãe (e pai); quem incuba é incubadora. Se a incubadora é a mãe da progenitora (agora é mãe biológica), um ventre alugado ou uma chocadeira eléctrica, é o admirável mundo novo em gestação. Mas não é dele a trapalhice da linguagem. Ou é.

Diccionaro Contemporaneo da Língua Portugueza, Imprensa Nacional, Lisboa, 1881.

Escrito com Bic Laranja às 21:12
Verbete | comentar | comentários (7)
Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Dos tudantes em chachada, perdão, em luta

 Parece que há um protesto dos tudantes da Faculdade de Direito de Lisboa. A repórter Raquel Leitoa no local diz que já irá falar com presidente da Associação dos Tudantes para que — e cito — nos plique esta forma de luta.
 Antes da plicação vai adiantando que esta forma de luta é contra não sei quê mais os testes critos, e que a polícia está dentro da faculdade.

 (Ninguém pense, porém, agora aqui, em fascismo: bem que há luta, bem que há policia dentro da faculdade mas em fascismo não teriamos polícia dentro da faculdade; ela estaria ocupada pela polícia — de choque; agora, a democracia é um facto e o Estado de Direito não falha. É tudo claro na linguagem.)

 Prossegue a Raquel Leitoa em directo no local:
 — Vou agora falar com o presidente [da A.E.] para perceber as reivindicações dele [sic].
 Ele:
 — Há um incumprimento (*) dos direitos consagrados no regulamento. Os professores não sabem o regulamento. Os professores ensinam leis, não sabem aplicar a Lei.

 (O presidente dos tudantes protesta para que os professores de leis apliquem a Lei. Quererá, em extensão da luta, sanear já os juízes de Direito?)

 Prossegue ainda a Raquel:
 — A polícia está a entrar para dentro [passe o pleonasmo] da faculdade atrás deles [dos tudantes]. Formou um cordão humano [a polícia em democracia é composta de humanos, é também um facto...] Vai pedir a estes tudantes que se dirijam para a escadaria...

  Na democracia em forma de luta, na democracia do protesto dos direitos dos tudantes contra professores que ensinam leis e não sabem nem aplicam o regulamento, a polícia não ordena, pede. Depois protestem que não há condições!... Condigões!...

Untitled

Numa faculdade sem condigões [sic], fecham-se os portões, R.T.P., 12/12/17.
______
(*) A palavra incumprimento é um epifenómeno do inconseguimento geral — e dum aluno de Direito em particular de proferir simplesmente a expressão violar a lei. Ou  o regulamento, vá!

(Revisto às oito e meia da noute.)

Escrito com Bic Laranja às 09:38
Verbete | comentar | comentários (4)
Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Ainda no tempo dos chafarizes

Chafariz do Largo do Soccorro, Lisboa (Fernando Martinez Pozal, c. 1945)
Chafariz do Largo do Socorro, Lisboa , c. 1945.
Fernando Martinez Pozal, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 20:22
Verbete | comentar | comentários (16)
Domingo, 10 de Dezembro de 2017

Benfica 2 – Beleneses [sic] 1

 Disse certa vez o João Marchante: uma coisa boa dos blogos, é que podemos mudar de assunto assim...
 Posto isto, que temos aqui?
 O chafariz do Largo do Calvário em dia de Inverno, onde alguém rabiscou ufanamente: Benfica 2 – Beleneses (sic) 1.
 No archivo photographico da Câmara não estão muito certos da data desta chapa; atribuem-na a 194... — Palpita-lhes uma década inteira e não fazem por menos!
 Ora bem, sendo o mundo o que é hoje, com doutores em bola a cada pontapé num calhau e o futebol alcatruzado a ciência profusa, profícua e profundamente estudada, o que achamos? Resultados entre o Benfica e os Belenenses por 2-1 em 5 de Janeiro de 41 e em 1 de Março de 42. Há inda dois resultados de Belenenses 1 – Benfica 2 em 1 de Agosto de 43 e 30 de Abril de 44. Benfica 2 — Belenenses 1 só torna a haver em Outubro de 1952.
 Aposto em 1941. Que vos parece?

Bemfica 2 - Beleneses [sic] 1, Calvário (F-.M.Pozal, 194...)
Chafariz do Largo do Calvário, Lisboa, 1941.
Fernando Martinez Pozal, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 19:36
Verbete | comentar | comentários (9)

Cruz do Taboado

Instituto Agricola de Lisboa, Lisboa, 1862. Imagem estereoscópica da colecção do Conde de Arnoso, in archivo photographico da C.M.L.

Instituto Agricola, Lisboa, 1862.
Imagem estereoscópica da colecção do Conde de Arnoso, in archivo photographico da C.M.L.


 Referências:

  • a estrada à dereita é a Estrada da Cruz do Taboado, justamente por trazer ao lugar deste nome; prolongava a Carreira dos Cavallos que partia do Campo de Sant´ Anna; hoje é serventia mais larga e alinhada, conhecida por Rua de Gomes Freire;
  • o muro à dereita era da quinta do Conde do Redondo;
  • as casas e o muro à esquerda são da Escola ou Instituto Agrícola, depois Instituto de Agronomia e Veterinária e, mais no nosso tempo, simplesmente Faculdade de Veterinária;  são, ùltimamente, chãos da nova sede da Polícia Judiciária — um edifício cujo gosto não posso qualificar...

 Cirandando agora na memória do lugar da Cruz do Taboado (ou do Tabuado, à moderna), quem viesse de lá, da estrada entre muros, para cá, em chegando ao chafariz, teria à sua mão esquerda a Rua do Chafariz de Andaluz sobre que discorri um pouco há pedaço; à sua mão dereita, detrás do chafariz e seguindo perpendicularmente à Escola Agrícola, uma rua travessa chamada justamente Rua da Escola Agrícola — actual Rua da Escola de Medicina Veterinária (nome já sem sentido), que ligava à Azinhaga do Pintor, serventia antiga vertida na conhecida Rua de D.ª Estefânia.
 Ao depois, quem deste chafariz seguisse a diante, ou seja, para cá da imagem ou pela esquerda dela, tomaria sempre um de dous caminhos, a saber: o caminho de S. Sebastião, pela travessa ou azinhaga  do Sacramento — hoje grosso modo a Rua de Tomás Ribeiro — ou; seguindo a diante na estrada que saía de trás do chafariz (a rua que passa hoje ante o Liceu de Camões), tomaria logo aí a Estr. das Picoas (truncada, correspondendo às actuais ruas do Eng.º Vieira da Silva e das Picoas) que, prosseguindo na Rua das Cangalhas (Conde de Valbom), levava ao Rego.

 

Chafariz da Cruz do Taboado, Lisboa (C. Pereira, Archivo Pittoresco, 1862)

Instituto Agricola de Lisboa, Lisboa, 1862.
Coelho Pereira a partir da imagem estereoscópica da colecção do Conde de Arnoso, in Archivo Pittoresco, 1862, vol V, pág. 49, apud archivo photographico da C.M.L.

 

(Revisto.)

Escrito com Bic Laranja às 16:22
Verbete | comentar

Demolido e desapercebido (ou talvez não)

Av. do Duque de Loulé e Rua de Andrade Corvo, Lisboa (F.M.Pozal, 194...)
Av. do Duque de Loulé e Rua de Andrade Corvo, Lisboa, 194...
Fernando Martinez Pozal, in archivo photographico da C.M.L.


 Primeiro quarteirão da Av. do Duque de Loulé em Lisboa. Tudo demolido. Cuido que num passo ou outro dos Sinais de Fogo a personagem Jorge viu esta cena, tal como o autor Jorge de Sena.

 Quem entre na Duque de Loulé vindo da Gomes Freire (a Estrada da Cruz do Taboado) pode aperceber-se, não já dos prédios que se vêem na imagem, mas dos que lá fizeram ao depois. — Ainda por lá agora andam a alevantar um modernaço na esquina da Pr. de José Fontana por conta dumas casas muito antigas que lá restavam, arrisco, do séc. XIX.
 Quem entre pela Av. do Duque de Loulé, vindo, pois, de cima, se for atento notará o desalinho do primeiro quarteirão à direita com o eixo da avenida nova (do Duque de Loulé) que desce à Rotunda. A direcção desses prédios à direita de quem desce, aponta no sentido da Rua do Andaluz, uma velha rua hoje «escondida», que levava ao largo do chafariz dito ao cima da Rua de Santa Marta, mas que, dali, do cimo da Duque de Loulé se não vê hoje, pois foi truncada pela Andrade Corvo e pela a construção do prédio do Hotel Alicante no seu leito. Da primitiva serventia — a Rua do Chafariz do Andaluz, que partia da Cruz do Taboado e levava ao Largo do Andaluz, como já disse — subsiste o troço intermédio, das traseiras do Hotel Alicante à Rua de Sousa Martins; ali ainda achamos hoje à mão direita de quem desce umas casas antigas com a fachada em azulejo e um portão encimado duns dizeres: Quinta da Cruz do Taboado. É no n.º 52. Não seria a casa principal da quinta, porquanto esta me parece ter sido o solar da família Mayer, que pousava mais além, onde hoje havemos o palacete Sottomayor.

 Tornando à imagem aqui em cima, disitingue-se bem no empedrado da calçada o que é alinhamento novo — a Duque de Loulé — do que é o alinhamento antigo da Rua do Andaluz ou do Chafariz do dito. Adiante segue a Andrade Corvo, mais larga hoje e, mais esburacada também ao presente numa proporção bem maior do que a largueza que ganhou.

Escrito com Bic Laranja às 12:23
Verbete | comentar | comentários (2)

Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____