Sábado, 31 de Março de 2018

Redacção

 Uma sobrinhita teve antes das férias da Páscoa autorização da mãe para ir e vir da escola sòzinha. Vai fazer 14…

 Se bem me lembro, comecei a ir e vir da escola sòzinho ainda na primeira classe. Uma semana ou duas depois de entrar para a escola a minha mãe confiou que me não perdia e não perdeu ela mais tempo com levar-me ou buscar-me. Está bem que a escola primária era ao fundo da rua; hoje as escolas primárias acabaram e as que lhe sucederam nunca são ao fundo da rua — coisas, por desventura, do progresso da civilização de bairro para a de subúrbio, muito mai' moderna!... — Ao depois da quarta classe a escola preparatória já não era ao fundo da rua; era já caminho do bairro seguinte, mas continuei a ir só por mim, sem a mãe.

 Tornando à escola primária, a primeira classe era de tarde: da uma e meia às cinco e meia. Mas na segunda classe começou a ser de manhã. Recorda-me que sim: assim de manhã era um horário mais crescido; de tarde era coisa de criancinhas da primeira. E na terceira e na quarta continuei de manhã, a justificar a minha ideia. Foi já pela terceira, quiçá, pela quarta classe que me recordo dumas férias da Páscoa em que saí de casa e me espantei da luz da manhã na minha rua. Dês que passara a estar enfiado numa sala de aula que não via a minha rua de manhã. Esquecera-me. E revê-la radiosa assim, esbranquiçada com a leve neblina e ao fundo o Tejo, numa manhã de Primavera, foi uma surpresa. Tomei consciência de que a escola me privava de parte da minha rua e que só fugazmente, em dias de férias, a teria inteiramente de volta. Sem saber ainda a palavra, senti-me frustrado. Mas era bom recuperar ali estas saudades. Ainda mais assim quando, no meio destes pensamentos, ouvi o roncar do camião da U.C.A.L. que trazia o leite para a fábrica dos iogurtes; era outra peça das manhãs da minha rua que me faltava e uma das melhores, porquanto os homens da distribuição, entregues as vasilhas de leite, nos deixavam, à rapaziada da rua, seguir consigo à boleia na caixa da camioneta até à calçada, onde o motorista abrandava e nós aproveitávamos para saltar.

 Das férias da Páscoa tenho também a história do Monopólio, mas como já vai longo, fica para a próxima.

 

Judite Vieira, Manuel Ferreira Patrício, Silva Graça, «Manhã de Primavera», in Livro de Leitura da Segunda Classe, 1.ª ed., Atlântida, Coimbra, 1968, p. 68.

Judite Vieira, Manuel Ferreira Patrício, Silva Graça, «Manhã de Primavera», in Livro de Leitura da Segunda Classe, 1.ª ed., Atlântida, Coimbra, 1968, p. 68.

Escrito com Bic Laranja às 15:57
Verbete | comentar
Sábado, 24 de Março de 2018

Uma alma em 840 lotes

 O Palácio do Correio Velho vai leiloar, nos dias 21, 22 e 23 de Março, a colecção do historiador José Hermano Saraiva. Outrora reunidas na sua casa de Palmela, que o próprio desenhou e enriqueceu com elementos arquitectónicos de outras épocas, as peças totalizam 840 lotes.

José Cabrita Saraiva, «Rodrigo de Sá-Nogueira Saraiva: Lá em casa as antiguidades usavam-se no dia-a-dia», Sol, 19 de Março 2018.

 Sinto que o prof. Hermano Saraiva morreu pela segunda vez. Entristeceu-me à primeira; entristece-me agora. Da primeira foi o homem, agora foi a alma.
 O mundo hoje não está para certas coisas!...

José Hermano Saraiva, [Palmela] (Autor n/i, s.d.)

José Hermano Saraiva, [Palmela], [s.d.].
Autor n/i, in Sol.

Escrito com Bic Laranja às 21:40
Verbete | comentar | comentários (5)

Da conversação geral sobre novidades

 Noticiário, no dizer bondoso de Júlio de Castilho, era a conversação geral sobre novidades:

« O noticiario é um signal de vida, é a Historia viva, é a chronica nacional a retalho. Não lhe peçam litteratura, nem estylo, nem exacção; peçam-lhe movimento, pittoresco, drama e comedia, tragedia e farça; isso tudo elle tem, e tudo isso dá. Conta com enthusiasmo, embora se desminta no dia seguinte; espalha boatos que se não confirmam, mas do que diz fica um sussurro vago, que é a voz da população. Essa voz, escutada pelos nossos vindoiros, ha-de ser para elles um indizivel encanto. »
Julio de CastilhoLisboa Antiga: o Bairro Alto de Lisboa, 2.ª ed., vol. I, Lisboa, Bertrand—José Bastos, 1902, p. 247.

 Hoje porém, para os publicistas que se pretendem senhores das actualidades oficiais, a conversação geral sobre novidades é fake news. Porque lhe contraria as homilias da verdade única.
 E já nem de dizer «boato» temos cá gente capaz.

Banca de jornaleiro, S. Domingos (A. Pastor, c. 1974)
Banca de jornaleiro, L. de S. Domingos, c. 1974.
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 15:55
Verbete | comentar

Patético

 Uma que parece entendida em olhar o Mundo em geral e olhar o Putin em particular dizia há pedaço no canal de «notícias» («notícias») das «confirmações ou alegadas confirmações do envolvimento russo nas eleições americanas [como] no próprio referendo no Reino Unido».
 Ou a Rússia é todo-poderosa agora ou, quando as eleições não cheiram bem aos publicistas do votinho democrático universal, os batoteiros são os maus.
 Já a China «é uma potência benigna em ascensão».

Olhar o Mundo, R.T.P. 3, 24/III/18

Olhar o Mundo, R.T.P. 3, 24/III/18.

Escrito com Bic Laranja às 14:47
Verbete | comentar | comentários (2)
Sexta-feira, 23 de Março de 2018

Olha! Vistes?!

O Rui Rio disse hoje mal do governo.

 

Dupond & Dupont — (c) Lusa, 2018

Fotografia: Lusa [Brasílica].

Escrito com Bic Laranja às 21:24
Verbete | comentar | comentários (4)
Segunda-feira, 19 de Março de 2018

Mundo de aventuras...

 ... Em ruínas.
 Instalações da Fábrica da Pólvora no convento de Chelas, com a Horta da Maruja em segundo plano (detrás das casas e encosta acima) e Quinta do Armador (no alto), tomadas da linha de cintura.

Instalações da Fábrica da Pólvora no convento de Chellas, Horta da Maruja (detrás das casas e encosta acima) e Quinta do Armador (no alto), Chellas — © 1990-91 (X-GM12)

Chelas — © 1990-91

Escrito com Bic Laranja às 20:35
Verbete | comentar | comentários (7)
Quarta-feira, 14 de Março de 2018

Da espuma dos dias

 Os que acordamos diàriamente, por fé ou atavismo querendo saber da espuma dos dias, ligamos a emissora. E dela ouvimos os recados das centrais da doutrinação geral diária. Hoje havia duas: uma era que morreu aquele entrevadinho da teoria de tudo que conforma o mundo hoje, que dizia we're all time travellers turning together into the future com a mesma inspiração e gravidade com que Darth Vader disse: — Luke, I am your father! — Bom! Talvez com menos gravidade. Mas o penico electrónico donde ecoava a voz era o mesmo.
 A emissora gosta desde logo de compor estas homilias do engrandecimento das autoridades do paradigma vigente que passam a fazer tijolo arregimentando sumidades de autoridade gaseificada e pendor semelhante para começarem a assentar o dito tijolo nos muros da mitificação. Para o mito de hoje foram buscar o Carlos Piolhais. Phiolhais. Fiolhais. Amanhã esquecem.
 A segunda de hoje era que o governo vai disponibilizar dois milhões de euros para os centros oficiais de recolha de animais
 Acho dinheiro bem empregado. Contanto que os centros de recolha sejam mesmo oficiais!...

Carroça dos cães, Lisboa (E. Portugal, 1939)
Carroça dos cães,
Lisboa, 1939.
Eduardo Portugal, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 20:22
Verbete | comentar | comentários (15)

Dos significantes

Ouvi anteontem notícia duma greve nas infra-estruturas de Portugal. Confesso que não pensei em ferroviários.

Estação, Chellas — © 1990-91
Estação, Chelas — © 1990-91.

Escrito com Bic Laranja às 20:09
Verbete | comentar
Segunda-feira, 12 de Março de 2018

Nota de agradecimento

 Em pequeno vi o Robinson Crusoé na televisão. Fascinou-me a história, sobretudo a encenação de época: navios à vela, tempestades, naufrágios, ilhas remotas, selvagens antropófagos, mosquetes; um estímulo à minha imaginação e ao meu pendor, já na infância, para coisas de antigamente... Nem de propósito, pouco depois, recebi um livro fabuloso, ilustrado, com a história do Robinson Crusoé. Uma prenda da madrinha. Não sei como me adivinhou ela o gosto — e não porque eu tenha alguma vez pensado em tal livro, pois nem imaginava que existisse. Achei mais extraordinário o dom de me a madrinha adivinhar, porque em duas ou três ocasiões seguintes ofereceu-me ela outras prendas que coincidiram no meu gosto. E não foi nunca de eu pedir ou falar, porque os desejos que eu verbalizava eram de coisas diferentes, disso tenho clara ideia. Destas coincidências formei ideia de que a madrinha parecia que tinha o dom de adivinhar prendas que me agradavam. Até hoje. Mas, bom, é isto história de criança…

 Há semanas — em Janeiro — o José desfez na Porta da Loja um novo livro do atentado a Salazar em 1937, dum tal Araújo historiador e, de caminho, referiu Emídio Santana, velho anarquista por dentro do atentado que escrevera, ele, também, um livro sobre o caso (Emídio Santana, História de um Atentado; o Atentado a Salazar, Forum, Mem Martins, 1976). Recorda-me de ter pensado:  — Este livro é que talvez interessasse; não essa novidade agora do tal Araújo. Calhando ainda vou procurá-lo nalgum alfarrabista.
 E o caso passou-me assim na mente e esmoreceu sem que nada, afinal, eu houvesse feito nem viesse a fazer. Nem falei do caso a ninguém. Até que certo dia, uma ou duas semanas após, chego ao trabalho e tenho o livro de Emídio Santana na secretária com um recado: 
 — De: Fernandes […] Nota: depois falamos.
 
Quando falámos não só lhe agradeci como quis saber quanto lhe devia. Pois, não me aceitou o meu gentil amigo Sr. António Fernandes um real pelo livro. E que até o ofendia!… Contei-lhe resignado, então, que a feliz coincidência de me ele aparecer a oferecer um livro que eu desejara havia dias me recordava aquela história da minha madrinha em criança: era comparável no dom de adivinhar. O Sr. Fernandes só me disse:
 — Ora aí tem. Com essa história, já me V. pagou o livro.

  A imagem mostra mais um livro. Sábado de manhã toca-me o telefone; oiço de lá num estilo inconfundível:
  — Bom dia! Tenho aqui a «Correspondência Marcello Mathias / Salazar, 1947/1968», com prefácio do Prof. Veríssimo Serrão. Já tem?
 — Bem, não, mas veja o Sr. Fernandes...
 — Bem me parecia! Segunda de manhã lá o tem. Até lá!

 Não é só por estes que estou penhorado ao meu bom Amigo. São mais. Não sei como lhe pagar.

Escrito com Bic Laranja às 19:43
Verbete | comentar | comentários (11)
Domingo, 11 de Março de 2018

Da educação em pacote

 Uma notícia (notícia!?...) de há mais de um ano (que digo? Dois anos e meio) requentada hoje à hora do almoço num telejornal (nem sei que canal) espelha a infantilidade e define bem os horizontes desta civilização de subúrbio. Uma escola (escola?!) na mata do Choupal; um conceito pseudo-pedagógico a rasgar limites e convenções (deveras moderno!…) Um «projecto de educação» de jardim-infantil, de criancinhas dos 3 aos 5 — e não me refiro só aos educandos — em que no fim é tudo plastificado; das educadeiras (que bem se vê nunca cresceram, aprendizes que são da Escola Superior de Educação) à brincadeira certificada por trilhos de catálogo: o «caminho das poças», «o caminho dos escorregas», o caminho directo para a casa e outras opções […] O pilar básico das práticas que aqui se desenvolvem é a livre exploração, o brincar livre.

 Ah, o brincar livre! Santa conformidade ao pilar básico das práticas!...

 Lembra-me eu com isto das terras, do convento, do túnel da bruxa, mundo de aventuras e de lições vividas antes e depois da escola primária (que era só meio dia): numa vez podíamos ir descobrir as três pontes, que eu via da janela da minha mãe, e voltarmos a casa passadas horas, depois desses descaminhos — alguns mais meninos da mamã acabavam por apanhar da mãe ou da avó, raladas de não saberem dos bijous uma tarde inteira; noutra vez lá estavam à mesma, a descobrir o Broma, a Salgada, as Conchas,  as Conchinhas, a Maruja, os Alfinetes, a Madre de Deus, Xabregas, os Toucinheiros ou a Amorosa, por carreiros, calçadas, azinhagas, matas, barrancos, escaladas; tanta vez a dar em púrrias, como invasores de domínios alheios; tanta vez (já os tempos mudavam) corridos simplesmente à pedrada.  Os mais crescidos, que já conheciam todos os trilhos e lugares de aventura passavam o «seu» território aos mais novos, com orgulho, e assim seguia a exploração do mundo sem nunca acabar. Até que veio a civilização de subúrbio a cavalo na modernidade e acabou-se.

 Agora cresce-se só em estufas e brinca-se apenas por catálogo.

Ponte da Salgada, Marvila — © 1990-91
Ponte da Salgada
, Marvila — © 1990-91

Escrito com Bic Laranja às 14:22
Verbete | comentar | comentários (9)

Da betesga... mental

Rua dos Fanqueiros, Lisboa (J. Benoliel, 1945)
Rua dos Fanqueiros,
Lisboa, 1945.

Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

*     *
*


 Há dias publiquei esta da Rua dos Fanqueiros, das chuvadas de Novembro de 1945. Retoquei-a um tanto num editor de imagem. Obviamente, passados poucos dias, logo a houveram de chapar no livro das fuças — a que eu editei, não a que se acha no archivo photographico da Câmara, mais baça e menos definida (pesquise por «inundações judah» aqui, marcando Autores/produtores; cf. p. 4). — Talvez mencionassem lá no livro das fuças o nome do autor (mencionam); o que não mencionavam eram as fontes, primária (o archivo) ou secundária... Mas se ter ido parar ao livro das fuças a partir daqui ou dali não espanta (pelo contrário), já a parvoíce dos comentários por lá ainda me parece digna de tal.
 Pensando melhor, nem sei se será.
 De palpites mais tolos, dizendo que a imagem era do Martim Moniz e que a velha Praça da Figueira eram os pavilhões que lá andaram provisórios por 30 anos, aos dos egos mais ansiosos de exibir a sua sapiência repetindo-se sucessivamente no anúncio de que era a Praça da Figueira sem ler que já o anterior e uns poucos antes, também pressurosos, o haviam anunciado, nenhum — nenhum! — refere a Rua dos Fanqueiros. — Quiçá por remeter para fancaria e o saber facebookiano valer ouro! — Mas nesta gente que sabe tanto e tudo mais sem no entanto não ler nada, nunca, nem os poucochinhos comentários anteriores, há sempre um que sobressai; o que sabe ainda mais, além de todos, e diz magnânimo de rasgo: — É de facto o Mercado [sic] da Praça da Figueira e a foto obtida a partir da rua da Betesga.
 
Ora não haveria um sábio tamanho de saber, de ter enfiado antes o Castelo na Rua da Betesga?!...

Rua da Betesga, Lisboa (E. Cunha, c. 1910)
Rua da Betesga,
Lisboa, 19...

Eduardo Cunha, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 10:34
Verbete | comentar | comentários (1)
Sábado, 10 de Março de 2018

Do alarme

Telejornal, R.T.P., 10/III/18

Pode vir lá borrasca, mas isso é mero mau tempo no Inverno. Notícia a valer é o perigoso aviso vermelho que tingirá (exacto: de tingir) a costa... protuguesa.

 

Adenda às 9 menos13 da noite: neste mesmo instante o canal do Correio da Manhã interrompeu o alarme de perigo da manda-chuva Maria João Frada para dar o treinador Benfica. Não deixa de ser um aviso vermelho.

Escrito com Bic Laranja às 20:41
Verbete | comentar | comentários (2)

De padrinhos inspirados e de tempestades felizes

 As notícias da invernia no Inverno anunciam uma tempestade. Parece que lhe chamam Félix... — Agora as tempestades têm baptizo. E padrinhos inspirados...

Estrada inundada, Lisboa [?] (F. da Cunha, s.d.)
Enxurro, Lisboa [?], [s.d.].
Colecção de Eduardo da Cunha, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 12:01
Verbete | comentar | comentários (1)
Sexta-feira, 9 de Março de 2018

Seca extrema de fancaria

Rua dos Fanqueiros, Baixa (J. Benoliel, 1945)
Rua dos Fanqueiros,
Lisboa, 1945.

Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 10:20
Verbete | comentar | comentários (2)
Quinta-feira, 8 de Março de 2018

Seca de tempo!

Rossio de Lisboa (J. Benoliel, 1945)

Rossio, Lisboa, 1945.
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 08:15
Verbete | comentar | comentários (3)
Quarta-feira, 7 de Março de 2018

Aterro alagado

Av. 24 de Julho, Lisboa (J. Benoliel, 1945)
Av. 24 de Julho, Lisboa, 1945.
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 20:00
Verbete | comentar | comentários (2)

Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
21
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____