Segunda-feira, 30 de Julho de 2018

Rua do 1.º de Dezembro com portugueses

Rua do 1.º de Dezembro com portugueses, Lisboa (Augusto de Jesus Fernandes, 1961)

Rua do 1.º de Dezembro com portugueses, Lisboa, 1961.
Augusto de Jesus Fernandes, in archivo photographico da C.M.L.

 

Escrito com Bic Laranja às 19:00
Verbete | comentar | comentários (6)
Domingo, 29 de Julho de 2018

Da leitura

Ontem peguei num daqui para ler.

Livraria — DSCB0001 © 2018

Estante — © 2018

Escrito com Bic Laranja às 15:49
Verbete | comentar | comentários (6)

Da arte urbana, do empreendorismo, do chic e do povo

 Tal como no restaurant do chef Avillez (com dois lês), o prédio do Robles (outro nome chic) foi vandalizado.
 Não foi decorado com arte urbana; foi vandalizado! O mesmo design num prédio devoluto, aí sim, seria arte urbana.
 Quando a arte urbana dá no chic é assim: vandalismo. No resto é que é bom para o povo.

Aqui podia viver gente (Lisboa S.O.S.)

Imagem de Lisboa S.O.S.

Escrito com Bic Laranja às 12:40
Verbete | comentar

Da desconstrução

 Esta imagem define o culto da modernidade. Culto da modernidade pela modernidade. Culto mais inconsciente que cego, porquanto a modernidade quere-se de encher o olho. Daqui ter-se ali mandado o fotógrafo, a documentá-lo a nós, vindouros, para sabermos que os contemporâneos de 1961 não eram lá botas de elástico. A demonstrá-lo, o desprezo da imagem por aquela porcaria à volta da montra do banco: ferro forjado em Arte Nova de sacadas devolutas ou da porta da loja ao lado, onde, até as cadeiras e mesa modernistas da esplanada eram bafientos para a modernidade já pós-moderna.
 Ironicamente, em 2017, um desconstrutivismo tão desconcertante como ecléctico veio e, restaurou a fachada ao edifício. 
 Siga a próxima moda!

Fachada, Avenida da República, 37 (A.J. Fernandes, 1961)

Av. da República, 37, Lisboa, 1961.
Augusto de Jesus Fernandes, in archivo photographico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 10:23
Verbete | comentar
Sábado, 28 de Julho de 2018

Rua de D.ª Estefânia, 1961

Prédio para demolir, Estefânia (A.J. Fernandes, 1961)
Prédio para demolir (Rua D. Estefânia, 63-67), Lisboa, 1961.
Augusto de Jesus Fernandes, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 21:41
Verbete | comentar
Quinta-feira, 26 de Julho de 2018

Eléctrico 19 com atrelado

Eléctrico 19 com atrelado
Eléctrico 19 com atrelado, caminho do L. de D.ª Estefânia e com publicidade a Lumiar
, Santos, 1965.

John F. Bromley, Lisboa: diapositivos 1962–2004, in Flickr.

Escrito com Bic Laranja às 20:53
Verbete | comentar | comentários (6)
Quarta-feira, 25 de Julho de 2018

Eléctrico 24

Eléctrico 24, Rua Marquês de Fronteira (J. F. Bromley, 1979)

Eléctrico 24, Lisboa, 1979.
John F. Bromley, Lisboa: diapositivos 1962–2004, in Flickr.

Escrito com Bic Laranja às 21:23
Verbete | comentar

Largo da Abegoaria

Largo da Abegoaria, Lisboa (Artur Pastor, 1973)
Largo da Abegoaria, actual de Raphael Bordallo Pinheiro, Lisboa, 1973.
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

 

 Uma imagem interessante do Largo da Abegoaria, à Trindade, com um Austin 1100 como o do primo Zeca quase a não caber nela.
 O secular convento que deu o nome ao lugar da Trindade era de ante, onde está a casa forrada de azulejo que foi do Manuel Moreira Garcia, galego capitalista de forte crença maçónica, mas que ficou conhecida em vez do galego como a Casa do Ferreira das Tabuletas.
 O gaioleiro do séc. XIX na esquina NO largo (à esquerda) foi trocado não sei quando (pelos anos 80) por um mamarracho da C.ª dos Telefones.
 Pendurada sobre o largo, a placa dos eléctricos do Carmo: o 5 e o 24...

 Por edital de 11 de Fevereiro de 1915 o largo foi crismado de Raphael Bordallo Pinheiro, mas na Toponímia de Lisboa só se o acha caricaturando o nome do autor do Zé Povinho como Rafael Bordalo

288_3

Placa toponímica especial, Lisboa, [s.d.].
Artur de Matos, in Toponímia de Lisboa.

Escrito com Bic Laranja às 20:25
Verbete | comentar
Domingo, 22 de Julho de 2018

Como em MCMLXXXVII

Crowded House, Don't Dream It's Over
(Ensaio nos estúdios da cabeça redonda (Roundhead Studios, Auckland) transmitido na rede, 2016).

 

Como em MCMLXXXVII...

Escrito com Bic Laranja às 19:32
Verbete | comentar
Sábado, 21 de Julho de 2018

Das laranjadas e das gasosas

 Houve um tempo em que as gasosas e as laranjadas eram um regalo (já ninguém diz gasosa ou laranjada). Normalmente era no Verão, o melhor tempo do ano, quando a mãe nos deixava comprar em todas as refeições. Também era quando sabiam melhor. Refrescavam os Verões. Adoçavam as férias em casa e, especialmente, na do avô. Soube mais recentemente que em cada terra havia uma fabriqueta de refrigrantes. Indústrias regionais que não resistiram à C.E.E., à modernidade, ao progresso, à mundialização, ou lá o que foi. Era por isso que quando íamos de férias para casa do avô não achavamos laranjada BB ou gasosa Cristalina nos cafés da terra, e comprávamos outra marca que houvesse. Cada terra tinha a sua marca de refrigerante. Mas era bom à mesma: laranjadas e gasosas no Verão eram um regalo, tanto fazia a marca.

«Laranjada BB, Bem Boa», Eléctrico da Graça, Escolas Gerais (J.-H. Manara, 1972)
«BB», Escolas Gerais, 1972.
Jean-Henri Manara, in Portugal (Flickr).

 

«Cristalina», pulicidade no eléctrico 19, Terreiro do Paço (J-H. Manara, 1972)
«Cristalina», Terreiro do Paço, 1972.
Jean-Henri Manara, in Portugal (Flickr).

Escrito com Bic Laranja às 12:41
Verbete | comentar | comentários (4)

R.T.P. em directo

Forcados de Alcochete, 4.º toiro da noite.

XXII Grande corrida TV Norte, Póvoa de Varzim.

Escrito com Bic Laranja às 00:44
Verbete | comentar | comentários (7)
Sexta-feira, 20 de Julho de 2018

Sonhos dos 20 anos

The Corrs — Dreams
(Hyde Park, Londres, 2015)


… Mas em 2015 já não é bem a mesma coisa…

Escrito com Bic Laranja às 20:48
Verbete | comentar

Clássicos de porta à frente

 Dois AEC Regent V, os clássicos autocarros de porta à frente que vieram por 1957-58 e continuaram a chegar até 1966. Aqui de duas séries: o 347 (série 300), de 1958 já com a nova pintura toda verde dos anos 70 e, o 691 (séries 600-700), com a pintura original meia verde meia branca que lhe deram por volta de 1965 ou assim.
 Tem graça falar eu aqui em autocarros AEC clássicos e da sua clássica pintura verde porquanto na página da Carris, clássicos são só os laranjas, de 1975 em diante. Parece que não havia autocarros antes…

AEC Regent V n.ºs 347 e 691 (IF-72-95 e GE-92-81), Terreiro do Paço (J.H. Manara, 1972)

Autocarros 25 e 39, Terreiro do Paço, 1972.
Jean-Henri Manara, in Portugal (Flickr).

_____
Agradecimento particular ao João Marchante. Obrigado!

Escrito com Bic Laranja às 11:06
Verbete | comentar | comentários (4)
Quinta-feira, 19 de Julho de 2018

Ainda de cabos eléctricos…

C.A.T. — Cabos Armados e Telefónicos, Venda Nova (M. Novais, 1962)

C.A.T. — Cabos Armados e Telefónicos, Ld.ª, Venda Nova, 1962.
Mário de Novais, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 19:34
Verbete | comentar | comentários (2)

Igreja dos Santos Doze Apóstolos

 Em tempos escrevi sobre Raul Alves Fernandes.
 Esta igreja, dos Santos Doze Apóstolos — obra sua, juntamente com o asilo «A Caridade» (1928) e o preventório de São José (1957?) — dá a fachada para a Rua Barão de Sabrosa. É dessa rua a imagem.

Igreja dos Santos 12 Apóstolos e asilo «A Caridade», Alto do Pina, anos 50 (?).
Mário de Novais, in Bibliotheca d'arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 18:33
Verbete | comentar

Das tintas Atlantic

Autocarro da Buraca, Lisboa (J.-H. Manara, 1972)

Atlantic, Tintas, Terreiro do Paço, 1972.
Jean-Henri Manara, in Portugal (Flickr).

Escrito com Bic Laranja às 15:03
Verbete | comentar
Quarta-feira, 18 de Julho de 2018

Dos Cabos Ávila...

Autocarro de Caselas, Lisboa (J.-H. Manara, 1972)

Ávila, Cabos Eléctricos, Terreiro do Paço, 1972.
Jean-Henri Manara, in Portugal (Flickr).

Escrito com Bic Laranja às 16:30
Verbete | comentar | comentários (2)
Segunda-feira, 16 de Julho de 2018

De morrer em triplicado

Vai uma
Vão duas
Vendido!

Mariana Pereira, «A biblioteca de Hermano Saraiva pode ser licitada num 'click'», Diário de Notícias, 16/7/2018

Escrito com Bic Laranja às 23:20
Verbete | comentar | comentários (4)

Do Algarve castiço

[...] Duas cores e cheiro: branco, branco, branco, branco doirado pelo sol, que atingiu a maturidade como um fruto, pinceladas de roxo uniformes para as sombras, e um cheirinho suspeito a cemitério. O fruto que chega a este estado está a dois dedos do apodrecimento, e é talvez por isso que a ideia do sepulcro me não larga nas noites brancas e pálidas em que me julgo perdido num vasto campo funerário…
  O céu aproxima-se de mim. Da açoteia chego às estrelas com a mão. A aragem do mar é tépida e o cheiro persiste… Voluptuosidade e morte… Tenho a sensação criminosa de apertar nos braços uma mulher que se entrega, no momento em que entreabre a boca sucumbida — num vasto campo-santo, onde os espectros imóveis e brancos, de sudário, olham e esperam… O fruto vai completar o seu destino. Cheira que tresanda…

Raul Brandão, Os Pescadores, Porto, 2003. p. 148.


 

Rua da Falésia, 47, ex-pinhal de Albufeira, 2018.
Rua da Falésia, 47, 
ex-pinhal de Albufeira, 2018.

Escrito com Bic Laranja às 21:40
Verbete | comentar | comentários (4)

Do Algarve…

«Olhão, uma visão de África» (A. pastor, 1965)

  De manhã saio em Olhão deslumbrado. Céu azul-cobalto — por baixo chapadas de cal. Reverberação de sol, e o azul mais azul, o branco mais branco. Cubos, linhas geométricas, luz animal que estremece e vibra como as asas de uma cigarra. Entre os terraços, um zimbório redondo e túmido como um seio aponta o bico para o ar. E ao cair da tarde, sobre este branco imaculado, o poente fixa-se como um grande resplendor. É uma terra levantina que descubro; só lhe faltam os esguios minaretes. Duas cores e cheiro: branco, branco, branco, branco doirado pelo sol, que atingiu a maturidade como um fruto, pinceladas de roxo uniformes para as sombras, e um cheirinho suspeito a cemitério. O fruto que chega a este estado está a dois dedos do apodrecimento, e é talvez por isso que a ideia do sepulcro me não larga nas noites brancas e pálidas em que me julgo perdido num vasto campo funerário…
  O céu aproxima-se de mim. Da açoteia chego às estrelas com a mão. A aragem do mar é tépida e o cheiro persiste… Voluptuosidade e morte…Tenho a sensação criminosa de apertar nos braços uma mulher que se entrega, no momento em que entreabre a boca sucumbida — num vasto campo-santo, onde os espectros imóveis e brancos, de sudário, olham e esperam… O fruto vai completar o seu destino. Cheira que tresanda […]

Olhão, geometria de formas (A. Pastor, 194…-65)

  A habitação primitiva é um cubo com uma porta com uma porta e uma janela. Em cima a açoteia, para onde se sobe por degraus de tijolos, e muitas vezes sobre a açoteia o mirante. Entro num e noutro destes buracos com as telhas assentes em canas. Todos eles reluzem de cal. Dois compartimentos: a chaminé, que é o nome da cozinha, e a casa de fora. Uma esteira no chão, uma cama com uma colcha de seda, que só serve nos dias de festa, uma cómoda e um bancal de renda. A um canto um pote e o indispensável pincel. Caia-se tudo. Caia-se o lar e os degraus. Caia-se sempre. É um delírio branco. Subo à açoteia — a melhor parte da casa. O homem de Olhão tem por ela uma paixão entranhada. Se um vizinho a ergue, ele nunca fica atrás — levanta-a logo mais alto. É que a açoteia é o seu encanto: sítio esplêndido para respirar, eira para a alfarroba e o figo, e quarto para dormir no Verão sob um pedaço de vela.

Raul Brandão, Agosto de 1922, in Os Pescadores, Porto Editora, 2003. pp. 148, 154.


Fotografias: Artur Pastor, Olhão, uma visão de África e Olhão, geometria de formas, 194…-65 (ART016034 e ART016035, in archivo photographico da C.M.L.)

Escrito com Bic Laranja às 19:22
Verbete | comentar

Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____