Segunda-feira, 29 de Julho de 2019

Lajes da Terceira, 1971

Voo inaugural LIS/TER/LIS dos Transportes Aéreos Portugueses, Ilha Terceira, 1971Lajes da Terceira, Açores, 1971.
Chegada do voo inaugural Lisboa/Lajes. Ao centro o Sr.  Eng.º Vaz Pinto, Presidente da T.A.P., ladeado (à esquerda) pelo Governador do Distrito, Dr. Teotónio Machado Pires e pelo Presidente do C.A. da R.T.P., Dr. Ramiro Valadão; (à direita) pelo Comandante da Base Aérea Americana, General Warren e pelo Comandante da B.A. 4, Coronel António Joaquim da Costa Bastos e um quarto cavalheiro que não sei identificar.
Inter TAP,
N.º 33, 2.º Trim. 1971, in Hemerotheca Digital.

~ ~ ~    * * *    ~ ~ ~


 Há tempo preguntava um leitor se não tinha eu alguma fotografia da abertura das Lajes ao tráfego aéreo civil. Uma fotografia desse acontecimento ou um momento desses primeiros tempos da operação da TAP nas Lajes. Na ocasião não soube dizer nada e ficou o caso remetido para o museu da TAP. Ora de lá fiquei sabendo hoje que na «Inter TAP» n.º 33, há, a pp. 36, notícia do primeiro voo da TAP Lisboa/Lajes, que partiu de Lisboa às 13h25 do dia 7 de Abril de 1971 com numerosa comitiva de individualidades e convidados. O Avião deste voo inaugural, percebe-se na imagem, foi o Boeing 707 CS-TBA, «Santa Cruz». A TAP propunha-se «fomentar o turismo na ilha Terceira» — é o título da notícia — e o intuito era fazê-lo d' ambo-los lados do Atlântico Norte. E dele, então, a rota Lisboa/Lajes/Boston/Lajes/Lisboa que veio a estabelecer-se.
 Na mesma página, a notícia doutra nova ligação aérea entre Lisboa e os Açores.

InterTAP, Nº 33, 2º Trim 1971, p36


 Para ler a revista completa em .pdf, prima a capa.

Inter TAP, N.º 33, 2.º trim. 1971

Escrito com Bic Laranja às 21:59
Verbete | comentar | comentários (12)
Domingo, 28 de Julho de 2019

O Vale do Sousa é um vale com cerca de 800 km²


José Hermano Saraiva, O Vale do Sousa
(Horizontes da Memória, R.T.P., 27/VII/1997)

Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | comentar
Domingo, 21 de Julho de 2019

Antigamente ardia aqui uma fogueira para guiar os navegantes


José Hermano Saraiva, Cascais, trono de saudades
(Horizontes da Memória, R.T.P., 20/VII/1997)

Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | comentar | comentários (4)

Descriminação de género

 Chamar meloa à meloa porque é menor e melão ao melão porque é maior não é justo. A comissão da igualdade havia de já ter visto.

Melões e meloas — © Sonae, 2019
Melão e meloa, do caixote da fruta do Belzemiro & Filha.

Escrito com Bic Laranja às 13:25
Verbete | comentar | comentários (5)
Sexta-feira, 19 de Julho de 2019

Não se deve dizer «preto»

Feijão afrodescendente Compal (colhido na horta da Net)

Feijão afrodescendente Compal colhido na horta da Nete.

Escrito com Bic Laranja às 11:50
Verbete | comentar | comentários (4)
Quinta-feira, 18 de Julho de 2019

Eléctrico em scenario campestre. Surreal!

Eléctrico, Cruz Quebrada (John F. Brownley, 1968 ? )
O eléctrico 15, Cruz Quebrada, 1968.
John F. Bromley, Lisboa: diapositivos 1962–2004, in Flickr.

Escrito com Bic Laranja às 18:35
Verbete | comentar | comentários (4)
Quarta-feira, 17 de Julho de 2019

Victor Palla e a Aldeia das Açoteias (dum inglês que perguntou e do que lhe respondi)

Prespectiva das casas da Aldeia das Açoteias (Victor Palla, Bento d' Almeida, c. 1968)
Perspectiva das casas da Aldeia das Açoteias, Praia da Falésia c. 1968.
Victor Palla e Bento d' Almeida, in Arquivo do atelier
.

 Victor Palla foi arquitecto e artista de facetas variadas: fotógrafo, escritor, pintor, escultor, ceramista, desenhador… Foi o arquitecto da Aldeia das Açoteias, com Bento d' Almeida, seu sócio de 1947 a 1973.

 Portugal desenvolvia-se ràpidamente nos anos 60 e o Algarve desenvolvia-se ainda mais ràpidamente à conta, já, do turismo. Albufeira era um destino turístico regular desde os anos 50; a Vilamoura começou do nada por 1965. Assim sucedeu com a Aldeia da Açoteias: do nada, em 1967. A Victor Palla e Bento d' Almeida foi encomendado pela S.U.R.F.A.L. (Sociedade Urbanizadora da Praia da Falésia) o projecto dum complexo na Praia da Falésia como parte dum desenvolvimento em grande escala para se, numa obra integrada, conseguir satisfazer as necessidades do turista moderno (v. planos a pp. 1319-1332). O projecto é de 1967-68 — um grande projecto de arquitectura com diversas áreas: residencial, de estúdios (T0) a moradias T3 e T4, algumas incluindo quarto da criada a par da cozinha; área desportiva, courts de ténis, escola de equitação; hotéis de luxo e mais modestos; serviços administrativos, capela, serviços religiosos, correios, mercado, salão de chá, pousada… Mais próximo das arribas um Hotel da Falésia e mais serviços: barbeiro; supermercado, farmácia, lavandaria e lojas.
 
Só parte do projecto foi levada a cabo: 1) a Aldeia das Açoteias como ainda a conhecemos, com a sua recepção, o restaurante/discoteca, salão de conferências, lojas e as casinhas pitorescas tão bem integradas no pinhal que o único que sobressaía da copa das árvores era a cúpula do restaurante/discoteca; 2) a Aldeia do Mar, mais a par da falésia (hoje um pequeno empreendimento emancipado da Aldeia das Açoteias, designado como Aldeia da Falésia, que é a única parte ali do projecto original), começado em 1971, inacabado por falta de dinheiro à conta da revolução de 1974 (o mais acabado e definitivo desastre nacional). — Segundo me contaram, por 1974-75 os administradores do empreendimento fugiram para o Brasil com a massa do projecto e a Aldeia das Açoteias encalhou. Aí, às pessoas que compravam então as suas casinhas na planta e iam adiantando o pagamento da construção, foi oferecida a posse total ou parcial do que havia sido edificado, de acordo com os pagamentos que haviam feitos. Naturalmente que a escolha da posse parcial recaiu nos meses de Verão e a Aldeia das Açoteias viu-se desde aí com o rendimento reduzido aos poucos alojamentos sobrantes da ocupação das casas pelos proprietários na época alta, de Julho a Setembro.
 Pelo fim dos anos 80 o definhar do empreendimento
era notório. Em 2009 estava assim…
 
Na área do projecto de Victor Palla de 1967, empreendimentos outros vieram a ser licenciados pela Câmara de Albufeira a descaso do projecto original. O pinheiral veio de ano a ano a emagrecer enquanto os empreiteiros e as imobiliárias engordaram com os loteamentos… Claro que parte dessa gordura escorre com ou sem o calor algarvio a untar eleições autárquicas e partidos políticos; com esse escorrer escorrem de volta licenças camarárias para mais e mais projectos de construção…
 Pode o benévolo leitor entender daqui por que se fala na Aldeia das Açoteias poder vir a ser demolida, apesar de ser um dos primeiros (quando não o primeiro) aldeamento do género no Algarve?…
 Niguém quere saber de nenhum património senão quando gera retorno a torto ou a direito, que é como quem diz, à esquerda e à direita…

 Victor Palla pode ter sido um artista subestimado no seu tempo e desde então esquecido. No outro ano, porém, foi lembrado no Centro Cultural de Belém pelos seus trabalhos de arquitectura e, ao depois no ano passado, outra exposição das sua fotografias de Lisboa foi levada a cabo no Museu da Cidade. Cuido que estas lembranças tenham que ver dalgum modo com Victor Palla ter sido casado com a senhora Palla (e dali o nome que mantém) mãe do actual primeiro-ministro. É só uma conjectura… Seja qual a razão, Deus queira que esta recuperação recente da memória do arquitecto Victor Palla sirva a que não deitem a perder a Aldeia das Açoteias.


Aldeia das Açoteias, Albufeira (Ed. Foto-Vista, n.º 1489)
Aldeia das Açoteias, Albufeira (Ed. Foto-Vista, n.º 1489).
(Postal circulado de Albufeira para Bruxelas em Maio [?] de 1980.)


_____
Dum inglês que perguntou e do que lhe respondi, traduzido e trazido agora aqui a propósito de nada ou dum vazio qualquer.

Escrito com Bic Laranja às 20:20
Verbete | comentar | comentários (4)
Domingo, 14 de Julho de 2019

Senhores telespectadores, estamos na serra do Barroso…


José Hermano Saraiva, Nas alturas do Barroso
(Horizontes da Memória, R.T.P., 1997.)

Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | comentar

Aposta falhada

 À hora que vedes, já o jogo acabara, a aposta da wikipæda (isso mesmo, uiquipeida) no campeão mundial de hóquei em patins era... Ora bem!...

 

In wikipæda, 14/VII/2019

Wikipæda, 14/VII/2019.

Escrito com Bic Laranja às 21:11
Verbete | comentar
Sábado, 13 de Julho de 2019

Da bica

Dantes havia uma louça assim. Ao depois deixou-se de ver.

 

Bica, Algarve — (c) 2019

Bica, Algarve — (c) 2019

Escrito com Bic Laranja às 20:54
Verbete | comentar | comentários (12)
Quinta-feira, 11 de Julho de 2019

25 de Abril, pois...

 Pois! O 25 de Abril tem porras. Uma ponte Salazar não lhe enchia o currículo. Precisava compô-lo com... toda a cultura de desleixo e ignorância que o ensino abrilino veiculou por gerações. Eis uma boa ilustração.

Jornalismo do Observador, 11/VII/19

 

Escrito com Bic Laranja às 21:44
Verbete | comentar | comentários (2)
Domingo, 7 de Julho de 2019

O progresso material e espiritual do provincianismo very typical

 O comboio chegou aqui e já não anda mais. Há muitos, muitos quilómetros de linha até Bragança. Mas o comboio a partir daqui, já não anda mais […] E não era assim.
 […]
 Para aproveitarem um pouco da via férrea, aqui tiveram uma ideia que realmente foi uma ideia feliz. Transformaram os carris no metro. De maneira que Mirandela é a única cidade portuguesa além de Lisboa que tem o metro. É uma boa ideia. O metro, como vêem, a carruagem vem cheia de estudantes. É o metro que leva os rapazes e as raparigas para a escola. Óptimo! Agora, há coisas curiosas. Esta carruagem em que eu embarquei tem um nome. É a carruagem de Estrasburgo. Eu podia ter ido para outra, mas a outra chamava-se… de Bruxelas, acho que ainda era pior. E há uma terceira que era de Paris…

 Então e as estações?
 Se repararem bem todas as estações têm aí um nome na placa. As estações chamam-se agora Jean Monnet, Jacques Delors, Mirandela/Piaget.
 Isto tudo aqui!… Isto tudo aqui, entre os castiços montes da mais castiça das províncias portuguesas.

José Hermano Saraiva, Nas margens do Tua
(Horizontes da Memória, R.T.P., 6/VI/1997.)

Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | comentar | comentários (2)
Sábado, 6 de Julho de 2019

Bob. Português very typical

Bob, o português (Expesso — isso mesmo! —, 6/VII/19)

Superportuguês, made in Texas.(Expesso — isso mesmo —, 6/VII/19.)

Ao depois queixem-se do vinho do Porto produzido na Califórnia.

Escrito com Bic Laranja às 18:29
Verbete | comentar | comentários (2)

Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____