Sexta-feira, 29 de Novembro de 2019

Advento das comprinhas

A Baixa na época de Natal, Rua do Ouro (J. Benoliel, 1939-46)
A Baixa de Lisboa pelo Natal, Rua do Ouro, c. 1940.
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 23:38
Verbete | comentar
Quinta-feira, 28 de Novembro de 2019

Blaque fridai

 Assim se deveria dizer. Como se dantes dizia e diz «máquinas sínger» ou «laca sunessilque».
Isto se fosse por assimilação natural.
 Porém, como blaque fridai é afrontosamente como o haloíno, vamos lá com blaque fridai como que por desprezo. — O O'servador (o «b» deste pasquim entendo que é consoante muda; omite-se) resolveu até educar-nos na rica história da cultura amaricana. Para decerto não morrermos nós, consumidores, num apagado e vil vazio de História em Portugal.
 Blaque fridai, fo… rça! (Doutra maneira não se pode dizer «preta»…)

Blaque fridai, fo…!
Guife do O-bzz-bzzz-ervador.

Escrito com Bic Laranja às 21:28
Verbete | comentar | comentários (2)
Quarta-feira, 27 de Novembro de 2019

Humor afiado

  Há que dizer que o Livre se está a pôr a jeito. Quando, no comunicado «Sobre o voto de condenação à agressão israelita a Gaza», diz que o voto de Joacine Katar Moreira «não refle[c]te as tomadas de posição oficiais do partido», enterra-se. Afirmar que Joacine «não reflecte» é uma óbvia crítica à sua cor da pele, que por ser negra não reflecte a luz. Pelo menos, é esse o sentido que as pessoas vão dar. Não as pessoas normais, que sabem interpretar um texto, mas as pessoas com a mania da perseguição, que vivem a policiar a linguagem à procura de discurso de ódio.

José Quintela, «A Farsa de Gaza», in Observador, 26/XI/19.

Pontapé… (Partido Livre, 2019)
Um estaminé ao pontapé, Livre partido, 2019.

Escrito com Bic Laranja às 21:29
Verbete | comentar | comentários (4)
Terça-feira, 26 de Novembro de 2019

O «Brasil» da T.A.P.


Modelo em madeira do B747 CS-TJB, «Brasil», da T.A.P. — Transportes Aéreos Portugueses (col. particular) — © MMIXX

Escrito com Bic Laranja às 20:55
Verbete | comentar | comentários (2)
Segunda-feira, 25 de Novembro de 2019

Housing First — Lisboa quer dar têt' a todos sem abrigo

Rogério Chambel, «Lisboa quer dar tecto a todos os sem-abrigo», Correio da Manhã, 25/XI/19

  Housing First não é só um título em bom português duma coisa qualquer. Nem é uma coisa qualquer. É todo um programa, concebido por finlandeses para acabar com os vagabundos, vadios, indigentes, mendigos, pedintes, pobres, dementes ao deus-dará ou simples desvalidos desabrigados espalhados pelas ruas de Helsínquia.

 Ah! E baptizado por eles, finlandeses, com um belo nome amaricano! (Como parecem portugueses!)

 Vê-se a coisa agora por cá.

 Por conseguinte, não só passámos — nós, os da pátria de Camões — do bárbaro homeless ao anglicismo sem-abrigo — uma espécie de omelesse sem ovos à portuguesa, que é a clássica luso-aculturação ao amaricano com arrimo lusitanizante. — Não só passámos disto que disse, como parámos por estas bandas completamente de querer pensar. Com boa vontade, se não desligámos já definitivamente o cérebro, podemos entender que dar um cunho nosso à Hous… coisa é decalcarmos (=copy/paste) todo o programa dos finlandeses e escarrapachá-lo solenemente na folha de couve Oficial do Governo como Resolução do Conselho de Ministros n.º 50-A/2018, com o pomposo sumário: Aprova o sentido estratégico, objectivos e instrumentos de actuação para uma Nova Geração de Políticas de Habitação (com ortografia assaz mutilada, como calculais). Lá pelo meio do despacho ou decreto ou o raio que é uma Resolução do Conselho de Ministros, pode ler ver-se Housing uma data de vezes. Chic a valer!

 Assim posta a coisa, mais parece que foi um Governo do dr. Ant.º Costa que engendrou o programa, o título, e tudo, hem! — Ora adeus ó finlandeses!… Adeus ó sem abrigos!... Adeus ó língua de Camões!

 Nota final. Pode parecer bem, mal, ou estúpido descaso, o Correio da Manha (isso mesmo) grafar tecto a par de projêto, mas não se engane o benévolo leitor. O jornalista redigiu mesmo o título cacográfico Lisboa quer dar teto a todos os sem-abrigo. Mas ao depois, o director lá, o Otávio (isso mesmo), olhou para aquilo, leu mentalmente em voz alta e olha!… Fez ao Acordo o Ortográfico que adutou lá no jornal o mesmo que outro também fez ao segredo de justiça.

(Devo a notícia do Correio coiso e o mote do barbaresco Housing Fresta, ou isso, ao meu prezado amigo D.C.)

Escrito com Bic Laranja às 21:32
Verbete | comentar | comentários (7)
Domingo, 24 de Novembro de 2019

E o povo dizia — asno vai e asno vem, de Lisboa a Santarém

 Como a técnica muda as coisas (ou não muda nada)! — Selfie vai, selfie vem, de toda parte a…  Ora bem!…


José Hermano Saraiva, A cidade da História.
(Horizontes da Memória, R.T.P., 23/XI/1997.)

Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | comentar

Experiência (https://biclaranja.blogs.sapo.mz)

Experiência

Escrito com Bic Laranja às 20:55
Verbete | comentar

Excursão

Excursão, Parque (Fototipia animada de A. n/id., c. 1960)
Excursão, Parque, c. l960.
Fototipia animada de A. n/id., in Portimagem.

Escrito com Bic Laranja às 09:55
Verbete | comentar
Sábado, 23 de Novembro de 2019

Boletim C.P.

 Dum provável erro na datação do comboio de tropas na Régua (G. Woods, 1974) fui alertado pelo benévolo leitor João Távora, já que o logótipo moderno da C.P. visível num vagão de carga no lado esquerdo da fotografia só teria sido usado de 1981 em diante. Com vaga memória, eu, mas crendo que sim (lembro-me muito do logótipo antigo em comboios e estações, com o C comprido e o P de perna curta formando como uma elipse, e do seu contrastante moderno se lhe ir sobrepondo — tinha sentimentos mistos sobre qual preferia) dei nota ao Sr. Woods no Flickr de poder haver um engano na data de sua fotografia. Respondeu-me ele cordialmente que não, não havia dúvida, porquanto a única vez que viera a Portugal fora naquele ano de 74, que as suas belas fotografias documentam.

 Realmente — por acaso ou não — ainda ontem ao almoço me preguntou o meu bom Amigo e confrade Plúvio se o meu pender em que o logótipo mais moderno da C.P. devesse com boa probabilidade ser posterior a 74 era certeza comprovada ou uma vaga ideia minha. Ao que lhe respondi ser a segunda hipótese, com que me parece se convenceu, mas com que acabei afinal polo induzir em erro, desgraçadamente!

 Dizia acho eu que Fernão Lopes que em cousas muito antigas, certidão não podia haver. Mas estamos aqui falar de há menos de meio século!…

 Coisa fraca, a memória da gente. Engana-se mais depressa ela mesma do que aquilo que se deixa enganar…

 Ora, para pôr finalmente a verdade nos trilhos venho agora aqui com a capa e o rosto do Boletim C.P.  do primeiro trimestre de 1974 que o muito estimado confrade Manuel do H Gasolim Ultramarino, atenta e graciosamente, me presenteou ontem à tarde.

 Não há nada como sem dúvida.

Boletim C.P., n.ºs 535/537, Jan.-Mar., 1974
Boletim C.P., n.os 535/537 — Janeiro-Março de 1974.
(Gentileza do confrade Manuel.)

Escrito com Bic Laranja às 10:12
Verbete | comentar | comentários (5)

9 = um

9 dias, um autocarro (Daimlers Fleetline), Gazeta dos Caminhos de Ferro, n.º, 1/1/1967
9 = um (anúncio de dias e Daimlers Fleetlines), in Gazeta dos Caminhos de Ferro, 1897, 1/1/1967, p. 368.

Escrito com Bic Laranja às 09:16
Verbete | comentar
Sexta-feira, 22 de Novembro de 2019

Cromos do Metro, n.º 10

Mestre Leopoldo de Almeida, Portela de Sacavém — © 2019. Caricatura de António, 2012.
Mestre Leopoldo de Almeida, Portela de Sacavém — © 2019.
Caricatura de António, 2012.

Escrito com Bic Laranja às 21:56
Verbete | comentar
Quarta-feira, 20 de Novembro de 2019

Da luta

 A censura era tramada. O falecido baladeiro José Branco cantou a liberdade e teve certa «canção proibida» porque mencionava qualquer coisa a propósito de um soldadinho que não regressara.
 Os não soldadinhos desertores regressaram todos. Coisas de exércitos de fujões sempre a bufar que a luta continua.

Locomotiva E214, Régua (G. Woods, 17/IV/74)
Comboio de transporte de tropa, Régua, 14/4/1974 17/IV/1974.
Jorge Woods, in Flickr.

Escrito com Bic Laranja às 13:30
Verbete | comentar | comentários (17)
Domingo, 17 de Novembro de 2019

A História que agora envergonha


José Hermano Saraiva, A História continua.
(Horizontes da Memória, R.T.P., 16/XI/1997.)

Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | comentar | comentários (8)
Quarta-feira, 13 de Novembro de 2019

O exílio dourado, de opulentas avenças sem contrapartida, existiu

 O artigo refere o Freitas. Mas diz muito, muito mais do outro. Um medíocre que antes de ser tomado por acaso numa esquina da História, que o projectou, andava já — só Deus saberá como — ao colo do Estado. Desgraçada sina!
 Prima o benévolo leitor a notícia para ler.

Pedro Soares Martinez,«Freitas do Amaral também se enganava… pois nunca votei em Mário Soares», in «O Diabo, 8-XI-2019
Pedro Soares Martinez, «Freitas do Amaral também se enganava… pois nunca votei em Mário Soares», in O Diabo, 8-XI-2019.

Escrito com Bic Laranja às 21:46
Verbete | comentar | comentários (4)
Terça-feira, 12 de Novembro de 2019

Cromos do Metro, n.º 9

Carlos Lopes, Portela de Sacavém — 2019 (Caricatura de António, 2012)
Carlos Lopes, Portela de Sacavém — © 2019.
Caricatura de António, 2012.

Escrito com Bic Laranja às 21:46
Verbete | comentar
Segunda-feira, 11 de Novembro de 2019

O povo é sereno

 Há aquela anedota no meio aeronáutico de no «cockpit» dos grandes aviões de passageiros dever ir um só piloto, acompanhado dum cão. O piloto para pilotar; o cão para morder o piloto se ele tocar nalgum comando de voo.
 Das piadas à realidade vai curta distância. Há restaurantes onde os cães entram, mas gente que fuma fica à porta.
 Os animais são coisa de importância. E eu, claro, dou-lha.
 Certa vez preguntaram-me umas senhoras se queria eu um gato vadio. Respondi-lhes com uma pregunta que pareceu justa: se tinham elas já preguntado ao gato se me queria ele a mim. Voltaram-me as costas sem mais, como ofendidas.
 Hoje andou um juiz num tribunal de família e menores a inquirir um cão sobre se gostava mais do dono ou da dona…
 Hoje, também, ouvi uma boa. A corja eleita para governar a gente prepara o homicídio por receita médica. A gente não vale nada. Já os cães…

«Deixem-se estar!…», Lisboa —  © 2019
Deixai-vos estar!…, Lisboa — © 2019

Escrito com Bic Laranja às 20:15
Verbete | comentar | comentários (2)
Domingo, 10 de Novembro de 2019

Há muitas razões para visitar Serpa


José Hermano Saraiva, Boa terra, melhor gente.
(Horizontes da Memória, R.T.P., 9/XI/1997.)

Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | comentar
Quarta-feira, 6 de Novembro de 2019

Sou deste tempo

A56458
Avenida de Fontes com a Martens Ferrão, Lisboa, 1967.
Augusto de Jesus Fernandes, in arquivo fotográfico da C.M.L.


 Melhor! A paisagem mudada, o orgulho do moderno prédio já não de rendimento, mas de sétimo andar com elevador (o luxo da burguesia média-alta do tempo da mini saia) — senão a câmara municipal nem lá tinha mandado o fotógrafo documentar a formidável pós-modernidade. Em 1969 seriam os 20 andares do Imaviz e em 71, salvo erro, os 25 do Sheraton, um pedaço de avenida (e não só) mais acima — 5 estrelas!…
 E a ortografia despida, como a de Queirós do Eça nas edições dos Livros do Brasil. Aquelas que na melhor hipótese eram encadernadas em vermelho e dourado.
 Sou deste tempo. A rua onde nasci ver-se-ia ao fundo, não fora (fôra ou fora?!…) a furgoneta pão-de-forma (fôrma ou forma?!…) a passar.

Escrito com Bic Laranja às 22:41
Verbete | comentar | comentários (4)

Prédio de rendimento

Avenida de Fontes com a Martens Ferrão, Lisboa (P. Guedes, 190…)
Avenida de Fontes com a Martens Ferrão, Lisboa, post 1902.
Paulo Guedes, in archivo photographico da C.M.L.


 E bem! Não há muito a dizer. É o pittoresco das avenidas novas por 1900. O «maldito» predio de rendimento, que os contemporaneos condemnavam por desfear os lotes que se queriam para chalets á franceza. Ou á suissa. Tres andares! Uma brutalidade de volume (no séc. XXI diz-se pomposamente «volumetria», quasi parece scientifico), contrastante da bucolica rusticidade arrabaldina dos lugares por se onde espraiaram as taes avenidas. Novas. — Vede o casario além! Do fundo do taipal a São Sebastião da Pedreira. A igreja lá se vê, cortando ainda o horisonte com sua tôrre sineira. D'antes as terras, e até os lugares, eram assim: nada acima do campanario atalhando horisontes.
 Aquella casa branca em segundo plano é no leito da rua onde nasci. Claro que nem havia rua e eu só nasci mais tarde. Já a paisagem mudara… Mas a orthographia aqui é seguro ser como a de Eça de Queiroz na 1.ª edição d' Os Maias.

Escrito com Bic Laranja às 21:57
Verbete | comentar
Segunda-feira, 4 de Novembro de 2019

Cromos do Metro, n.º 8 (ou…)

António Silva, Portela de Sacavém — © 2019
António Silva (ou «Evaristo, tens cá disto?!), Portela de Sacavém (ou Pátio das Cantigas) — © 2019
(Caricatura de António, 2012.)



— Ó Evaristo! Tens cá disto? — Pátio das Cantigas, 1942.


E ainda!
 Notastes vós, benévolos leitores, a Maria da Graça dizendo em português açucarado:
  — Ó pessoal! Ele ainda fica tiririca quando a gente pregunta «Ó Evaristo, tens cá disto»?
 De preguntar, exactamente!

Escrito com Bic Laranja às 21:00
Verbete | comentar | comentários (4)

Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____