Domingo, 31 de Maio de 2020

Torre da Lagariça


José Hermano Saraiva, Torre da Lagariça.
(Lendas e Narrativas, R.T.P. 2, 29/V/1996)

Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | comentar | comentários (1)
Quinta-feira, 28 de Maio de 2020

Mais um biltre…

Orlando Raimundo, «António Ferro; o Inventor de Salazar», 1.ª ed., Dom Quixote, [Alfragide], 2015


 Na introdução (p. 11) temos António Ferro como cimentador do Portugal retardado e atávico do séc. XX. Logo à entrada do primeiro capítulo (p.15) temos que Portugal no fim do séc. XIX é um país muito atrasado. Intriga-me está lógica de que vindo «muito atrasado» do séc. anterior, o biografado cimente o Portugal retardado do séc. seguinte.

 Em meras 4 páginas…

 A propaganda tem coisas!…

 Ainda na introdução (p. 13) «usando e abusando do poder que lhe foi concedido, Ferro sentou à mesa do orçamento intelectuais e artistas, arquitectando com eles a figura de um ditador messiânico num país pobre que dança o vira e o fandango.»

 O trecho é um primor de inspiração literária e lapidar no estilo usado ad nauseam pelo morigerado jornalismo hodierno para qualificar a… democracia de Abril. Tire o A. dele «um ditador» e ponha-lhe «uma democracia», mude o vira e o fandango em festivais de cerveja e rockalhada e, a mesa do orçamento  aparecer-lhe-ámessianicamente muito mais justa! E o país pobre prestar-se-á como nunca ao epíteto de pobre país! — Se o conseguir entender…

 Ao menos o vira e o fandango são nossos.

 Mais um livro, enfim, sem fio (colagem de verbetes avulsos com capa de cartolina) com fito apenas de desfazer do Estado Novo. O regime tem tanto de odiado como de ganha-pão para todo o antifascistóide que vegeta democraticamente por aí. Não fosse a parasitice interesseira, não pareceria que quarenta e tantos anos depois o sempre ciciado «fassismo» ainda surgisse tão papão, tão papão que metesse medo. Papões, bem se os topa... —  Não diziam cantigueiros, dos outros: «eles comem tudo»?!... Da «Joana come a papa» foram eles que ensinaram melhor.

 O volume, que me ofereceram de muito boa fé, foi arrematado por 1€ na Feira da Ladra. Uma inconfidência de verdadeiro valor. Ou a prova da barateza da intrujice nos tempos que correm!… O A. de mais esta maledicência indispensável sobre o Estado Novo é apresentado ao leitor incauto com dois grandes qualificativos acima de toda a suspeita: «investigador» e «independente». Duas marcas ISO 9000 de qualidade e acreditação de qualquer pregador antifascista, mai-la sua rica propaganda.

 Haverá mais suculento cartão de visita?

— Sim! — Diz que de profissão é jornalista.

 Mais: entre pares desta estirpe, este A. é quem se mais tem dedicado «à pesquisa dos aspectos mais sombrios do Estado Novo.» Ora «sombrios» anuncia com alva pureza o que vem. Ninguém cairá na ingenuidade de tomar «sombrio» pelo que se quede singelamente na sombra, desconhecido, e portanto seja pertinente revelar; «sombrio» é claramente antes desdizer com baixeza do que se até já conhecia bem melhor contado, mas que se quere agitar por maldizente propaganda como tenebroso. Qualificar com este lugar-comum o Estado Novo é necessário, mormente quanto os mesteirais de Abril afloram mais e mais estridentes ano a ano, mais e mais impantes dia a dia no seu mester de rapina. É preciso ir berrando mais alto para o abafar. Daí o afã crescente em denegrir o Estado Novo. Somente que, denegrir o Estado Novo pela maledicência sobre António Ferro (ou outro que fosse) e ganhar a vida com ele, marca o rasteiro que se pode ser. E bate certo: ficamos informados do cariz do A. e do seu propósito. Dispensamos a leitura.

P.S.. O vir aquela virtuosa apresentação do A. jornalista, «investigador independente» chapada na badana de trás do livro é que se não compreende. Como cartão de visita, qualquer badana, sobretudo a traseira, não me cheira que abone. Que descuido!...

Escrito com Bic Laranja às 11:00
Verbete | comentar | comentários (5)
Domingo, 24 de Maio de 2020

A nossa terra é sempre a terra mais bonita do mundo


José Hermano Saraiva, A Terra que nos pertence.
(Lendas e Narrativas, R.T.P. 2, 22/V/1996)

Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | comentar | comentários (7)
Sexta-feira, 22 de Maio de 2020

A Perna de Pau (Reminiscencias d' um Geographo)

«A Perna de Pau», in «O Antonio Maria», N.º 28, 11 de Dezembro de 1879

«A Perna de Pau», in O Antonio Maria, N.º 28, 11 de Dezembro de 1879.

Escrito com Bic Laranja às 19:40
Verbete | comentar | comentários (5)
Quarta-feira, 20 de Maio de 2020

Perna de Pau

Retiro da Perna de Pau ao Areeiro, na antiga Estrada de Sacavém (E. Portugal, c. 1900)
A entrada do retiro da Perna de Pau, ao Areeiro, Lisboac. 1900.
Fototipia animada de original de A. n/ id., in archivo photographico da C.M.L.

« O último reduto, prestes a tombar, mantendo a mesma modesta aparência: a velha porta guarnecida de ferro e as duas janelas igualmente gradeadas, atestando a sua vetustez, dão passagem à luz solar indiferente às evoluções do progresso, animando e confortando aquela veterana casa que primava na apresentação do peixe frito a saltar na frigideira e na salada colhida no momento, rendendo muito merecido conceito ao velho retiro.
  A «Perna de Pau», instalada na Quinta de Santo António, pertencia a Fortunato José Ferreira, capitão-de-mar-e-guerra, que a vendeu por quatro contos e quinhentos mil réis, a pagamento.
  Foi inaugurada em 1860, tendo sido sua primitiva proprietária Gertrudes Rosa Soares tia de João Gregório da Silva mais conhecido pelo João da Feiteira, simpático ancião, que acompanha ainda de perto os serviços agrícolas da Quinta do Grilo [Quinta da Holandesa?], ao Areeiro, onde reside, das varandas da qual se divisa vasto e esplêndido panorama.
 Um tiro perdido colheu a sua tia numa perna, que lhe foi amputada, utilizando, desde então, uma perna de pau que ainda hoje se guarda como troféu e que originou o nome do retiro mantido até ao presente.
  Esta celebrada locanda, porventura a mais antiga, a única sobrevivente da fiada de famosos retiros que guarneciam aquela área suburbana, fiel paradigma de eras vividas, hasteia ciosamente, no sopro de vida que ainda lhe resta, o galhardete que a vaga de ruínas lhe trouxe à mão fazendo-a detentora responsável pela continuidade brilhante de um passado glorioso que, a despeito das vicissitudes e vaidades contemporêneas, jamais fenecerá avivando-nos na mente a Estrada de Sacavém.
  A velha guarda que a frequentava nesses tempos idos, quando adrega passar-lhe rente espreita-a, com ternura, e presta-lhe, comovida, o culto da saudade.
  As cousas falam… — é o título dum precioso trabalho literário do brilhante escritor e meu prezado amigo Doutor João Barreira.

*

  Que dirão aquelas defeituosas pedras, as carunchosas madeiras e os confusos vestígios ao verem passar, velozmente, as motorizadas viaturas indiferentes ao pretérito, alheias às épocas anteriores, emitido de seus aparelhos motivos wagnerianos e trechos de óperas…
  Elas, tocadas de melancolia, nostálgicas dos longínquos e lânguidos sons das guitarras premidas por dedos famosos e em que o fado enternecia e cativava com enlevo, refugiam-se nas sombras da tradição…

Panorâmica do Areeiro tirada da Quinta dos Lagares d' El-Rei, Areeiro (Fototipia animada de or. de Eduardo Portugal, 1947)
Panorâmica s/ a Perna de Pau, ao Areeiro, tomada dos Lagares d' El-Rei, Lisboa, 1947.
Fototipia animada de or. de Eduardo Portugal, in archivo photographico da C.M.L.

  De todos os recintos que marginavam esta Estrada de Sacavém, a «Perna de Pau» agrupava elementos ciosamente apaniguados imprimindo-lhe feição típica de pedilecção e radicando-lhe personalidade.
  O abrigado espaço destinado às tipóias e outras viaturas por onde se ingressava pelo portão de madeira contíguo ao portal de ferro para entrada dos peões e a que há pouco me referi, espaço cuja área era protegido por velho telheiro; a proximidade do tanque, onde as alfaces, as couves, os rabanetes e variada hortaliça trazida da horta à nossa vista em padiolas, eram diligentemente lavadas e artistìcamente agrupadas por espécies na carroça a que, horas depois, jungiam o boi ou o macho que vinha — entre varais — dar termo na Praça da Figueira ao sobrante vegetalismo que atapetava a terra destinada a hortejo; a tipóia de travão corrido e parelha sob o astuto olhar do cocheiro a nosso lado na extensa mesa comum onde o comedido das vozes sofria a alternativa que o decorrer do repasto provocava; tudo isto imprimia um cunho especial que a herança do tempo impunha e a respeitável tia Narcisa, última locandeira, falecida em 1912, acalentava acolhendo, sorridente, a categorizada freguesia.

  Especialidades culinárias, em designados dias, desafiavam comensais afeitos a tais saboreios e desse contacto ininterrupto, emergia um comunicativo bem-estar que contagiava massas heterogéneas, garantindo-lhes ideal prazer a que os acordes da guitarra e a maviosidade dum estilo garganteando letra adequada, agradàvelmente ouvida, punha a nota intrínseca indispensável e epilogante.

 Nas «Farpas», o notável e erudito prosador Ramalho Ortigão dizia-nos:

 A «Perna de Pau», o restaurante célebre bem conhecido de todos os estômagos com tendências bucólicas, de todos os estômagos impelidos pela nostalgia das hortas para fora de portas no tempo do tomate — organiza com os primores da estação a nova lista dos seus acepipes.»

João Monteiro, A Estrada de Sacavém, Lisboa, Grupo «Amigos de Lisboa», 1952, pp. 77-79.

 

Grupo de homens, Retiro da Perna de Pau ao Areeiro, c. 1900. Fototipia animada de original de A. n/ id., in archivo photographico da C.M.L.
Grupo de «estômagos com tendências bucólicas impelidos pela nostalgia das hortas», Retiro da Perna de Pau, pelo tempo do tomate dos anos de 1900.
Fototipia animada de original de A. n/ id., in archivo photographico da C.M.L.

 

Escrito com Bic Laranja às 21:47
Verbete | comentar | comentários (3)

Há vários se’s?!… E não há vários vário’s? Nem mil maneira’s?!

Observidor (exactissimamente), 20/5/20

Escrito com Bic Laranja às 07:00
Verbete | comentar | comentários (4)
Terça-feira, 19 de Maio de 2020

De pregar

 Os vocábulos pregar e pregar são homógrafos. Sucintamente pregar pode ser uma de duas: pregar pregos ou pregar noutra freguesia. Graficamente não se distinguem, mas deviam; são coisas distintas e soam diferentes; na oralidade, por conseguinte, não se confundem… excepto – lembra-me agora – no caso do raspanete. Oiço pregar raspanetes mas pode bem melhor ser pregar raspanetes, como quem prega sermões...

 Pregar vem do latim plicare (= dobrar, enrolar, enroscar); não sei quando se deu o rotacismo passando o «l» a «r»; o «i» breve do latim clássico cuido que já era «e» no latim vulgar e o «c» também há-de ter abrandado em «g» no latim vulgar, mas não curei de o confirmar.
 Ignoro quando foi que o substantivo «prego» tomou o sentido de «cravo» (do lat. clavus, haste pontiaguda de metal com cabeça); no séc. XV aparece «prego» atestado com esse valor na Contemplação de São Bernardo (& deitaromno sobre a cruz & pregarom lhe a mãao direita com hũu prego muy forte) e o mais que sei é que em falando de «espetar pregos» Tito Lívio diria clauos pangere.

Prègar

 Pregar, porém, tem as seguintes etimologias: preegar <  b. lat. predegar < predigar < lat. praedicare (= dizer publicamente, proclamar, exaltar, celebrar); o ditongo ae do latim clássico deu simplesmente «e» no latim vulgar e veio a fundir-se com a vogal seguinte pela síncope do «d». A síncope do «d», cuido, sucedeu na fase do romanço anterior à formação do nosso idioma do mesmo modo que videre > veer > ver (*) ou  ex-cadescere > escaecer > esqueecer > esquècer. — A propósito de «esquecer» é interessante aprender o que nos ensina o Dr. José Leite de Vasconcellos nas Lições de Philologia Portuguesa (p. 149):

« Excadescere, verbo inchoativo, deriva de cadere «cahir», porque esquècer é como que cahirem da memória as ideias pouco a pouco; o prefixo ex- denota procedencia. O vb. excadescere tinha pois, no latim vulgar da Lusitania acepção metaphorica muito material. Este verbo parece que não se encontra noutras lingoas romanicas. A passagem da ideia de «cahir» para a de «esquècer» é um caso de Sesmasiologia ou Semantica.»

 Nos três casos apontados e em inúmeros outros (cf. Lições de Philologia, pp. 146 e ss.) de crase de vogais houve como consequência o reforço do timbre da vogal resultante. Esta é a razão de pregar manter há séculos o «e» aberto. O fenómeno da crase de vogais sobrevive no português e é bê-á-bá de filólogos. E é ele tanto mais notório ao comum indígena (de Portugal) quanto contrasta com a metafonia do português, esse fenómeno do nosso idioma que de padre faz padrinho, elevando a primeira sílaba de pá- a pâ- só do avanço da tónica. Dele, como entendereis, se tira a falsidade e má fé pregadas (pregadas ou pregadas?...) na nota explicativa do acordo ortográfico pelos seus autores. Eles não podiam ignorar que a supressão de consoantes etimológicas com valor diacrítico nos casos de acção, adoptar, objectivo &c. se não pode justificar com exemplos resultantes de crase em vogais átonas. — Como aduzem então como justificação corar (< coorare < colorare), padeiro (< paadeiro < pãadeiro < panadeiro < lat. panatariu) e pregar?!... (**) — Naqueles casos de acção, adoptar, objectivo &c. foi justamente de não haver nem crase nem nada que valesse às vogais átonas que logo na reforma de 1911 foi entendida a necessidade das consoantes etimológicas para marcar o timbre aberto da vogal átona precedente. Com vantagem de não desfigurar excessivamente o português em relação às demais línguas românicas. Pois os autores do «Acordo» de 90 desdizem esses ensinamentos e socorrem-se cavilosamente de exemplos doutra estirpe para virarem o bico ao prego às lições de sábios bem maiores do que eles.
 Se dúvida houvera, mais prova dessa má fé se lhes podia achar no arremesso dos exemplos franceses objet e projet contra as atendíveis razões de similaridade do português escrito com os outros idiomas românicos. Daqueles objet e projet apresentados por não conservaram o «c» latino no seu devir morfológico, a realidade que escamoteiam é que as formas derivadas objectif, projection &c o exibem garbosamente. O mesmo no cotejo com o castelhano, cuja Real Academia Española legitima objecto na 22.ª ed. do Diccionario de la Lengua Española; apesar de o tachar de arcaico face ao moderno objeto a verdade é que o não suprimiu. Tudo isto os embusteiros autores do dito acordo ortográfico omitiram conscientemente porque lhes não servia o óbvio propósito de submeter o português de 7 países, estável de mais de 60 anos, ao particular capricho brasileiro (cf. «Conservação ou supressão das consoantes...», Nota Explicativa ao Acordo Ortográfico de 1990).

 Tornando a pregar, apesar de a crase estar viva no idioma em casos que decorrem directamente do latim, como pregar e pregador (< lat. praedicator = proclamador público, arauto, elogiador, evangelizador), o certo é que os derivados castiços pregão, pregoeiro ou apregoar se não estribam o suficiente para lhes soar aberto o «e». Já na 1.ª ed. do Aulete (1881) a pronúncia indicada não dava o «e» aberto, o que é sintomático do forte pendor de emudecimento de vogais átonas no português. Tanto assim que já no manuscrito medieval da Coronica do Condestabre de Purtugall comprovamos a pronúncia de «o» átono por «u». É certo que mais cedo do que tarde, sem as consoantes etimológicas, palavras como actor, director e adopção hão-de soar como âtor, dirtor e adução. Esta última, escrita no Brasil sem o devido «p» há mais de meio século, soa muito por lá como à-dô-ção. Sem «o» verdadeiramente aberto, portanto.


(*) Em veedor / veador > vedor a crase é mais notória e deu-se já no português antigo, não no romanço.
(**) Nem o último exemplo que aduzem, oblação, lhes serve ao descaso. Oblação e todas palavras começadas por «o» seguidas de consoante são pronunciadas com ó aberto ou, se tanto, soam com ô. Os da reforma de 1911 não no deviam ignorar, tanto que obliteraram as consoantes duplas nas grafias de occidente, official, opposição &c. sem o pejo que puseram em casos como adopção ou nocturno. De toda a maneira sucede-me ouvir a transmontanos pronunciar como «u» o «o» inicial destes casos. -- Se porém queriam exemplificar que era o a de oblação que era aberto, ledo engano; é tão fechado como o primeiro a de relação. Consulte-se o Priberam.

(Publicado originalmente em em 19/I/13 às 10h00 da noute mas, há sempre gente nova a chegar.)

Escrito com Bic Laranja às 20:00
Verbete | comentar | comentários (22)

Da invasão dos franceses…

José Acursio das Neves, «Historia geral da invasão dos franceses em Portugal e da restauração deste reino», 1810

«Lastimoso período da nossa História, que o homem sensível não pode discorrer sem lágrimas! É reservado às almas ferozes o verem com indiferença aproximar-se o momento de ser derribada às mãos da perfídia uma monarquia de 7 séculos, abatido um trono em que se sentaram tantos príncipes respeitáveis, perseguida e expulsa uma Real Família adorada de seus povos, destruídas as leis, os usos e a própria religião do Estado (p. 185).»


 O vol. 1 da edição da Afrontamento inclui os dois primeiros tomos da «História Geral da Invasão dos Franceses &c.» e versa a invasão, remontando os acontecimentos à ascensão de Napoleão, à campanha do Rossilhão e traição da Espanha, à Guerra das Laranjas, à diplomacia afincada do Príncipe regente D. João para apaziguar as tenções de Napoleão, até à preparação e fuga da corte portuguesa para o Brasil. Com mais miudeza dá conta da invasão, ocupação e saque dos franceses em Portugal e revoltas de Espanha, até Maio de 1808. Os dois primeiros tomos foram publicados em 1810, muito à data do que contam; de actualidade jornalística, poderia dizer-se. O estilo é claro e simples, em português genuíno, sintacticamente actual (a semântica há naturalmente de ser lida em contexto, como texto histórico que é) e nada eivado de galicismos nem (coisa muito hodierna) anglicismos. A ortografia é, naturalmente, a de 1945, com revisão cuidada, salvo, que me lembre, do topónimo Pirenéus, grafado Pirinéus.

 Li-o há décadas para um trabalhinho escolar e, talvez dele, não tirei o devido gozo da leitura.

 O benévolo leitor interessado em História bem contada que leia este volume da edição da Afrontamento pode passar as c. 130 páginas de estudo introdutório; mais não são que prolixidade académica, com «proposta de leitura», tiradas cheias de estilo como «interiorização da exterioridade» e «exteriorização da interioridade» e, uma ainda melhor: de que Acúrsio das Neves é «um doutrinador da sua época historicamente atrasado». Ser «da sua época» e «historicamente atrasado» em simultâneo é um achado só visto em doutrinadores de estudos introdutórios da sua própria época, mas historicamente adiantados, já o leitor vê!…

Escrito com Bic Laranja às 13:58
Verbete | comentar | comentários (2)
Segunda-feira, 18 de Maio de 2020

Lisboa à noite, s.d.


Alfama à noute, Lisboa, [s.d.]
Eva Loureiro, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 21:24
Verbete | comentar | comentários (2)

Que gente é esta?

observidar (exactissimamente), 18/5/20

Escrito com Bic Laranja às 07:00
Verbete | comentar | comentários (9)
Domingo, 17 de Maio de 2020

E daqui saía o abastecimento de palha para Lisboa


José Hermano Saraiva, «Abrantes». A Palha e os Mistérios.
(Lendas e Narrativas, R.T.P. 2, 15/V/1996)

Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | comentar

Fernando Alves: uma recensão a 20 anos de distância com sinais (sempre e cada vez mais) actuais

Fernando Alves, Sinais, 1.ª ed., Oficina do Livro, [Lisboa], 2000. Sinais. Crónicas radiofónicas com as impressões de Fernando Alves acerca disto e daquilo que veio no jornal ou que foi posto a correr como notícia pelas centrais da homilia mundial.
 As crónicas são datadas e continuam até hoje. Mas as impressões do A., jogos de palavras mais ou menos literários de intelectual de esquerda (passe a redundância) glosando temas de nada para moralização geral têm um fundo necessário, gramsciano, que fatalmente deve tomar as mentes. E daí continuarem até hoje. A missionação nos anos 90, como antes, era assim. 20 anos depois é pior. Fernando Alves é um espirituoso mais além das espécies camilianas: é um jornalista. A cada adjectivo ou aposto, uma ironia, ferrando o alvo a abater:

... E o inenarrável «site» da American Patrol. A «Internet» dá abrigo a tamanhas maravilhas, mas é muitas vezes a «Big» Orelha da bufaria da América borrada de medo [...] É aqui que se encontram os delatores [...]
 Glenn Spencer, cidadão do mundo livre, criou, a partir de um escritório em Los Angeles, uma página de delação na «Internet». Lá encontramos lancinantes avisos: «Os mexicanos invadem o SO dos Estados Unidos. É a reconquista com apoio do governo mexicano e a tolerância do Estados Unidos.»
 A página instala uma espécie de mccarthismo cibernético, não já contra os comunistas, mas contra os outros americanos.
 Glenn Spencer [...] tem orgulho em colaborar gratuitamente com a polícia compilando toda a informação disponível sobre a entrada ilegal de mexicanos nos Estados Unidos.
 No «site» da American Control o patriota Spencer recebe elogios de agentes da polícia pelo entusiasmo vigilante que contraria «a inutilidade dos esforços do governo norte-amerciano». Mas foi o governo norte-americano que criou o monstro, que instigou a sanha delatora [...].

 Piadola final de pretenso antifascista sempre obrigado à clandestinidade pelo neofascismo, agitando a superioridade moral que lhe vai nas entranhas. Cuidado!

 Pelo sim, pelo não, desligo o computador, não vá Glenn Spencer localizar-me na rede.
(«Big Orelha», Sinais, p. 56.)

 Reler ou ouvir estas crónicas hoje é a prova dos anos que tem já a missa, mesmo que datada.
 Vem com um disco compacto com 20 crónicas. É a parte em missa cantada. Quando comprei o livro em 2000 não me apercebia destas coisas.

Fernando Alves, «Sinais», 1.ª ed., Oficina do L
Fernando Alves, Sinais, 1.ª ed., Oficina do Livro, [Lisboa], 2000.

Escrito com Bic Laranja às 16:10
Verbete | comentar

Trecho de Lisboa em planta, em Maio de… 1909

 Publiquei há dias à conta da Quinta da Saúde uma planta de 1909 cuja luz faço agora com o inventário do que ela contém e do que lhe corresponde actualmente.

 

J.A.V. da Silva Pinto, A. de Sá Correia, «Levantamento da Planta de Lisboa: 1904-1911: planta 12 K» (des. por F. Santos), Lisboa, 1909. (PT/AMLSB/CMLSB/UROB-PU/05/03/105)
J.A.V. da Silva Pinto, A. de Sá Correia, Levantamento da Planta de Lisboa: 1904-1911: planta 12 K (des. por F. Santos), Lisboa, 1909.

Planta referente a: Rua do Conselheiro Moraes Soares, Cemitério Oriental (ao Alto de S. João), Quinta do Pinheiro, Rua do Sol a Chellas, Quinta do Sol, Quinta da Curraleira, Quinta Nova, Quinta do Loureiro ou Quinta do Poço, Casal Novo, Quinta dos Sete Castellos, Rua do Barão de Sabrosa, Rua 4 de Agosto, Rua Sabino de Sousa, Azinhaga dos Sete Castellos, Azinhaga do Arieiro, Quinta do Sabido (ou da Ladeira), Quinta da Saúde, Quinta do Manuel dos Passarinhos, Azinhaga dos Baldaques, Quinta da Silveira, Horta da Cera, Quinta da Brazileira, Quinta da Pimenteira, Quinta do Papagaio, Quinta do Saraiva, Estrada do Poço dos Mouros e Quinta do Manuel Padeiro.

Actualmente: Rua do Sol a Chelas, Quinta da Curraleira, Rua António Luís Inácio, Rua Melo Gouveia, Rua Barão de Sabrosa, Rua Quatro de Agosto, Rua Sabino de Sousa, Travessa dos Baldaques, Rua Dr. Oliveira Ramos, Rua Actor Vale, Rua Actor Joaquim de Almeida, Largo Mendonça e Costa, Rua Carvalho Araújo, Rua Lucinda Simões, Rua Ângela Pinto, Rua José Ricardo, Rua Edith Cavell, Rua Actor António Cardoso, Rua Morais Soares, Calçada do Poço dos Mouros, Rua dos Heróis de Quionga, Rua Cavaleiro de Oliveira.

Escrito com Bic Laranja às 12:11
Verbete | comentar | comentários (2)
Sábado, 16 de Maio de 2020

Praça de Londres à tardinha

Praça de Londres, Lisboa (A. Pastor, 1974
Praça de Londres ao entardecer, Lisboa, 1974.
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 21:37
Verbete | comentar | comentários (12)

Portugal, anos 50

Esplanadas, Nazaré, 1954-57. Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.
Esplanadas, Nazaré, 1954-57.
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 14:15
Verbete | comentar | comentários (6)

Esplanada da Luanda

O archivista diz que é da Vá-Vá. Mais certo ser ali a mota do Chico. Mundo de miragens…

 

Avenida de Roma, Lisboa, c. 1970. Fototipia animada dum original de Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.
Esplanada da Luanda, Av. de Roma, c. 1970.
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 11:13
Verbete | comentar | comentários (5)
Sexta-feira, 15 de Maio de 2020

A Quinta da Saúde

Abertura da rua Actor Vale, Lisboa (E. Portugal, 1944)
Abertura [Prolongamento] da Rua Actor Vale ligação com a rua Carvalho Araújo, Lisboa, 1944.
Eduardo Portugal, in archivo photographico da C.M.L.


 O meu Amigo Mário Cruz pôs o caso de a casa da Quinta do Bacalhau ser o casarão aqui retratado por Eduardo Portugal em 1944, no enfiamento da Rua Actor Vale. Respondi-lhe que, pois, pode parecer, mas não. A casa da Quinta do Bacalhau tinha pilastras, esta não tem. Tinha ela no andar nobre uma ordem de 7 janelas em simetria 1 + 1 + 3 + 1 + 1, a que se vê tem 6 janelas sincopadas no 1.º andar do alçado S, virado ao fotográfo. Aquela era na Estrada de Sacavém, esta que diz o meu velho Amigo era na Az. do Areeiro, c. de meio quilómetro a SE.
 A casa rústica da fotografia de Eduardo Portugal era a casa da Quinta da Saúde, que confrontava a N com a quinta da Ladeira ou do Sabido, a S com a Quinta do Manuel dos Passarinhos (actual L. Mendonça e Costa), a O com a dita Az. do Areeiro (actual R. Carvalho Araújo) e a E (grosso modo) com os barrancos da Barão de Sabrosa.
 No Levantamento da Planta de Lisboa: 1904-1911, planta 12 K, vê-se esta casa da Quinta da Saúde com seus jardins e suas abegoarias no quadrante sup. esq. Noutra
planta, talvez dos anos 1920 ou 30, a casa em forma de L da fotografia de Eduardo Portugal vê-se desenhada no limite à esq.


J.A.V. da Silva Pinto, A. de Sá Correia, Levantamento da Planta de Lisboa: 1904-1911: planta 12 K (des. por F. Santos), Lisboa, 1909.



Projecto do prolongamento da rua Actor Vale através da quinta da Ladeira, 1929-41, p. 61. PT/AMLSB/CMLSBAH/PURB/002/03835
Projecto do prolongamento da rua Actor Vale através da Quinta da Ladeira, 1929-41, f. 61.
Arquivo Municipal de Lisboa, Núcleo Histórico, PT/AMLSB/CMLSBAH/PURB/002/03835.

 

(Revisto às 20 para as 10 da noite.)

 

Escrito com Bic Laranja às 19:09
Verbete | comentar | comentários (4)

Do loteamento e da lotação balnear

João Gomes, «Praias vão ter semáforos à entrada…», in Observador, 15/V/2020)


O melhor será andar com uma fita métrica no bolso. E com um
spray dos árbitros para marcar a área. E se tiver de ir ao mar e passar na área de outro cidadão? Pago portagem?

(Comentário de B.B. à… revelação do André Pan, in Observidor [exactissimamente], 15 de Maio do ano da peçonha.)

Escrito com Bic Laranja às 10:53
Verbete | comentar | comentários (18)
Sábado, 9 de Maio de 2020

Suspiro do Observador

 Ou o Observador como último suspiro da imprensa em Portugal (no que resta dele).


Ana Suspiro, «Layoff [sic]. 5 a 7 mil pedidos há espera [sic] &c», in Observador, 8/V/20.

Escrito com Bic Laranja às 08:17
Verbete | comentar | comentários (2)
Segunda-feira, 4 de Maio de 2020

A Quinta do Bacalhau

Panorâmica da Penha de França para Norte, Lisboa (J.A.L. Bárcia, c. 1909)
Panorâmica da Penha de França para Norte, Lisboa, c. 1909.
Fototipia animada dum or. de José Arthur Leitão Barcia, in archivo photographico da C.M.L.


 Quando publiquei a da Quinta do Bacalhau conjecturou-a a benévola leitora Mandarinia para os lados das Olaias. Estava em boa medida, certa; a quinta do Bacalhau, cuja história antiga não curei ainda de saber, estendia-se para a proximidade da Quinta das Olaias. Aliás, se gente ainda há com memória da Quinta do Bacalhau, será por esses lados além do Alto do Pina, pelas costas da Rua Barão de Sabrosa e da Az. da Fonte do Louro. Nas bandas da Encosta das Olaias, portanto. Mas a Quinta do Bacalhau descia até à beira da Estrada de Sacavém, caminho de hortas e retiros que, saindo do Largo de Arroios levava ao Arieiro e prosseguia até ao seu anunciado destino pela Portela e Encarnação (ponto geográfico no nó de estradas designado depois por Rotunda da Encarnação e hoje mais por nó do Prior Velho, também dito do RALIS).
 Não sei se da parca legenda inscrita na panorâmica se conseguirá quadrar com o presente o que se via aí há mais de 100 anos. Nem sei se ajudarão essoutras duas a seguir, dos anos 30, em que se acha casa. A primeira é uma vista aérea de sobre o Colégio Vasco da Gama, hoje do Sagrado Coração de Maria; a segunda é tirada das terraplenagens da Alameda D. Afonso Henriques, apontando à Rua Actor Isidoro, em embrião. Desafio o benévolo leitor a descobrir nelas a casa da Quinta do Bacalhau e a mudança que se deu nesta parte da cidade.

Vista aérea sobre a Rua Perreira Carrilho, Az. das Freiras a Arroios, Inst. Sup. Técnico, futura Alameda e quintas do Areeiro, Lisboa (J.P.P. Corrêa, Pil.-Av., c. 1934)
Vista aérea sobre a R. Pereira Carrilho, Az. das Freiras a Arroios, Inst. Sup. Técnico, R. Alves Torgo, futura Alameda e quintas do Areeiro, Lisboa, c. 1934.
José Pedro Pinheiro Corrêa, Pil.-Av., in archivo photographico da C.M.L.

Terreplenagens na Alameda, Lisboa (E. Portugal, 1939)
Terreplenagens na Alameda, Lisboa, 1939.
Eduardo Portugal, in archivo photographico da C.M.L.


 Últimas notas:
 Tomo a casa do 256 da Estrada de Sacavém como a principal da Quinta do Bacalhau. Bem o parece, mas não sei se foi inteiramente assim, pois havia outra casa grande no coração desta quinta. Vê-se-a pela metade na margem direita da panorâmica, a 2/3 da altura. Ela sobressai numa elevação natural, no justo lugar onde em 1921 se construiu a Creche do Alto do Pina, hoje Casa dos Plátanos.
 Uma descrição mais completa da panorâmica lá em cima escrevi eu há pedaço tempo aqui.

Escrito com Bic Laranja às 17:54
Verbete | comentar | comentários (8)

Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
17
19
21
23
26
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____