Segunda-feira, 31 de Agosto de 2020

Camillo, Maria da Fonte

Camillo Castello Branco, «Maria da Fonte», Porto, Civilisação, 1885

« É impossível ler o livro sem espirrar aqui e ali frouxos de riso (expressão bem camiliana) à custa das bordoadas com que Camilo deslomba (outra expressão bem camiliana) o padre Casimiro. A técnica usada é bem ao jeito do nosso polemista e deu bons resultados em ocasiões anteriores: reduzir os dislates do adversário a estilhaços e brincar depois com eles, por vezes quase até à crueldade.»
(Pires Cabral, in Casa de Camillo)

 Mas Camillo não deslomba bordoadas só no padre Casimiro. Chamorros, setembristas, caciques, povo e políticos em geral vão todos a eito pela pena mordaz de Camillo. A prosa é da melhor, a ironia e o sarcasmo sem igual. A leitura é entusiasmante. Camillo é insuperável de ironia, de estilo, de informes. Cru na descrição da mulher e homem minhotos, dos caracteres psicológicos populares e das suas maneiras de vida, e contudo elegante e vivaz. — Confronta-se com Oliveira Martins, que faz uma descrição mitificada e poética das minhotas, e supera-o pela maior crueza no retrato.

 Oliveira Martins para insinuar-nos ethnicamente a comprehensão da indole varonil, intrepida, das mulheres do Minho, symbolisadas na valentia de uma, escreve paginas elegantissimas: «No Minho, como em todas as regioens de stirpe celtica a mulher governa a caza e o marido; excede o homem em audacia, em manha, em força; lavra o campo, e jornadéa com a carrada do milho á frente dos boisinhos louros. Requestada em môça nos arraiaes e romarias pelos rapazes que a namoram, conversando-a com as suas caras rapadas, basta vêr um d'esses grupos para descobrir onde está a acção e a vida: se no olhar alegre, quase ironico da môça garrida, luzente de ouro, se na molle physionomia do rapaz, abordoado ao cajado, contemplativo, submisso, como deante de um idolo... Quando se cazam, as môças conhecem o valor do dote que levam, e os casamentos são negocios que ellas em pessoa debatem e combinam. Não é uma esposa, quase uma serva que entra no poder do marido, á moda semita que se infiltrou nos costumes do sul do reino: é uma companheira e associada em que o espirito pratico domina sobre a mollesa constitucional do homem desprovido de uma intelligencia viva. A mulher parece homem; e nos attritos da dura vida de pequenos proprietarios, quase mendigos, se as colheitas escasseiam, cercados de numerosos filhos, apagam-se as lembranças nubelosamente doiradas da luz dos amores da mocidade, e fica do antigo idolo um rudo trabalhador musculoso, com a pelle tostada dos soes e geadas, os pés e as mãos coreaceos das ceifas e do andar descalça ou em soccos nos caminhos pedregosos ou sobre a bouça de urzes espinhosas. Não se lhe falle então em coizas mais ou menos poeticas: já nem percebe as cantigas da mocidade no desfolhar dos milhos! A vida cruel ensinou-a: é pratica, positiva, dura. Odeia tudo, que não sôa e tine, e tem um culto unico — o seu chão. Vae á egreja e venera o «Senhor abbade» mas com os idyllios da mocidade a sua religião perdeu a poesia: ficou apenas um secco rosario de superstiçoens, funda, tenazmente arraigadas. Ai de quem lhe bolir ou nos interesses ou no culto! ou na egreja ou no chãosinho!... O sentimento innato da rebeldia (que não deve confundir-se com a independencia) . . . existe no minhoto — com o lastro de presumpção e manhas d'onde sahem os nossos palradores do norte e os astutos emigrantes do Brazil; com a segurança que a vida responsavel e livre de proprietarios, não salariados, lhes dá.»
 Inquestionavelmente, pittorescamente bello; mas, em parte, na ethnographia que affirma a dignidade da mulher minhota, ha ahi pontos de vista involtos nas neblinas prismaticas de uma rica imaginação. A mulher do Minho não rege o marido, nem é arbitra no governo da caza, nem na gerencia dos negocios externos. É uma besta de carga que encontrareis no transito das feiras, vergada sob o pezo dos sacos e dos baileus, em quanto os maridos endomingados se encovam nas tavernas do mercado, ganhando brios para á noite lhes quebrarem os ossos em caza — exercicio auxiliar á digestão do seu verde. Quanto a venerarem o vigario as mulheres, dá-se o caso de o venerarem a elle e mais aos coadjutores, algumas, com excesso, se o abbade e a cleresia circumjacente não tem na bexiga ou nas articulações a pedra e a rheuma que os tornem mais castos que a fantasia de Jocelyn. A devassidão das minhotas, alternada com intermittencias de beaterio quando os missionários urram, tem sido para mim um objectivo de contemplaçoens de que não pude ainda attingir o gráo de alienação mental a que pode levar a estupidez. Os solteiros acceitam, sem biocos de honra, as mulheres infamadas que lhes estimulam o cio ou o interesse. O brazileiro, o argentario que fechou a loja nas extinctas Congostas, deshonra e dota raparigas com uma quantia sabida; de modo que os candidatos á dotada disputam a páo de choupa o gôso legitimo da moça habilitada para noiva. O snr. Oliveira Martins, depois das duas paginas transcriptas, está comigo com uma condescendencia que me regala. Diz o eminente critico: «Mas o minhoto, naturalista, não é susceptível nos peccados da carne: fraquezas humanas! Muitas, muitas raparigas casam sem ser virgens, e isso, apezar de sabido não escandalisa.» Com certeza, não; e eu mesmo me appresso a declarar que não pretendo que a rubidez do meu pudor vá purpurejar as faces candidas de quem mele, nem levante ahi a celeuma dos peitos indignados pela libertinagem do Minho. O que eu pretendo é demonstrar que a sublevação da gentalha da Povoa e de Vieira não promanou de nenhum sentimento nobre de rebeldia ou reacção ás exacções cabralistas: foi suggestão de um ou dois conegos setembristas, influentes em alguns padres que veremos figurar nas paginas d'este livro.

Camillo Castello Branco, Maria da Fonte, 2.ª ed., Porto, Chardron, 1901, pp. 48 e ss.

 Na última parte Camillo toma partido dos maçons; enumera todos os que ressoam nomes nessas avenidas novas em Lisboa e… compara-os aos miguelistas. Mais pessimista que ímpio, critica o padre deslombando-o e ao seu opúsculo. Assim, por 120 páginas do padre escreve Camillo 300. Desfastio seu. E nosso, pela vivacidade mordaz da prosa que podemos ler.

 

(Volume encadernado dum leilão da Ecléctica.)

Escrito com Bic Laranja às 15:30
Verbete | comentar
Sexta-feira, 28 de Agosto de 2020

A farmácia ainda por lá está, pouco mais ou menos…

Na fachada mutilada do andar da c/v.

Avenida de Roma, 53, Lisboa (M. Novais, c. 1950)
Avenida de Roma, 53, Lisboa, c. 1950
M. Novais, in bibliotheca d'Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 11:38
Verbete | comentar | comentários (4)
Quinta-feira, 27 de Agosto de 2020

Estrada do Penedo depois de…

Estr. do Penedo, Montes Claros (H. Novais, 194…)
Montes Claros, Monsanto 194…
Horácio de Novais, in bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Depois de 180 000 covas e 130 000 árvores.

Escrito com Bic Laranja às 15:15
Verbete | comentar | comentários (4)

Montes Claros antes dos ciprestes

Montes Claros, Monsanto (H. Novais, 194…)
Montes Claros, Monsanto 194…
Horácio de Novais, in bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 15:11
Verbete | comentar
Segunda-feira, 24 de Agosto de 2020

T.A.P. neo-retro



A T.A.P. vai voltar ao passado com um avião de médio curso. Um A321. Futuro CS-TJR?

Escrito com Bic Laranja às 15:30
Verbete | comentar | comentários (2)
Domingo, 23 de Agosto de 2020

Super Maxi…

 Num tempo menos superlativo, hiper era exagero inusitado; mega, grandeza pouco ligada a vulgaridadesSuper era o máximo que havia…
 Havia e há. Comprei de manhã uma caixa de 9 [6, digo] num super ali em baixo e, a senhora já comeu um. Eu outro.



 Super Maxi; um cão com 44, 45 anos, censurado nos monstruários da Olá.
 Adeus!

Escrito com Bic Laranja às 15:36
Verbete | comentar | comentários (8)

Os médicos ou os enfermeiros não vão?!

Escrito com Bic Laranja às 09:00
Verbete | comentar

A Ilha do «geocache»

Robert L. Stevenson, «A Ilha do Tesouro», [s.n.], Queluz, D.L. 1972

(Livrinho infanto-juvenil da colecção da Biblioteca Fruto Real noacervo da Santa Nostalgia.)

Escrito com Bic Laranja às 08:00
Verbete | comentar
Sábado, 22 de Agosto de 2020

Uma espécie de Pampilhosa dos tempos modernos

Pampilhosa da Serra conclui segunda fase de implementação da rede geocaching, Observador, 22/08/20

 Diz a seguir a notícia que o «geocaching» é uma espécie de caça ao tesouro dos tempos modernos.
 Não há nada como o progresso sem se sair da infância.

Escrito com Bic Laranja às 11:25
Verbete | comentar | comentários (11)
Sexta-feira, 21 de Agosto de 2020

Batalhas e Combates da Marinha Portuguesa (1139-1521)

Saturnino Monteiro, «Batalhas e Combates da Marinha Portuguesa (1139-1521), vol. I, 1.ª ed., Sá da Costa, Lisboa, 1989»

 Este I vol. começa na armada de D. Fuas no tempo D. Afonso Henriques e termina na batalha de Chaul em 1521-22. Comprei-o na Feira do Livro de 2003 a um décimo do preço, salvo êrro; uma promoção para motivar o leitor e interessá-lo para os restantes vols.? Li-o então até ao comêço dos feitos da Índia e, guardei essa melhor parte para ao depois. Só que, ficou esquecido até há dias. (Entre tanto a editora faliu… — Já Portugal, acabara antes, num grande acidente nacional…) A linguagem é clara e as descrições das batalhas e dos combates são ilustradas por mapas, o que torna a leitura agradável e mais esclarecida. Essencial para lembrar ao futuro da fibra dos portugueses de antigamente.

Escrito com Bic Laranja às 10:47
Verbete | comentar | comentários (10)
Quinta-feira, 20 de Agosto de 2020

Notícia de cara destapada de quando havia terroristas árabes

«O atentado de Munique», Diário de Lisbôa, 13/II/1970, p. 9

«O atentado de Munique», in Diário de Lisboa, 13/II/1970.
(Recorte ajeitado duma fotocópia subsidiada da Fundação do irmão do dr. Tertuliano.)

Escrito com Bic Laranja às 17:21
Verbete | comentar | comentários (3)

Notícia de quando havia notícias de ciganos

«Uma cigana ladina…», Diario de Lisbôa, 3/IX/1948
«Uma cigana ladina e um sonho desfeito», in Diario de Lisbôa, 3/IX/1948.
(Recorte ajeitado duma fotocópia subsidiada da Fundação do irmão do dr. Tertuliano.)

Escrito com Bic Laranja às 17:00
Verbete | comentar | comentários (5)
Domingo, 16 de Agosto de 2020

Se haviam excepções, já não hão…

«Marta Temido garante que não vão haver excepções para a Festa do Avante», Observidor [isso mesmo], 12/VIII/20


 Um solecismo mais e mais vulgar (só no Observador, caramba!…) Tal como com «há» por «havia» vão rareando ouvidos comtemporâneos capazes de se arrepiar com a aberração sintáctica.
 O verbo «haver» com sentido de «existir», usa-se de modo impessoal, logo, na 3.ª pess. do sing. (v.g. há pessoas, há coisas, há festas, há excepções e não hão pessoas, &c.... Já em 1947 nos explicava Vasco Botelho de Amaral:

« Note-se igualmente que vão também para o singular os verbos que antecedem haver, tais como deixar, dever, começar, poder: deixa de haver festas, e não deixam de haver festas; deve haver boas-vontades, e não devem haver; começa a haver descontentes, mas não começam a haver descontentes; pode haver excepções, e não podem haver excepções.»

Vasco Botelho de Amaral, Glossário Crítico de Dificuldades do Idioma Português, Domingos Barreira, Porto, 1947, p. 574.)

Escrito com Bic Laranja às 11:58
Verbete | comentar | comentários (5)
Sexta-feira, 14 de Agosto de 2020

Batalha ao fundo

Estrada nacional ?, Batalha (M. Novais, s.d.)
Estrada Nacional ?, Batalha, s.d.
Mário de Novais, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 20:11
Verbete | comentar | comentários (6)
Domingo, 9 de Agosto de 2020

Publicismo inane

Rita Cipriano, «», in Observador, 8/VIII/20

 

 Todos os dias o Observidor (isso mesmo) vem com histórias e ritas ciprianas lá dentro adonde o presente se cruza com a païsagem e o passado se remistura para se ao depois perder.

 De Campilho conhecia a água gasosa…

Escrito com Bic Laranja às 12:37
Verbete | comentar | comentários (9)
Sexta-feira, 7 de Agosto de 2020

Arquitectura post moderna em sentido lato

 A arquitectura post moderna tem mais que se lhe diga…
 Em 30 Dezembro de 1974 a rua com que confronta o Instituto Superior Técnico pelo Poente deixou de se chamar Rua General Sinel de Cordes para a crismarem Rua Alves Redol, um comunista. Dizem os anais do município que foi da «necessidade de eliminação dos nomes afrontosos para a população, pela sua última ligação ao antigo regime» [i.é Estado Novo e Ditadura Militar numa amálgama; não confundir com a Idade Moderna da historiografia].
 O comunismo não tem mais que se lhe diga.

Rua Sinel de Cordes, de trás do Técnico, Lisboa (M. Novais, 196…)
Rua General Sinel de Cordes, Lisboa, c. 1960.
Mário de Novais, in Bibliotheca d'Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 23:05
Verbete | comentar | comentários (9)
Quarta-feira, 5 de Agosto de 2020

Vista do progresso tirada do lado do manicómio

Blocos da Av. do Brasil, Lisboa (M. Novaes, 196…)
Blocos de Jorge Segurado na Av. do Brasil, Lisboa, 196…
Mário de Novaes, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 12:35
Verbete | comentar | comentários (5)
Terça-feira, 4 de Agosto de 2020

A Fruta do Pali Babá…

 … e Talho.
 Não confundir com a gruta do Ali Babá nem com a antiga Alfaiataria do Chile.

 

Lugar da antiga Alfaiataria do Chile — Rua Morais Soares, 162, Lisboa — © 2020
Fruta do Pali Babá, S. Jorge de Arroios — © 2020


 Aqui foi Portugal.

Escrito com Bic Laranja às 19:01
Verbete | comentar | comentários (22)
Sábado, 1 de Agosto de 2020

A casa


Rodrigo Leão - A casa

Escrito com Bic Laranja às 14:30
Verbete | comentar

Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
17
19
21
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____