Domingo, 29 de Novembro de 2020

A mediocridade…

Screenshot 2020-11-29 at 15.25.48.png

 A mediocridade de certas coisas…

 A mediocridade é uma imprensa dar tanto Papa. A imprensa, medíocre, nunca deu tanta ênfase ao papado, quere-me parecer. Noticias de Bento XVI eram mais tipo Trump… Lá entende a imprensa que este Francisco merece notícia ao dizer mediocridades atrás umas das outras. Antes todas lhe parecem (à medíocre imprensa) notícia boa de noticiar. Tal a mediocridade.

 Onde está a mediocridade de apenas querer ou ter uma vida tranquila é que não atinjo. Medíocre serei eu, ou o Papa…? Ou será que o Papa anda aí a apregoar guerra santa em lugar da Paz, do ecumenismo?

 O título que pus ali é a mediocridade, mas podia ser o Papa. Ou a imprensa. São todos sinónimos.

Escrito com Bic Laranja às 15:41
Verbete | comentar | comentários (4)

Do curral não dou notícia [aliás, dou… *]

«A razão de o Reino Unido estar a ter uma segunda vaga é porque serve à agenda e à narrativa política»
«A razão de o Reino Unido estar a ter uma segunda vaga é porque serve à agenda e à narrativa política» — protestos em Londres, 28/XI/20.

 


[*] Da dupla brasiLusa/Observidor:uma chachada que nada diz do que se passa na Inglaterra. É o que temos.

(Imagem em Lockdown Sceptics.)

Escrito com Bic Laranja às 13:22
Verbete | comentar
Sexta-feira, 27 de Novembro de 2020

Milagre 2.0

 As medidas do governo, o esforço dos portugueses… A realidade, matematicamente observida, dum grande timoneiro e duma esforçada passividade do gado em seus currais.

Escrito com Bic Laranja às 19:45
Verbete | comentar
Quarta-feira, 25 de Novembro de 2020

Torturografia

Observidor (isso mesmo), 25/11/20

 

Escrito com Bic Laranja às 15:07
Verbete | comentar | comentários (4)

Ecos de 1980 (e além)

 A juke box da leitaria do careca tinha esta. Tem ritmo…


Stevie Wonder, Masterblaster (jamin'), 1980


 Agora que me lembra,  havia lá um verso no meio — «Peace has come to Zimbabwe» — que canta a queda da Rodésia…

Now's the time for celebration
'Cause we've only just begun

 Amanhãs cantados por um cego em balada funky. Desses amanhãs embalados Moçambique ficou melhor; Angola ficou melhor.
 A África do Sul ficou melhor.
 A Namíbia ficou melhor.
 A Rodésia, encravada no meio de tanta melhoria havida e a haver, em que havia senão ela de dar? Em pacífico Zimbábue — «peace has come to Zimbabwe». — Podia ser piss, mas foi peace. Foi mesmo! — Ontens onde não jazem hojes que cantam.

 

Novos uniformes da Air Rhodesia, [Salisbúria] (1973)
Novos uniformes da Air Rhodesia, [Salisbúria], 1973.
A. n/ id., in Veteranrhodie.


Escrito com Bic Laranja às 09:25
Verbete | comentar
Terça-feira, 24 de Novembro de 2020

Os «Fatias»

A.E.C. Regal III da Carris, n.º de frota 106 (ex-58, ex-96), Picheleira (Guy, 1980)
Autoccarro 20 — A.E.C. Regal III da Carris, n.º de frota 106 (ex-58, ex-96), Picheleira, 1980.
Guy, in Flickr.



 Havia uns autocarros dos anos 40 que foram recarroçados (estranha palavra) pela Carris no fim dos anos 60, princípio dos anos 70. Eram autocarros de 1 piso, A.E.C. Regals III.
 Uns foram transformados em autocaros de 2 pisos, à conta de satisfazerem a cada vez maior procura de transporte pelos alfacinhas e outras gentes de Lisboa. Deram-lhes números de frota na série 400; ficaram conhecidos por lambretas.
 Outros ficaram à mesma com 1 piso, mas com carroçarias mais alongadas — a plataforma de trás foi-lhe augmentada. Uns quantos deles ganharam este aspecto: janelas grandes e carroçarias à frente e atrás como que cortadas à fatia. Eram isso mesmo, os «Fatias».

(Inspiração devida, e ilustração dedicada, ao meu velho e querido amigo Pedro Jaime.)

Escrito com Bic Laranja às 16:07
Verbete | comentar | comentários (11)
Segunda-feira, 23 de Novembro de 2020

Democracia «clean & safe»

Screenshot 2020-11-23 at 10.31.40.png

Escrito com Bic Laranja às 10:49
Verbete | comentar | comentários (15)
Domingo, 22 de Novembro de 2020

Epidemias!

Susete Francisco, «Gripe. Epidemia moderada já causa dificuldades nos hospitais», Diário de Notícias, 5/I/2018

 Portugal está numa situação de epidemia de gripe, ainda leve a moderada, mas alguns dos principais hospitais do país, como Santa Maria e São José, já tiveram de activar o plano de contingência interno e abrir mais camas para internamentos. O Centro Hospitalar [de] Lisboa Norte (C.H.L.N.), que integra os hospitais Pulido Valente e Santa Maria, accionou este plano para fazer face ao aumento médio de cem doentes por dia, em comparação com igual período do ano passado, abrindo 40 camas para internamento. O pico da epidemia deverá ser atingido nos próximos dias.

  «Nas últimas 24 horas registaram-se cerca de 900 episódios de urgência nos serviços de urgência do C.H.L.N.», disse ontem a administração do centro, num comunicado emitido ao [fim] da tarde. Números a que corresponde também um aumento dos internamentos, que nos últimos dois dias «passou de 10,6% para 12,2%, em linha com o crescimento da complexidade dos doentes» e das situações de doenças múltiplas «próprias da sua elevada faixa etária», referiu ainda o C.H.L.N., adiantando que foram confirmados 68 casos de gripe, 44 dos quais resultaram em internamento. O comunicado acrescenta que a situação «tem exigido bastante dos profissionais», que «têm correspondido em pleno» […]

 (Notícia actualizada às 13h40, com uma correcção: a informação de que há hospitais que estão a suspender as cirurgias programadas foi avançada por Ricardo Mestre, da A.C.S.S. [Administração Central do Sistema de Saúde], e não pela directora-geral da Saúde, Graça Freitas.)

Susete Francisco, «Gripe. Epidemia moderada já causa dificuldades nos hospitais », in Diário de Notícias, 5/I/2018. Os sublinhados são meus; o português brasileiro foi descartado com desprezo.

Escrito com Bic Laranja às 16:44
Verbete | comentar | comentários (2)

Lisboa, c. 1984

B.º Barata Salgueiro, Lisboa (Estúdio de M. Novaes, c. 1984)
B.º de Barata Salgueiro, Lisboa, c. 1984.
Estúdio de Mario Novaes (frag.), in bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 15:13
Verbete | comentar
Sexta-feira, 20 de Novembro de 2020

...

Montes Claros, Monsanto — © 2020
Montes Claros, Monsanto — © 2020

 

 Nada há na Natureza semelhante aos seres do Reino Vegetal.
 Nascem apenas para DAR, sem nunca escolherem quem recebe.
 Dão-nos grande parte do oxigénio que respiramos.
 Dão-nos grande parte da nossa alimentação, pelas raízes, pelos caules, pelas folhas, pelos frutos, pelas sementes e actualmente também pelas flores.
 Dão-nos a casca dos seus troncos e dos seus frutos para os mais variados usos, desde alguma da roupa que vestimos até ao lápis com que aprendemos a escrever.
 Dão-nos a beleza das suas formas e das suas flores.
 Dão-nos as essências, as resinas, donde resultou o âmbar, as gomas, os taninos os oxalatos, os aromas e o látex das suas seivas.
 Dão-nos remédios sem conta para os nossos mais variados padecimentos.
 Dão-nos a sombra das suas folhagens, dão abrigo às aves e a toda a espécie de animais arborícolas.
 Dão-nos a madeira para as nossas habitações, para a mesa onde comemos e a cadeira onde nos sentamos e as achas com que cozinhamos e nos aquecemos.
 Descobrimos a roda pela forma roliça de muitos troncos.
 Deram-nos os meios para construirmos as naves com que começámos a sulcar os mares.
 Deram-nos a avena rústica com que começámos a conhecer o espantoso mundo dos sons e, a partir daí chegámos ao clarinete, ao piano e ao violino permitindo-nos elevar o nosso espírito e dulcificar as nossas almas.
 Por fim, provavelmente dar-nos-ão as tábuas que nos acompanharão na nossa última viagem…
 Nada exigem em troca excepto o respeito pelo que são, algum carinho e um pouco de atenção de vez em quando.
 É pedir muito pouco face à imensidade da dádiva total das suas vidas ao mundo de que todos fazemos parte.
 Seres maravilhosos, companhia silenciosa das nossas vidas, eu lhes estou muito agradecido.

Comentário de Leunam em 9 de Outubro de 2020.

 

Montes Claros, Monsanto — © 2017
Montes Claros, Monsanto — © 2017

Escrito com Bic Laranja às 17:51
Verbete | comentar | comentários (2)
Quinta-feira, 19 de Novembro de 2020

Reenvasadas há semanas

Phalaenopsis amabilis, Lisboa — © 2020

 Por via das dúvidas, a senhora mudou-as de sítio. Passaram a estar na janela de sacada do lado do meio-dia, abaixo da vidraça por não receberem luz directa. E com as portadas de dentro cerradas em cunha durante o dia, a fazer como que uma estufa. Parece que estão a gostar, não?…

Escrito com Bic Laranja às 17:00
Verbete | comentar

Quando a inteligência natural é pouca…

Maria Martinho, «Investigadores testam inteligência artificial no diagnóstico da COVID-19…», in Observidor (isto mesmo), 19/XI/2020

Escrito com Bic Laranja às 10:56
Verbete | comentar
Quarta-feira, 18 de Novembro de 2020

Dizei-me agora se é por blasfémia ou se é discriminação de género

Escrito com Bic Laranja às 10:33
Verbete | comentar | comentários (2)
Terça-feira, 17 de Novembro de 2020

Esta é a m… da C.G.D. a lavar-me o cérebro. Nada de anormal

Esta é a m… a lavar o cérebro à gente

 QRCode nem português de crioulo é. Mas, como qualquer cão por aí já fala inglês, todo o nativo de Portugal e ilhas entende, não é verdade?!…

 A fralda fashion na fronha é também agora uma felicidade. Tão radiosa como sorrir sem mostrar os dentes; tão normal como ir às compras; tão asseado como usar cuecas (que não são obrigatórias por lei). E nada de pensar em açaimes, coisa de raivosos; antes numa daquelas camisolinhas fofas com que se vestem os cãezinhos dóceis e amorosos que levamos à rua e a que apanhamos o cocó, mesmo em horas de recolher obrigatório.

 E sobretudo que a falta da carteira (ou o fim do dinheiro) não impeça as comprinhas (ámen!), alegria suprema e salvação da alma naqueles dias e horas autorizados fora do curral ao comum super (ou sub?) urbano. — Deixai lá a carteira, filhos! O Natal pode lá deixar de ser o Natal!  Se preciso for, vai de máscara e com crédito… autorizado.
 Salva a consoada, porque aí, Deus nos valha que ai o vírus!

 

(Imagem normalizada e normalizadora da C.G.D., Mundo, 2020.)

Escrito com Bic Laranja às 14:56
Verbete | comentar | comentários (8)
Sábado, 14 de Novembro de 2020

Duas seguidas da dupla brasiLusa / Observidor

Os E.U.A. ultrapassam 187 000 casos num só dia, in Observidor [isto mesmo) A China soma 18 casos, in Observidor [isto mesmo], 14/XI/20


 A China soma casos, a América, infecções. A China é ilustrada com um china qualquer a comprar hortaliças; a América ilustra-se com as costas largas do Trump.
 Habilidades!

Escrito com Bic Laranja às 19:35
Verbete | comentar | comentários (2)

1984

Confinamento, Cabo Ruivo (m. Hearson, 1984)
Confinados, Cabo Ruivo, 1984.
Martim Hearson, «A Fleetline, and any number of Regents», in Flickr.

Escrito com Bic Laranja às 13:05
Verbete | comentar
Terça-feira, 10 de Novembro de 2020

Das leis inglesas

 Cuido que podeis estar interessados no meu longo fim-de-semana em Espanha. Acredito haver explorado uma lacuna na lei…
 Viajei para Espanha na sexta-feira (durante o confinamento 2.0) através do aeroporto de Liverpool. Pude voar sem me perguntarem nada, mas se me tivessem perguntado porque viajava, a resposta teria sido que ia a Espanha para ver uma propreidade que estava à venda. Isto parece ser admitido na Parte 2 das restrições por causa do Coronavirus, onde se diz que podemos sair de casa para ver uma propriedade que estamos interessados em comprar. Não há lá nada que diga que a propriedade haja de ser no Reino Unido.
 Parece ser amplamente aceito que se só pode viajar ao estrangeiro por motivo de trabalho, mas não acho nada na lei que que o diga explicitamente. De toda a maneira, o meu trabalho podia ser como provável promotor imobiliário em Espanha.
 A quarentena de 14 dias no regresso é obviamente uma restrição, mas há uma excepção na Secção 9 que me permite durante a quarentena sair de casa para viajar para o estrangeiro. Portanto planeio isolar-me até sexta-feira e tornar então a Espanha para ver outra propriedade no próximo fim-de-semana.
 Posso enganar-me, não sou entendido em leis, mas valerá bem a pena experimentar para fugir à demência e para umas cervejas e umas almoçaradas nas praias espanholas.

Carta dum leitorin Lockdown Sceptics, 10/11/2020.

À atenção da T.A.P. e do Turismo do Algarve.

Caralvela CS-TCB «Damão» da T.A.P., Faro (Postal ilustrado, 1964-1975)
Caravela VI-R CS-TCB «Damão» da T.A.P., Faro, [1965-75].
Postal ilustrado,  in kitmasterbloke.

Escrito com Bic Laranja às 18:52
Verbete | comentar
Segunda-feira, 9 de Novembro de 2020

A peste é outra

Alberto Camus, «A Peste», ... in Jornal de Vila do Príncipe, 22/VI/20.

 A propósito do interesse que A Peste, de Albert Camus, despertou aquando da descoberta do vírus da moda: em Março de 2020, as vendas do livro, em Portugal e no resto do mundo, tiveram uma expressão significativa. Especula-se que os leitores procuravam, no relato das angústias vividas pelos habitantes de Orão durante um surto de peste, um consolo e um guia para a reclusão que os aguardava.
 A comparação da conjuntura actual com a peste é exagerada  […]  Além do mais, se se tiver em conta que a crise sanitária, na sua eclosão, foi equiparada a uma guerra – como se a geração floco de neve, que se ofende com o sarcasmo e os contos de fadas, tivesse estofo para pegar em armas –, o risco de amplificar o medo com analogias fortes não é assim tão sério  […]  Segundo uma das exegeses mais consensuais, A Peste é uma representação alegórica do totalitarismo.
 […] Passaram-se alguns meses e cresceu a suspeita de que, a pretexto de uma doença que se revelou muito menos letal do que as profecias asseguravam, está em curso a concretização de um programa autoritário e global. Quando as primeiras notícias e imagens sobre abusos de poder em várias regiões do mundo começaram a romper o cerco imposto pela comunicação social, alguns leitores viraram-se para outras obras literárias, como 1984 e Admirável Mundo Novo, e A Peste regressou ao seu exílio na sombra do cânone.
 É pena, pois o livro de Camus, ao contrário dos de Orwell e Huxley, não estuda o facto consumado; prefere concentrar-se na alienação e submissão ao avanço do totalitarismo. A Peste é uma fábula sobre a discreta e inapelável emergência de uma força oculta que se instala no seio de uma comunidade desprevenida e a submete à sua vontade. Começa com um rato morto e acaba numa cidade sitiada, sem esperança, privada de todas as coisas que nos definem como humanos: a liberdade, a dignidade, o amor, a família, os rituais fúnebres […]
 Confundir liberdade com democracia é um descuido infantil e cego a um século de História.
 Primeiro, foram as restrições à circulação e reunião: no início devidamente cumpridoras das leis fundamentais, são hoje impostas, em determinados países, sem qualquer respeito pelas respectivas constituições. Depois, como numa avalancha, vieram as quarentenas de pessoas saudáveis, os testes compulsivos a indivíduos sem sintomas da doença, as invasões de domicílio sem mandado, as restrições à liberdade de culto, a repressão de manifestantes, os processos disciplinares a médicos dissidentes, a perseguição a professores e investigadores cépticos, a vigilância pidesca de declarações públicas e privadas, a denúncia popular de comportamentos «desviantes», as autuações a casais que se beijam na rua, a lei seca, a intimidação anónima dos críticos, a manipulação da opinião pública pelos jornais e televisões, os logros estatísticos, a censura científica. A sociedade viu-se privada de todos atributos que a distinguem de um formigueiro e ficou reduzida ao trabalho: as fábricas laboram, as livrarias fecham. O campo de concentração de Auschwitz tem, à entrada, um título adequado para este quadro.
 Transversal a tudo isto, e silencioso como a peste de Orão, está o pior dos atentados à liberdade e dignidade humanas: a nacionalização da morte. Para salvar alguns – e os serviços de saúde –, condenam-se outros.
 Dando de barato que a suspensão da liberdade pode ser justificada pela necessidade de uma defesa do direito à saúde (seja lá o que isso for), nada justifica a censura, a intimidação e a manipulação: a liberdade de expressão não é um meio de contágio de doenças respiratórias, nem sequer no estranho mundo inventado pela «ciência» pandémica […] 
 Lamentavelmente, para a saúde de muitos e para o orçamento de um sem-número de famílias, é tarde demais. Resta-nos esperar que a epidemia de demência e o consequente tsunami económico que nos deixará depauperados represente também o fim dos novos ratos e dos seus encantadores […] Shakespeare, que foi contemporâneo da peste bubónica, nunca escreveu sobre a praga que lhe condicionou a vida e a carreira. Preferiu esmiuçar o exercício discricionário do poder e a construção da tirania. O inventor da personalidade humana sabia de onde vinha o verdadeiro perigo.»

Carlos M. Fernandes, «Ratos», in Observador, 6/XI/2020.


Imagem: Alberto Camus, «A Peste», Círculo do Livro, [s.l.], 1983, in Jornal de Vila do Príncipe, 22/VI/20.

Escrito com Bic Laranja às 12:43
Verbete | comentar | comentários (2)
Domingo, 8 de Novembro de 2020

Variedades: Carpenters


The Carpenters, Superstar
(B.B.C., 1971)

Escrito com Bic Laranja às 22:05
Verbete | comentar | comentários (2)

Videntes

 O método científico é o que nos distingue dos povos que antes da Renascença podiam enfrentar a peste com rezas. Nós conseguimos fazer melhor, se formos rigorosos. Se uma teoria importante não for coerente com as conclusões que devem verificá-la, então está errada. Os cientistas sérios são por vezes obrigados a reconhecer que se enganam e os mais capazes recuam e separam o que tomaram por verdadeiro do que é demonstrado para lá de qualquer dúvida razoável.
 […]
 Na Primavera a composição do Conselho Científico para Emergências [espécie de Conselho Nacional de Saúde Pública] do governo britânico era tratada como segredo de Estado. Por fim os membros foram conhecidos. Direi que, pessoalmente, fiquei desiludido. Procurei as credenciais de todos eles. Não havia médicos especialistas de Imunologia. Ninguém que tivesse formação em Biologia ou alguma pós-graduação em Imunologia. Havia alguns médicos, sim. Uns poucos elementos de humanidades, como sociólogos, economistas, psicólogos e teóricos em Política. Nenhum médico especialista em Imunologia. O que havia com fartura — sete, ao todo — eram matemáticos. Isto compunha o grupo de analistas conselheiros. O resultado dos seus modelos de análise foi responsável por tormentos à população nos últimos sete meses ou isso.
 Quando ouço a palavra «modelo» nunca consigo realçar suficientemente a importância de se perguntar quem nele é o perito no assunto que serve de objecto de análise.
 É inútil que quem conceba esses modelos seja honesto e tenha uma mente brilhante se não for perito nos fenómenos na base do modelo a elaborar. Porque deveis estar cientes que dos modelos se projectam cenários futuros, previsões, se quiserdes. Se o modelo for elaborado por gente que não domine o assunto que lhe está na base, então laborar-se-á em erro sem dele haver noção.
 Tornando a antes da Renascença: em tempo de incerteza, os que se apresentam como mestres em sangraduras e entendidos na leitura das entranhas dos animais tornam-se muito importantes. São tidos na  grande conta de magos da era moderna. São, em suma, considerados como videntes, os que conseguem predizer o futuro […]

Miguel Yeadon, «What S.A.G.E. Has Got Wrong», in Lockdown Sceptics, 16/X/20.



 

«Dolores», in Voge, 15/IV/1919, p. 44 (A. Meyer)
Bruxarias de noivado com pérolas e tule, in Vogue, 15/IV/1919.
Fotografia de Adolfo de Meyer; modelo, Rosa Dolores (Kathleen Mary Rose Wilkinson), in Fotografia de Moda 1850-2000.

Escrito com Bic Laranja às 17:05
Verbete | comentar | comentários (3)

Julho 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
23
24
26
27
28
29
30
31

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____