Domingo, 27 de Dezembro de 2020

Av. de Roma com vista para o novo Areeiro

A grande rotunda da Av. dos Estados Unidos, Lisboa (A. Serôdio, 1963)
A grande rotunda da Av. dos Estados Unidos da América, Lisboa, 1963.
Armando Serôdio, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 08:35
Verbete | comentar | comentários (7)
Quinta-feira, 24 de Dezembro de 2020

Cartão de Natal



A Sagrada Família*

Pompeo Batoni, c. 1760
Óleo sobre tela, 99 x 74 cm
(Pinacoteca Capitolina, Roma)

 


 

 

 

Aos benévolos leitores que
generosamente visitam este blogo,
sinceros votos de

 

~~~~~ * * * ~~~~~

FELIZ NATAL

~~~~~ * * * ~~~~~

A todos


BOAS FESTAS !

 

 

 

 

Escrito com Bic Laranja às 16:12
Verbete | comentar | comentários (5)
Quarta-feira, 23 de Dezembro de 2020

Av. de Roma com vista para o Tejo

A grande rotunda da Av. dos Estados Unidos, Lisboa (A. Serôdio, 1963)
A grande rotunda da Av. dos Estados Unidos da América, Lisboa, 1963.
Armando Serôdio, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 08:52
Verbete | comentar | comentários (7)
Domingo, 20 de Dezembro de 2020

O 35 em 63 [i.é, c. 61]

 Da Morais Soares, o 35 seguia pelos caminhos tradicionais e não pelas novas artérias. Assim, a ligação ao Areeiro efectuava-se pelo que correspondia à antiga Estrada [i.é, Azinhaga] do Areeiro: Rua Carvalho Araújo, Rua José Ricardo, Mercado de Arroios, Rua Rosa Damasceno e interior do Bairro dos Actores. Atingindo o Areeiro, a carreira seguia por um percurso novo (dando satisfação aos desesperados moradores da zona) pelas Avenidas Padre Manuel da Nóbrega e São João de Deus até à Avenida de Roma, terminando na grande rotunda da Avenida dos Estados Unidos.

Cruz-Filipe, «35: o clássico», História das carreiras da Carris, 27/XI/2010 — outrora em linha.

Av. de Roma, Lisboa (A. Serôdio, 1963)
Av. de Roma, Lisboa, 1963 [c. 1961].
Armando Serôdio, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 13:32
Verbete | comentar | comentários (6)
Sábado, 19 de Dezembro de 2020

Da investigação constante…

IMG_0426.jpg

 

 Se não investigassem tanto entenderiam mais. O vírus era medido pela bitola da tosse ou da febre e não passaria da gripe. Ficávamos todos mais descansados e não haveria aí um mundo de zombies exorcizando o medinho de focinheira nas ventas. Na rua, os cãezinhos vão até sem trela; os donos vão de açaime.

  E ah! Apanham-lhes os cocós.

Escrito com Bic Laranja às 15:11
Verbete | comentar | comentários (2)
Terça-feira, 15 de Dezembro de 2020

Palavras esquecidas

Dolores Montenegro Matias, «Goa, Damão e Dio serão sempre portuguesas

Dolores Montenegro Matias, «Goa, Damão e Dio serão sempre portuguesas

Dolores Montenegro Matias, «Goa, Damão e Dio serão sempre portuguesas (carta aberta a Nehru, por)», in Duas Pátrias, v. 2, 1955-1956, pp.35-36.


Índia (Lopo Homem, in Atlas de Lopo Homem-Reinéis, 1519)

(Carta do Oceano Índico de Lopo Homem, in Ziereis Facsimiles.)

Escrito com Bic Laranja às 13:00
Verbete | comentar | comentários (4)
Terça-feira, 8 de Dezembro de 2020

T.A.P. ao lusco-fusco

 Pode ter sido há 46 [hoje, 47] anos, mas lembra-me bem deste Boeing 747 CS-TJA da T.A.P. ter aparecido inesperadamente em Heathrow. Não só porque porque era uma aparição rara, mas porque quando apareceu tive de o fotografar contra um sol baixo de Inverno […]
 Londres, Heathrow.
8 de Dezembro de 1973.
Praktica LTL, Kodachrome II.

 

B747 CS-TJA «Portugal», Heathrow (Ray Pettit, 8/XII/1973)
Boeing 747 CS-TJA, «Portugal», da T.A.P., Aeroporto de Heathrow em Londres,8/XII/1973.
Ray Pettit, in Flickr.

Escrito com Bic Laranja às 13:26
Verbete | comentar

E coçar as costas às pessoas de família, pode-se?

Nesse caso é valer à família, frontalmente, estendendo os braços à volta e, adeus ó O.M.S. comichão.

Observidor/brasiLusa, dia de Nossa Senhora da Conceição de 2020

Escrito com Bic Laranja às 11:25
Verbete | comentar
Sábado, 5 de Dezembro de 2020

Coronóia

 Quando o governo pôs os fumadores à porta da rua (*) alguém falou nela; na correlação entre o numeroso aumento de gente ao frio, à chuva e ao vento e, os casos de gripe.

 Não havia de ser estudo que interessasse… à catequese do governo. Naturalmente!… Até porque diz a voz corrente que a vida ao ar livre é sempre mais saudável; por conseguinte, fumadores ao ar livre adoecem de certo menos do que em espaços fechados. E se ainda assim adoecerem uns tantos, são fumadores; gente malta que lá terá o que merece.

 Acabei de passar na Rua Carlos Mardel, onde há dois supermercados. As bichas para entrar dão saudade da República Democrática Alemã. Num, a bicha entrava pela do outro; no outro, a bicha corria pelo quarteirão até alturas da praça do Chile (o mercado de Arroios).

 Não conheço estatísticas daquilo que disse dos fumadores ao relento e os números da gripe. Se alguém souber que mas diga. Mas sei que o instituto da Meteorologia atmosfera sabe a temperatura do ar em geral e até a que nos toca no lombo (temperatura sentida). Não sei se no-la medirá por cima ou por baixo dos agasalhos das várias camadas de roupa. Ou da máscara… Porém, tanto assim é que proclama enciclimaticamente alertas com corzinhas, urbi et orbi à creche e aos subúrbios, por cada aguaceiro ou brisa que adivinha, apocalipticamente, lá vir.

 Pois bem, tornando à República Democrática Alemã. Desde que o vírus corona (ou comuna) infectou democraticamente governos, mentes e o aparelho respiratório dos que bafejam pela imprensa, rádio e TV, a Stasi que nos rege a saúde deu em limitar o direito de admissão nos súperes por causa do vírus único. Nem que para isso se multipliquem bichas de gente pelas calçadas, ao frio ao vento e à sorte. Apesar do Inverno, decerto que gripes, febres e constipações já estão constitucionalmente abolidas pelo Estado de emergência, tal como os contágios no metro e nos autocarros.

 Siga o Natal carnaval.

 

Bichas para o supermercado, R.D.A., 1970
Bicha do supermercado, R.D.A., c. 1970.
Fotografia de A. n/id., in Jennifer Llewellyn, Steve Thompson, «Alemanha de Leste», História Alfa, 11/IX/20.

 


(*) Entretanto, cães, gatos, periquitos ou até cágados de estimação passaram a poder entrar nos restaurantes, sem nenhuma obrigação de açaime…

Escrito com Bic Laranja às 13:18
Verbete | comentar | comentários (8)
Sexta-feira, 4 de Dezembro de 2020

Não é bom, é bomboka

 

 «Christmas bubbles», as bol(h)as de Natal. Terá isto alguma coisa a ver com o Pai Natal, pensei eu! Não, o Pai Natal só tem uma bolha na barriga, e como aqui se fala no plural não há relação, a não ser...

 Bem, mas o estrangeirismo vem a propósito. Tudo isto é importado, o Pai Natal, o coiso, as vacinas, o dinheiro, enfim, quase tudo, quase tudo!

 Mas gostei. «Christmas Bubbles». Está fixe!

Comentário do leitor Manuel Ferreira, lá no Observidor, onde o jornalismo não é só bom, é mais que bom; é bomboka.

 

Escrito com Bic Laranja às 06:15
Verbete | comentar
Quinta-feira, 3 de Dezembro de 2020

Fatias e direitinho no Rato

A.E.C. Regal III da Carris, n.º de frota 106 (ex-58, ex-96), Picheleira (Guy, 1980)
Autoccarros 20 e 15 — A.E.C. Regal III, n.º de frota 106 (ex-58, ex-96) e Daimler Freeline/Guy Victory, n.º de frota 82, respectivamente, Rato, 1980.
Guy, in Flickr.


Sôbre Direitinhos e àcerca dos Fatias.

Escrito com Bic Laranja às 18:46
Verbete | comentar | comentários (4)
Terça-feira, 1 de Dezembro de 2020

Representante da idade de ouro de calcar calhaus nas avenidas burguesas

Calceteiro, Lisboa (Machado e Souza, c. 1908)
Calceteiro, Av. D.ª Amélia, c. 1908.
Machado & Souza, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 14:00
Verbete | comentar | comentários (2)

Uma letrada Lux/Frágil faria lá isto por menos

 Nada menos que da idade de ouro da literatura portuguesa! — c’ um c…araças! Caganda intelectual! E vivaça. Como que a projectar em si a idade de ouro.

 O ensaísta finado era muito melhor amigo que mestre, bem vejo. Sempre sublimou o impossível com a amizade, o que não deixa de ser de mestre.

Escrito com Bic Laranja às 13:18
Verbete | comentar

Cinco mil léguas portuguesas

 Estando o conde [de Sortelha, D. Luís da Silveira] por embaixador em Castela, dizem que, querendo o imperador [Carlos V] motejar Portugal de pequeno, lhe perguntou se se levantava uma lebre em Portugal, aonde a iam matar? E o conde respondeu-lhe:
 — Senhor, vão-na matar à Índia, que é daí a cinco mil léguas.

José Hermano Saraiva (anot. e com.), Ditos Portugueses Dignos de Memória; História íntima do século XVI, 3.ª ed., Mem Martins, Europa-América, 1997, p. 311 [849].

Índia (Lopo Homem, in Atlas de Lopo Homem-Reinéis, 1519)


(Carta do Oceano Índico de Lopo Homem, in Ziereis Facsimiles.)

Escrito com Bic Laranja às 00:03
Verbete | comentar

Julho 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
23
24
26
27
28
29
30
31

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____