Terça-feira, 26 de Janeiro de 2021

Eco de efeméride


Gabriela Schaaf, Eu Só Quero
(Valentim de Carvalho, 1979)

Escrito com Bic Laranja às 21:37
Verbete | comentar | comentários (2)

Efeméride

 Em 26 de Janeiro de 1980 a TAP Air Portugal apresentou a sua 8.ª farda feminina — a segunda da autoria do Louis Féraud — numa gala no Casino do Estoril, com uma restrospectiva dos uniformes anteriores e um espectáculo musical com as cançonetistas francesa Frida Boccara e portuguesa Gabriela Schaaf. É isto que diz a notícia.

TAP apresentou novos uniformes (Diário de Lisboa, 28/I/1980)
«TAP apresenta novos uniformes», in Diário de Lisboa, 28/I/1980.
Recorte de jornal adaptado das fotocópias da fundação do irmão do dr. Tertuliano. Fotografia do Museu da T.A.P.

 

 

Escrito com Bic Laranja às 20:42
Verbete | comentar | comentários (8)
Domingo, 24 de Janeiro de 2021

Espectáculo de variedades


Neil Diamond, Sweet Caroline
(Ed Sullivan show, 1969)

Escrito com Bic Laranja às 23:00
Verbete | comentar | comentários (2)
Domingo, 17 de Janeiro de 2021

Rua de Lisboa, Portugal, [s.d.]

 Venho com esta agora calcar o apocalipsezorro e o apocalipsezinho (ensaiozinho do medozorro?) nele contido. Enfim! São desabafos meus que pouco valem; quando não, até aborrecem. Mais interessantes serão por ventura uns quebra-tolas (este não foi lá muito) com que procuro descobrir lugares antigos, quiçá familiares, mas entre tanto esquecidos. Pois bem. Se se algum benévolo leitor lembrar onde é ou era o lugar aí retratado, que por gentileza mo diga, pois eu desta fotografia não consigo atinar com o sítio, por estranhamente familar ele me pareça. É que não sei, com franqueza, descobrir onde é.
 A legenda na fonte é tal como vai.

Rua de Lisboa, Portugal (M. Novais, s.d.)
Rua de Lisboa, Portugal, [s.d.].
Mário de Novais, in bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 17:05
Verbete | comentar | comentários (21)

O apocalipsezorro

 Como a história se repete! Dizem que como farsa, não é verdade?!…
 Quando começaram, agora, a anunciar o apocalipsezorro? Ao depois do Natal?!…
 Pois não é ele de agora. Nem deve ser do Natal, a bem dizer, salvo se Natal for quando um homem quiser. Para os homens das vacinas é, Natal, e continua. Há cinco annos também continuava, a custo, mas agora tornou-se muito mais certo e lucrativo. Um negócio da China do tamanho do Mundo.

Domingo, 4 de Janeiro de 2015


Dum apocalipsezinho

Nas próximas duas semanas é que vai ser. O fiel de armazém da D.G.S. anda a avisar da gripe [era o que havia em 2015] e a instar na TV para que corramos já já a tomar a pica. Janeiro está aí e o frio é agora que vai fazer mossa (em Dezembro [que é como quem diz, no Natal] não; tínhamos de andar às comprinhas...); na América já começou e a gente deve vacinar-se para não gastar outros recursos de saúde (língua de pau para dizer remédios e assistência médica, decerto... [agora é o S.N.S. por inteiro.]) E lá explicou como entendido nas estirpes que andam à solta, que uma H3N não sei quantos é muito má [nem sabia ele da SARS-CoV-2], muito má para velhinhos, crianças e doentes crónicos, sempre eles tão fràgeizinhos, não é uma dor de alma?!
 Pois mesmo não estando previsto o tal H3N não sei quantos no lote (na lotaria) das estirpes metidas na vacina em que os laboratórios fornecedores de governos apostaram este Inverno, não devemos, porém, deixar de diligentemente ir apanhar pica.
Vacinação geral da populaça como placebo, enfim!
 E como renda sazonal.
 A corporação dos remédios mai-los seus agentes de vendas oficiais (D.G.S.) e oficiosos (jornalistas) à procura de desencalhar stocks mercadoria em armazém pelo sempre lucrativo banzé dum apocalipsezinho.


Obra antituberculosa, Junta da Província da Beira Litoral (M. Novais, post 1945)
Obra antituberculosa, Junta da Província da Beira Litoral, post 1945.
Mário de Novais, in bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 08:31
Verbete | comentar
Sábado, 16 de Janeiro de 2021

Lisboa das avenidas

 Imaginai hoje. Uma esquina das avenidas com um… fanqueiro. André Gomes, Lda., fanqueiro, retroseiro. Não é só o ar daquela Lisboa modernista — post modernista, já — mas tão nossa e ainda familiar com aquele tom também já de português suave neoburguês e a tornar-se cosmopolita no anúncio das viagens e turismo — passagens aéreas e marítimas. —  Passagens marítimas, Adamastor, lá está! — São passamanes dum falar genuíno e que se acha perdido, agora, num tempo tão post, post moderno que é já só jactantemente modernaço, oco, avesso ao adorno de retrós, mas pronto-a-vestir-se de fancaria outra, de ganga e titulação imperativamente amaricana e acabadamente made in China. Não requere tinturaria nem engomadoria porque é de usar e deitar fora.

 Naquele tempo, sim!… Mas, se até o tempo é descartável…

 

…, Lisboa, 195... Horácio de Novaes, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.
[Adivinhe o benévolo leitor], Lisboa, 195...
Horácio de Novaes, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G. 

 

Escrito com Bic Laranja às 12:56
Verbete | comentar | comentários (22)
Domingo, 10 de Janeiro de 2021

Ecos da Grã-Bretanha

Como não vejo ninguém cá a dizê-lo, traduzo do estrangeiro.

 A corrida não é entre a morte e a vacinação, mas entre a vacinação e as camas de hospital.
 As sociedades organizadas tiveram sempre de negociar o valor da vida humana. O que há de tão ímpar na abordagem britânica, todavia, é que substituímos o sagrado da vida humana pelo sacrossanto sistema de saúde. Se o Serviço Nacional de Saúde tivesse o dobro da capacidade, a política haveria de, sem dúvida, tolerar o dobro dos mortos. Isto diz-nos algo de como se entende o papel do Governo: não é ele de salvar vidas em concreto, mas de parecer que pode salvar vidas. «O nosso Sistema Nacional de Saúde» é um emocionado apelo, não porque seja um sistema brilhantemente eficaz (Deus sabe que não é) ou até porque muito do seu pessoal trabalha afincadamente, mas porque é antes uma estrutura em que nos apoiamos para esconder nossa vulnerabilidade. É o caso dum ideal, não da simples realidade.

___________
Julieta Samuel, «O preço da liberdade é agora a capacidade do Sistema Nacional de Saúde. É o desempenho do sistema de saúde e não o progresso da vacina que vai determinar o fim das restrições», in O Telégrafo (Londres), 8/I/21.

* * * 

 A nossa primeiro-ministro Nicola Sturgeon julga que o impacto da CoViD se reduz limitando o contacto social. Esta tornou-se a sua única estratégia de mitigação da CoViD, a par de muitos governantes em todo o mundo. Criou a ideia, que pegou, de que os humanos em geral, especificamente o Governo, conseguem gerir a expansão dum vírus. Vendeu-nos ela incessantemente esta ideia, com a colaboração dos meios de comunicação que providenciaram infinda propaganda a ajudá-la. Agora, se quere ela reduzir os casos, a única ferramenta de que dispõe é reduzir mais o contacto social — sem atender ou considerar o preço de tal medida; preço que sabemos cairá na conta dos mais vulneráveis: as crianças, os velhos e os pobres. 
 Muita gente, porém, está farta e o seu número cresce. Caminhamos para uma crise seja qual for o ângulo por que se olhe e parece que as pessoas começam a entendê-lo. Em termos simples não há prova de que os confinamentos evitem a propagação do vírus.
 Sabemos que o governo no-lo disse em Março e estava certo. O confinamento e a quarentena de gente sã são uma experiência bizarra nunca tentada antes, mas não tratada como experiência que é. Falamos agora como se sempre tivéssemos lidado com os vírus desta maneira. Não tem havido nenhuma análise rigorosa do resultado virulógico dos confinamentos, muito menos dos efeitos sociais. Não inquirimos também que efeitos tudo isto terá na nossa imunidade. Não estaremos a acumular elevados problemas de saúde para o próximo ano e seguintes?

___________
Cristina Padgham, «Espavorir o povo? Como as histórias da CoViD não encaixam», in Pensar a Escócia, 9/I/21.

 

Aspecto dum desastre diante do manicómio, Av. do Brasil, [s.d.]. A.N.T.T.. A. n/  id.
Aspecto dum desastre diante do manicómio, Av. do Brasil, [s.d.].
A.N.T.T., A. n/ id.

Escrito com Bic Laranja às 19:50
Verbete | comentar | comentários (20)
Sábado, 9 de Janeiro de 2021

Legos

0ECB81FC-E962-4B8E-81AD-3B6EA8365258.jpeg
Camião Frigorífico Guindaste de Lego Camião do Leite

Escrito com Bic Laranja às 13:57
Verbete | comentar | comentários (8)

Legos. Exactamente!

Screenshot 2021-01-09 at 13.33.49.png

Escrito com Bic Laranja às 13:40
Verbete | comentar | comentários (10)
Sexta-feira, 8 de Janeiro de 2021

Ao depois digam-me que é da CoViD!…


Instituto Ricardo Jorge, Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe, semana 53, 28/XII/2020 a 3/I/2021.

Escrito com Bic Laranja às 21:03
Verbete | comentar | comentários (4)
Sexta-feira, 1 de Janeiro de 2021

O 35 ainda em 63

 A primeira alteração parece ter sido na zona da General Roçadas. O percurso original, pela Rua Nery Delgado, foi indicado desde sempre como provisório e, tendo sido estabelecidas as condições necessárias, a carreira passou a circular por toda a extensão da Rua Mestre António Martins, servindo a Escola Nuno Gonçalves.

Cruz-Filipe, «35: o clássico», História das carreiras da Carris, 27/XI/2010 — outrora em linha.

Autocarro 35, Av. Gen. Roçadas (A Goulart, 1963)
Av. Gen. Roçadas, Lisboa, 1963.
Arthur Goulart, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 09:35
Verbete | comentar | comentários (11)

Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____