Sábado, 25 de Dezembro de 2021

Clamai em alegria, exultai, erguei-vos, louvai o dia


João Sebastião Bach — Oratório de Natal, BWV 248 (Cantata n.º 1).
Círculo de Câmara de Lucerna / Orquestra Barroca de Friburgo; Coro de Câmara da Rádio do Sector
Americano de Berlim; maestro, Hans-Christoph Rademann.
Ao vivo no Centro de Cultura e Congressos de Lucerna, 2016.

Escrito com Bic Laranja às 17:25
Verbete | comentar
Sexta-feira, 24 de Dezembro de 2021

Espírito do Natal presente, passado e …

 Do benévolo leitor Figueiredo compartilho a mensagem de recusa do que procuram fazer devir o espírito do Natal presente, com uma muito boa lembrança do espírito do Natal passado. Para manter no espírito do Natal futuro.

 Hoje, mais do que nunca, celebrar o Natal é dever de todo o cidadão em conjunto com a sua família e amigos, face ao ataque, destruição, censura, e deturpação que uma minoria de gente mal-intencionada pretende e está a fazer a esta quadra festiva da Humanidade.

 Sou laico, não tenho religião, na casa da minha família desde sempre estiveram presentes a Árvore de Natal, o Presépio, e o Pai Natal, por isso — e se me permite utilizar o seu blogue para tal — faço um apelo a todos os cidadãos Portugueses e respectivas famílias para celebrarem o Natal com pompa e circunstância dentro das possibilidades de cada um, enfeitem os vossos lares e encham as igrejas, tirem as máscaras, desejem um Feliz Natal a quem passa, dêem as mãos e celebrem a bondade e a partilha.

 «Não tenham medo dos lobos», como dizia o Prof. José Hermano Saraiva:


José Hermano Saraiva, Não tenham medo dos lobos.
(Horizontes da Memória, R.T.P., 21/XII/1996)

Escrito com Bic Laranja às 16:36
Verbete | comentar | comentários (1)
Quinta-feira, 23 de Dezembro de 2021

Cartão de Natal



O Natal *

Domingos Piola, 1647-49
Óleo sobre tela, 126 x 97 cm
( Colecção particular )

Aos benévolos leitores que
generosamente visitam este blogo,
sinceros votos de um

 

 

SANTO E FELIZ NATAL .


A todos
BOAS FESTAS !

 

Escrito com Bic Laranja às 23:26
Verbete | comentar | comentários (2)
Quarta-feira, 22 de Dezembro de 2021

Canto lírico além da Antena 2

 Na sequência do madrigal da 1h25 desta tarde na antiga Emissora 2, e ainda na senda do canto lírico e das vozes que fizeram diferença como dizia lá o tema do programa do sr. Samuel Vieira. Ocorreu-me…

 


Philippe Jaroussky, Auxiliar plaisirs, aux délices, bergères (ária cortesã — Pierre Guédron, c. 1614).
(Olivier Simonnet, Lully l' Incommode, 2009.)

Escrito com Bic Laranja às 19:49
Verbete | comentar

Canto lírico na Antena 2

A antiga Emissora 2 está neste momento a dar isto. O programa no ar é o Caleidoscópio, do sr. Samuel Vieira, como se pode ler em baixo.

 
Bee Gess, Stayin' Alive
(1977)

Samuel Vieira, «Canto lírico; vozes que que fizeram a diferença, Caleidoscópio, Antena 2 22/XII/2021

 

Escrito com Bic Laranja às 13:25
Verbete | comentar
Sexta-feira, 17 de Dezembro de 2021

Ao meio-dia o novo papão havia de valer 80% do mercado…

 Do meio-dia para as 5h da tarde o novo papão adivinhado nas folhas de chá engordou dos 80 para os 90%. Se se a progressão não agravar, lá pela meia-noite de hoje cuido que andará pelos 102%. Em linha com as acções da Pfeifer (*), talvez… A pouca-vergonha, porém, ameaça progredir desenfreadamente mais.

 

(*) Pf… eu sei.

Escrito com Bic Laranja às 18:40
Verbete | comentar | comentários (4)

Pode, pode. E a sorte grande, na taluda do Natal…

Screenshot 2021-12-17 at 14.29.33.png

Escrito com Bic Laranja às 14:39
Verbete | comentar
Quinta-feira, 16 de Dezembro de 2021

...

Screenshot 2021-12-16 at 18.04.07.png

Calma! A transumância do país do Glovo e do planeta Uber já se faz com fêmeas e crias.

Escrito com Bic Laranja às 18:08
Verbete | comentar | comentários (4)
Terça-feira, 14 de Dezembro de 2021

Nótulas para uma antologia de volume zero

index.png

« Encontrava-me embrenhado nos problemas da Guerra do Biafra, passando por S. Tomé, semanalmente, centenas de jornalistas de todo o Mundo, quando recebi um telegrama anunciando-me que havia sido fixada residência na Ilha ao Dr. Mário Soares. Completamente alheado da política metropolitana, fiz tudo quanto em mim cabia para que a decisão fosse revogada. Vim a Lisboa e tive então o meu primeiro e único desentendimento com o Professor Salazar. Durante três longas horas defendi a tese de que o Dr. Mário Soares era uma pessoa extremamente simpática mas que no campo político não tinha qualquer relevância, que eu soubesse. O Professor Salazar respondia-me que quem estava enganado era eu pois o Dr. Mário Soares o que queria era ser Chefe. Interrogo-me hoje sobre a profecia do Professor Salazar.»

Cor. Silva Sebastião, Gov. de São Tomé e Príncipe 1963-1970, «A Fixação de residência em São Tomé do Dr. Mário Soares», in Paradela de Abreu (coord.) et al., Os Últimos Governadores do Império, Neptuno, Lisboa, 1994, p. 132.

biografia_ms_ficha.gif

« [...] O tal Soares aqui deu o espectáculo da sua mediocridade, da sua demagogia parva, e andou no meio da praticamente total abstenção dos portugueses, a fazer gestos vãos e gafes valentes, com alguma audiência da esquerda, e o necessário amparo oficial. Aí a imprensa apresenta a viagem como extraordinário êxito de um estadista... etc. etc. Seria necessário ler a daqui para ver como foi...»

Rio, 4.I.77. Carta do Professor Marcello Caetano ao Autor, in Joaquim Veríssimo Serrão, Correspondência com Marcello Caetano: 1974-80, 2.ª ed., Bertrand, Venda Nova, 1995, p. 73, XXXV.

« Sob o governo de Guterres [...] os cofres do estado abriram-se generosamente para a Fundação Mário Soares. Instalada num edifício camarário, recebia 7 500 contos anuais do governo para arrendar um gabinete a Soares (a que este tem direito como ex-presidente). O Ministério do Ambiente [sabemos quem era o ministro?] atribuiu-lhe 300 mil contos para uma nova sede; só o partido «Os Verdes» questionou a relação entre a Fundação Mário Soares e o meio ambiente. No final de 2001, através do ministro da Cultura, Augusto Santos Silva, recebeu 6 000 contos só para digitalizar os arquivos [umas jóias guardadas: documentos inéditos do G.O.L. dos anos 1910-34]. Durante cinco anos, Soares obteve do estado, para a fundação, 752 807 contos.
[...] Após dois mandatos, quase octogenária, Maria Barroso ficou dispensada da presidência da Cruz Vermelha pelo ministro da Defesa, Paulo Portas. Gerou-se polémica de alta densidade, como se o domicílio dos Soares fosse a nação inteira.»

J. Freire Antunes, Os Espanhóis e Portugal, 1.ª ed., Oficina do Livro, [Lisboa], 2003, 521, passim.



[Publicado originalmente com o título «Nótulas para uma antologia da malandragem» em 26 de Novembro do ano de 14 às 9 menos 21 da noite.]

Retratos do bom malandrão [autor duma obra escrita cujo volume zero é literalmente uma saborosa ironia] por cortesia da P.I.D.E.)

Escrito com Bic Laranja às 00:02
Verbete | comentar | comentários (16)
Domingo, 12 de Dezembro de 2021

Algarve à tarde

Praia da Falésia, Algarve — (c) 2021
Praia da Falésia, Algarve — (c) 2021

Escrito com Bic Laranja às 16:10
Verbete | comentar
Sábado, 11 de Dezembro de 2021

À noute

Albufeira à noute, Algarve (A. Pastor, 197…)
Albufeira à noute, Algarve, 197…
Arthur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 20:56
Verbete | comentar
Sexta-feira, 10 de Dezembro de 2021

Fazer nada

Algarve — (c) 2021

Não sei se isto é vida, se isto é que é vida.

Escrito com Bic Laranja às 16:40
Verbete | comentar
Domingo, 5 de Dezembro de 2021

Farpas da semana

 O vídeo corre por aí, para galhofa de uns e pavor de outros. Um moço, que prestava uns serviços ao P.S. e agora é naturalmente enviado da C.N.N. Portugal (é a T.V.I., julgo) à China ou assim, descreve, com os olhitos arregalados de excitação, as proezas do primeiro infectado com a nova e terrível «variante» da covid em Hong-Kong. Sem sair do quarto onde o fecharam, o sujeito conseguiu contaminar o hóspede do quarto em frente: o vírus chinês, entretanto com trajes africanos e habilitações em vodu, desatou a atravessar portas e corredores. Em teoria, esta revelação acabaria com as restrições, dado que doravante nem um bunker para cada indivíduo nos salvará da morte certa. Na prática, a rábula mostra o ridículo a que a «informação» não se importa de descer para catar espectadores. Com raríssimas excepções, o tratamento «jornalístico» da covid, desde o início um circo, está reduzido aos palhaços.
 Se não for chalupa de todo, hipótese a debater, suponho que o repórter da T.V.I. se limitava a cumprir ordens. E as ordens, as da televisão e as do governo, são sempre de sentido único: suscitar medo. Há dias, num quadro cómico que pelos vistos comete semanalmente num canal qualquer, Paulo Portas congratulou-se por a população andar assustada. Os «especialistas», que vão de virologistas que afinal são matemáticos a virologistas que afinal são o dr. Portas, passando por virologistas que afinal seguem o dr. Costa e não a ciência, também querem medo. Os partidos, com a ocasional e insuficiente excepção da Iniciativa Liberal, estão alinhadíssimos com o P.S. na necessidade de manter elevados os níveis de pânico. E o prof. Marcelo é o prof. Marcelo. Em horas realmente difíceis, homens dignos dão exemplos de coragem. Nas dificuldades postiças, democratas de fancaria instigam o pânico. Os nossos palhaços são da estirpe assustadora.
 A verdade é que o medo convém a quase todos. Antes de falecerem, os
media tradicionais sonham cativar a derradeira amostra de audiências pasmadas e histéricas. Os «especialistas», que seguramente levavam porrada na escola, deleitam-se com os holofotes e o estatuto. O governo agradece um bode expiatório para a miséria em que nos enfiou e uma população capaz de consentir a miséria. Os partidos da, digamos, oposição ou possuem vocação repressora ou receiam alienar eleitores se ousarem defender a liberdade dos eleitores. E o bom povo, ao que se depreende, prefere a subjugação mansa aos riscos da liberdade. Não há maior ironia do que, no dia em se despachou a pontapé o que restava do Estado de Direito, um país de súbditos celebrar a Restauração da independência.
 Por mim, nem sequer celebro a restauração. Disse-o e, desculpem lá, repito: não volto a nenhum tasco ou similar que exija atestado sanitário para efeitos de segregação. Aliás, não sendo crente prometo converter-me à pressa para rezar pela respectiva falência. Em contrapartida, juro frequentar tanto quanto possa os restaurantes que se recusam a enxovalhar clientes. Vacinei-me porque achei razoável e não tenho certificado porque acho insultuoso. Nunca usei máscara na rua porque me ensinaram que gente honesta não esconde o rosto. Nunca besuntei as mãos porque a gosma suja o volante do carro. Nunca me testei porque nunca tive interesse. Nunca respeitei as «regras». Daqui em diante, tenciono ignorar que existem: dar trela a fascistas é dar-lhes razão. Nas palavras da minha avó Luísa, o que é demais é moléstia.
 Mesmo descontando o que ficou para trás, o salto entre os «melhores do mundo» na vacinação e a radical negação da eficácia das vacinas não se compreende nem se tolera. Não vou tolerar. Por vários motivos. Por egoísmo: embora um bocadinho hipocondríaco, não me apetece trocar os escassos prazeres da vida por cautelas impeditivas da dita. Por racionalidade: os factos provam que o perigo da covid é infinitamente inferior ao perigo que a toleima vigente sugere. Por bom senso: confiar nas «medidas» expelidas pelo dr. Costa seria igual a copiar pelo teste de Físico-Química do macaco Adriano. Por princípio: apenas uma alforreca aceita sem hesitação a competência do Estado para decidir comportamentos ideais. Por feitio: se multidões de imbecis defendem X, eu tendo a ficar do lado de Y. Por decência: só velhacos acatam regras que discriminam o semelhante. Por exclusão de partes: não conheço uma pessoa instruída que não seja aquilo que os boçais chamam «negacionista». Por obrigação: face à óbvia ilegalidade, afrontá-la é um dever, e aceitá-la é ser cúmplice.
 A legalidade. Numerosos juristas alertam para o evidente abuso do actual «estado de calamidade», que a lei não prevê e a situação não justifica. Infelizmente, a lei e os juristas não constituem obstáculo aos apetites governamentais. Infelizmente, uns 95% dos partidos e dos
media deixaram de entrar para as contas da democracia. Infelizmente, em vez de um presidente que cuidasse da Constituição elegemos um banhista. Infelizmente, ou não, estamos entregues a nós: contrariar a oportunidade de tirania oferecida por um surto de psicose colectiva depende de cada um. Eu farei a minha parte, nula para o país mas vital para mim. Gosto de dormir descansado, pelo menos enquanto a «variante» não me fura a parede.

Alberto Gonçalves, «A restauração da indecência», in Observidor [isto mesmo], 4/XII/2021.


 

Av. da Liberdade, Lisboa (H. Novais, c. 1955)

Avenida da Liberdade, Lisboa, [c. 1955]. 
Horacio de Novaes, in bibliotheca d' Arte da F.C.G.
Escrito com Bic Laranja às 11:39
Verbete | comentar | comentários (7)
Sábado, 4 de Dezembro de 2021

Vacances avec Salazar… et Marcello Mathias

J. V. Serrão (pref.), M.ª José Vaz Pinto (sel., org. e notas), «Correspondência. Marcello Mathias / Salazar, 1947/1968», Difel, [Lisboa], 1984
J. V. Serrão (pref.), M.ª José Vaz Pinto (sel., org. e notas), Correspondência. Marcello Mathias / Salazar, 1947/1968, Difel, [Lisboa], 1984.

Escrito com Bic Laranja às 13:24
Verbete | comentar

Férias em Dezembro

Leitura à beira mar plantada, Portugal — (c) 2021
Leitura à beira mar plantada
, Portugal — (c) 2021

Escrito com Bic Laranja às 13:11
Verbete | comentar | comentários (2)
Quinta-feira, 2 de Dezembro de 2021

Era uma vez em Portugal…

Era uma vez em Portugal…, Algarve, 1959 (Portimagem — © 2020)
Era uma vez em Portugal…, Algarve, 1959.
Portimagem, in Flickr.

Escrito com Bic Laranja às 11:10
Verbete | comentar | comentários (2)
Quarta-feira, 1 de Dezembro de 2021

Igreja e Convento das Chagas, Vila Viçosa

Igreja e Convento das Chagas, Terreiro do Paço de Vila Viçosa (M. Novaes, 1927)
Henrique de Brito e o Nash do primeiro raid da Ilustração, Terreiro do paço de Vila Viçosa, 1927.
Mario Novais, in bibliotheca d'Arte da F.C.G. Originalmente
publicado em «Os nossos raids», Ilustração, n.º 47, 1/XII/1927, p. 15.

Escrito com Bic Laranja às 13:42
Verbete | comentar | comentários (2)

Janeiro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____