Quarta-feira, 29 de Junho de 2022

Há várias formas de confinar a gente…

 Fui vêr o preço do barril de Brent e vi que em 2013 estava pelo mesmo valor de há pedaço: 114 dólares americanos. O gasóil na bomba é que não era 2 eurodólares como hoje.
 Não se pode andar por aí assim como dantes.

 



Castelo de Sesimbra, Portugal, post 1937.
Horácio Novais, in bibliotheca d'Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 18:23
Verbete | comentar | comentários (4)
Terça-feira, 21 de Junho de 2022

...

Comprei-o há quási 20 anos. Cuidei que podia ser interessante…

Eduardo Nobre, «Paixões Reais», 3.ª ed., Quimera, Lisboa, 2002
Eduardo Nobre, Paixões Reais, 3.ª ed., [Lisboa], Quimera, 2002.

 Levava-o aí a mais de meio quando o passei à senhora. Despertaram-lhe o interêsse estas «Paixões…»; pelo entusiasmo em que me via por elas fora e, do que lhe delas ia contando. Não no retomei ao depois senão agora ao cabo dêstes anos tôdos. E tomei-o agora do princípio com o gôsto de então, porquanto entre tanto me passara da memória o que já lêra.
 A trama genealógica da família real requere certa atenção à leitura (como as genealogias em geral, inclusivè a própria) e acredito poder não ser inteiramente fácil ao leitor médio actual. Ou talvez não, não sei… O estilo do A. é suficientemente claro para que se perceba, porém. Nalgumas histórias revelam-se barbaridades bem além de simples episódios picarescos. É o caso do imperador do Brasil que, diz, pontapeou a imperatriz Leopoldina na barriga achando-se ela grávida. Por má ventura veio o coice a acabar-lhe com a vida (à imperatriz, não à imperial cavalgadura). Legou esta imperial cavalgadura por fim o coração ao Pôrto ao cabo de o gastar com inúmeras mulheres. A alma, contudo, tinha-a com aquêle fundo de bêsta que ficou para os anais. Cuido que se haja arrependido, mas não sei haverá perdão…
 Outras paixões reais foram todavia mais serenas, passe alguma contradição aqui.
 Da de D. Fernando II já viúvo, pela condessa de Edla, desarrisco agora a rasura que pus em D. Carlos num apontamento de há anos sôbre a compra pela Coroa do Palácio da Pena deixado em testamento à condessa pelo rei D. Fernando. O que lá escrevi inicialmente (D. Carlos) e emendei ao depois (para D. Luiz) é que estava certo — flagrante caso de pior a emenda que o soneto. Foi de feito já no reinado de D. Carlos que a Coroa se entendeu com a condessa de Edla sôbre esses bens entendidos como nacionais e talvez tenha sido aqui que o houvesse lido.
 Fica algum amargor quando se encerra o livrinho, porém. A última historieta tem desfecho infausto nos amores do exilado infante D. Afonso, o popular «Arreda», irmão de el-rei D. Carlos, às mãos duma amaricana divorciada, contumaz caçadora de fortunas por via de casamentos interesseiros e, no caso, de nobilitação. A I.ª República não soube ou não quis atalhar-lhe e do Palácio da Ajuda logrou a «cabeça de víbora da americana» carregar várias galeras em 1920 com os bens do infante D. Afonso à guarda da Repartição de Património da Direcção-Geral da Fazenda Pública. Mas isto, porém, são já os desamores da República Portuguesa a Portugal…

Escrito com Bic Laranja às 20:07
Verbete | comentar | comentários (5)
Segunda-feira, 20 de Junho de 2022

Areia pròs olhos

Fernando Dacosta, «Máscaras de Salazar», 15.ª ed., Casa das Letras, [Cruz Quebrada], 2007  Salazar ligeiro, ligeirinho (agora diz-se light, não é?...), para entreter as massas...

  Na badana:

Um livro indispensável para conhecer a história recente de Portugal. — Javier García, El País.


  A propaganda badanal faz parte do que se quere para endrominar a gente, seja para induzir a compra, seja ao depois para doutrinar por reflexões avulsas, pelas opiniões caprichosas do A. ou pelos mexericos das tais máscaras (eufemismo para os depoentes que ventilam sôbre Salazar ou, inclusivè, não), que são assim passados à Nação como factos. Como prosa livre pode o A. até contar umas coscuvilhices mais inconvenientes, sórdidas, reles até. Passa por isenção, originalidade. Como rolha Abrilina — e homossexual principalmente — ninguém no condenará.
  Já de Salazar, mais que objecto, é meio e garantia de boa tiragem com chuvada de reedições. Nada mais. Está muito bem assim e não podia ser de outra maneira!
  Arrumado em meia dúzia de págs. no ano 17, repescado de recurso agora para encher o vazio duma semana na praia. Calha com o vento e a areia…

Escrito com Bic Laranja às 15:03
Verbete | comentar | comentários (2)
Domingo, 19 de Junho de 2022

...

 Hoje, porque choveu e como estamos em Junho, lembrou-me dum escrito de há anos, mas… Hoje não. A luz não é aquela tal.

Palacete Sotto-Mayor, Lisboa (Paulo Guedes, s.d.)
Palacete Sotto-Mayor, Lisboa, [s.d.].
Paulo Guedes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 15:13
Verbete | comentar
Domingo, 5 de Junho de 2022

EL-11-11, o A.E.C. Regente n.º 4

 As primeiras quatro carreiras da Carris foram inauguradas sem bandeira de número (e a quinta também). O 1 e 2 dos Restauradores ao aeroporto e volta em percursos alternados pela Rodrigo da Fonseca, Alferes Malheiro e, Duque de Loulé, Areeiro; o 3 e o 4 dali, dos Restauradores, às avenidas novas (à Miguel Bombarda) e volta, em rota circular oposta — salvo êrro o 3 pela Rodrigo da Fonseca e o 4 pela Duque de Loulé. Foram essas primeiras quatro carreiras inauguradas em 9 de Abril de 44. (A quinta, o 5 do Areeiro, foi inaugurada em 2 de Março de 48). Eis uma data (9/IV/44) que enquadra a fotografia.
 Em fins de 1947 o terminus dos auto-carros da Miguel Bombarda nos Restauradores foi prolongado à Praça do Comércio. Vista a bandeira dos Restauradores sôbre a porta de entrada do auto-carro, eis outra data para enquadrar a fotografia dêste A.E.C. modêlo Regente EL-11-11 com o n.º de frota 4, na carreira 4 dos auto-carros da Miguel Bombarda.


A.E.C. modêlo «Regente» n.º de frota 4 na carreira 4, Restauradores, 1944-47.
Horácio Novais, in bibliotheca d'Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 14:29
Verbete | comentar | comentários (2)

Agosto 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____