Segunda-feira, 25 de Julho de 2022

40° C

 Quarenta graus. Não me recorda nunca de apanhar 40° C no Algarve. O mais que me lembra foram 38° em 94. Lembra-me desse ano cá. O calor deu-me alergia num dia de só 34°. (Só!…) Uma borbulhagem no peito. Na farmácia aconselharam-me o Piz Buïn Allergy (já então a coisa dos nomes em amaricano…) E que evitasse o calor. Fez bem. A borbulhage passou. Ficou-me o Piz Buïn das alergias até hoje.

 O calor continuou nesse Julho de 94 e na ideia, também me ainda lembra, trazia aquela cantiga dos 40° à sombra. Não chegou a tanto, então.

 

Radar Kadafi, 40º à Sombra
(R.T.P., 1987)


 Julho de 94. Foram dias bem passados, daqueles em que se a vidinha suspende e parece se vive noutra… Outra que me lembra sempre dele e me também ficou até hoje foi do Nescafé. Ao depois de jantar íamos por vício social à gelataria tomar café. Uma daquelas noites, não sei porquê, alguém resolveu que não, mas, e o café?

 Havíamos Nescafé, daquelas saquetas.

 Pois, que bem me soube aquele café nessa noite ali! Nescafé clássico ritualmente batido na chávena antes de deitar água a ferver. Não tinha eu hábito senão de expresso de máquina e a treta do Nespresso ainda não havia ou, se havia, não se falava. E dum prazer simples, ali no relvado, numa daquelas noites algarvias, ficou-me o hábito e o prazer do Nescafé clássico. Até hoje.

 E hoje, finalmente, no Algarve das minhas vilegiaturas, uma caloraça das antigas.

 

IPMA - 10 days Forecast by Local.png

Escrito com Bic Laranja às 16:31
Verbete | comentar | comentários (13)
Segunda-feira, 18 de Julho de 2022

...

Famalicão — Estações do Caminho de Ferro (Postal ilustrado n/ id., s.d.)


— Um dia, Camillo, vindo do Porto, preveniu o chefe da estação de Villa Nova de que esperava brevemente a visita de um «bacharel» e pediu-lhe que o guiasse para S. Miguel de Seide. Sempre que chegava um comboio, o chefe da estação perguntava: «Vem ahi algum sr. doutor, que deseje ir para Seide?» Ninguem respondia. Até que finalmente appareceu o «bacharel» annunciado: era um burro que Camillo Castello Branco tinha comprado no Porto.

Alberto Pimentel, Os Netos de Camillo, Lisboa, Empreza da Historia de Portugal, 1901, p. 27.

Escrito com Bic Laranja às 23:32
Verbete | comentar | comentários (4)
Sexta-feira, 8 de Julho de 2022

O nosso campino

Silva Porto, «Condução de cabrestos», 1890. Óleo sôbre tela, 45 x 56 cm

 

« O nosso campino é o cavalleiro mais gentil de toda a Peninsula. Os guardadores hespanhoes são desempenados e elegantes, mas não hombreiam com os nossos, quando trajam a rigor: sapato aberto, de salto raso e prateleira, meia, calção, fivella, cinta, collete muito decotado, jaleca quasi sempre ao hombro, e barrete. 
« Os campinos, n'aquelle tempo, eram como uma raça á parte : sem serem nomades tinham o que quer que fosse do arabe: o cavallo, o pampilho, que é a sua lança, e a hospitalidade na poisada!
« As rixas decidiam-se com um pau de cobrir. Eram os primeiros jogadores de todo o paiz. Desde Alhandra até á Ribeira de Santarem, campino que usasse de navalha seria a deshonra de uma familia, de avós a netos. Isso hoje mudou, e está muito adeantado com a civilisação!
« Não ha cavalleiro em praça, por mais destro que seja, que chegue á elegância d'um campino, só, desamparado, virando um toiro, que reponta com todo o poder da sua força folgada, aos circulos, sobraçando o pampilho, e mettendo-lhe o ferro onde convém. É bonito, e é de destemido; mas, como valor, fazem mais. — Andam lavrando com o gado bravo; ha toiro que se nega a pegar á charrua? Pois não é raro o campino bater-lhe o pé e as palmas, atirar-lhe com o barrete, abrir lhe os braços, gritando: — Entra aqui, boi real! — e pegar-lhe desembolado; isto é, jogando a vida presa a um cabello! 
« Não ha passe de capote, nem de muleta, em que o espada mais arrojado se arrisque com tamanha intrepidez! »

Bulhão Pato, Memórias, tomo I, Lisboa, Academia Real das Sciencias, 1894, p. 155 e ss.

 

Raphael Bordallo Pinheiro, «Campino», 1875. Óleo sôbre (?), ? x ? cm, in Museu Bordalo Pinheiro, Lisboa


Quadros: Silva Porto, «Condução de cabrestos», 1890. Óleo sôbre tela, 45 x 56 cm, in leilões Invaluable.com; Raphael Bordallo Pinheiro, «Campino», 1875. Óleo sôbre (?), ? x ? cm, in Museu Bordalo Pinheiro, Lisboa.

Escrito com Bic Laranja às 14:37
Verbete | comentar | comentários (2)
Quinta-feira, 7 de Julho de 2022

Dos grilos em noites estivais

Ilustração por @ObsNaturalistas

Com esta mania agora de roçarem os matos, só ouço os grilos lá muito ao longe.

 

(Ilustração das Obs. Naturalistas.)

Escrito com Bic Laranja às 22:20
Verbete | comentar | comentários (1)

Bibliothecazinha de praia

Bibliothecazinha de praia, Algarve — (c) 2022
Bibliothecazinha de praia, Algarve — (c) 2022

Escrito com Bic Laranja às 15:15
Verbete | comentar
Terça-feira, 5 de Julho de 2022

Adeus, barrigas de cerveja!

«Beber uma cerveja por dia faz bem à tripa e não engorda, concluem os sábios», Público, 5/VII/22

Uma cerveja…? Não dizem se é de litro…

Escrito com Bic Laranja às 14:29
Verbete | comentar | comentários (6)
Sexta-feira, 1 de Julho de 2022

Do badalo do dia

 Em 26 de Junho de 1929 o Ministro da Justiça e dos Cultos, dr. Mário de Figueiredo, publicou a Portaria 6 259, a célebre «portaria dos sinos», que esclarecia quanto à autorização prévia das autoridades públicas para a realização de procissões e, mais importante como se viria a vêr, anulava a proïbição do toque dos sinos ao depois do pôr do Sol. Sôbre o toque dos sinos a portaria esclarecia que o mesmo era permitido a qualquer hora, sem necessidade de autorização ou participação às autoridades administrativas valendo para tanto o art.º 2.° do Decreto 3 856, de 22 de Fevereiro de 1918 que dispunha que o «culto público de qualquer religião pode, de harmonia com as leis, exercer-se nos lugares adequados e a qualquer hora, sem dependência de licença da autoridade pública».

 Na reünião do Conselho de Ministros de 2 de Julho de 1929 alguns ministros — mòrmente o Ministro da Guerra, Júlio de Morais Sarmento — opuseram-se à «portaria dos sinos» invocando que violava a Lei de Separação do Estado e a Igreja. A «portaria dos sinos» foi anulada nêsse dia 2. O dr. Mário de Figueiredo, desautorizado que foi, apresentou imediatamente a demissão.

 No dia 3 de Julho, o dr. Oliveira Salazar, Ministro das Finanças, pediu também a sua exoneração ao Presidente do Ministério (de há tempo diz-se em Portugal «primeiro-ministro», à inglêsa), o coronel Vicente de Freitas.

 No dia 4 de Julho de 1929 o sr. Presidente da República, general Carmona, promoveu um Conselho de Ministros. Após a reünião do Conselho fôi distribuída uma nota oficiosa à imprensa:

« Por divergencias de opiniões no seio do gabinete, o presidente do Ministerio aprsentou [sic] a Sua Excelencia o Presidente da Republica a demissão colectiva do mesmo, que foi aceita. O Chefe do Estado iniciou as consultas para a resolução da crise. Os ministros continuarão a gerir as pastas até á sua substituição». (Diario de Lisbôa, 5-7-929.)

 Alembrou-me hoje isto, nem sei bem dizer porquê. A rábula do ministro dos aeroportos não tem nada que vêr. Nem o ministro se demitiu nem o govêrno caíu.

Torre sineira do palácio real da Ajuda, Lisboa (H. Novais, s.d.)
Torre sineira da capela real da Ajuda, Lisboa [s.d.].
Horácio Novais, in bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 15:31
Verbete | comentar | comentários (4)

Agosto 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____