Segunda-feira, 29 de Agosto de 2022

Plano de Educação Popular, LIV

Metido agora a encadernador.

 

Baltazar Cardoso Valente, Alberto Cardoso, «Como se Encadernam os Livros», [Lisboa], Campanha Nacional de Educação de Adultos, 1956, p. 9

Baltazar Cardoso Valente, Alberto Cardoso (il.), Como se Encadernam os Livros, Col. Educativa, Série L, n.º 3,  [Lisboa], Campanha Nacional de Educação de Adultos, [Min. da Educação Nacional / D.-G. da Educação Permanente], 1956.

Escrito com Bic Laranja às 14:35
Verbete | comentar
Quinta-feira, 25 de Agosto de 2022

Os três Antónios

 Já contei esta uma vez.
 No meu liceu havia três Antónios; um que era o Galo. Nã' sei já por que era o Galo. Tinha menos carisma do que uma galinha. Usava risco ao lado e uns óculos daquêles com lentes assim. Tinha muito mais ar de António do que de galo.
 Outro era o António da Rua António Pedro. Era brincalhão e perturbava muito as aulas. Com uma professora de Biologia que nunca mandava calar ninguém ; calava-se ela, em vez). Nunca expulsava ninguém; era a professora mais complacente e passiva que se alguma vez já viu. Pois o António da Rua António Pedro fez tanta vez tantas, tantas, que finalmente conseguiu a ordem: – António, agora sai! – O tom foi tudo menos imperativo, diga-se, mas o António saiu, plácido e sereno.
 Êste era o segundo António.
 O terceiro eu não me lembrava, mas olha, lembrei-me agora! Era o Acabu. — O Acabu, pá! — Lembrei-me agora dos três Antónios e dêle quando vi uma da Rua António Pedro onde a fábrica de cervejas também acabu.

Sociedade Central de Cervejas e garagem Tomarense na R. Ant.º Pedro, Lisboa  (H. Novais, c. 1940)
Rua Ant.º Pedro (trôço inf.), Lisboa, c. 1940.
Horácio Novais, in bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 16:08
Verbete | comentar | comentários (2)
Quarta-feira, 24 de Agosto de 2022

Panorâmica, mais outra…

 Vista do castelo para N. O monte de S. Gens e a Penha de França em plano mais afastado. Achar o hospital de Arroios é fácil. E a paroquial de S. Jorge de Arroios?

Panorâmica sôbre as Olarias, Monte de S. Gens e a Penha de França, Lisboa, 3.º quartel do séc. XIX. A. n/ id., in bibliotheca d' Arte da F.C.G.
Panorâmica sôbre as Olarias, Monte de S. Gens e a Penha de França, Lisboa, 3.º quartel do séc. XIX.
Repr. dum or. de A. n/ id., col. de Horácio Novais, in bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 11:24
Verbete | comentar
Terça-feira, 23 de Agosto de 2022

Panorâmica, outra…

 Tomada do mesmo sítio da anterior, rodando para N, para o lado do Destêrro.

 Panorâmica sôbre o Destêrro e a Bemposta, Lisboa (A. n/ id., 3.º quartel do séc. XIX)
Panorâmica sôbre o Destêrro e a Bemposta, Lisboa, 3.º quartel do séc. XIX.
Repr. dum or. de A. n/ id., col. de Horácio Novais, in bibliotheca d' Arte da F.C.G.


 No canto inf. esq. o zimbório oitavado, o telhado da nave e a tôrre sineira da igreja do Socorro.
 Na meia esq. o arvoredo do Campo de Sant’ Anna.
 Em plano central o Hospital do Destêrro. Distingo bem o trôço superior da Rua Nova da Palma, rasgada em 1862 da Carreirinha do Socorro ao Intendente. Por ela, antes do muro e jardim, o primitivo palácio de Geraz do Lima, ao depois Folgosa, que foi comprado e truncado pela câmara para alargamento da Rua da Palma já nos anos 30, salvo êrro.
 Acima do Hospital percebemos o paço da Bemposta com a sua capela e «tôrre» do relógio que lhe está fronteira (Posto Astronómico e Geodésico).
 Na banda direita, a meia altura, quem identifica à antiga igreja dos Anjos, demolida para se rasgar a Av. D.ª Amélia? Os fados atravessaram-na no caminho da nova avenida o que lhe ditou a sorte. Foi demolida em 1907.
 Em plano afastado edifica-se o hospital da Bemposta, hoje dito de D.ª Estefânia; distinguem-se lá o corpo central e a ala nascente, bem assim o torreão da ala poente. Iniciado no fim do reinado de D. Pedro V, foi inaugurado em 1877 por el-rei D. Luiz.
 Eis de quando pode ser esta photographia.

Escrito com Bic Laranja às 19:33
Verbete | comentar | comentários (10)
Sábado, 20 de Agosto de 2022

Uma panorâmica de Lisboa do 3.º quartel do séc. XIX?

Panorâmica tirada sobre a Calçada Nova do Colégio, o Hospital de S. José e a Igreja das Pena, Lisboa (Col. de H. Novais,  3.º quartel do séc. XIX)
Panorâmica tirada sobre a Calçada Nova do Colégio, o Hospital de S. José e a Igreja da Pena, Lisboa, 3.º quartel do séc. XIX.
Fotografia da col. de Horácio Novais, in biblioteca d'Arte da F.C.G.


 Panorâmica tomada do Castelo sôbre a Calçada Nova do Colégio, o Hospital de S. José (antigo Colégio dos jesuítas ou Colégio de S. Antão-o-Novo, dali o nome da calçada) e o Campo de Sant' Anna. Ao centro distigue-se bem a paroquial de N.ª Senhora da Pena, à Calçada de Sant' Anna.
 A praça de touros do Campo de Sant' Anna é aquele corpo negro raso na meia direita, em chãos da Faculdade de Medicina; foi demolida a praça em 1889. Detrás de si vejo o casario ocidental do Campo de Sant' Anna (ou Campo dos Mártires da Pátria), lá onde são a legação da Alemanha, antiga Faculdade de Direito, e o antigo palácio dos viscondes de Valmór.
 No têrço inf. esq. ainda distingo o trôço da cêrca fernandina adjacente à Calçada do Jôgo da Péla.
Ao fundo, no quadrante sup. esq. avisto os grandes volumes do quartel do Vale do Pereiro (R. Braamcamp) e, detrás, com sua chaminé cónica, o Pátio dos Geraldes (aprox. no gaveto S das actuais ruas Castilho, Rodrigo da Fonseca e Av. Joaquim Ant.º de Aguiar).
 Não avisto sombra da Rotunda, do Parque, sequer da cadeia penitenciária de Lisboa que foi começada a edificar em 1873. Antes distingo bem, a meia altura na banda esquerda da imagem, a Rua do Salitre e as fachadas dos prédios de rendimento da Praça da Alegria de Baixo que fechava pelo lado N o Passeio Público no que é hoje o leito da Avenida por alturas da Rua das Pretas.
 Anterior, portanto, à edificação da Avenida e dos adjacentes bairros de Rosa Araújo [de Barata Salgueiro, digo] e de Camões (Conde de Redondo), arrisco dá-la ao 3.º quartel do séc. XIX.

Escrito com Bic Laranja às 17:10
Verbete | comentar
Sexta-feira, 19 de Agosto de 2022

Av. Casal Ribeiro, Lisboa

Av. de Casal Ribeiro, Lisboa, 1964 (A. Madureira, in archivo photographico da C.M.L.)
Av. Casal Ribeiro (trôço inf.), Lisboa, 1964.
Arnaldo Madureira, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 20:23
Verbete | comentar

Paradoxo de modernice

Arquitectura que despreza o Modernismo e o cavalga com o post moderno.

«Av. de Casal Ribeiro, 26», Lisboa — © 2022
Av. de Casal Ribeiro, 26, Lisboa — © 2022

Escrito com Bic Laranja às 11:23
Verbete | comentar | comentários (5)

Credo e homilia

Certificação Acreditada ISO 14001 = De acordo com a moral e os bons costumes, Alfragide — © 2022
Certificação Acreditada ISO 14001 = De acordo com a moral e os bons costumes, Alfragide (e Mundo inteiro em redor) — © 2022

 

Play by the book = Segue a Sagrada Escritura, i.é, Certificação Acreditada ISO &c., Alfragide (e Mundo inteiro adjacente) — © 2022
«Play by the book» = Segui a Sagrada Escritura!, Alfragide (e globalização envolvente) — © 2022

Escrito com Bic Laranja às 11:02
Verbete | comentar

A descaso do cheiro a mijo por essas esquinas…

  O medinho incutido aos simples e/ou o simples livrar-se da sarna pelos inteligentes condicionados leva ao susto permanente: um balão esterilizado (balão ou lá o que seja) de recolha de urina para análises mais parece coisa radioactiva.
 

«Biohazardo» — © 2022
Por segurança, com segurança, em segurança, a vós, deus Medo todo-perigoso, na perplexidade do Santo Susto, toda a honra e toda a glória e para quanto durar a paranóia — A.D. 2022

Escrito com Bic Laranja às 10:14
Verbete | comentar
Domingo, 7 de Agosto de 2022

Ai Mouraria em 78 rotações



 Há tempos publiquei uma versão de «Ai Mouraria» em 78 rotações acompanhada ao piano, com a imagem dum disco da Melodia a ilustrar. Venho a ver que a que a gravação do fado que então pus era dum disco da Continental, brasileira, uma das primeiras gravações de Amália, feitas no Brasil em 1945. Uma gravação com Fernando de Freitas e Gonçalves Dias. Diz que cá se dizia se Amália gravasse um disco as pessoas a deixariam de a ir ver cantar e assim acabou por gravar primeiramente no Brasil.
 Da editora Melodia, descubro agora, a gravação será por ventura a que deixo e é de 1952, com acompanhamento de guitarras e orquestra, e dir. de Ferderico Valério; no lado B de «Que Deus Me Perdoe».

 

Escrito com Bic Laranja às 13:02
Verbete | comentar
Sexta-feira, 5 de Agosto de 2022

Da catequese…

 Dantes, dizer mal dos padres no jornal era sacrilégio. Agora a religião é outra.

Expesso (Expesso, isso mesmo),</em> 5/VIII/22
Expesso (Expesso, isso mesmo), 5/VIII/22.

 A capa do eco-saco de plástico desta semana parece estimulação contraditória e, lá o será…
 Pois bem! — O saco de ex-plástico publicou? — Certos e seguros, os sagrados sinos da rádio e TV repicam-no esta manhã hora a hora, infrenes.

 O ferrete anticlecrical do ex-saco de plástico é de catálogo: propõe um vilão agressor (a Igreja) personificado no seu agente essencial: o sacerdote — uma heresia monstruosa, medonha; já as vítimas, coitadinhas, são apresentadas à compaixão do leitor, em dobro: à uma os meninos crentes, comidos pelo papão (salvo seja, mas, a bem da beatitude do jornalixo, não confundir papão com Papa!); à outra os desgraçados homossexuais, enganados por essa construção social opressora que é a anatomia. Um caso complicado!…

 Vai de desconstruir, portanto.

 Assim: de os vilões objecto da notícia serem eles homossexuais, activos, chiu! Nada de o exprimir. São é padres. Padres. Já daqueloutros sacerdotes da santa madre democracia — uns que jazem lá nas calendas da Casa Pia — mais chiu ainda! Nem lembrar!… — E de os hipócritas agentes da notícia serem moralões catequistas da sodomia, a estimulação contraditória lá fará seu efeito na sua confusão. O do restante, que é a gente, nós bem entendemos…

 Esta catequese, cá, vai por aí agora nos mancebos. Um atraso, estas élites por cá!… Na Inglaterra e nos Estados Unidos vai já ela desenfreada nos meninos das creches, levada a cabo por travestis contadores de histórias aliciantemente infantis.

Escrito com Bic Laranja às 11:34
Verbete | comentar | comentários (10)
Quinta-feira, 4 de Agosto de 2022

Meio-dia

Linha do Tâmega, Marco de Canaveses (G. Ismael, 2010)

Escrito com Bic Laranja às 12:00
Verbete | comentar | comentários (2)

Outubro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____