Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2023

Foi você que pediu pão de farinha de grilo?

 Nos autocarros de porta à frente havia uma abertura, uma espécie de janela, entre a cabina do motorista que deixava o pica-bilhetes comunicar por conversa com o motorista sem ser por toques de campainha (1 toque para parar, 2 para andar). Duma vez no terminus do bairro um pica brincalhão preguntou-me se sabia eu qual era o pó que movia os autocarros.
 — Pó?!!…
 — É o pó de andar.
 Voltou-se então e disse pela tal janela ao motorista: — Pode andar!  — E o autocarro partiu da paragem.
 Também me disse ao depois que havia mais outro pó. O pode seguir.
 Sigamos, pois, porque volvida agora uma carrada de anos (décadas, já) de fulgurante progresso, pregunto eu: — Qual o pó que move hoje êsse monólito que é a União Europeia?…
 — É o pó de grilo.

REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2023/5 DA COMISSÃO de 3 de Janeiro de 2023 que autoriza a colocação no mercado de pó parcialmente desengordurado de Acheta domesticus (grilo-doméstico) como novo alimento… Jornal Oficial, L 2, 4/I/2023, pp. 9-14

[…]

 

(3)

Em 24 de Julho de 2019, a empresa Cricket One Co. Ltd. («requerente») apresentou à Comissão um pedido de autorização, em conformidade com o artigo 10.º, n.º 1, do Regulamento (UE) 2015/2283, para colocar no mercado da União como novo alimento o pó parcialmente desengordurado de Acheta domesticus (grilo-doméstico). O pedido solicitava que o pó parcialmente desengordurado obtido de Acheta domesticus (grilo-doméstico) inteiro fosse utilizado em pães e pãezinhos multicereais, bolachas de água-e-sal e gressinos, barras de cereais, pré-misturas secas para produtos de panificação e pastelaria, bolachas e biscoitos, produtos secos à base de massas alimentícias recheados e não recheados, molhos, produtos transformados à base de batata, pratos à base de leguminosas e de produtos hortícolas, pizas, produtos à base de massas alimentícias, soro de leite em pó, sucedâneos de carne, sopas e sopas concentradas ou em pó, snacks à base de farinha de milho, bebidas semelhantes à cerveja, produtos de confeitaria à base de chocolate, frutos de casca rija e sementes oleaginosas, snacks, que não batatas fritas, e preparados de carne, destinados à população em geral.

(4)

Em 24 de Julho de 2019, o requerente solicitou igualmente à Comissão a protecção dos estudos e dados científicos abrangidos por direitos de propriedade apresentados em apoio do pedido […]

[…]
 

(7)

No seu parecer científico, a Autoridade [Europeia para a Segurança dos Alimentos] concluiu que o pó parcialmente desengordurado de Acheta domesticus (grilo-doméstico) é seguro nas condições de utilização e nos níveis de utilização propostos. Por conseguinte, esse parecer científico contém fundamentos suficientes para concluir que o pó parcialmente desengordurado de Acheta domesticus (grilo-doméstico), quando utilizado em pães e pãezinhos [e tudo o mais já arrolado em (3), destinado] à população em geral, preenche as condições para a sua colocação no mercado em conformidade [&c. e a despeito do que vem a seguir…]

(8)

Com base nos poucos elementos de prova publicados sobre alergias alimentares relacionadas com os insectos em geral, que associaram equivocamente o consumo de Acheta domesticus [grilo-doméstico] a uma série de casos de anafilaxia, e com base em elementos de prova que demonstram que o Acheta domesticus contém uma série de proteínas potencialmente alergénicas, a Autoridade concluiu no parecer que o consumo deste novo alimento pode desencadear sensibilização às proteínas de Acheta domesticus [grilo-doméstico]. A Autoridade recomendou que se realize mais investigação sobre a alergenicidade do Acheta domesticus.

(9)

Para dar resposta à recomendação da Autoridade, a Comissão está actualmente a estudar formas de realizar a investigação necessária sobre a alergenicidade de Acheta domesticus [grilo-doméstico]. Até que os dados produzidos pela investigação sejam avaliados pela Autoridade, e [ou mas?] considerando que, até à data, os elementos de prova que ligam directamente o consumo de Acheta domesticus [grilo-doméstico] a casos de sensibilização primária e alergias são inconclusivos, a Comissão considera que não se devem incluir na lista da União de novos alimentos autorizados quaisquer requisitos de rotulagem específicos relativos ao potencial do Acheta domesticus [grilo-doméstico] de causar sensibilização primária.

(10)

No seu parecer, a Autoridade considerou igualmente que o consumo de pó parcialmente desengordurado de Acheta domesticus (grilo-doméstico) pode causar reacções alérgicas em pessoas alérgicas a crustáceos, moluscos e ácaros. Além disso, a Autoridade observou que é possível que alergénios adicionais entrem no novo alimento se esses alergénios estiverem presentes no substrato usado para alimentar os insectos. Por conseguinte, é adequado que os alimentos que contenham pó parcialmente desengordurado de Acheta domesticus (grilo-doméstico) sejam devidamente rotulados em conformidade com o artigo 9.º do Regulamento (UE) 2015/2283.

(11)

No seu parecer científico, a Autoridade observou igualmente que a sua conclusão sobre a segurança do pó parcialmente desengordurado de Acheta domesticus (grilo-doméstico) se baseava nos estudos e dados científicos apresentados [pelo requerente], nomeadamente a descrição detalhada do processo de produção, os resultados de análises imediatas, os dados analíticos sobre contaminantes, os resultados dos estudos de estabilidade, os dados analíticos sobre parâmetros microbiológicos e os resultados dos estudos de digestibilidade das proteínas, sem os quais não poderia [a Autoridade europeia] ter avaliado o novo alimento e chegado à sua conclusão.

[…]

 

(13)

O requerente declarou que, nos termos da legislação nacional [?], à data da apresentação do pedido detinha direitos de propriedade e direitos exclusivos de referência aos estudos e dados científicos apresentados, nomeadamente a descrição detalhada do processo de produção, os resultados de análises imediatas, os dados analíticos sobre contaminantes, os resultados dos estudos de estabilidade, os dados analíticos sobre parâmetros microbiológicos e os resultados dos estudos de digestibilidade das proteínas, e que o acesso e a referência a esses dados e estudos, bem como a sua utilização, não são legalmente possíveis por parte de terceiros.

(14)

A Comissão analisou todas as informações fornecidas pelo requerente e considerou que este fundamentou suficientemente que os requisitos estabelecidos no artigo 26.º, n.º 2, do Regulamento (UE) 2015/2283 são cumpridos. Por conseguinte […] só o requerente deve ser autorizado a colocar pó parcialmente desengordurado de Acheta domesticus (grilo-doméstico) no mercado da União, durante um período de cinco anos […]

[…]

 

(16)

O pó parcialmente desengordurado de Acheta domesticus (grilo-doméstico) deve ser incluído na lista da União de novos alimentos estabelecida no Regulamento de Execução (UE) 2017/2470. O anexo do Regulamento de Execução (UE) 2017/2470 deve, por conseguinte, ser alterado em conformidade.

(17)

As medidas previstas no presente regulamento estão em conformidade com o parecer do Comité Permanente dos Vegetais, Animais e Alimentos para Consumo Humano e Animal.

 

ADOPTOU O PRESENTE REGULAMENTO:

Artigo 1.º

1)   É autorizada a colocação no mercado da União de pó parcialmente desengordurado de Acheta domesticus (grilo-doméstico).

O pó parcialmente desengordurado de Acheta domesticus (grilo-doméstico) deve ser incluído na lista da União de novos alimentos estabelecida no Regulamento de Execução (UE) 2017/2470.


[…]

Artigo 4.º

 O presente regulamento entra em vigor no vigésimo dia seguinte ao da sua publicação no Jornal Oficial da União Europeia.

 O presente regulamento é obrigatório em todos os seus elementos e directamente aplicável em todos os Estados-Membros.

Feito em Bruxelas, em 3 de Janeiro de 2023.

Pela Comissão
A Presidente
Ursula VON DER LEYEN

 

 Dá para abrir o apetite ou bota-se mais tempêro?

Escrito com Bic Laranja às 15:26
Verbete | comentar | comentários (5)
Terça-feira, 24 de Janeiro de 2023

A Av. do Duque de Loulé à americana

Hotel Embaixador, Lisboa (H. Novais, post 1965)
Hotel Embaixador, Lisboa, post 1965.
Horácio Novais, in bibliotheca d' Arte da F.C.G. 

 Justamente!…

Escrito com Bic Laranja às 18:33
Verbete | comentar

A Av. do Duque de Loulé á portugueza

Palacete Empis, prémio Valmor de 1907, Lisboa (J. A. Leitão Bárcia, c. 1907)
Palacete Empis, prémio Valmór de 1907, Lisboa, c. 1907.
José Arthur Leitão Barcia, in archivo photographico da C.M.L.

 Aventei em tempos que a Casa Empis houvesse ocupada toda a frente da Duque de Loulé no quarteirão que vai da Luciano Cordeiro à Rua da Sociedade Farmacêutica. Se não era a casa pròpriamente, era o jardim, o que dá no mesmo, a final.

Escrito com Bic Laranja às 18:02
Verbete | comentar | comentários (2)
Domingo, 22 de Janeiro de 2023

Dum tempo castiço

 O filho do gê-nê-i-erre aposentado que era o guarda da escola tinha a alcunha do Tomate. Era um moço de faces sempre afogueadas, sardento, cabelo encaracolado e, pencudo. Tem graça, porque as alcunhas frisam sempre a característica mais saliente da gente e a penca do Tomate era literalmente o caso. Bem assim como o Fernando orelhas ou o Tòqui cabeçudo. De maneira que me parecia meio extravagante a alcunha do Tomate lhe não vir da penca descomunal, mas sim da côr de tomate que lhe ruborescia as faces. Porém, realmente, dava-se êle bem o caso de têr o Tomate as faces sempre, sempre daquêle rubor formidável. Quando via lá vir o Tomate, punha-se o Ruizinho da Júlia a cantarolar entre dentes — «Tu-tomate! Tu-tomate!» Nada muito ostensivo porque o Tomate afinava com a alcunha e era mais crescido do que o Ruizinho.

 É verdade, pois, que vẽem as alcunhas de características salientes da gente. Verdade também é que há, de sua natureza, gente muitíssimo despachada em descobrir, ou arranjar alcunhas aos outros. Era o caso da Armanda sapateira, que sem pejo nem cerimónia rebuscou ao sobrinho mai' nôvo a alcunha de nabo só porque era êle gordo como — decidiu ela metafòricamente — um nabo. Nem de sêr o sobrinhito de sua graça Armando, como a sua, dela, Armanda, lhe valeu ao mocito deixar lá de sêr nabo. Só gordo haveria de parecer à Armanda sapateira pouco rebuscado, por tanto, deu em Nabo. Já cá falei dêle a propósito do homem das pastilhas… Curioso é que a Armanda, que era uma regateira de primeira apanha, nem o marido, o simpático bexigoso Semestre, ninguém lhe pôs alcunhas mesquinhas: eram sòmente a Armanda sapateira e o Sr. Fernando, o Semestre (*), nada mais.
 O sobrinho mai' velho dêles, o Rui (o Rui da Esperança, não o Ruizinho da Júlia de que falei acima) êsse herdou-lhe, à Armanda sapateira, a faceta de pregar alcunhas a tôrto e a direito aos outros. Certa vez, implicou com o Paulo Melo e chamou-lhe cabeça de bigorna. O Paulo Melo não gostou e respondeu-lhe — «E tu, ó caganeira verde?!» — Ficaram os dois logo ali crismados no meio da galhofa geral da malta, mas nenhuma das duas alcunhas pegou muito como vocativo daí além. Ficou só a história de como se passou, cujas alcunhas vinham à baila de vez em quando em momentos mais acesos. Da mesma maneira, uma vez entre o Beto e o Jorge lá do fundo da rua, que tinha uma trotineta; não me recorda já como se passou, ficou-me só o remate da avó do Jorge que chamou olhos de vaca ao Beto, alcunha que lhe às vezes também tornava naquêles momentos de pirraça.

 Com mais graça, sem menos prezar, se referia a D.ª Joana, alentejana de cêpa, aos filhos do Saraiva da taberna como os cabacinhos. Sempre achei esta alcunha inspirada e de boa alma popular, mas não deduzi senão ao depois que não haveriam os pais dos cabacinhos de, pela lógica destas coisas,  deixar de sêr, pois, cabaços, coisa que lhe nunca ouvi à D.ª Joana nem a mais ninguém dizer porque assim não seria, de feito… Os cabacinhos dizia-o ela e o Zèzinho, o filho, só familiarmente, sem alarde pela vizinhança como a Armanda sapateira com as alcunhas que arranjava aos outros.
 Numa discussão de vizinhas rua fora por causa dos filhos, certa vez, porém, a D.ª Cândida chamou «sua taberneira!» com tôdas as letras à Hortense que lhe devolveu ràpidamente um — «E você, sua coruja?!» — A Coruja bem que pegou à D.ª Cândida de modo que até o filho, o até ali Paulo da D.ª Cândida passou a ser o Paulo Coruja, em quanto que «taberneira» nada acrescentou à Hortense nem aos cabacinhos porque, na verdade, era simples adjectivo, elementar e de pouco caso para os vizinhos.

 Isto das alcunhas é como era dantes. Se fôr falar do bairro tôdo o rol nunca mais acaba. De modo que, era um bairro castiço… Mas não era êste.

«B.º  Municipal Presidente Carmona», Alto do Pina, 1935.  Eduardo Portugal, in «Anuário da Câmara Municipal de Lisboa, Ano I, 1935», vol. I, Lisboa, S. Industriais da C.M.L., 1936.
B.º Municipal Presidente Carmona, Alto do Pina, 1935.
Eduardo Portugal, in Anuário da Câmara Municipal de Lisboa, I, 1935, vol. I, Lisboa, S. Industriais da C.M.L., 1936.


(*) De se[nhor] mestre; tal como setor <= se[nhor dou]tor.

Escrito com Bic Laranja às 14:56
Verbete | comentar | comentários (2)

Portugal a vapor

Combóio a vapor, Corgo (M. Wilkins, s.d.)
Combóio a vapor, Corgo, s.d.
Martim Wilkins, in Base de dados de fotografia de Transportes.

Escrito com Bic Laranja às 09:34
Verbete | comentar | comentários (4)
Domingo, 15 de Janeiro de 2023

Dueto das flôres


L. Delibes, «Lakmé — Duo das flôres»
Sabine Devieilhe (soprano), Marianne Crebassa (mezzo-soprano). Orquestra Les Siècles, François-Xavier Roth (maestro).

Escrito com Bic Laranja às 21:10
Verbete | comentar
Sexta-feira, 13 de Janeiro de 2023

Variedades de sexta-feira 13, de Janeiro


Herman José, História do Capuchinho Rodrigues Monteiro
(1977)

Escrito com Bic Laranja às 18:18
Verbete | comentar | comentários (2)
Terça-feira, 10 de Janeiro de 2023

Lisboa novíssima

Lisboa novíssima, Avenida dos Estados Unídos da América (A. Serôdio, 1965)
Av. dos Estados Unidos, Lisboa, 1965.
Armando Serôdio, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 10:26
Verbete | comentar | comentários (2)
Domingo, 8 de Janeiro de 2023

No tempo da bandeirada a $50 (cinco tostões), será?

Dois táxis na Av. dos E.U.A. a virar de/para a R. Gulhermina Suggia, Lisboa (A.rnaldo Madureira, 196…)
Dois táxis na Av. dos E.U.A. a virar da/para a R. Guilhermina Suggia, Lisboa, 196…
Arnaldo Madureira, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 11:53
Verbete | comentar | comentários (8)

Ensaio


Shirley Bassey, Something
Ensaio com Brian Fahey e orquestra, em Nice, emitido pela O.R.T.F em 17/VIII/1970.

Escrito com Bic Laranja às 11:05
Verbete | comentar
Quinta-feira, 5 de Janeiro de 2023

Metido a encadernador…

 Dois volumes que se escangalharam. O trabalho de dourador é de mesteiral do ofício, não é meu, e ainda bem, porque disfarça pela mestria o trabalhinho do amador curioso aqui metido a encadernador.
 Na idade do liceu meti-me certa vez a encadernar uma brochura da XVII Exposição Europeia de Arte, Ciência e Cultura (Maio-Outubro, 1983) cujo tema foram «Os Descobrimentos Portugueses e a Europa do Renascimento». Meti-me ainda nêsse tempo a encadernar, mai-lo meu velho Jaime, a 5.ª ed. do «Dicionário da Lingua Portuguesa» da editora Pôrto, que era do meu irmão e que estava por então pelas costuras. Ali os tenho…
 No fim do Verão passado tornei ao mester. Ou à arte, digamos. Fi-lo sem pretensões para não deslustrar. A douradora compôs muito, mas, deixai-me cá agora com a minha vaidade.

Encadernação de «Elementos para aHistíra do Além-Guadiana Português» (J. Cosme, 1996) e «Recordando: O Caso Delgado e Outros …» (C. Fernandes 2002), Lisboa — © 2022
Encadernação de «Elementos para a História do Além-Guadiana Português» (J. Cosme, 1996) e «Recordando: O Caso Delgado e Outros…» (C. Fernandes 2002) — © 2022

Escrito com Bic Laranja às 15:47
Verbete | comentar
Quarta-feira, 4 de Janeiro de 2023

Sabeis aquela?

 Iam dois tomates a atravessar a estrada, diz um para o outro:
 — Vem lá um carro (bvut).
 — Pois vem (bvut)


Roja pé, Algarve — (c) 2022.
Roja pé, Algarve — (c) 2022

Ano bom!

Escrito com Bic Laranja às 23:33
Verbete | comentar

Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
20
22
23
24
25
26
27
28
29

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Kruzes Kanhoto
Lisboa
Lisboa Actual
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Planeta dos Macacos (O)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____