Sábado, 29 de Abril de 2023

Praça da Portagem com Austins (ou Morris?)

Praça da Portagem, Almada (H. Novais, c. 1970)
Portagens da Ponte Salazar, Almada, c. 1970.
Horácio Novais, in bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 10:02
Verbete | comentar | comentários (6)
Quarta-feira, 26 de Abril de 2023

A canhonada

 O compêndio de História do meu 8.º ano apresentou-me uma fascinante pintura: um galeão holandês do séc. XVII disparando um canhão. O ribombar do canhão rompe a calmaria da cena. A canhonada ecoa a longa distância, dissolve-se com o fumo que se eleva e a calma regressa.
 Observai as velas sem vento e o espesso fumo branco da descarga. Conseguis ouvir a canhonada?

 

Canhonada, Van de Vende «o moço»
A canhonada
Guilherme van de Velde, o moço, c. 1670.
Óleo sobre tela, 78,5 x 67 cm, Rijksmuseum, Amesterdão.

 

(Publicado originalmente em 15/X/2005 às 2h06 da tarde.)

Escrito com Bic Laranja às 20:46
Verbete | comentar | comentários (8)
Terça-feira, 25 de Abril de 2023

Mercúrio (*) cromos

Pousei aqui numa página que leio… Nem de propósito…

E assi os corpos celestes
vos trazem tão compassados,
que todos quantos nascestes,
se nascestes e crescestes,
primeiro fostes gerados.
E que fazem os poderes
dos sinos resplandecentes?
Que fazem que todalas gentes
ou são homens ou mulheres,
ou crianças innocentes.

  Mercúrio, utilizando um discurso todo ele fundamentado no conhecimento universal e no óbvio, nega o poder adivinhatório sobre a conduta humana a partir da observação dos astros.

Gil Vicente, Auto da Feira, apud M.ª Leonor García da Cruz, Gil Vicente e a Sociedade Portuguesa de Quinhentos, 1.ª ed., Gradiva, [Lisboa], 1990, p. 113.

*   *   *

 A F.N.A.C. tem já Mercúrios de novo conhecimento universal e óbvio, que não deixam negar agora a conduta humana a partir da observação dos novíssimos astros…

Capture.JPG
«Hora do conto»; histórias às criancinhas por astros e estrelas do novo firmamento, Fnac/Chiado, 2023.


(*) Mercúrio é o equivalente no panteão romano ao Hermes grego: mensageiro dos deuses e, por sua parte, deus da venda e do comércio. Vendendo e vendando, desfez-se em mer… mercúrio-cromo no panteão do arco-íris.

Escrito com Bic Laranja às 11:53
Verbete | comentar | comentários (8)

Dabril, o conquistador

 O Serviço Nacional de Saúde, essa apregoada conquista de Abril, enobrecido pela democrática arte urbana, outra conquista de Abril. Dantes era só fàchismo. Nada de conquistas sociais assim.

Antigo posto 6 da Caixa</em>, Alameda — © MMXXIII
Antigo posto 6 da Caixa, Alameda — © MMXXIII

 

Feliz dia de S. Marcos!

 

Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | comentar | comentários (8)
Segunda-feira, 24 de Abril de 2023

Marcha dos tempos: o ¼ de vigor

 Há anos dei conta do ¼ de vigor…
 Pois, continua vigorosa a senda do progresso: como não há m… de rótulo que não traga o pai-nosso nem marca que não reze o têrço do paganismo em vigor (salvo seja), eis o ¼ do dito.

¼ de vigor — © MMXXIII
¼ de Vigor (in)sustentável 1951 2023

 Êstes tempos não têm gracinha nenhuma. Ainda podia querer olhar para êles pelo lado positivo, mas não há.

 

P.S.: não tardará abolirem o «gordo» do ½ gordo no rótulo do ¼ de Vigor, por menos ofensivo, mais inclusivo, e merdices De Do Do Do, De Da Da Da género.
P.S. 2: ½ enorme. Ámen!
P.S. 3: CO2 = CO + CO = …

Escrito com Bic Laranja às 15:02
Verbete | comentar | comentários (6)
Sexta-feira, 21 de Abril de 2023

O eléctrico 6

 O eléctrico 6 já não contava no inventário ilustrado de todas as carreiras que eu ainda conheci. Nunca andei nêle.
 Ou calhando, andei…
 Dá-se o caso de êste 6 aqui no Chile sêr a última versão dêle mesmo. A linha de eléctricos 6 teve três versões, segundo João Azevedo («Lisboa; 125 Anos sobre Carris», Roma Editora, Lisboa, 1988, p. 49).
 Começou em 20 de Dezembro de 1905 do Rossio à Gomes Freire, via Avenida. Em 1 de Junho de 28 foi prolongada da Gomes Freire ao Rossio, via S. Lázaro, redundando em linha circular; no sentido inverso emparelhou o 7, inaugurado no mesmo 1 de Junho.
 Em 1 de Julho de 47 tornou o eléctrico 6 à primeira forma (quási), agora dos Restauradores (quando no início foi do Rossio) à Gomes Freire e volta, à mesma, via Avenida. O 7, que era o 6 invertido, foi suprimido. E em 29 de Dezembro de 1950 foi o 6 extendido da Gomes Freire, como em 28, mas desta só à Pr. da Figueira, cuja dita praça fôra demolida no ano anterior. Isto durou até 1 de Agôsto de 1960, já depois da inauguração do Metropolitano que levou a Carris a acabar os eléctricos na Avenida. Assim acabou o 6, o eléctrico da Gomes Freire, nas duas primeiras versões.
 Em 16 de Março de 1966 a Carris entendeu repescar o número 6 para a carreira 17A que desdobrava o 17 (Pr. do Chile-Belém) do Terreiro do Paço — ou P. do Comércio, como diziam as bandeiras — ao Alto de S. João. Durou esta última versão do 6 até ao dia de Portugal de 73, em que se fundiu num 17 do Alto de S. João a Belém. Acabou aí o 6, o eléctrico (o autocarro 6 é outra história e talvez que se até misture…)

 Disse antes que, calhando, andei nêle, no eléctrico 6. Há-de ser o caso.
 A história daquela minha birra infantil de querer continuar para a Trafaria (Belém), quando a minha mãe só quis ir à Confidente pagar a renda, só pode ter sido com o 6, dada a cronologia apontada. Como raio se me meteu na memória o 17A nessa história é que não sei dizer. Só se foi de minha mãe me contar dalguma da história anterior dos dezassetes e de eu não ter percebido nada. Baralhei tudo…
 

Eléctrico 6, Pr. do Chile  (P. Hautzinger, 1969)
Eléctrico 6, Pr. do Chile, 1969.
Pedro Hautzinger, in Flickr.

Escrito com Bic Laranja às 11:10
Verbete | comentar | comentários (4)
Segunda-feira, 17 de Abril de 2023

Autocarros pequenos

 Lembro-me dos autocarros pequenos. Vi-os só ao depois dos altos, de 2 pisos, que eram os da minha rua e que eram aquêles em que andava quando apanhávamos o autocarro. Notei que os pequenos eram tais quais os grandes, mas com metade do tamanho, da altura. Tinham a frente igualzinha, de calhambeque, só que o volante era verde, em quanto que nos grandes, os de 2 pisos, era vermelho. O Museu da Carris apresenta actualmente êstes autocarros A.E.C. históricos com as côres dos volantes trocadas.

 Os autocarros pequenos, lembro-me vagamente que os conheci pela Pr. do Chile, pela Morais Soares. Lembro-me com mais certeza de que só andei num dêles pela primeira vez numa ocasião que o apanhei com a minha mãe, para irmos do Chile à Paiva Couceiro. Era caminho curto que fazíamos normalmente a pé. Mas dessa vez apanhámos o autocarro; um dêstes pequenos. Foi uma novidade para mim e uma descoberta. Não sei se por alturas do Poço dos Mouros ou da Carrilho Videira — e disto que vou agora dizer tenho a certeza — meteu-se o autocarro num trajecto pela Sebastião Saraiva Lima vindo a desembocar na Praça de Paiva Couceiro por uma espécie de túnel que atravessa um prédio. Como a passagem sob o prédio era muito baixa não haviam de nunca poder passar lá os altocarros, ou seja, dos outros autocarros grandes, altos. Tinham, pois, de ser autocarros dos pequenos a fazer aquêle trajecto e isto o achei tão formidàvelmente bem calhado que me nunca mais esqueceu.

 Não sei se esta minha memorável viagem foi no 18. Se não, foi quási de certeza por 1970.

Autocarro 18, Pr. do Chile, 1970 (J. Scragg, in «Livro das Fuças»)
Autocarro 18, Pr. do Chile (prox.), 1970.
John Scragg, in «Livro das Fuças».

Escrito com Bic Laranja às 10:48
Verbete | comentar | comentários (8)
Domingo, 16 de Abril de 2023

Um tiro animado


Henri Mancini — A Shot In The Dark
Abertura de «Um Tiro às Escuras» (1964), com animação de D. DePatie e F. Freling

Escrito com Bic Laranja às 20:53
Verbete | comentar | comentários (2)
Sábado, 15 de Abril de 2023

Não é de agora

Racismo (só) de importação, Diario de Lisbôa, 27/X/937

Racismo?! Em Portugal, só com fomento de importação.

Escrito com Bic Laranja às 16:12
Verbete | comentar | comentários (6)

Das gordas

«(Nascer do) Sol», 14/IV/2023

 As gordas hoje têm graça… Bem, a graça do costume!…
 Numas que aí leio, Bruxelas abre as portas a Costa.
 Bruxelas abre…? — Bruxelas é, por conseguinte, singular. Ao contrário de Carlos…

 E por Carlos: o Piolhais ou Phiolhais ou Fiolhais, já se lhe entranha o racismo de hoje; tanto que luta por desentranhá-lo de si cuidando que o desentranha dos diários do Einstein. No Einstein é que o racismo não estava, garanto-o. Mas no fundo o [que] Fiolhais arranjou foi maneira de o entranhar lá. Ele que vá traduzindo, pois!… Ele que vá traduzindo. E que vá avisando-nos, no engano de que ele próprio se acha fora tempo e do caldo (caldeirada) de cultura em que se acha e que somos nós, os benévolos leitores, que precisamos do seu aviso sobre racismo e não racismo de hoje, agora e sempre. Incluído, claro, o não racismo do Einstein.
 Isto a propósito dos diários do Einstein: longe vai o racismo nestes dias, pois!… (De longe tem vindo ele…)
 Desta história dos diários do Einstein, porém, o que me mais encanta é o lugar-comum do encantado que ele, o Einstein, ficou com as varinas de Lisboa. — Melhor! — O que mais me encanta é o encantado que o Fiolhais ficou com aquele encantamento. É mais uma daquelas do amor ao amor que outros têm por nós. Este amor é ainda mais entranhado do que o «racismo» à luz das ideias de hoje. O que eu gostaria de saber é o que de Einstein mais encantou às varinas de Lisboa. Isso, o Fiolhais nem pensou. Pensou em racismo…

 Tornando a Bruxelas, bom proveito lá com o Costa. Ou vice-versa.

 


(Revisto e augmentado às quatro e meia da tarde.)

Escrito com Bic Laranja às 12:30
Verbete | comentar | comentários (4)
Sábado, 1 de Abril de 2023

O melro…

 Há dias dei por um melro com seus trinados na Rua Almirante Barroso. Pôs-se na sacada dum 2.º andar, poisado numa floreira sem plantas ou flôres que se vissem. A janela daquela sacada estava entreaberta. Quem lá mora, se deu por êle, pelo melro, há-de ter-se sentido privilegiado da visita. Os melros, tenho visto, são arrediços, não se chegam muito. A canção que entoam é melodiosa; muito me encanta. Parei o passo para ouvir e, confesso, tive certo ciúme da gente que habita aquele 2.º andar. Ter um melro assim a cantar à janela não é para todos. De mais, no buliço desta desgraçada cidade cuja fauna é um pavor; especialmente a de duas pernas…

 Na Amirante Barroso, à Estefânia, morou Fernando Pessoa. Diz que no prédio de gaveto com a Casal Ribeiro e é verdade. O tal prédio foi demolido. Agonizou anos a fio e levantaram por fim no seu lugar um todo modernaço que por lá está a descaso do património e da História, com a altura pelo dôbro e o gôsto pretensioso e sensaborão que tem essa arquitectura internacionalista post moderna. O prédio demolido tinha os n.ºs 2 a 12; o novo ficou só com o 2. O restante são montras do banco sem lugar a n.º de polícia. Onde havia o n.º 12 é hoje o 2A, o portão da garagem. Isto é triste, pois foi justamente no n.º 12 que diz que morou Fernando Pessoa em 1916-17. Soube que era uma leitaria, segundo li numa da últimas edições da Vida e Obra de Fernando Pessoa do João Gaspar Simões.

Av. Almirante Barroso, 2A, Lisboa — © 2021
Rua Almirante Barroso, 2A (ex 2-12), Lisboa — © Bic Laranja, 2021

 Pois, foi numa leitaria que morou o Fernando Pessoa, no tal n.º 12 da Almirante Barroso que é hoje o portão duma garagem… Tamanha é a História. Maior, cuido, a desgraça.

 Consola-me o melro a cantar no 2.º andar do n.º 14, mas é ao lado.

Escrito com Bic Laranja às 17:37
Verbete | comentar | comentários (2)

Design de género

 O que não concebe certo atributo de muros, paredes, esquinas e recantos, candeeiros de rua, beiras de estrada, árvores, moitas ou arbustos, postes dos telefones…
 Aquele cuja referência dum homem à rasca é do género de apertar-se à rasquinha.

Alfragide — (c) 2023
Portugalinho — (c) 2023 

Escrito com Bic Laranja às 08:55
Verbete | comentar | comentários (4)

Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Kruzes Kanhoto
Lisboa
Lisboa Actual
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Olhar o Tejo
Paixão por Lisboa
Perspectivas(pub)
Planeta dos Macacos (O)
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.