Terça-feira, 30 de Maio de 2023

SABENA

SABENA, 1950

 Há umas histórias da SABENA contadas pelo Cte. Viegas nos seus Quarenta Anos de Aviação (Coord. Tereza Ribeiro Reis, Martins & Irmão, 1995).

 Quando os belgas baldaram o Congo em 1960 aquilo caiu logo em pé de guerra. Para acudir aos nossos compatriotas estabelecidos no Congo tentou-se uma ponte aérea entre Léopoldville e Luanda. Mandou o Governo Geral de Angola um bimotor DC-3 da D.T.A. — já aqui dei um cheirinho da história. O DC-3 dispunha duns 28 lugares e os portugueses a evacuar seriam para cima de não sei quantos. Luanda era a 560 km. Aventa o Cte. Viegas que com dois DC-3 evacuar-se-iam umas 200 pessoas com pouca bagagem por dia. Pouco, sim, mas um DC-3 ali, dois no máximo, era o que dispúnhamos…

  Entre fibra e engenho, acabou por se fazer uma ponte aérea, sim. Não Léopoldville/Luanda, mas antes Léopoldville/Brazzaville, no Congo francês. Um saltinho de 15 km em vez dos 560 até Luanda. Evacuaram-se assim ràpidamente os portugueses e, à boleia, também umas carradas de belgas, cujo coiro, as mulheres e as filhas estavam em saldo às mãos da tropa da Armée National Congolaise. À boleia da ponte aérea e de borla quando a T.A.P. escalou um Super Constellation para Brazzavillle para completar a perna até Luanda.
 A SABENA, os que queriam salvar-se por ela, haviam de ter de pagar bilhete à tarifa normal que era como os belgas operavam.

  No Kassaï do Sul, província diamantífera do Congo na fronteira NE de Angola, há outra história.
 O destacamento da Armée National Congolaise de Bakwanga amotinou-se, pilhou a cidade e preparava-se para assaltar as minas e os bairros residenciais do seu pessoal (belgas, naturalmente); chegou a Angola através da Diamang um pedido da Forminière, uma empresa mineira de diamantes do grupo De Beers que explorava as minas do Kassaï, para evacuação por via aérea de cêrca duma centena de mulheres e crianças familiares do pessoal belga da dita Forminière.
 Porquê os portugueses? Porquê a Angola? — Pois, porque a SABENA se recusava a voar para zonas que não oferecessem total segurança. — Segurança é lema da aviação, não se pode criticar…
 Foram destacados dois DC-3 da D.T.A. de Angola para acudir aos belgas.

 Não bastante, a SABENA conta mais uma história, um dichote, de que vim eu também a saber por gente nossa do Ultramar. A sigla era escarnecida em língua inglesa (sul-africanos, rodesianos?…) — Such A Bloody Experience Never Again.
 No fim faliu.

 

 (O recorte é ajeitado duma fotocópia hermano-tertuliana do Diário de Lisbôa de, salvo êrro, 8 Setembro de 1950.)

Escrito com Bic Laranja às 21:18
Verbete | comentar | comentários (6)
Domingo, 28 de Maio de 2023

Excerto de Lisboa do passado

António Lopes Ribeiro, Lisboa de Hoje e de Amanhã [excerto]
(1948)

_______
Adenda: (14'28") um táxi vira da Estr. do Poço dos Trapos para a Estr. de Sacavém; um camião no sentido Sul-Norte [Norte-Sul (?)] na Rot. da Encarnação e outro no sentido Norte-Sul [inverso]; [15'22"] Av. do Aeroporto, descendo do Areeiro quase por altura da quinta de Fronteira (Av. do E.U.A., aprox.); chegada ao Aeroporto da Portela; escadaria e porta principal do dito; cerca da pista com gente observando os aviões; [15'52"] aterragem suave dum DC-3 com [a silhueta da Penha de França e d]os arranha-céus do lado sul do Areeiro em fundo e um Super Constellation estacionado com motores a trabalhar; [16'19"] retorno do aeroporto, caminho da Praça do Aeroporto (futura rotunda do Relógio), possivelmente filmado do andar de cima dum dos primeiros autocarros de 2 pisos; Praça do Chile com o lago, mas [ainda] sem a estátua do Neptuno [16'40"]; eléctricos na Rua da Palma; [16'59"] rua oriental do Campo Grande tirada por cima da igreja paroquial, dês da esquina da Av. do Brasil, com um eléctrico e um dos primeiros autocarros da Carris chegando à paragem ante uma cabina telefónica das antigas (17'16").

*    *    *

[Publicado inicialmente em 18 de Novembro de 18. Reposto o filme e revisto no dia do 97.º aniversário da Revolução Nacional.]

Escrito com Bic Laranja às 12:59
Verbete | comentar | comentários (12)
Sexta-feira, 26 de Maio de 2023

Notícias do «calor»

 Calhei achar esta notícia, uma novidade antiga. E, realmente…
 Pensei pô-la aqui singela, como curiosidade insólita, com o mesmo título que lhe ao fim e ao cabo sempre ponho, mas sem as aspas. Ao depois, empreendendo melhor no caso…
 Bem, saíu ela no Diario de Lisbôa de 3 de Julho de 1950. Como Julho é mês de calor fui vêr o tempo na página do dito no dito jornal: — céu nublado; temperatura mínima, 17º,5; máxima, 23º,8. Na véspera, 2 de Julho, domingo: temperatura mínima, 21º,4; máxima, 26º,1.
 Enfim, qualquer coisa como hoje. Seria êle calor para tanta frescura?!…
 Vai daqui, pensei se não há êle coisas que são de sempre. O que vai mudando é o orgulho. Ou a vergonha.

«Aflito com o calor foi praticar nudismo para a mata de Benfica», in Diario de Lisbôa, 3/VII/950
(«Aflito com o calor foi praticar núdismo [sic] para a mata de Benfica», in Diario de Lisbôa, 3/VII/950.
Adaptado dumas fotocópias mal enjorcadas da Fundação do irmão do dr. Tertuliano.)

Escrito com Bic Laranja às 13:57
Verbete | comentar | comentários (16)
Quarta-feira, 24 de Maio de 2023

A Praça do Chile em Lisboa

Praça do Chile, Lisboa (J. Benoliel, c. 1950)
Praça do Chile, Lisboa, c. 1950 [26 de Junho].
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 19:21
Verbete | comentar | comentários (7)
Domingo, 21 de Maio de 2023

Bigodes e autocarros

 Da época daquela fotografia do 55, lembra-me dum condutor (na gíria da Carris condutor era o pica-bilhetes da gíria popular) que acamaradava sempre bem connosco, a miùdagem. Era o «Bigodes». Mais tarde vi-o em guarda-freio. Farta bigodaça tinha êle! 
 Havia por então um outro pica muita vez confundido com o «Bigodes» porque tinha também bigode, bigode também digno de nota, se bem que menor, mas cuja característica mais notória — e sonante — era andar sempre a estalar o alicate — tac tac, tac tac tac! — Cuido que era o Barata Salgueiro, êssoutro. Era menos camarada. Tinha dias!
  O «Bigodes» não. Era sempre cordial e paciente connosco. Contava piadas, como aquela do pó de andar e o pó de seguir. Tinha saídas bem dispostas, como a das velhas, para quando um autocarro seguinte da mesma carreira alcançava o antecedente, sendo o antecedente aquêle em que êle, o «Bigodes», seguia. Duma vez que isso sucedeu e lhe disse eu — vamos muito atrasados; a chapa n.º tal (referência ao carro seguinte) já nos alcançou; olhe, vem aqui atrás!
 Resposta sua.
 — Espera que já o largamos. Há uma carrada de velhas nas próximas paragens que, com o vagar delas a subirem e descerem, êle logo fica para trás.

 Bigodes à parte, porque nem foi o «Bigodes» que me contou uma outra história, foi um motorista com quem êle fez equipa certo dia no 55, os primeiros autocarros de dois andares em Lisboa foram o 201 e o 202 e tinham a cabina à direita.
 Não tenho achada nenhuma do 202, salva a do par à chegada em 1947, mas do 201 já cá tenho deixadas umas quantas. Esta é mais outra. Vinte anos após, parece que ainda estava ao serviço.

«Autocarro Leyland PD1A, II-13-09, n.º de frota 201 da Carris», Cabo Ruivo (L. Murphy, 1967).
Autocarro Leyland Titan PD1A, II-13-09, n.º de frota 201 da Carris, Cabo Ruivo, 1967.
L. Murphy,  apud Chris Stanley, Flickr.

 

Adenda às 10 para a 1h da tarde:
 A final sempre achei uma do 202.

«Autocarro Leyland Titan PD1A, n.º de frota 202 da Carris», Rossio  (A. n/id., post 1947) )
Autocarro Leyland Titan PD1A, HL-13-11, n.º de frota 202 da Carris, Rossio, post 1947.
A. n/ id., in Francisca Real, «Há mais de 50 anos, os autocarros da Carris eram assim», in Time Out, 22/1/2019.

 

Adenda à 1h e ¼ com comentário antigo do sr. José Vitorino (10/V/14) sôbre os Leyland Titan PD1A:

O 201 e o seu gémeo 202 II-13-11(?) [i.é HL-13-11] não eram AEC Regal mas sim Leyland e de caixa manual não-sincronizada (portanto, sem a caixa pré-selectiva Wilson dos AEC). Um susto com o ranger dos carretos quando a «dupla» era mal feita. Estiveram nos seus últimos anos de activo a fazer a carreira 7 que partia da Praça do Chile.

Escrito com Bic Laranja às 10:37
Verbete | comentar | comentários (7)
Sábado, 20 de Maio de 2023

A TAP, o tempo e os homens

 A TAP era então uma pequena empresa em todos os sentidos, pouco mais que minúscula e em vias de construção […]

DC-4 Skymaster CS-TSA «Santa Cruz» da T.A.P., Heathrow, post 1954. Fototipia animada de original da colecção de Tony Clarke publicado por David Whitworth
DC-4 Skymaster CS-TSA «Santa Cruz» da T.A.P.
, Heathrow, post 1954.
Fototipia animada de or. da col. do sr. Tony Clarke, publicado por David Whitworth. 

 Era presidente da TAP o eng. Vaz Pinto, que dedicou à sua consolidação e desenvolvimento o maior esforço.
 Tanto
Vítor Véres, como Vaz Pinto se entendiam bem comigo, sendo eles quem verdadeiramente fez a TAP.
 Ora, para que a TAP crescesse, era necessário que tivesse rotas e aviões e, naquela altura, pode dizer-se que não tinha nem umas nem outros, mas tinha muito boa vontade, o que tem grande importância. Era assim imperioso que aproveitasse as convenções internacionais sobre aeronáutica civil para fazer valer os direitos que as mesmas nos conferiam, entre eles a chamada quinta liberdade. E aqui entro eu.
 Sabendo alguma coisa destes assuntos, não só porque deles me ocupava oficialmente mas também como cultor do Direito internacional, os engenheiros
Vaz Pinto e Véres vinham frequentemente juntos ao meu gabinete conversar comigo sobre o que conviria fazer e como, e foi assim que se decidiu fazer acordos de pool com todas as companhias de aviação que faziam tráfego aéreo com Lisboa, em vez de embarcarmos em aventuras para que ainda não tínhamos preparação nem meios.
 Com estes acordos, a TAP ganhou muito dinheiro e experiência preciosa, sem despesa nenhuma, pois se limitava a enviar uma ou duas hospedeiras naqueles voos de 
pool feitos por e à custa das outras companhias envolvidas no acordo, e eram muitos esses voos.
 Depois, compraram-se os
Caravelle, começando nós a fazer voos directos, e, mais tarde, aviões de mais longo curso e maior lotação, passando a competir internacionalmente com outras companhias de prestígio, primeiro para a Europa, depois para as Américas e África, chegando a TAP a ser uma empresa altamente credibilizada e rica.
 Com a confusão que se seguiu ao 25 de Abril — não digo
Abrilada, porque já houve uma no primeiro quartel do século XIX —, a TAP, em vez de se redimensionar em pessoal e aviões, já que passara a a ter menos passageiros, não só o não fez como ainda aumentou o seu pessoal e, astronomicamente, os respectivos salários. E, para o descalabro ser completo, começou a comprar e a vender aviões, ora dum tipo, ora doutro, numa brincadeira inconsciente na manifesta avidez de comissões, se não desonesta, levando, de qualquer modo, rapidamente à falência técnica desta tão prestigiada empresa, agora nacionalizada, até se chegar onde actualmente se chegou, sem que ninguém seja chamado à responsabilidade pelos actos de má gestão praticados, cujas consequências o erário público tem generosamente suportado.
 É o que geralmente acontece com as empresas estatais, quando os administradores delas são políticos nomeados por políticos […]
 Tenho direito a este desabafo quer como contribuinte quer porque perdi muitas horas a estudar soluções que
Vaz Pinto e Vítor Véres adoptaram para fazer da minúscula TAP de 1962 uma grande e eficiente empresa, de qualidade equipada às melhores. Infelizmente [!…]

Carlos Fernandes (embaixador), Recordando: o caso Delgado e outros casos, 1.ª ed. Universitária, [Lisboa], 2002, pp. 124-125.

 É longa a citação, bem sei. Mas se o benévolo leitor chegou até aqui, só o maço com mais estas linhas em que lhe digo que, chegados cá, a 2023 (e o texto que transcrevo é de 2002), reflicta nas notícias destes dias em que vimos a TAP na prática tutelada por um ciclista histérico, às turras com um ministro de refugo e brinquinho na orelha, preso por arames ao cargo, que não leu nem quis ler o plano de restruturação da empresa. Sei de experiência própria dum 707 que chegou a Lisboa, vindo do Zaire com painéis do intradorso da asa presos por arames, mas já não era da TAP. De ministros de Portugal presos por arames, vejo agora, é já outra maneira de voar. É ao que chegámos.

Escrito com Bic Laranja às 16:43
Verbete | comentar | comentários (2)

De vinho ou, nem tanto…

 Êste sábado vai pachorrento. Em quanto o arroz de pato vai ao forno abro aqui um Monte Velho branco de 22. Não sou entendido e costumo apreciar os vinhos pelo rótulo — se acho o rótulo feio ou imbecil, o vinho não me há-de saber bem. Outro que me não saberá de certeza bem é o que vier marcado com o ano 20, ano infausto… De maneira que, à parte a superstição, em geral só vou lá pelo rótulo. Objectivamente. Nem tanto agora no caso dêste Monte Velho. Fui por êle porque estava em promoção no Jumbo. O [que] lhe noto ao abrir é o que noto em muita garrafa que abro; são as rolhas ressequidas, quebradiças. Já pensei se será disso que lhe baixam o prêço…

 Venho aqui com o vinho branco e recorda-me uma história que o sr. embaixador Carlos Fernandes conta em Recordando: o caso Delgado e outros casos (1.ª ed., Universitária Editora, Lisboa, 2002), não consigo situar agora a página. Num jantar na Junta do Vinho do Pôrto, salvo êrro, alguém louvava grandemente os vinhos brancos que eram servidos a acompanhar. Sucede que o anfitrião não era especialmente apreciador de vinhos brancos, nem nada que parecesse. E ouvindo os louvores do convidado aos brancos escolhidos, ia diplomàticamente contemporizando com… silêncio. O caso é que o convidado insistia em lhe sacar a concordância e, por fim, veio a resposta.
 — Sabe V. Exc.ª, de todas as bebidas que conheço, a mais parecida com o vinho é o vinho branco.

 A senhora diz-me agora aqui que vai dar o almôço.

 


Händel — Concerto grosso, Op. 6, N.º 1  (HWV 319)
Accademia dell’ Annunciata, Maestro Riccardo Doni

Escrito com Bic Laranja às 13:59
Verbete | comentar | comentários (2)
Quinta-feira, 18 de Maio de 2023

Banhada

 Vistas algumas gordas nas primeiras páginas dos jornais, fiquei curioso. Uns ecos escritos nos blogos e mais curioso fiquei. Resolvi vasculhar naquela coisa, a box. Pus, pois, então, a dita coisa, a box, no parlamental canal a andar para trás, a ver dum tal Fradique ou Frederico, diz êle que despachado à galambada (= galo + lambada, uma forma de kung fu de punho fechado; não confundir p.f. com qualquer bípede implume que ande aí de arganel no orelhame…) — Despachado sem Despacho, bem entendido, mas com incentivo whatsupado dum par de murros que, a bem dizer, não ficaram sem resposta. Diz que o tal Fradique ou Frederico ou lá como é, despachou por seu lado umas voluntariosas galambetes para um ministerial lavabo, tal a fúria da corrida em osso que levava.
 Em suma, sortidas formas de despacho que, bem vejo, é tôdo um jeito de govêrno.

 Ora um govêrno de galifões e galifoas assim, não me havia êle de deixar curioso? Mais ainda porque é sabido o M.I. 5 doméstico haver cometido de imediato ao Johnny English de turno o gravíssimo caso porque, melhor era resolver o assunto a bem… — isto não é piada — ao depois poderia complicar-se!…

 De modo que, com tais tempêros, não resisti eu em mudar da Baby TV para a AR TV (AR é bem o termo, tal o parlavento que por lá faz; que é só o que se por lá faz). E bem assim, vasculhei o cofre dêstes netflixes de faca e alguidar, corri o cardápio do canal da parlaventosa assembleia de segunda até esta hora, onde consegui achar em comissal parlaventilação, da TAP, o comendador Barraqueiro, um homem, ex-xerma ou ex-céo da Parpública que deixou o cargo em 2015 (2015?!) e outra palha que não vem ao caso. Por fim, num bloco da alta madrugada de ontem lá vinha em título a audição do tal Fradique, ou coisa que o valha, Pinheiro.

 Só que, quando pus a dar a gravação, apareceu-me a falar uma mulher de olhos tortos. Pus a andar para a frente e era só ela, a tal mulher. Do tal Fradique, ou coiso, nada!

 Bom! Calhando, quem anda a ver mal sou eu. Ou isto ou a AR TV deu-me uma banhada.


AR TV Baby TV, Canção do banho.

Escrito com Bic Laranja às 17:33
Verbete | comentar | comentários (14)
Quarta-feira, 17 de Maio de 2023

A Mouraria no tempo do Apolo

 Tenho andado cá com o eléctrico 6. Ainda há dias vim cá com uma dêle descendo a Rua da Palma meia demolida, lá por 1950, com portuguêses envergando agasalhos de Inverno. Aqui vem outro 6, subindo-a, no trôço do Teatro Apolo, por aquêles dias, já ao depois de demolida a paroquial do Socorro que lhe ficava (ao Apolo) deanteira.

Rua da Palma, Socorro (J. Benoliel, c. 1950)
Rua da Palma, Socorro, 1951.
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

 Digo por aquêles dias extrapolando agora desta para a outra. Tudo me indicava ser esta de Dezembro/Janeiro de 51, porquanto o cartaz que vejo na empena do quarteirão por demolir anuncia em Janeiro o Inspector Geral, com Danny Kaye, e os Mundos opostos (East Side, West Side), com Barbara Stanwyck, James Mason, Van Heflin e Ava Gardner.
 Ora o Inspector Geral acabou por estrear-se só em 8 de Fevereiro de 1951 e os Mundos opostos estrearam-se em 18 de Janeiro.
 Do folhear agora os Diários de Lisboa vi que dês do Natal de 50 à estréia do filme do Danny Kaye estava em cena no Apolo a peça Enquanto Houver Santo Antonio, com Irene Isidro, Laura Alves, António Silva, Ribeirinho, Barroso Lopes e Carlos Alves. Um grande elenco. Vendo a fotografia em cima, é a peça que vem anunciada em 2 sessões sôbre a entrada do teatro.
 No jornal de 18 de Janeiro de 51 lá vêm os Mundos opostos em grande estreia nêsse dia no São Jorge.

[Cartaz de Espectáculos], «Diario de Lisbôa», 18-1-951, p. 5

  Também vi no jornal de 18 de Janeiro que Os 3 Craddocks estiveram incluídos no cartaz de Enquanto Houver Santo Antonio, por dez dias a contar dêsse dia. — Pois, não é a faixa dêste anúncio d' Os 3 Craddocks que vejo de esguelha sôbre o cartaz do Teatro Apolo no cunhal da Rua Fernandes da Fonseca?!…

«Os 3 Craddocks», Apolo (J. Benoliel, 1951)
«Enquanto Houver Santo Antonio», incl. «Os 3 Craddocks», Teatro Apolo, 1951.
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.



A pág. de espectáculos do Diario de Lisbôa de 18/I/1951 é adaptada duma mal enjorcada da Fundação do irmão do dr. Tertuliano.

Escrito com Bic Laranja às 19:22
Verbete | comentar | comentários (10)
Terça-feira, 16 de Maio de 2023

Rock & Roll de há 45 anos

Dire Straits: Sultans Of Swing
(Old Grey Whistle Test, 16 de Maio de 1978)

Escrito com Bic Laranja às 23:20
Verbete | comentar | comentários (2)
Segunda-feira, 15 de Maio de 2023

A Mouraria com portuguêses

 Dizia há dias do eléctrico 6: que a linha de eléctricos n.º 6 teve três versões; e como em 29 de Dezembro de 1950 a sua segunda versão (Restauradores – Gomes Freire) foi extendida à Pr. da Figueira, cuja dita praça fôra demolida no ano anterior. Pois ali vem um 6 dêsse tempo.

Trôço inf. da R. da Palma, Mouraria, c. 1950. J. Benoliel, c. 1950
Trôço inf. da R. da Palma, Mouraria, c. 1950.
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

 Iam em boa marcha as demolições na baixa Mouraria nêsse tempo também. A antecipar pistas de bicicletas, quiçá…
 Das largas!…
 Ainda havia era muitos portuguêses por ali, porém!…

Escrito com Bic Laranja às 19:04
Verbete | comentar | comentários (15)
Domingo, 14 de Maio de 2023

Mouraria com portuguêses (pormenor)

Arco do Marqu%EA.png
Arco do Marquês de Alegrete, Mouraria, [1940].
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 17:15
Verbete | comentar | comentários (10)
Sexta-feira, 12 de Maio de 2023

… E «cheiroso» por tôdos os lados

«Urinóis sem água; rosas por dentro, verdura por fora e cheiroso por todos os lados», Outurela — (c) MMXXIII
Urinóis sem água, Alegro — (c) MMXXIII.

Escrito com Bic Laranja às 13:33
Verbete | comentar | comentários (4)

Pedaço de Lisboa há pedaço

«Vizinhas, estendais, beirais e pombos no chôco», Lisboa — © MMXXIII
Vizinhas, estendais, beirais e pombos no chôco, Lisboa — © MMXXIII

Escrito com Bic Laranja às 11:47
Verbete | comentar | comentários (2)

Esta cabeça não anda boa!…

 Hoje só tenho feito disto. Fiz a barba e quando havia de pôr-me o after-shave, tornei a pôr espuma na cara. — Disparate!
 Outro.
 Passei na bomba a pôr gasoil, foram 57,71 €, dei 60 €. A mocinha gasolineira pediu-me os cênt'mos para facilitar o trôco e dei-lhos. Disse-lhe que 1 € era para si e abalei de imediato sem esperar a demasia. Um mero instante e varreu-se-me a coisa.
 Mais disparate.
 Quis verter café do megafrasco para um menor. O frasco grande vai meio vazio e já começa a complicar-se chegar-lhe com a colhér de chá a colhêr a dose. Verti de frasco a frasco e — asneira! — espalhei café. Lá me lembrei de fazer um canudo com um guardanapo de papel e — mais asneira — verti de mais. Enchi o canudo mais que a conta do frasco pequeno e em no apontar de volta ao frasco grande — claro! — espalhei mais café.
 Ainda a menhãa vai curta eu hoje é só disto!…  Melhor é ir beber outro café.

Café tofa, Portugal (M. Novais, séc. XX)
Café Tofa, Portugal, séc. XX.
Mário Novais, in bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 10:15
Verbete | comentar | comentários (2)
Segunda-feira, 8 de Maio de 2023

Picheleira | 55

 O DD-56-73, n.º de frota 301 da Carris, fazia no meu tempo muita vez a carreira 55. Recolhia à estação do Cabo Ruivo. Não me lembro nunca de fazer o 11A (nem ao depois o 30), carreira(s) cuja estação de recolha era a das Amoreiras. O 301 cometia o feito de subir em 2.ª a ladeira íngreme da Alameda (do lado da fonte monumental), já uma vez contei. Sei agora porquê: era um Regent V; fez parte do primeiro lote de Regents V entregues à Carris por 1957, ainda com as carroçarias Weymann de porta atrás e os radiadores de calhambeque típicos dos Regents III. Este lote recebeu os números de frota 281-314. Cuidava eu que os Regents V eram sós os de porta à frente, mas parece afinal que não. 
 O museu da Carris tem-no conservado, este 301, mas nas imagens que dele (restaurado) tenho vistas não se lhe vê o Regent rampante no radiador (como nesta aqui de 1980). Outro pormenorzinho a somar ao dos volantes verdes e vermelhos trocados nos autocarros históricos pequenos e de dois pisos.

Autocarro 55, Alcântara-Mar (John Scragg, 1980)
Autocarro 55
, Alcântara-Mar, 1980.
John Scragg, in «Livro das Fuças».

Escrito com Bic Laranja às 20:51
Verbete | comentar | comentários (4)
Sexta-feira, 5 de Maio de 2023

Coisa de responsabilidade

Pacote de leite com tampa beatificada, Portugal — (c) 2023
Pacote de leite com tampa beatificada, Portugal — (c) MMXXIII

Escrito com Bic Laranja às 19:19
Verbete | comentar | comentários (4)

Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Kruzes Kanhoto
Lisboa
Lisboa Actual
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Olhar o Tejo
Paixão por Lisboa
Perspectivas(pub)
Planeta dos Macacos (O)
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.