Sábado, 24 de Junho de 2023

Rossio de Lisboa de manhãzinha

Rossio pela manhã, Lisboa (A. Serôdio, 1961)
Rossio, Lisboa, c. 1961.
Armando Serôdio, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 09:41
Verbete | comentar | comentários (6)
Sexta-feira, 23 de Junho de 2023

Martim Moniz com luz da manhã

Martim Moniz e Rua da Palma com luz da manhã, Mouraria (Judah Benoliel, c. 1951)
Martim Moniz e Rua da Palma com luz da manhã, Mouraria, c. 1951.
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 11:20
Verbete | comentar | comentários (4)
Segunda-feira, 19 de Junho de 2023

O Largo de D.ª Estefânia

Obra para colocação do Neptuno na Estefânia, Lisboa (J. Benoliel, 1950)
Obra de colocação da estátua de Neptuno, Estefânia, 15/VIII/1950.
Judah Benoliel, in archivo photographico da da C.M.L. 

 Se a data desta no archivo está certa, o dia de N.ª Sr.ª de Agôsto de 1950 não foi feriado. Assim, lá corriam ao centro do Largo de D.ª Estefânia os trabalhos para a pôr o Neptuno do Chile. O Diario de Lisbôa só deu notícia do caso em 24, mas ilustrou os primeiros trabalhos para a colocação da estátua na Estefânia pouco mais ou menos como os vemos aqui semana e meia antes.
 Quando contei da mudança da estátua do Chile para a Estefânia aventei que até receber a estátua de Neptuno se achava o dito Largo de D.ª Estefânia vazio ao centro, sendo como um mero cruzamento ou entroncamento de ruas e que foi o tanque redondo que acabou por fazer dêle uma rotunda. Na fotografia do recorte de jornal não se percebia, mas nesta agora bem parece que assim devia ser, porquanto os trilhos do eléctrico que desciam do Arco do Cego seguiam em linha recta através do largo vazio, a prosseguir no trôço seguinte da Rua de D.ª Estefânia. 
 Mera curiosidade sem importância, daquelas que nos nunca nem ocorrem, mas que, empreendendo ao depois agora nela, me suscita o seguinte: aquela linha descendente do Arco do Cego seguia direitinha para o Largo de Gomes Freire, mas não se vê linha ascendente vinda de lá…
 A fotografia seguinte enquadra já a linha da Pascoal de Melo tornejando para a Rua de D.ª Estefânia no sentido do Arco do Cego. Seria esta a linha ascendente, vinda da Almirante Reis por Santa Bárbara e pela Passos Manuel o, digamos, par da outra que descia pela Gomes Freire e São Lázaro até que se encontrassem na Rua da Palma?
 Se era assim, era um par de vias opostas muito desencontradas.
 Se foi realmente assim o caso como o ponho aqui, pouco depois, em 51, já o êle era como sempre conheci, com ambos os sentidos dos eléctricos de e para o Arco do Cego pela Pascoal de Melo, Passos Manuel e Santa Bárbara. 

Obra para colocação do Neptuno na Estefânia, Lisboa (J. Benoliel, 1950)
Obra de colocação da estátua de Neptuno, Estefânia, 2/IX/1950.
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L. 

*    *    *

 

Obra para colocação do Neptuno na Estefânia, Lisboa (J. Benoliel, 1950)
Largo de D.ª  Estefânia, Lisboa, [1951].
Firmino Marques da Costa, in archivo photographico da da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 20:29
Verbete | comentar | comentários (6)
Domingo, 18 de Junho de 2023

Restauradores em Junho

Praça da Portagem, Almada (H. Novais, c. 1970)
Pr. dos Restauradores, Lisboa, 1943.
Mário Novais, in bibliotheca d' Arte da F.C.G.

 

 A comédia Todas eram Belas, de Irving Cummings, com Bob Hope e Vera Zorina, estreou-se em Portugal em 18 de Junho de 43.

Escrito com Bic Laranja às 13:27
Verbete | comentar | comentários (8)
Sexta-feira, 16 de Junho de 2023

A coisa e ela mesma, do ar… (descubra as diferenças)

 Há muitos anos — alguns 18 talvez — quando topei com a primeira imagem em baixo no archivo fiquei, assim, a olhar… A olhar para ela…
 Fotografia aérea de Lisboa era o título. Ainda é como lá diz.
 Local/morada: cidade, Lisboa, Portugal, que não dizia (como não diz ainda agora) grande coisa.
 A data, anos 50…
 Tudo muito vago. E todavia, eu, que me parecia haver qualquer coisa familiar, ali, naquela imagem, olhava, suspenso de algo, para aquilo… Que raio de cisma!
 O que estava em segundo plano percebia-o mal; prédios na cidade, pois claro, mas esbatidos na neblina.
 E, e os campos em primeiro plano…?
 Os campos ajudam muita vez pouco, têm por habitual poucas referências. Nêste caso havia uma estrada a cruzar outra e a outra parecia, parecia que era, uma via férrea. No quadrante inf. esq. uns armazéns, uma chaminé de fábrica. — Chelas? Xabregas?…
 No quadrante inf. dir. uma casa que parecia ser uma grande quinta… — Do Armador?
 Podia ser… A linha de cintura passa-lhe na encosta deanteira, para lá da Az. da Maruja e do vale…
 E aquela estrada, então, podia bem ela ser o estradão de terra ladeado de oliveiras que vinha pela quinta das Olaias até aos fundos do vale onde sobejava um casal além da linha do combóio — casal já da Quinta dos Machados ou do Dr. Vilaça, onde havia umas gémeas, e onde ia eu com a minha mãe quando ela ia aos ovos.
 Espantoso! Nunca pensei poder tornar a ver aquela estrada… (Só anos mais tarde achei esta.)
 Desde que por 1982 ou lá quando foi que edificaram o clube das Olaias mai-la sua piscina e os courts de ténis, em que me pus por ali a olhar para o limite da praceta e para o muro de baixo dêsse dito clube e a pensar nos campos e na estrada de terra ladeada de oliveiras que fizera ali um cotovelo naquela meia encosta, é que pensei nisso: nunca mais haveria de ver aquela estrada. Nem dela sobraria memória.
 Afinal…

 

Vista aérea das quintas de Chelas ao Areeiro e a Alvalade, Lisboa (Judah Benoliel, c. 1956)
Vista aérea das quintas de Chelas ao Areeiro e a Alvalade, Lisboa, c. 1956.
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.


 Agora, benévolo leitor, se quiser, descubra as diferenças.

Vista aérea das quintas de Chelas ao Areeiro e a Alvalade, Lisboa («Homem à Máquina, fotografia», 1997)
Vista aérea das quintas de Chelas ao Areeiro e a Alvalade, Lisboa, 1997.
«Homem à Máquina, fotografia», in archivo photographico da C.M.L.

 Em cima as quintas e em baixo as ex-quintas do Armador, dos Machados ou do Dr. Vilaça, das Olaias, do Monte do Coxo, do Casal Vistoso, da Montanha &c.
 Na de cima, apesar da neblina, ainda se lá nota o vulto dos arranha-céus do Areeiro.
 Na de 1997, apesar (também) da altitude a que foi tirada e de se até alcançar o contorno da Serra de Sintra no horizonte, os formidáveis mamarrachos do Casal Vistoso não deixam já ver o Areeiro.

Escrito com Bic Laranja às 21:25
Verbete | comentar | comentários (4)
Quinta-feira, 15 de Junho de 2023

O bairro da Encarnação

O bairro da Encarnação, Lisboa (M. Oliveira, 195…)
O bairro da Encarnação, Lisboa, 195…
Mário de Oliveira, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 19:50
Verbete | comentar | comentários (6)
Quarta-feira, 14 de Junho de 2023

11A

O autocarro da Picheleira no fim da linha, Rêgo (A.Goulart, 1964
O autocarro da Picheleira no Rêgo, Lisboa, 1964.
Artur Goulart, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 17:20
Verbete | comentar | comentários (2)
Terça-feira, 13 de Junho de 2023

Aspecto de Lisboa em 1956

Embocadura da R. Braamcamp na Rotunda, Lisboa (E. Portugal, 1956)
Embocadura da R. Braamcamp na Rotunda, Lisboa, 1956.
Eduardo Portugal, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 12:04
Verbete | comentar | comentários (2)
Segunda-feira, 12 de Junho de 2023

Autocarro tremido

Av. de Berlim, Portela de Sacavém, c. 1962-63. Artur Goulart, in archivo photographico da C.M.L.
[Futura] Av. de Berlim,Portela de Sacavém, c. 1962-63.
Artur Goulart, in archivo photographico da C.M.L.

 O autocarro da Encarnação na [actual] Av. de Berlim, no trôço entre o aeroporto e os bombeiros.
 Em segundo plano o palácio Benagazil (à época, o C.I.D. — Centro de Instrução e Documentação da T.A.P.). Mais atrás, o novo Hangar 4, feito havia pouco para a manutenção dos aviões «Caravela», e onde se instalou então a Direcção dos Serviços de Manutenção da T.A.P., segundo cuido saber.
 No mais, ainda, o soberbo olival da Quinta do Policarpo, além do muro da velha Estrada de Sacavém e antes daquelas novas instalações da T.A.P. no Aeroporto da Portela, que tìmidamente se expandia.

(Revisto às três e meia da tarde: toponímia & remissões.)

Escrito com Bic Laranja às 12:12
Verbete | comentar
Domingo, 11 de Junho de 2023

Novidades antigas

«Superfortaleza da RAF salva por um comandante da TAP», Inter TAP, n.º 22, 2.º sem. 1968, p. 20. — Com dezanove homens a bordo, uma velha superfortaleza voadora da RAF que rumava para Gibraltar, ficou, de um momento para o outro, com dois motores parados e outro sèriamente avariado. Apesar das instruções dadas da Torre do Aeroporto da Portela para uma aterragem na pista, o denso nevoeiro impedia que o piloto inglês conseguisse identificar o local do aeroporto. Foi, então, que o Boeing 727 da TAP «Algarve». pilotado pelo comandante Miguel Ferreira, em voo de instrução, se aproximou do local, depois de ter captado a mensagem do comandante Bondesio, que declarava não poder retomar altura, devido à avaria no terceiro motor. O comandante Ferreira entrou em contacto directo. pela rádio, com o piloto da RAF e guiou-o através da neblina, até à entrada de uma das pistas do aeroporto, numa arriscada manobra de redução de velocidade. O tenente Bondesio seguiu o jacto da TAP até avistar a pista, onde fez uma aterragem perfeita.
Inter TAP, n.º 22, 2.º sem. 1968, p. 20.

Boeing 727 (Inter TAP, n.º 16-17, 1.º sem. 1966)

Escrito com Bic Laranja às 10:58
Verbete | comentar | comentários (8)
Sábado, 10 de Junho de 2023

De Portugal (quando o havia)

Comemorações do VIII Centenário da Tomada de Lisboa aos Mouros, Lisboa, 1947. Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.
Comemorações do VIII Centenário da Tomada de Lisboa aos Mouros, Lisboa, 1947.
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 00:30
Verbete | comentar | comentários (2)
Sexta-feira, 9 de Junho de 2023

Desporto corporativo (novidade antiga)

IMG_0906.jpg

Escrito com Bic Laranja às 07:07
Verbete | comentar | comentários (2)
Quinta-feira, 8 de Junho de 2023

Do gôsto dos jornais

«Expresso» 15 anos (N.º 10 099 — série Cristal) Com uns ganhos na Feira da Ladra, aos sábados, aburguesei-me no «chic» (cuidava eu) de comprar o «Expresso», nos meados de 80. Nêsse tempo não havia saco de plástico. — Nem eu sabia nada.
 Ao depois mudei-me para o «Independente» cuidando aí que talvez que me afidalgava alguma migalha só da irreverência monárquica do Miguel Esteves Cardoso. — Era novo, não pensava!…

 Meu pai lia o «Diário Popular», até que acabou. Ficou-se então só pelos desportivos «A Bola», «Record»; creio que se publicavam em dias alternados. Mantinha êle um trato com o Manecas jornaleiro; trazia o jornal de hoje à tardinha e devolvia-lho à manhã; pelo meio comprava o jornal de sábado e, quando se publicou, a Teleculinária para a minha mãe. De quando em vez um «Zé Carioca» ou um «Pato Donald» a rôgo de meu irmão ou meu. Um negócio assim mais em conta, até que o Manecas se também finou.
 Os jornais nêsse tempo ainda, porém, estavam para durar. Agora já não…

 Onde isto já vai!…

Diário Popular, 17/X/1950


 Com o tempo o jornal tornou-se para mim um rito sòmente estival. Uma coisa de tempos livres e que me dava realmente prazer desfrutar na praia ou na esplanada. Mais tempo e, desencantei-me, tal a pobreza dos pasquins. O estúpido Acordo Ortográfico matou-mos terminantemente a todos. O «Púbico» [isto mesmo], apesar dêle (de o negar, ao estúpido Acordo Ortográfico) nem precisou disso; apodreceu por si.
 Lia por fim «O Diabo», mas até dêle me cansei há uns poucos de anos. Tornou-se-me maçador. Ou fui eu que desmoralizei ao ponto de nem o prazer simples de ler o jornal já ter…


Inauguração da estátua de Fernão de Magalhães, Pr. Chile (Lisboa), 17/X/950. Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.
Inauguração da estátua de Fernão de Magalhães, Pr. Chile, 17/X/950.
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

 

 O ardina Manecas tinha banquinha de jornaleiro na esquina da Parreirinha do Chile, ali quando se dobra para a Pereira Carrilho.
 
O «Diário Popular» é da hemerotheca digital.

Escrito com Bic Laranja às 13:18
Verbete | comentar | comentários (7)
Domingo, 4 de Junho de 2023

Neptuno com o seu tridente

 O tanque, ou lago, do Neptuno foi pôsto na Pr. do Chile em 1942

 Em 24 de Agôsto de 50 vinha no Diario de Lisbôa — A estátua de Neptuno vai ser retirada da Praça do Chile e passa para o largo D. Estefânia. — E dizia mais — Há cerca de um ano, no centro da grande placa central da Praça do Chile, e após alguns meses de trabalhos, foi colocada a estátua de Neptuno com o seu tridente — dando conta de por onde andara.

«A estátua de Neptuno vai ser retirada da Praça do Chile e passa para o Largo de D. Estefânia», inDiario de Lisbôa, 24/VIII/950
   (Diario de Lisbôa
, 24/VIII/950.)

 Se em Agôsto de 50 havia cerca de um ano, no centro da grande placa central da Praça do Chile, o Neptuno com seu tridente, por tanto, foi só ali pôsto, no Chile, por 1949.
 Faz-se luz dêle numa fotografia de Judah Benoliel no archivo photographico municipal com a data de 11 de Abril de 49. Não achei notícia, porém, dêste facto, nos Diarios de Lisbôa dêsse mês. Como diz a notícia que foi colocada no Chile após alguns meses de trabalhos, calhando, haverá notícia nalgum jornal dos mêses para trás. Em havendo, haver-se-á de achar…

Obra de colocação da estátua de Neptuno, Pr. do Chile, 11/IV/1949. Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.
Obra de colocação da estátua de Neptuno, Pr. do Chile, 11/IV/1949.
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

 A remoção do Chile para a Estefânia parece ter começado em 28 de Agôsto de 50 quando (vê-se no jornal de 24) se abriam já caboucos no Largo de D.ª Estefânia para a estátua de Neptuno, com o seu tridente.
 Em 29 de Agôsto desmantelava-se o lago da Pr. do Chile.
 Em 2 de Setembro de 50 estava o Neptuno, com o seu tridente, ao centro na Estefânia. As obras do tanque prosseguiam. As pedras a postos lá esboçavam o redondel.

Obras de colocação da estátua de Neptuno, L. D.ª Estefânia, [2/IX/1950]. Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.
Obra de colocação da estátua de Neptuno, L. D.ª Estefânia, [2/IX/1950].
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

 Até receber a estátua de Neptuno achava-se o dito Largo de D.ª Estefânia, cuido, vazio  ao centro; simples cruzamento de ruas. O lago redondo fez dêle uma rotunda.

Escrito com Bic Laranja às 19:25
Verbete | comentar | comentários (3)

As gordas

 Cá para mim o «Púbico» (isso mesmo) baralhou as gordas: aquele «não passa de um mito» na esquerda baixa dos «biológicos» pertence é à outra dos 500 na meia direita.

Público, 4/VI/23
Púbico [isso mesmo], 4/VI/23.

Escrito com Bic Laranja às 15:25
Verbete | comentar | comentários (5)
Sábado, 3 de Junho de 2023

Noite de luar


Beethoven, Sonata para piano n.º 14  (Ao Luar) — I. Adagio sostenuto.
Claudio Arrau, Alemanha, 1970.

Escrito com Bic Laranja às 01:27
Verbete | comentar
Sexta-feira, 2 de Junho de 2023

Os «extinguidores» do «Exprimido», numa analogia livre

«Extinguidores»: Carla Tomás, Hugo Franco«Pneus de SUV: quem são os Tyre Extinguishers? O que fazem? E há quanto tempo está a PSP de olho neles?», in «Expresso» (ou «Exprimido»?», 2/VI/23

 A coisa nem está mal. Assim como não está o particípio passado regular «exprimido», do verbo «exprimir», em vez do irregular «expresso». Como substantivo lá terá o seu quê. Fazendo psicologia barata, que pensar de quem diga que os naturais da Turquia sejam turqueses, ou os da Bélgica, belgicanos? Será meio idiota, não?!… — A menos que esteja a gozar… — Talvez a Carla Tomás e o Hugo Franco estejam a gozar.
 Comigo, não, que não compro o «Exprimido».

Escrito com Bic Laranja às 15:47
Verbete | comentar

Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Kruzes Kanhoto
Lisboa
Lisboa Actual
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Olhar o Tejo
Paixão por Lisboa
Perspectivas(pub)
Planeta dos Macacos (O)
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.