Segunda-feira, 31 de Julho de 2023

Claramente é coisa que se não destina a portugueses

«Welcome J.M.J.», Lisboa, 2023
Welcome = Bienvenu = Bienvenido — J.M.J., Lisboa, 2023.

Escrito com Bic Laranja às 19:02
Verbete | comentar | comentários (14)
Domingo, 30 de Julho de 2023

Barracada

 Há, sabeis, aquela célebre água-forte de Domingos de Sequeira com buril salvo êrro de Francisco de Queiroz Gregório, de 1813, em que o povo das províncias do reino desàguou em Arroios, em Lisboa, fugido aos esfarrapados [exércitos] do Napoleão na primeira [terceira] invasão francesa. Parece sina…
 Há dois, três mêses, abria a página do archivo municipal e era-me oferecida a palpitar (pop up) a propaganda dos 30 anos do P.E.R., com parabéns a Lisboa (i.é, à vereação) pelo programa de habitação que mudou a cidade faz 30 anos.
 Nem de propósito…

Largo de Arroios, Lisboa — © MMXXIII
Jardim do Largo de Arroios, Lisboa — MMXXIII


 Nem de propósito, calhei por essa manhã passar no Largo de Arroios e contei 6 tendas 6, de campismo, no jardim. É miséria que impressiona, porque não é da falta de meios para lhe acudir; é falta de empenho. O empenho cuja habilidade que vai tôdinha para a propaganda do fim dos bairros de lata há 30 anos com o dinheiro da C.E.E. e sobra nadinha para sequer olhar a cidade hoje. É pois, como diz o moço da oficina:
 — Ó chefe! É que tôda a gente vê e ninguém faz nada!!
 Tal é! Ainda cuidei escrever à vereação a dizê-lo, justamente: — Ó senhores! Isto está assim, tôda a gente vê, e vós não fazeis nada?!
 Ao depois resolvi-me que não. Não ia fazer nada eu também. Estas porcarias ficam todas registadas e ainda me o desabafo ensombraria o cadastro. Já me chega pagar calado os impostos, taxas e tachinha(o)s às instâncias municipais, regionais, nacionais e europeias para cartazes e recadinhos electrónicos palpitantes (pop ups) com propaganda de quem deveria fazer mais do que ajustar directamente o penacho com agências de publicidade. De gente amiga, de preferência.
 Fui de veraneio. Três semanas.
 Em tornando achei o jardim do Largo interdito, cercado de grades. Já as tendas lá não estavam. — Ena! — pensei — Para grandes males, grandes remédios. Nem campismo selvagem nem munícipe civilizado podem usufruir do jardim.
 Comentei de passagem o caso na oficina:
 — Já vi que se foram as barracas de campismo. Realojaram-nas na Mitra ou no parque do Monsanto?!…
 — Ó chefe, lá isso não sei. Sei é que até na barraca dos pombos havia dois a morar.

Martins Barata, Sopa de Arroios, 1940. Aguarela s/ tábua, 127 x 105 cm, in Museu da Cidade.
Martins Barata, Sopa de Arroios, 1940.
Aguarela s/ tábua, 105 x 127 cm, Museu da Cidade, Lisboa.

 

P.S.:  A barraca dos pombos (pombal, a bem dizer) fará talvez hoje as vezes do antigo abrigo do cruzeiro, que se abriga agora na escadaria da paroquial!…

Escrito com Bic Laranja às 12:10
Verbete | comentar | comentários (11)
Sexta-feira, 28 de Julho de 2023

Apoio mural

Apoio mural é quando se a gente encosta ao muro, não é verdade?

Chafariz da Estr. das Garridas, Benfica (P. Guedes, c. 1904)
Chafariz da estrada das Garridas pouco mais ou menos a par da igreja de N.ª Sr.ª do Amparo, Benfica, [c. 1904].
Paulo Guedes in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 20:23
Verbete | comentar
Quinta-feira, 27 de Julho de 2023

A Carris a postos para a chegada do Papa

IMG_0859.jpeg
Autocarros A.E.C. a perder de vista, Lisboa, 1965.
Mr. John Scragg (pai), in «Livro das Fuças».

Escrito com Bic Laranja às 21:29
Verbete | comentar
Quarta-feira, 19 de Julho de 2023

Nota sôbre aves

 Casa fechada, penas sôbre o depósito…? Hum! Havemos pássaro pela conduta de ventilação da casa-de-banho a baixo. Já em tempos, quando substituí a grelha velha, achei um esqueleto de pássaro ali. Caíra desafortunadamente pela boca de saída no telhado e não teve safa. Ficou até dar com êle. Agora o mesmo. Abri a grelha e… caíram dois pardalitos. Dois! Deu-nos pena! Houvessem caído por ali estando nós por cá…

 

Praia do Barril, Algarve — (c) 2016

Praia do Barril, Algarve — (c) MMXVI

 

Escrito com Bic Laranja às 15:51
Verbete | comentar | comentários (2)
Terça-feira, 18 de Julho de 2023

Dia baço

Dia baço, Algarve — (c) 2022
Algarve, 12/VII/22.

Escrito com Bic Laranja às 16:18
Verbete | comentar
Segunda-feira, 17 de Julho de 2023

Dos bárbaros (concessão ao declínio e queda da Cristandade)

 Deram-se agora conta dêle? Ou fazem só que se deram conta porque do espaço Schengen piaram?

 Deu no noticiário da emissora 2. Mais de cem peliças criminais e das fronteiras postos agora em campo à cata dos milhares e milhares de transumantes que se espalharam por aí e lá na Europa com conivência e descaso nacional que já direi.

 Um salvo-conduto sem carimbo nem chancela, mas oficial e legal e sôbre tudo válido por decreto cá da republiqueta se impresso de qualquer computador que permitisse preencher o formulàriozeco de asilo ou imigração do S.E.F. Registado, não registado; submetido, não submetido nem submetendo; carregando no «enter» ou nem nada, mas essencialmente se impresso em papel. Qualquer folha. Nêste caso, sempre legal, só aqui no quintal como na quinta inteira, da Gùiana à Finlândia.

 Havia tempo já que era vê-los; de Glovo na marreca fingindo dar ao pedal nessas bicicletas a pilhas, como únicos povoadores das líricas ciclovias com que autarcas em cheiro de santidade ajardinaram a cidade — vê-los, aos refugiados, migrantes ou que lhes queiram chamar, porque à milícia fronteiriça só agora vejo. Nas notícias da rádio, não em perseguição ciclista…

 

Rua Pascoal de Melo, Lisboa — (c) MMXXIII

 Havia basto tempo, pois, que era vê-los ir à missa na lojeca ao lado da igreja vazia. Tanto que dizia enfaticamente o rapaz da oficina lá da rua ao vê-los virem ao depois da reza como uma multidão dispersante:

 — Ó chefe, pois é! Tôda a gente vê e ninguém faz nada!

 Diz, em fim, que alguém já faz que faz.

Escrito com Bic Laranja às 20:13
Verbete | comentar
Sábado, 15 de Julho de 2023

Leonardo-Pataca

 Era no tempo do rei.

 Uma das quatro esquinas que formão as ruas do Ouvidor e da Quitanda, cortando-se mutuamente, chamava-se nesse tempo — O canto dos meirinhos — ; e bem lhe assentava o nome, porque era ahi o logar de encontro favorito de todos os individuos dessa classe (que gozava então de não pequena consideração). Os meirinhos de hoje não são mais do que a sombra caricata dos meirinhos do tempo do rei; esses erão gente temivel e temida, respeitavel e respeitada; formavão um dos extremos da formidavel cadêa judiciaria que envolvia todo o Rio de Janeiro no tempo em que a demanda era entre nós um elemento de vida: o extremo opposto erão os desembargadores. Ora, os extremos se tocão, e estes, tocando-se, fechavão o circulo dentro do qual se passavão os terriveis combates das citações, provarás, razões principaes e finaes, e todos esses trejeitos judiciaes que se chamava o processo.

 Dahi sua influencia moral. 

 […]

 Mas voltemos á esquina. Quem passasse por ahi em qualquer dia util dessa abençoada epoca veria sentado em assentos baixos, então usados, de couro, e que se denominavão — cadeiras de campanha — um grupo mais ou menos numeroso dessa nobre gente conversando pacificamente em tudo sobre que era licito conversar: na vida dos fidalgos, nas noticias do Reino e nas astucias policiaes do Vidigal. Entre os termos que formavão essa equação meirinhal pregada na esquina havia uma quantidade constante, era o Leonardo-Pataca. Chamavão assim a uma rotunda e gordissima personagem de cabellos brancos e carão avermelhado, que era o decano da corporação, o mais antigo dos meirinhos que vivião nesse tempo. A velhice tinha-o tornado moleirão e pachorrento; com sua vagareza atrazava o negocio das partes; não o procuravão; e por isso jamais sahia da esquina; passava ali os dias sentado na sua cadeira, com as pernas estendidas e o queixo apoiado sobre uma grossa bengala, que depois dos cincoenta era a sua infallivel companhia. Do habito que tinha de queixar-se a todo o instante de que só pagassem por sua citação a modica quantia de 320 réis, lhe viera o appellido que juntavão ao seu nome.

Memorias de um Sargento de Milicias, por um Brasileiro [Manoel Antonio de Almeida], Tomo I, Rio de Janeiro, Typographia Brasiliense de Maximiano Gomes Ribeiro, 1854, pp. 5-8 passim.

*    *    *

Leonardo-Pataca. Belmonte, «Personagens célebres da Literatura»
Leonardo-Pataca.
Belmonte, «Personagens célebres da Literatura», in «Vamos ler!, n.º 310, Ano VII, Rio de Janeiro, 9/VII/1942, p.18.

Escrito com Bic Laranja às 00:28
Verbete | comentar
Sábado, 8 de Julho de 2023

Da (i) auga

 Na cozinha havemos um garrafão com água. Tem uma bomba para tirá-la e um copo a par. Como havemos sêde (quando temos; como, é maneira antiga de dizer), damos à bomba e a água verte para o copo e bebemos.

 Na cozinha da avó havíamos uma bilha de barro com uma tampa de madeira ou uma rodilha e um caneco de cima, não sei se de latão, zinco ou barro. Ou, calhando, um copo de vidro. Como havíamos sêde (quando tínhamos, &c., como já disse), tomávamos o cântaro pela iasa e vertíamos a encher o copo e assim buíamos. Era auga da fonte que as mulheres tiravam adestradas dando à manivela com um braço e mão na ianca, a encher a bilha de barro.

 No casal da Malhada Velha havia um poço raso atrás da casa, antes dumas casas velhas mais antigas e já arruinadas (minha mãe nascera nelas, assim dezia). Chamavam-lhe «a manilha». Tinha uma tampa de tábuas pregadas, cortadas em redondo à forma do poço e por sôbre, uma escudela de cortiça do tamanho de duas mãos em concha. Como alguém houvesse sêde, andando ali em trabalhos do campo ou menino da cidade só de fim de semana, tirava a tampa, mergulhava a escudela na iauga da manilha, sempre ao alcance dum braço e buía. Às vezes buía por repetidas vezes, conforme a sêde.

 Há tempos quando lá estive pelas partilhas mencionei o tal poço aos primos como velhinha e curta memória que retinha do casal. O primo Jaquim Luís recordou-ma — era a manilha.

  A água da bilha de barro da cozinha da avó Rosa como a da manilha do casal da Vila Nova era mais fresca cà do garrafão de plástico daqui.

Bomba de água da Rua da Amendoeira, Azinhaga — (c) Luísa Gonçalves, 2011

Escrito com Bic Laranja às 12:29
Verbete | comentar | comentários (2)
Quarta-feira, 5 de Julho de 2023

Esta vida de turista

 Nesta vida de turista, êste ano ligado à rede — ou apanhado na teia, que é mais correcto —, a dedilhar desabafos numa ardósia electrónica, perseguido de dentro dela e à saída pela agora chamada inteligência artificial. 
 Dois desabafos de nada com «Esta vida de turista!» em título saíram «Está (do verbo «estar») vida de turista!» Ainda agora, como escrevo êste parágrafo a explicá-lo, a raça desta inteligência artificial me emenda o primeiro título entre aspas para «está» (do verbo «estar»), que tenho de tornar a, de certo estùpidamente, eu, a emendar; e o segundo título em que aqui escrevo entre aspas «está» do verbo «estar» para mostrar o que me a inteligência artificial apronta a final em cada passo do que redijo, curiosamente, emenda-me ela, a inteligência artificial, ao contrário, mudando o «está» do verbo «estar» para «esta» que foi o que redigi, bem, à primeira e a dita inteligência artificial me pôs mal.

 Ontem liguei para o hospital a marcar uma consulta à tia Mariana e atendeu-me uma cassette «eu sou a Lúsi, a assistente digital» com uma grande «conversa», a começar por «for english press five». Nem a martelar sucessivamente zeros, noves (agora emenda-me isto aqui «noves» para «Novaes») e cincos consegui chegar à telefonista. Tive de render-me a dizer à tal Lúsi balbuciar como um autómato, pelo telefone, à torradeira do outro lado da linha, as palavras «falar assistente; falar assistente». Cheguei até a tapar o nariz para me a voz sair como a do fundo do penico em que falava aquele cientista entrèvadinho que era muito inteligente e também muito artificial. Pus-me em bicos de pés ao fazê-lo, calculo, mas nisto é preciso a gente elevar-se, puxar dos galões até, nem que seja pela vaidade de salvar a honra à inteligência de carne e osso de que somos feitos. 
 La (agora não me emenda o «la» para «lá», está [esta] m… áquina de escrever — que bela inteligência!)… 
 Lá me atendeu uma assistente de segunda, de carne e osso como eu, e lá me agendou a consulta da tia por meio dum diálogo natural e, coisa muito saudável segundo as melhores inteligências, biológico.

  Amanheceram algumas nuvens; correm de SO, de vagarinho. — Os algarvios vão de carro para a praia — diz-me a senhora.

  Tenho de pôr esta gaita de lado. Tornar à [arre!] sêr animalógico, como o gato.

 

Olhos de Água, Algarve – (c) 2022
Inteligência animal, Algarve — (c) MMXXII

Escrito com Bic Laranja às 09:53
Verbete | comentar
Terça-feira, 4 de Julho de 2023

Está vida de turista!

A pacatez do lugar

 As rôlas, o pinheiral (a nêsga que ali sobra), a estrada lá em baixo, um carro que passa…
 Pardais que chilreiam, humanos ali, aqui, em seus sortidos ruídos: um estore a abrir, chávenas pousando em píreses, vozes…
 — Queres café?
 O sarrabulho duma porta que range…
 — Quero.
 A rádio. O gato do vizinho que, volta e meia, se passa pelo muro à varanda do nosso lado. 
 A péga que cruza o ar aqui bem de ante. Um estorninho no alto do telhado vizinho…
 A senhora anda a cortar-me no açúcar do café, quere-me parecer.


(Ex-) Pinhal do concelho, Albufeira — (c) MMXXII
(Ex-) Pinhal do concelho, Várzeas de Quarteira — (c) MMXXII

 

Praia

 Nada de algas hoje. Foram-se. 
 Levantou-se vento esta tarde. Água fresca quando entramos e quente ao sair. Sensibilidades!…
  Sensibilidades.
 Além, uma moira enfarpelada da cabeça aos pés, bioco e tudo; uma vestimenta tôda preta.
 Uma algarvia da banda dalém mar com as bandas trocadas. Ou é esta banda do Garb al-Andaluz a perder já o norte?!… Nem a minha bisavó Marianna Emilia se alguma vez vestiu tanto para ir a banhos…

Illustração Portugueza, 2.ª série, n.º 345, 30 de Setembro de 1912.
Illustração Portugueza, 2.ª série, n.º 345, 30/IX/1912. 

Pinheiros

 Os pinheiros ao rés da praia têm medrado com os anos. Estão crescidos. Os da beira da falésia, lá no alto, estão sêcos, sem viço, queimados da forte brisa marítima.
 A brisa agora abrasa. São seis da tarde…. 

Praia da Falésia, Algarve — (c) MMXXI
Praia da Falésia, Algarve — (c) MMXXI

Escrito com Bic Laranja às 23:10
Verbete | comentar | comentários (4)
Segunda-feira, 3 de Julho de 2023

Está vida da turista!…

Herói na praia

J.K. Rowling, «Harry Potter and the Chamber of Secrets», 1st ed., London, Bloomsbury, 1998.Vimos agora ali o Harry Potter. Estava uma senhora de biquíni azul a lê-lo.

 

Mar dos sargaços

 Mais algas hoje, ao entrar; na zona de rebentação parece o mar dos sargaços; mas um nadinha lá, o caldo verde dissolve-se; não há senão uns limosinhos espersos.

 

Pesca

 O pescador de cabelo da cor das laranjas do Algarve de onte' está hoje outra vez; desta vez não galga os 15-20 metros de areal com três canas de pesca como fazia ontem, por isso não estendemos agora as toalhas entre a 2.ª e a 3.ª cana como fizemos ontem. Porém, coitado, vê-se da cor dos limos que se lhe enrolam nas linhas de pesca.

 

Praia da Falésia, Algarve — (c) MMXXI

Escrito com Bic Laranja às 20:15
Verbete | comentar
Domingo, 2 de Julho de 2023

Da catequese

 Para muitos a praia é uma religião… Aquelas duas maduras maduras de carnes secas e mamas ao léu que ali vão de mãozinha dada devem sêr as novas catequistas…

 

Praia da Falésia como era dantes, Algarve — (c) 2018
Praia da Falésia como era dantes, Algarve — (c) 2018

Escrito com Bic Laranja às 18:00
Verbete | comentar | comentários (2)

Dos «cromos para a troca»

 Em Verões passados escrevia eu, desinspirado, que todos os anos há, havia, caras que se repetiam na praia e, escritos que se repetiam no caderninho.
 E que em ano transacto dêsses Verões antigos tomara já eu nota dêle (outra repetição), tanto que lhe podia chamar, aos repetidos da praia, os
cromos para a troca...
 Nêsse antigamente também havia sósias, esporádicos, como o Camarão das ilhas (o britânico das ditas britânicas); o Sr. Phelps da «Missão Impossível»; a Jorge (re)tornada da «Costa dos Murmúrios»; ou os habituais como o Lincoln
 Os tempos mudaram, o mundo ensandeceu… Nos últimos anos só o Capitão Stubbing do «Barco do Amor» aparece. Costuma estar com sua senhora a lêr; ambos, em suas cadeirinhas de praia; ao depois levantam-se e vão para lá, no costumeiro passeio a pé que sempre fazem.
 Doutros cromos para a troca desta praia tem havido o Homem Montanha com a sua família e o Homem que Devorava Livros, que ainda cá nenhum dêles os não vi.

 

O homem que decorava livros ali, no chapéu amarelo, Praia da Falésia — (c) 2017.
O homem que decorava [devorava, ai, ai!] livros ali, no chapéu amarelo, Praia da Falésia — (c) 2017

Escrito com Bic Laranja às 17:45
Verbete | comentar

Algas

 Têm falado em algas nas praias algarvias. A senhora andava até, hum, meia apreensiva com elas, agora, nesta vilegiatura. Pois, pois há! Há umas alguinhas. Coisa de nada e sem novidade doutras tantas vezes que, sequer então, foram notícia. Nada de extraordinário ao fim e ao cabo.

 

Praia da Falésia, Algarve — (c) 2018
Praia da Falésia, Algarve — (c) 2018

Escrito com Bic Laranja às 17:40
Verbete | comentar

Do caro e do que não tem preço

Praia da Falésia, Algarve — (c) 2020
Praia da Falésia, Algarve — (c) 2020

 

 Há coisas que são estùpidamente caras. E há coisas que não têm preço. Poder chegar à praia sem ser de carro, a pé, é daquelas que não têm preço. Estar ao depois na água até a pele dos dedos engelhar é outra.

 Para as coisas estùpidamente caras é que eu não tenho dinheiro…

 

IMG_20210820_184948.jpg
Praia da Falésia, Algarve — (c) 2021

Escrito com Bic Laranja às 17:30
Verbete | comentar

Reciclando cantigas de tempos bem passados


Robert Palmer — Know By Now
(1994)

Escrito com Bic Laranja às 15:08
Verbete | comentar | comentários (2)

Julho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Kruzes Kanhoto
Lisboa
Lisboa Actual
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Olhar o Tejo
Paixão por Lisboa
Perspectivas(pub)
Planeta dos Macacos (O)
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.