Sábado, 4 de Novembro de 2023

Era no tempo do rei

 — Ah! Sr. capitão, disse ella por fim pondo as mãos nas cadeiras, chegando a boca muito perto do rosto delle e abanando raivosa a cabeça: olhe que isto assim não vai direito; faz-me andar a cabeça á roda... põe-me os miolos a ferver… e eu estouro... já viu!…
 — Mas o que há então, mulher?… Eu não lhe conheço…
 — Não quero cá saber de nada!… Já lhe disse que isto não vai bem… e eu estouro…
 — Mas porque?… o que é que tem… É preciso que você diga…
 — Não tenho nada que dizer… Estouro, já lhe disse, Sr. capitão!…
 — Pois estoure com trezentos diabos! mas ao menos diga pelo que é que estoura.
 — Não tenho nada que dizer… já lhe disse… isto põe a cabeça da gente como uma cebola podre, não tem logar nenhum… Ir-me por lá com ares de santarrão comprar frutas…
 — Quem, mulher de Deus? Você não se explicará?
 — Qual explicar, nem meio explicar! Pois então por ser cá a gente uma mulher velha, que já perdeu os achegos ao mundo, e ella uma pobre rapariga tôla e bisbilhoteira, com vontade de saber de tudo, vir-me cá a mim pregar o mono na bochecha, e a ella em logar ainda mais melindroso…
 — Mas quem é que pregou monos a você mais a ella? e quem é ella?…
 — Faz-se de novo! continuou a mulher exasperando-se; pois o Sr. capitão já não tinha consentido no casamento?...
 — Que casamento? com quem?…
 — Ai, ai, ai, que cá me anda a cabeça como uma nora solta... Pois o Sr. capitão não sabe que tem um filho?...
 — Sim, sei, respondeu este começando a descobrir o mysterio.
 — E não sabe que elle é um pedaço de um mariola!…
 A isto o capitão podia, porém não se animou a responder affirmativamente, e perguntou somente:
 — E que mais?…
 — E não sabe também que eu tenho uma filha que trouxe do Lumiar, a Mariazinha?
 — Como, se eu nem a conheço?…
 — Pois é uma rapariga muito capaz… e o diabo do tal cadete do seu filho andou por lá a entender com ella muito tempo: namoro para cá, namoro para lá, presentes daqui, promessas d'acolá… e afinal de contas… braz!… E então que lhe parece?
O capitão foi ás nuvens.
 — Até lhe prometteu casamento, dizendo que o Sr. capitão consentia… Ora eu bem sei que ella tambem teve sua culpa mas eu desculpo isso, porque também já fui rapariga… e sei que quando começa cá o diabo no corpo, adeus! Mas isto põe a gente tonta, porque… emfim a rapariga podia vir a fazer fortuna.
 O capitão tinha comprehendido tudo […]

Memorias de um Sargento de Milicias, por um Brasileiro [Manoel Antonio de Almeida], Tomo I, Rio de Janeiro, Typographia Brasiliense de Maximiano Gomes Ribeiro, 1854, pp. 60-62.



 Ora, se não é espantoso?!…
 Um diálogo assim da pena dum brasileiro?!… Uma rábula destas com sotaque?!!… Um naco de prosa destes, num clássico da literatura… brasileira?! — É como costumam designá-lo…
 Ná! Com certeza este diálogo da velha mãe da Maria da hortaliça com o capitão, pai dum cadete mariola que a desonrou (à Maria, não a velha), é zaragata alfacinha de mão na anca (ou nas cadeiras como se por ventura ainda dirá), se não mesmo castiça tirada duma revista no Parque Mayer; talvez cena de teatro radiofónico no Rádio Clube Português há umas décadas.
 É o que me parece.
 Isto é só um exemplo, porque o livrinho vai todo assim, por inteiro; se não na toada, pelo menos no estilo, pois a linguagem, a morfologia, a sintaxe, o contexto, as referências, o tempo, o espaço — Era o tempo do rei, a frase que abre o livro; o rei é D. João VI; ora no tempo de el-rei D. João VI o espaço era português —, pois bem, tudo ecoa Portugal!
 Mais.
 O malandrim herói do folhetim é um tal Leonardo, filho de Leonardo-Pataca, algibebe em Lisboa, bem apessoado maganão, e da tal Maria da hortaliça, saloia do Lumiar e quitandeira da praça, em Lisboa, rochonchuda e bonitota. Ambos se conhecem na passagem ao Brasil e, quando saltaram em terra começou a Maria a sentir certos enojos… A história parte daqui e gira no Rio de Janeiro em torno das diabruras do rebento.
 De maneira que, se bem assim a história se passa no Rio, se o autor é súbdito do imperador do Brasil, e o tempo da narração é o meado do séc. XIX, tudo não deixa de ser familiarmente português neste romance picaresco. Tão próximo, todavia tão distante que me deixa saudade; hoje Portugal acabou e o Brasil é qualquer coisa em que se não revê nem se tolera deixar rever Portugal. Não foi o caso com o A., Manoel Antonio de Almeida (1831-1861), cuja afinidade cultural — cujo o caldo de cultura em que viveu e laborou, não só a literária, se não distinguiu da cultura portuguesa. Assim seria o Brasil, dou eu em entender, ou pelo menos o Rio de Janeiro, em meado do séc. XIX; um Portugal de além-mar; daqui que hajamos um romance todo ele português, assenhoreado pelo Brasil por um acaso de jus soli.

Chegada da Família Real de Portugal : Rio de Janeiro, 7 de Março de 1808 / Geoff Hunt. Soc. Hist. Britânica de Portugal, 1999. Óleo sobre tela, 60,9 x 91,4 cm. Colecção particular.


 Pela deriva do Brasil faz-me urticária pegar em edições brasileiras modernas, com português estropiado ou, nem sei já, se traduzido até para o idioma a que teimam chamar português, por inércia, esbulho ou má fé, naquelas terras de Santa Cruz a que vulgarmente passámos a chamar Brasil…
 Comecei, portanto, pois, por tomar a edição da R.B.A./Público (Clássicos, n.º 12, 1994) com ortografia portuguesa de 1945 (que sigo neste escrito), e alternei ao depois a leitura com a 1.ª ed. (electrónica) que saquei à Biblioteca Nacional do Brasil. Nada como ler uma edição original do tempo do A., com a orthographia do próprio A., de antes de o mito da simplificação ortográfica degenerar em mania de acordos tortográficos para endireitar o que não estava torto.

 


Memorias de um sargento de Milicias, por um brasileiro é o título da 1.ª ed., em 2 tomos, do único romance de Manoel Antonio de Almeida, primeiramente publicado em folhetim no Correio Mercantil do Rio de Janeiro, de Junho de 1852 a Julho de 1853. A 1.ª ed. em livro é de 1854 (tomo I) e 1855 (tomo II), única publicada em vida do autor (Rio de Janeiro, Typographia Brasiliense de Maximiano Gomes Ribeiro).
O exemplar 113.927-AA 1951 da 1.ª ed. do Tomo II da B.N. do Rio de Janeiro, porém, tem intercalada a pp. 25 e 52 o f. dessas mesmas páginas, mas, do Tomo I. — Engano de encadernador? Trapalhice de digitalização?… — Vou mais pela primeira, mas ao certo não sei…

Ilustração: Chegada da Família Real Portuguesa ao Rio de Janeiro em 7 de Março de 1808. — Geoff Hunt., Soc. Hist. Britânica de Portugal, 1999. Óleo sobre tela, 60,9 x 91,4 cm. Colecção particular.

Escrito com Bic Laranja às 17:27
Verbete | comentar

Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
20
22
23
24
25
26
27
28
29

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Kruzes Kanhoto
Lisboa
Lisboa Actual
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Planeta dos Macacos (O)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____