Terça-feira, 28 de Novembro de 2023

Digno de memória

José Hermano Saraiva (anot. e com.), Ditos Portugueses Dignos de Memória; História íntima do século XVI, 3.ª ed., Mem Martins, Europa-América, 1997.

José Hermano Saraiva (anot. e com.), Ditos Portugueses Dignos de Memória; História íntima do século XVI, 3.ª ed., Mem Martins, Europa-América, 1997.

 


 

 O texto de chamada na contracapa desacerta com o teor dos «Ditos», descrevendo-os desprimorosamente como «mesquinharias», «invejas», dando-os estrondosamente como denúncia de «um país fendido pela intolerância e pela cupidez, onde se assiste ao naufragar das estruturas morais e ao esboroar das estruturas económicas». Um resumo delirante, errado, talvez indigente, de quem não leu ou não esteve para ler o livro e debitou um recado panfletário, viciado de juízos de valor típicos dum certo modo muito em voga hoje de, não só promover a História, como de olhar as coisas do passado em geral.
  Ridículo!
 O livro é um singelo rol de situações avulsas, comezinhas, quotidianas, algumas ligadas a factos de relevo histórico, outras só com o fundo que mostra Portugal há quinhentos anos, condimentadas com tiradas espirituosas ou galhofeiras dos intervenientes. Abarca ditos de gente de corte e não só, dos reinados de D. Afonso V, D. João II, D. Manuel I, D. João III e D. Sebastião. É desse colorido do dia-a-dia, raro de achar para tempo tão antigo, que lhe vem o interesse, porque, como o A. diz:

«[...] Uma cousa pequena ou uma palavra faz conhecer melhor os costumes das pessoas que as disseram que os infinitos inimigos mortos em batalhas e as cidades destruídas e reinos conquistados.»

 Desconhece-se o A., mas foi contemporâneo de Camões — há dois ditos na compilação que se lhe referem. Conjectura o prof. Hermano Saraiva que era cristão-novo, provàvelmente oficial subalterno da Fazenda no reinado de D. João III.

«[749] Luís de Camões, que em oitava rima compôs parte da história da Índia tão bem como se vê, estando na Índia quando D. Antão de Noronha era viso-rei, considerando que, por o viso-rei não fazer armadas grossas, faziam os Malabares muito dano aos Portugueses, tomando-os onde os achavam poucos a poucos por razão da pouca resistência que, sendo assim poucos, lhes podiam fazer nas armadas miúdas que o viso-rei fazia, disse-lhe: «Este nosso viso-rei perde-se pela saca», aludindo ao jogo da primeira, onde se quem não aventura, quando lhe parece tempo, a restos grossos perde pouco a pouco o dinheiro que tem pela saca.»

«[750] Convidando um fidalgo chamado Heitor da Silveira um dia a jantar certos amigos e, entre eles, a Luís de Camões, depois que comeram, lançaram-se quatro deles sobre dois catres que somente havia na casa. E um dos convidados, a quem chamavam Lourenço Vaz Pegado, sentou-se no canto de uma janela; e Heitor da Silveira, tomando a tábua da mesa e atravessando-a sobre duas cadeiras de espaldas e lançando-lhe um pano de grã por cima, rogou-lhe que se encostasse ali. E ele recusando-o, fez-lhe Luís de Camões de repente esta trova:

Para homen tão honrado
fazem-vos mui pouca festa;
mas se ere[i]s avisado
nunca em tábua como esta
tu, Lourenço, vás pegado.»

 


[749] Parte da história da Índia: referência a Os Lusíadas que talvez seja a mais antiga referência elogiosa feita ao Poema em documento não oficial. Do mesmo modo que no alvará de privilégio e na autorização da Inquisição, Os Lusíadas são considerados um livro de história redigido em verso. Perde-se pela saca: o jogo da primeira, muito corrente nesta época, era um jogo de cartas no qual os parceiros deveriam  tomar para si a parte ainda restante do baralho. Os jogadores audaciosos recolhiam-no quando as cartas que compunham essa parte eram muitas (restos grossos), correndo desse modo o risco de ficarem com cartas na mão quando o jogo terminava; mas, de outro modo, corriam o risco de ver as suas cartas «sacadas» a pouco e pouco pelo parceiro mais ousado. A isso se chamava «perder pela saca». Camões comparava, portanto, o viso-rei a um jogador tímido, que perde por medo de arriscar.

[750] Heitor da Silveira: filho de Francisco da Silveira, que foi coudel-mor no tempo de D. João III. Era ainda parente da família dos condes da Sortelha, mas em grau afastado (o avô de Heitor era irmão do avô do 1.º conde da Sortelha e do irmão deste, António da Silveira, o herói do primeiro cerco de Diu). Eres: é a 2.ª pessoa do singular do presente do indicativo do verbo ser em espanhol. No manuscrito da Academia figura éreis, 2.ª pessoa do plural do pretérito imperfeito do mesmo verbo em português. O tratamento «vós» indica que a forma do manuscrito da Academia é a correcta. Sobre o sentido do improviso camoniano e o possível trocadilho que ele contém ver o meu livro Vida Ignorada de Camões, p. 251 [p. 276 na 2.ª ed.]. [N. do E.]

Escrito com Bic Laranja às 23:16
Verbete | comentar | comentários (2)

Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
20
22
23
24
25
26
27
28
29

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Kruzes Kanhoto
Lisboa
Lisboa Actual
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Planeta dos Macacos (O)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____