Sexta-feira, 31 de Maio de 2024

No tempo da linha de África

Escala da linha de África em Kano com a tripulação à sombra da asa do Super Constellation CS-TLB «Infante Dom Henrique», Nigéria, 1960. Armando Silva Paes, in Airport-Data.com
Tripulação à sombra da asa do Super Constellation CS-TLB «Infante D. Henrique» da T.A.P. numa escala da linha de África, Kano, 1960.
Armando Silva Paes, in Airport-Data.com.

Escrito com Bic Laranja às 21:29
Verbete | comentar | comentários (2)

No tempo dos bagageiros (ou seriam já operadores de rampa?)

Op. de carga do B747 CS-TJA «Portugal» da T.A.P., Aeroporto da Portela (M. Ant.º, 1979]
Op. de carga do B747 CS-TJA «Portugal» da T.A.P., Portela, 1979.
Marco Ant.º, in Amigos da T.A.P. no Livro das Fuças.

Escrito com Bic Laranja às 07:14
Verbete | comentar | comentários (4)
Terça-feira, 28 de Maio de 2024

Quando ouço de Super Constellations

Super Constellation 5T-TAK, Portela de Sacavém, c. 1969. A. n/ id., in Museu da T.A.P.
Super Constellation 5T-TAK [ex-D-ALEC], Portela de Sacavém, c. 1969.
A. n/ id., in Museu da T.A.P.

 O L-1049G Super Constellation D-ALEC foi entregue à Lufthansa em Março de 1956. A versão de cabine veio a ser modificada para 86 lugares em 1963 para uso do avião em voos domésticos e turísticos.
 Em Março de 68 foi vendido à Hank Warton (North American Trading Co.), sendo-lhe atribuída uma matrícula fictícia 5T-TAK, da Mauritânia, com que foi usado na ponte aérea do Biafra. Para o mesmo fim, de Julho a Setembro desse ano de 68, deram-lhe a matrícula N8025, outra matrícula fictícia.
 Fez o seu último voo para Portugal, em Setembro de 68, ficando então abandonado no aeroporto da Portela até ao início de 1981, quando foi finalmente retalhado para a sucata.
 (A estas voltas não é estranho o envolvimento de Portugal, a partir de S. Tomé, na guerra do Biafra… — e noto também como era extensa a projecção da acção geopolítica de Portugal antes de 1974…)
 O Cte. Silva Pereira, aposentado da T.A.P. e fundador do seu museu, conseguiu aproveitar-lhe a secção de nariz e o trem de proa para o Museu da T.A.P. na ocasião do desmantelamento.
 Os instrumentos do «cockpit» em falta foram recuperados doutros Super Constellations abatidos à frota da Dominicana de Aviación para completar o restauro, que veio a ser exposto no Museu da T.A.P. desde aí (ou desde a inauguração do museu, em 85).


Fonte: Ralph Petersen,  «Connies» sobreviventes; 5T-TAK, c/n 4640.

Escrito com Bic Laranja às 15:51
Verbete | comentar | comentários (4)
Sábado, 25 de Maio de 2024

O marcelismo desta gente

M.ª Helena Prieto, «A porta de Marfim», Lisboa, Verbo, 1992; J. V. Serrão, «Correspondência com Marcello Caetano 1974-80», 2.ª ed., Bertrand, Venda Nova, 1995; Marcelo Caetano, «Páginas Inoportunas», Bertrand, Lisboa, [1958]


 Só vi o título. Os da «Sábado» — uma revistazeca brasileira que se publica em Portugal à sexta ou à quinta, nem sei… — descobriram esta semana a «Porta de Marfim». Mas não sei se leram. Resolveram, em todo caso, fazer a quadrilhice de que só são capazes: reles e, requentada, pois cuido já ter lido em tempos nesta espécie de imprensa intriga parecida sobre o mesmo.

 Não devem ter lido a «Porta de Marfim», como digo, porque, jornalistas quadrilheiras de nomeada que são, não escolheram para chamada de capa a quadrilhice mais natural e actual que lá vem (na «Porta de Marfim») e, já agora, de melhor nível, até porque aparece sòmente como subtil ironia a coroar outro assunto, que era o da missiva e principal no espírito do Prof. Marcello Caetano.

« É certo que, à parte as de 1969, não consegui fazer eleições que se impusessem pelos seus resultados, porque os adversários as boicotavam e nos deixavam sozinhos em campo. As oposições não eram ao Governo, mas à Constituição e ao regime, e todos os esforços que fiz para criar uma força política que dentro da órbita constitucional competisse com a A.N.P. (grupo de deputados liberais, SEDES, de que fui o único fundador...) tudo isso esbarrou com a incompreensão e espírito contestário dos meus próprios amigos. Agora têm o que merecem... Mas participam, partilham... Das anedotas que o Marcelinho R. de S. conta perfidamente na «Gente» [coluna social do Expresso]. Estão felizes.»

(Carta do prof. Marcello Caetano à prof.ª M.ª Helena Prieto em 9 de Maio de 1978, in A Porta de Marfim, Lisboa, Verbo, 1992, p. 108; o sublinhado em normando é meu.)

 Se por ventura até leram, não perceberam nada.

 De toda a maneira também eu não li o artiguelho das quadrilheiras da «Sábado», que mais não são que um sucedâneo da quadrilheira-mór de Cascais-Belém. Depois, só a imagem a compor o ramalhete diz logo tudo da intenção sórdida do que escrevem.

Sábado, 23/V/24
Sábado, 23/V/24

 

Escrito com Bic Laranja às 11:09
Verbete | comentar | comentários (9)
Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

Espanador e pano do chão

 Rua da Escola Agrícola acima, uns metros à vante de mim ia uma… Mulher, não. Senhora muito menos. Ia uma gaja, de preto: mini saia em godés, curtinha, comprida só o essencial; numa perna uma meia preta até acima do joelho; na outra nem nada. Perna grossa e aquele andar com os joelhos para dentro, a bater. Ia com um tipo, mas nele não reparei grande coisa…
 Já antes reparara que havia algumas moças de roupa lustrosa e luzida pela rua a passar.
 Ao depois que lhe isto contei, lembrou-me a minha senhora daquela amaricana, pois é!… Uma tal Taylor Swiffer.
 Por causa dela diz que até cortaram o trânsito. 

Taylor Swiffer; espanador mais pano do chão (Swiffer Portugal: Confissões de Limpeza da Maria e do João, in Youtube, 2021
Espanador mais pano do chão adaptado de Swiffer Portugal, Yutubo, 2021.

Escrito com Bic Laranja às 18:15
Verbete | comentar

Avenida das tendas…

 No tempo em que o Banco de Portugal acampou por lá…
 Cinquenta anos, pouco mais ou menos, e o trânsito faz-se tal qual: uma faixa para cima; uma faixa para baixo.
 Conquistas de Abril sempre?!…

Av. Almirante Reis ao B.º da Colónias, Lisboa, 197… A. n/ id., in Colecção da Fundação Portimagem.
Av. Almirante Reis ao B.º da Colónias, Lisboa, 197…
A. n/ id., in Colecção da Fundação Portimagem.

Escrito com Bic Laranja às 17:55
Verbete | comentar | comentários (2)
Domingo, 19 de Maio de 2024

O eléctrico do Poço do Bispo

«Eléctrico do Poço do Bispo», Terreiro do Paço, [1947-50]. A. n/ id., in Museu da Carris.
Eléctrico do Poço do Bispo, Terreiro do Paço, 1947-50.
A. n/ id., in Museu da Carris.

Escrito com Bic Laranja às 20:52
Verbete | comentar | comentários (8)

Apocalipse climático na raia do Minho e com esterco agarrado

Dantes havia umas cortinas de fitas…

«Clima e estrume…», in Público, 19/V/24
«Clima e estrume», in Público, 19/V/24.

Escrito com Bic Laranja às 17:08
Verbete | comentar | comentários (7)
Quinta-feira, 16 de Maio de 2024

Aeroporto de Santa Engrácia

A questão é simples, as estações aeroportuárias devem ser nomeadas como as ferroviárias: a estação do Rossio, o aeroporto da Portela de Sacavém...
José Pimentel Teixeira, «O aeroporto Luís de Camões», in Delito de Opinião, 15/V/24.

~~ // ~~

 O aeroporto de Alcochete foi anunciado. De Alcochete, mas vai chamar-se do Camões — ou de «Luís de Camões», pouco importa. O que importa é o anúncio, porque aeroporto não há. Por isso vai de compor o anúncio com o baptizo; um rodriguinho precioso para já, a ajudar ao gargarejo. A primeira pedra, ao depois quando for, dará corta-fitas oficial e protocolar lápida bem lavrada para a posteridade (se não for em vidro com moldura eurocaixilho e uns dizeres, que se venha a partir). O aeroporto ver-se-á no fim. Quando e se for.  

 Pois por agora é isto: gargarejos dum novo aeroporto de Lisboa (em lugar fora de Lisboa, tão definitivo quanto o provisório o permita) e sempre com pesporrência de perdigotos: de que o anúncio agora é o anunciado pelo Pedro Nuno dos Santos antes de ser desautorizado pelo chefe, por, justamente, anunciá-lo impante de vaidade, salvo na parte em que seria baptizado do Camões e; de que o anúncio agora é do mesmo que fôra anunciado em 1972 no consulado do Prof. Marcello Caetano, inclusive na parte em que o baptizo seria de sua graça pelo nome do Vate. Haverá muita mais léria, mas não cura dela agora a minha apressada pena. Digo só que das duas conversetas que surgiram e que arrolei aí atrás mais não curei de saber. Mas na história do anúncio de 72 e de vir já nesse tempo aventado o nome de Camões, pode bem ele ser: nesse ano de 72 comemoraram-se os 400 anos da edição d' «Os Lusíadas»…

 E, bem: 1972. Estamos em 2024. Anúncios, baptizos, parangonas, manchetes, poesia… Aeroporto? — Auguro pior que as obras de Santa Engrácia.
 Ora, pois, cá está! Se carecesse de nome além do do lugar que serve, havia de ser bem esse.

~~ // ~~

Carlos Calixto, «O aeroporto de Lisboa, primeira “gare” da Europa», in «Vida Mundial Ilustrada», n.º 95, 11/III/1943.
Carlos Calixto, «O aeroporto de Lisboa, primeira "gare" da Europa», in Vida Mundial Ilustrada, n.º 95, 11/III/1943.

Escrito com Bic Laranja às 15:33
Verbete | comentar | comentários (16)
Terça-feira, 14 de Maio de 2024

No tempo do Super Constellation

Assistentes de Bordo Ivone e Teresa Inácio a par dum Super Constellation da T.A.P., Aeroporto da Portela, c. 1957. A. n/ id., in Museu da T.A.P.
Assistentes Ivone e Teresa Inácio a par dum Super Constellation da T.A.P., Aeroporto da Portela, c. 1957.
A. n/ id., in Museu da T.A.P.

Escrito com Bic Laranja às 15:45
Verbete | comentar | comentários (6)
Domingo, 12 de Maio de 2024

Serenata de Coimbra


Edmundo Bettencourt — Saudades de Coimbra
(Gravação de 1930 no Teatro Taborda, Lisboa, ed. em disco de 78 r.p.m. em 1936, in RDZ — Radiodifusão Zonofone, 14/III/18.)

Escrito com Bic Laranja às 22:40
Verbete | comentar
Sábado, 11 de Maio de 2024

O Dia da Espiga!

 Foi na quinta-feira. É sempre. O que era e já não é, é a tradição antiga:

[…]  O Dia da Espiga!.... Quando eu andava na escola primária, só havia aulas de manhã. À tarde levávamos um farnel e íamos com a professora apanhar a espiga. A espiga era um raminho que levava: papoilas, um bocadinho de ramo de oliveira, espigas de trigo, malmequeres amarelos e malmequeres brancos. Depois fazíamos um raminho com um pedaço de cordel que ficaria pendurado em casa durante um ano. E assim se ía substituindo o ramo, ano após ano. Cada componente tinha um significado: papoilas — saúde, vida; espigas — pão, fartura; oliveira — paz, harmonia; malmequeres amarelos — dinheiro, ouro; malmequeres brancos — dinheiro, prata. Esta tradição é muito antiga. Segundo sei chegou a ser feriado. Depois, para acabar o dia em cheio, fazíamos um piquenique. Durante muitos anos apanhei a espiga, mas hoje já ninguém se lembra.

 Porém, o mote que deu introdução à memória destas coisas que já se ninguém lembra era a…

Adelina Fernandes a cantar uma canção de revista [Cabaz de Morangos], com uma voz bem timbrada e alegre. Lembro-me muito bem desta canção, cantada pela minha mãe.



Adelina Fernandes — O Dia da Espiga (da revista «Cabaz de Morangos»), 1926.
Gravação de 1926 no Teatro de S. Luiz, in RDZ — Radiodifusão Zonofone, 9/V/24.

 Da tradição antiga ficou dito nas citações acima. Da tradição moderna, é como vai agora…

 São as citações o comentário da Sr.ª D.ª Eduarda Gaspar à publicação do antifascizóide Sr. Vaquinhas, um oprimido da censura ainda agora, hoje, em cinquentenária libardade. — Há ironias do cara… ças!… — Mas, nâo remonta a revista Cabaz de Morangos a Setembro de 1926, o ano da Revolução Nacional (antes da seguinte…)?!… — Pois a culpa há-de ser de Salazar, do salazarismo, do fascismo ou, do que seja!…  E assim, lá vem o tal sr. Vaquinhas a dizer da cançoneta que teve como propósito principal a propagação dos ideais nazistas do Integralismo Lusitano, nos quais a Ditadura Militar e o Estado Novo iriam assentar as suas bases ideológicas.
 
Ideais nazis do Integralismo Lusitano?!… — Que raio de ideia!…
 Há um ano e tal, é curioso, dizia ele da mesmíssima cantiga sòmente, e já não era pouco (embora fosse mero papaguear…), que teve como propósito principal exaltar o lirismo rural e fazer as delícias da ditadura militar.
 
Ora que de exaltar o lirismo rural que fazia (dizem…) as delícias da Ditadura Nacional de 1926, à propaganda dos ideais nazistas &c. é um salto que nem lembraria ao diabo! — Mas, bem! Há doidos para tudo! Até no Dia da Espiga que é a quinta-feira da Ascenção bem ao modo português.

 Tornando à cantiga da espiga, a outra gravação é a que se segue:

 


Justina de Magalhães — Canção da Espiga (da revista «Cabaz de Morangos»), 1926.
Gravação de 1926 no Clube da Estefânia, in RDZ — Radiodifusão Zonofone, 9/VIII/22.

 Da tradição ao disparate, sobra a música, que é de Alves Coelho, e os versos, que são de Silva Tavares, simples canção de revista à portuguesa.

Oioai
Esta vida é uma cantiga
E este dia de alegria
Vale um ano de aflição

Oioai
Porque este Dia de Espiga
É o arauto do dia
Em que o trigo há-de dar pão

Jorra o vinho dos pichéis
Para os lábios das moçoilas,
Mais vermelhas que papoilas
Coas larachas dos Manéis

Há merendas pelos prados,
Gargalhadas pelo ar
E à beirinha dos valados,
Ouve a gente murmurar:

Maria, são teus olhos azeitonas!
Cachopa, são teus lábios qual cereja!
E os teus seios, cachos de uvas que abandonas
À vindima desta boca que os deseja!...

Tomam todos os caminhos
um sabor de romaria,
e até mesmo os pobrezinhos
fingem de ter alegria...

E, na volta, já sentindo
que foi tudo um sonho em vão,
inda há ecos, repetindo
pelo espaço esta canção:

Maria, são teus olhos azeitonas!
Cachopa, são teus lábios qual cereja!
E os teus seios, cachos de uvas que abandonas
À vindima desta boca que os deseja!...

Escrito com Bic Laranja às 19:53
Verbete | comentar | comentários (4)
Sexta-feira, 10 de Maio de 2024

Fotografia para rima óbvia

Encerro dos toiros, Vila Franca de Xira, 195…(A. n/ id — © Editions Lumière et Beauté, in Col. Fundação Portimagem)
Aguadeiras (Vindima no vale do Douro), Portugal, 195…
A. n/ id — © Editions Lumière et Beauté, in Colecção da Fundação Portimagem.

 


Deſcalça vai pera a fonte,
   Leonor pella verdura,

   Vay fermoſa, & naõ ſegura.

Leva na cabeça o pote,
   O teſto nas maõs de prata,
   Cinta de fina eſcarlata,
   Sainho de chamalote:
   Traz a vaſquinha de cote,
   Mais branca que a neve pura,
   Vai fermoſa, & naõ ſegura.
Deſcobre a touca a garganta,
   Cabellos de ouro entrançado
   Fita de cor de encarnado,
   Tão linda, que o mundo eſpanta:
   Chove nella graça tanta,
   Que dà graça à fermoſura,
   Vai fermoſa, & naõ ſegura.

Rimas de Luis de Camoẽs, Princepe dos Poetas Portugueses; Primeira, Segunda, e Terceira Parte. — Lisboa : na Officina de Antonio Craesbeeck de Mello, Impressor da Casa Real, 1666-1669, t. 3.º, f. 59 [i.é, 99].

Escrito com Bic Laranja às 11:17
Verbete | comentar | comentários (6)
Quinta-feira, 9 de Maio de 2024

Vila Franca e fandango


Encerro dos toiros, Vila Franca de Xira, 195…(A. n/ id — © Editions Lumière et Beauté, in Col. Fundação Portimagem)
Encerro dos toiros, Vila Franca de Xira, 195…
A. n/ id — © Editions Lumière et Beauté, in Colecção da Fundação Portimagem.

 



(Fandango do Ribatejo, Cafe Accordion Orchestra, 1996.)

Escrito com Bic Laranja às 19:35
Verbete | comentar
Quarta-feira, 8 de Maio de 2024

Fabricado em Portugal

 

Amália Rodrigues «Que Deus Me Perdoe», Acompanhamento por Guitarra e Orquestra dir. por Frederico Valério. Melodia (37.003), 1952 — EP 78 rpm

Se a minha alma fechada
Se pudesse mostrar,
E o que eu sofro calada
Se pudesse contar,
Toda a gente veria
Quanto sou desgraçada
Quanto finjo alegria
Quanto choro a cantar...

Que Deus me perdoe
Se é crime ou pecado
Mas eu sou assim
E fugindo ao fado,
Fugia de mim.

Cantando dou brado
E nada me dói
Se é pois um pecado
Ter amor ao fado
Que Deus me perdoe.

Quando canto não penso
No que a vida é de má,
Nem sequer me pertenço,
Nem o mal se me dá.

Chego a crer na verdade
E a sonhar — sonho imenso —
Que tudo é felicidade
E tristeza não há.

 

Escrito com Bic Laranja às 12:20
Verbete | comentar
Terça-feira, 7 de Maio de 2024

Cardoso's Barber

 O barbeiro do bairro morreu de repente… — Died suddenly, calha que se diga.
 E… Bem, pois!… Deu lugar a isto…

 

Bairro da Venda Nova, ex-Portugal — © MMXXIV
Bairro da Venda Nova, Portugal — © MMXXIV

Escrito com Bic Laranja às 23:18
Verbete | comentar | comentários (8)
Quarta-feira, 1 de Maio de 2024

Meti-me a encadernador

«Metido a encadernador», Lisboa — ©️2024

 

 Meti-me a encadernador.

 Do Adriano Moreira tinha aqui dois iguais da 4.ª ed. do Novíssimo Príncipe. São ambos da senhora. Um, comprou-o ela, estudou-o, sublinhou-o e, diz-me por graça, não sabe se percebeu alguma coisa. Eu ando a lê-lo (leio e arrumo) e digo mais: não há nada para entender além da vagueza e meias tintas do A. Um certo encher nos capítulos finais, à margem do vago vaguear no tema, que mai-lo mostra; quando não, ficava um opúsculo. A pp. 70-80, tenho ideia, saíram-lhe umas afirmações mais peremptórias a destoar. Curiosas páginas …

 Deste, pois, do Adriano Moreira, são dois exemplares iguais (mais ou menos): um como digo, comprou-o a senhora; o outro, dum lote de sobras do editor que o catedrático Moreira autografou e generosamente ofereceu aos alunos, entre eles a senhora.

 O caso tem graça. A senhora guardou-o como objecto de culto, por autografado, sem muito o abrir, até porque o já lera, bem entendido. Sucedeu que ao arejá-lo — eu, ao exemplar autografado — vi que a páginas tantas o impressor falhou: havia páginas em branco ou meias impressas. Exactamente as páginas que referi atrás. O autógrafo, portanto, encarecia um livro com defeitos grosseiros de impressão. Falha do impressor ao dá-los ao A.? Descaso do A. ao oferecê-los, se acaso sabia?…

 Foi por isto que me meti a encadernador; como havíamos dois livros, desmanchei-os, troquei os cadernos mal impressos no volume autografado e cosi-os de novo. Correu bem. Ficou-nos assim um exemplar autografado e sem falhas tipográficas, e outro com umas folhas extra impressas com o texto que faltava. Ambos catitas, encadernadinhos com as respectivas de capas brochura.

 

IMG_1114.jpeg

 

 Com o feito ganhei entusiasmo; pus-me a ver dalgum outro livro que tivesse cá e estivesse a precisar de arranjo. Deparei-me com o catálogo da exposição colonial do Porto de 1934, muito desconjuntado.

 Foi-me oferecido. Quem mo ofereceu obteve-o com certo espólio menosprezado pelos os herdeiros do dono, que o não quiseram; o primeiro dono prezou-o; não se desfez dele em vida.

 A Hemeroteca diz que é raridade bibliográfica. Possui um exemplar digitalizado, disponível em linha.

 Pelo registo bibliográfico (cota DR5012203, consultado em, 28/III/24 às 18h30), tem-no emprestado pelo prazo de 30 dias, com data de devolução de… 20/VI/2024? — Estranho! — São mais de 80 dias até lá (contados à data da consulta). Chego a pensar se é mau trabalho atávico, incúria mais ou menos dolosa ou alguma conspiração segundo as teorias antifascistas em voga. (*)

 Acha-se o dito catálogo em alfarrabistas. Entre eles e leiloeiras aparece ao preço de 9 a 60 contos de réis. Sessenta contos parece-me exagero, mas no caso é exemplar encadernado. Uma meia inglesa com a pele todavia a descascar-se…

 Do meu catálogo, envelhecido, a desconjuntar-se, com o papel muito ressequido, ao desmanchá-lo as dobras dos cadernos esfarelavam-se. Para o salvar tive de reforçar muitas das folhas, especialmente as exteriores dos cadernos. Cosido, reforçadas as dobras dos cadernos, encadernado de novo, talvez se conserve ainda uns aninhos.

 

IMG_1115.jpeg

 

 Entreguei-os agora à douradora para gravação da lombada.

 


(*) À data da publicação deste texto já o catálogo se acha devolvido à hemeroteca. 

Escrito com Bic Laranja às 13:47
Verbete | comentar

Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Kruzes Kanhoto
Lisboa
Lisboa Actual
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Olhar o Tejo
Paixão por Lisboa
Perspectivas(pub)
Planeta dos Macacos (O)
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.