Sexta-feira, 21 de Março de 2008

21 de Março

 Há duas ou três semanas que dei notícia das andorinhas aí pelas lezírias. Uma destas manhãs vinham umas voando baixo; passaram um poucochinho sobre a minha cabeça. Foi numa rua na Venda Nova. Ontem lá estavam, muitas, esvoaçando pelo prado da quinta que o presidente da Comissão vendeu a um amigo. E hoje julgo que chegou a porta-estandarte que traz a Primavera.

 A imagem não tem andorinhas; é dum Inverno com Lisboa ensolarada e o Monsanto coberto de neve. Mais um Inverno que ficou para trás.

O Monsanto desde a Palhavã, Lisboa (F.Cunha, 1945)
Monsanto coberto de neve visto da igreja alemã, em Palhavã, Lisboa. 1945.
Ferreira da Cunha in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 


Notas: na serra do Monsanto vedes no cume o forte e na meia encosta as casinhas do aqueduto; num cabeço intermédio o Moinho das Cruzes que ainda existe, embora abafado na mata. As casas mais distantes bordejavam o último troço da Rua de Campolide que já aqui falei; adiante delas - no lado de lá da estrada onde se vê o arvoredo - era o Casal do Sola. As casas mais cá - as três que se vê mais do que o telhado - na direcção do moinho das cruzes ficam na Rua Basílio Teles; é possivel que alguma delas (ou a mais à esquerda) tenha chegado a esta Primavera, perdida no meio dos mamarrachos que povoam a zona.

Escrito com Bic Laranja às 12:41
Verbete | comentar
25 comentários:
De T a 21 de Março de 2008
Aquele é o moinho da Quinta do Calhau?
De Bic Laranja a 24 de Março de 2008
Julgo que sim. Nos mapas que consultei chama-se Moinho das Cruzes. Cumpts.
De Attenti al Gatti a 22 de Março de 2008
No Casal Novo, na Azinhaga da Picheleira, quando caíu este nevão, alguns moradores que conseguiram saír pela janela, andaram a despejar cafeteiras de água quente nas soleiras das portas para as poderem abrir (memórias da minha avó materna).
Tenho a impressão que também neste ano houve um ciclone que causou bastantes estragos. Lembro-me dos mais velhos falarem "no ano do ciclone" para situarem teporalmente determinado acontecimemto. Já sería por causa do aquecimento global? Pelo menos a ida dos homens à Lua estava inocente. Cumprts.
De Luciana a 22 de Março de 2008
Para o meu pai, que era pequeno na altura, 1945 foi sempre "o ano do Nevão", como o de 69 foi "o ano do tremor de terra". A minha mãe, da mesma idade, lembra-se de ter ido brincar com a neve para Palhavã. Há até uma foto no Arquivo do mesmo local nessa altura... Só lá falta a minha mãe! :-)

Abraço
Luciana
De Bic Laranja a 23 de Março de 2008
A ida à Lua tornou-se culpada e foi destronada pelo aquecimento global. Tem sabido se a gripe das aves está melhorzinha?!...
Grato por mais uma memória do Casal Novo (da sua avó, digo).
Cumpts.
De Attenti al Gatti a 26 de Março de 2008
Suponho que a gripe das aves é especialmente preocupante para as águias da Luz, com a agravante de não se vislumbrar que uma mutação da mesma possa vir a infectar os leões de Alvalade.
Gostava de lhe dar boas notícias, mas o prognóstico permanece reservado. Cumps.
De Bic Laranja a 26 de Março de 2008
Agora há uma gripe dos pintos. Um dos sintomas é rogar pragas...
Cumpts.
De Luciana a 22 de Março de 2008
Mais uma vez nos brinda com uma fantástica descoberta... Esta foto é maravilhosa!
Desta zona da cidade existem poucas fotos anteriores ao final dos anos 50, início de 60, altura em que se iniciou um verdadeiro massacre arquitectónico. Esta é actualmente – a par das chamadas Avenidas Novas - uma das zonas mais descaracterizadas e até bizarras na sua “organização” (veja-se o exemplo do prédio “entalado” de que já falei no meu blogue). Valem-lhe algumas ruas ainda vivas de histórias… das quais guardo muitas vivências e recordações. Ando a tentar reconhecê-las aqui na “sua” foto. Ainda estou um pouco baralhada…
Parece-me reconhecer a casa em segundo plano à nossa direita… O moinho conheço-o bem. Já lá estive várias vezes. A envolvente – no Monsanto - até está agora bem cuidada.
Se descobrir mais coisas avise aqui os seus ávidos leitores! :-)

Abraço
Luciana
De Attenti al Gatti a 22 de Março de 2008
Com o devido respeito, tomo a liberdade de complememtar as suas recordações com as minhas. Aí por 1967, acompanhei várias vezes um familiar ao IPO.
O "eléctrico", "a nove" pela Rua Nicolau Betencourt abaixo, abanava-se como um cão molhado. Era um gozo aquela recta. Entrava-se na Pr. de Espanha, e da entrada do "metro" apenas se via o "M" por cima do alto matagal, com um carreiro que conduzia às escadas. À esquerda, o palácio da Embaixada de Espanha, destacava-se. À direita, os "chalets da R. Mário Castelhano e suas imediações. Era o campo. Mais ou menos ao topo da Pr. de Espanha, viravamos para a esquerda, emdirecção à R. Professor Lima Bastos. Logo a seguir à curva, do lado contrário, num plano mais alto, surgia um poço grande sombreado por uma figueira ramalhuda, cujas folhas quase roçavam o "trolley" do "eléctrico". E chegava-mos ao nosso destino, o Hospital de Palhavã, como era conhecído na altura, de fronte de moradias burguesas, com seus jardis e gradeamentos, onde as "criadas de servir", algumas
fardadas segundo o figurino clássico, faziam compras aos vendedores ambulantes. Mesmo naquela época, era um mundo à parte.
Saudações revivalistas.
De Bic Laranja a 24 de Março de 2008
Obrigado! Se conseguir a Luciana identificar alguma dessas casas com a que mostrou no seu blogo fico contente.
Massacre arquitectónico é um termo mui adequado para os trastes da José Malhoa. Um mimo de avenida bem planeada; até o nome foi uma sobreposição ao natural prolongamento da Ramalho Ortigão.
Cumpts.
De Luciana a 1 de Abril de 2008
Após comparação das fotografias que em tempos tirei às moradias junto à Av. Columbano e à José Malhoa e a fotografia que o Sr. Bic descobriu no Arquivo da Câmara, posso afirmar com segurança que a casa “entalada” junto à José Malhoa é a mesma que surge na “sua” foto em primeiro plano à esquerda. Reconheci-a pelas traseiras – que também fotografei - e pelo formato da chaminé. A casa que surge em frente é uma das poucas “sobreviventes” da Rua Basílio Teles, o número 33.
Esta constatação vem finalmente satisfazer a minha curiosidade quanto ao aspecto original da área que ladeia a casa “entalada” e que actualmente muito me revolta (e o que sentirá quem lá vive?).
Das casas em primeiro plano restam actualmente apenas três, todas em muito mau estado.
Fosse eu milionária e comprava-as todas para restaurar e para servirem de exemplo…

Para ajudar à comparação, publicarei no meu blogue - assim que puder - algumas das fotos que tenho dos dois prédios na actualidade. É para ver e revoltar…

Abraço
Luciana
De Bic Laranja a 2 de Abril de 2008
Obrigado Dª Luciana! Tinha espreança que pudéssems ainda reencontrar alguma destas. Mas temo que tenha os dias contados.
Cumpts.
De Luciana a 3 de Abril de 2008
As fotos das mesmas casas hoje em dia já estão no meu blogue. É só comparar! :-(
De O Réprobo a 22 de Março de 2008
Caso para dizer que estas Neves de Antanho não fizeram o clima embora possam ter permitido que "pintasse" um.
Apesar de um ser branco e a outra predominantemente negra, um nevão não faz uma regra, como uma andorinha não faz a Primavera, coisa reafirmada pela instabilidade atmosférica destes dias. A foto é lindíssima.
Abraço, Caro Bic
De Bic Laranja a 23 de Março de 2008
A fotografia surpreendeu-me tanto (nem parece de Lisboa) que não resisti a forçar o texto e saudar as andorinhas com ela. Mas o frio do nevão entrou pela janela. Veja o frio que esteve hoje.
Cumpts.
De Luísa a 23 de Março de 2008
Muito interessante a fotografia e muito interessantes as lembranças de todos. E é bom saber da chegada das andorinhas. Se não fazem a Primavera, anunciam-na para muito breve. Uma Páscoa feliz!
De Bic Laranja a 23 de Março de 2008
Obrigado! Boa Primavera para si, estimada Luísa.
Cumpts.
De Paula a 24 de Março de 2008
Lindo! Parece mais uma imagem saída dum postal, de algum país nórdico!
Bjs!
De Bic Laranja a 24 de Março de 2008
Ou da Suíça. Cumpts.
De Jose Quintela Soares a 24 de Março de 2008
Fotografia espectacular.
De Bic Laranja a 24 de Março de 2008
Verdade. Lisboa já não se presta a isto. Cumpts.
De tma a 25 de Março de 2008
Gostava de imaginar Lisboa assim, mas nem mesmo com esta fabulosa fotografia a ajudar consigo...
A Av. José Malhoa é mais uma prova (mal) acabada de que em Portugal (e em particular em Lisboa), o termo "planeamento urbanístico" é apenas verbo de encher.
De Bic Laranja a 26 de Março de 2008
É expressão coloquial. Mera formalidade discursiva. Cumpts.
De Ricardo a 20 de Fevereiro de 2013
A casa à esquerda ainda existe!! sei quem é o dono!!
De Bic Laranja a 28 de Fevereiro de 2013
Cumpts. :)

Comentar

Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____