25 comentários:
De T a 21 de Março de 2008
Aquele é o moinho da Quinta do Calhau?
De Bic Laranja a 24 de Março de 2008
Julgo que sim. Nos mapas que consultei chama-se Moinho das Cruzes. Cumpts.
De Attenti al Gatti a 22 de Março de 2008
No Casal Novo, na Azinhaga da Picheleira, quando caíu este nevão, alguns moradores que conseguiram saír pela janela, andaram a despejar cafeteiras de água quente nas soleiras das portas para as poderem abrir (memórias da minha avó materna).
Tenho a impressão que também neste ano houve um ciclone que causou bastantes estragos. Lembro-me dos mais velhos falarem "no ano do ciclone" para situarem teporalmente determinado acontecimemto. Já sería por causa do aquecimento global? Pelo menos a ida dos homens à Lua estava inocente. Cumprts.
De Luciana a 22 de Março de 2008
Para o meu pai, que era pequeno na altura, 1945 foi sempre "o ano do Nevão", como o de 69 foi "o ano do tremor de terra". A minha mãe, da mesma idade, lembra-se de ter ido brincar com a neve para Palhavã. Há até uma foto no Arquivo do mesmo local nessa altura... Só lá falta a minha mãe! :-)

Abraço
Luciana
De Bic Laranja a 23 de Março de 2008
A ida à Lua tornou-se culpada e foi destronada pelo aquecimento global. Tem sabido se a gripe das aves está melhorzinha?!...
Grato por mais uma memória do Casal Novo (da sua avó, digo).
Cumpts.
De Attenti al Gatti a 26 de Março de 2008
Suponho que a gripe das aves é especialmente preocupante para as águias da Luz, com a agravante de não se vislumbrar que uma mutação da mesma possa vir a infectar os leões de Alvalade.
Gostava de lhe dar boas notícias, mas o prognóstico permanece reservado. Cumps.
De Bic Laranja a 26 de Março de 2008
Agora há uma gripe dos pintos. Um dos sintomas é rogar pragas...
Cumpts.
De Luciana a 22 de Março de 2008
Mais uma vez nos brinda com uma fantástica descoberta... Esta foto é maravilhosa!
Desta zona da cidade existem poucas fotos anteriores ao final dos anos 50, início de 60, altura em que se iniciou um verdadeiro massacre arquitectónico. Esta é actualmente – a par das chamadas Avenidas Novas - uma das zonas mais descaracterizadas e até bizarras na sua “organização” (veja-se o exemplo do prédio “entalado” de que já falei no meu blogue). Valem-lhe algumas ruas ainda vivas de histórias… das quais guardo muitas vivências e recordações. Ando a tentar reconhecê-las aqui na “sua” foto. Ainda estou um pouco baralhada…
Parece-me reconhecer a casa em segundo plano à nossa direita… O moinho conheço-o bem. Já lá estive várias vezes. A envolvente – no Monsanto - até está agora bem cuidada.
Se descobrir mais coisas avise aqui os seus ávidos leitores! :-)

Abraço
Luciana
De Attenti al Gatti a 22 de Março de 2008
Com o devido respeito, tomo a liberdade de complememtar as suas recordações com as minhas. Aí por 1967, acompanhei várias vezes um familiar ao IPO.
O "eléctrico", "a nove" pela Rua Nicolau Betencourt abaixo, abanava-se como um cão molhado. Era um gozo aquela recta. Entrava-se na Pr. de Espanha, e da entrada do "metro" apenas se via o "M" por cima do alto matagal, com um carreiro que conduzia às escadas. À esquerda, o palácio da Embaixada de Espanha, destacava-se. À direita, os "chalets da R. Mário Castelhano e suas imediações. Era o campo. Mais ou menos ao topo da Pr. de Espanha, viravamos para a esquerda, emdirecção à R. Professor Lima Bastos. Logo a seguir à curva, do lado contrário, num plano mais alto, surgia um poço grande sombreado por uma figueira ramalhuda, cujas folhas quase roçavam o "trolley" do "eléctrico". E chegava-mos ao nosso destino, o Hospital de Palhavã, como era conhecído na altura, de fronte de moradias burguesas, com seus jardis e gradeamentos, onde as "criadas de servir", algumas
fardadas segundo o figurino clássico, faziam compras aos vendedores ambulantes. Mesmo naquela época, era um mundo à parte.
Saudações revivalistas.
De Bic Laranja a 24 de Março de 2008
Obrigado! Se conseguir a Luciana identificar alguma dessas casas com a que mostrou no seu blogo fico contente.
Massacre arquitectónico é um termo mui adequado para os trastes da José Malhoa. Um mimo de avenida bem planeada; até o nome foi uma sobreposição ao natural prolongamento da Ramalho Ortigão.
Cumpts.
De Luciana a 1 de Abril de 2008
Após comparação das fotografias que em tempos tirei às moradias junto à Av. Columbano e à José Malhoa e a fotografia que o Sr. Bic descobriu no Arquivo da Câmara, posso afirmar com segurança que a casa “entalada” junto à José Malhoa é a mesma que surge na “sua” foto em primeiro plano à esquerda. Reconheci-a pelas traseiras – que também fotografei - e pelo formato da chaminé. A casa que surge em frente é uma das poucas “sobreviventes” da Rua Basílio Teles, o número 33.
Esta constatação vem finalmente satisfazer a minha curiosidade quanto ao aspecto original da área que ladeia a casa “entalada” e que actualmente muito me revolta (e o que sentirá quem lá vive?).
Das casas em primeiro plano restam actualmente apenas três, todas em muito mau estado.
Fosse eu milionária e comprava-as todas para restaurar e para servirem de exemplo…

Para ajudar à comparação, publicarei no meu blogue - assim que puder - algumas das fotos que tenho dos dois prédios na actualidade. É para ver e revoltar…

Abraço
Luciana
De Bic Laranja a 2 de Abril de 2008
Obrigado Dª Luciana! Tinha espreança que pudéssems ainda reencontrar alguma destas. Mas temo que tenha os dias contados.
Cumpts.
De Luciana a 3 de Abril de 2008
As fotos das mesmas casas hoje em dia já estão no meu blogue. É só comparar! :-(
De O Réprobo a 22 de Março de 2008
Caso para dizer que estas Neves de Antanho não fizeram o clima embora possam ter permitido que "pintasse" um.
Apesar de um ser branco e a outra predominantemente negra, um nevão não faz uma regra, como uma andorinha não faz a Primavera, coisa reafirmada pela instabilidade atmosférica destes dias. A foto é lindíssima.
Abraço, Caro Bic
De Bic Laranja a 23 de Março de 2008
A fotografia surpreendeu-me tanto (nem parece de Lisboa) que não resisti a forçar o texto e saudar as andorinhas com ela. Mas o frio do nevão entrou pela janela. Veja o frio que esteve hoje.
Cumpts.
De Luísa a 23 de Março de 2008
Muito interessante a fotografia e muito interessantes as lembranças de todos. E é bom saber da chegada das andorinhas. Se não fazem a Primavera, anunciam-na para muito breve. Uma Páscoa feliz!
De Bic Laranja a 23 de Março de 2008
Obrigado! Boa Primavera para si, estimada Luísa.
Cumpts.
De Paula a 24 de Março de 2008
Lindo! Parece mais uma imagem saída dum postal, de algum país nórdico!
Bjs!
De Bic Laranja a 24 de Março de 2008
Ou da Suíça. Cumpts.
De Jose Quintela Soares a 24 de Março de 2008
Fotografia espectacular.
De Bic Laranja a 24 de Março de 2008
Verdade. Lisboa já não se presta a isto. Cumpts.
De tma a 25 de Março de 2008
Gostava de imaginar Lisboa assim, mas nem mesmo com esta fabulosa fotografia a ajudar consigo...
A Av. José Malhoa é mais uma prova (mal) acabada de que em Portugal (e em particular em Lisboa), o termo "planeamento urbanístico" é apenas verbo de encher.
De Bic Laranja a 26 de Março de 2008
É expressão coloquial. Mera formalidade discursiva. Cumpts.
De Ricardo a 20 de Fevereiro de 2013
A casa à esquerda ainda existe!! sei quem é o dono!!
De Bic Laranja a 28 de Fevereiro de 2013
Cumpts. :)

Comentar