Quinta-feira, 27 de Março de 2008

O professor Maurício

 Esta foi quando tinha eu 10 anos; andava no 1.º ano. A escola eram uns pavilhões de lusalite alinhados num perímetro murado e pelo meio deles tudo era recreio. Certa vez não houve uma aula; não me recorda se foi Ciências, se foi Trabalhos Manuais -- bem vedes, isto foi no tempo em que as disciplinas da escola ainda não tinham nomes compostos pomposos e imbecis.
 Tornando ao que dizia.
 Para aproveitar o furo demos uns poucos em jogar à apanhada, com muita gritaria. Só que no meio do jogo irrompeu o professor Maurício e logo ali filou o Assis por um braço. O professor Maurício estava a dar Educação Visual (afinal já havia disciplinas com nomes chochos). Ele era terrível, com muito mau génio. Atirou um berro ao Assis: -- EU NÂO QUERO AQUI BARULHO, OUVISTE?! -- e com um safanão que lhe deu lá o deixou escapar-se.
 Ora eu não achei que aquilo fossem modos e logo que o professor Maurício tornou à sala e fechou a porta, feito finório, eu, pus-me a gritar pelo Assis:
 -- Ó ASSIS! Ó ASSIS! NÂO M' APANHAS, NÃO M' APANHAS...
 Pois o professor Maurício, além de mau, nunca iria ficar-se com uma afronta dum fedelho. Saiu cá fora outra vez e com ar carrancudo veio direito a mim. Eu fiz-me valente e não fugi; fiquei ali com ele a ralhar: -- EU NÂO DISSE QUE NÂO QUERIA AQUI MAIS BARULHO? -- E antes que eu pudesse pensar no que fosse pregou-me uma tal bofetada que só já me não dói porque, ao final de contas, com isso me atalhou logo ali de trabalhos maiores com sr. Procurador e com Ministério Público.


Imagem em...

 Para a miúda zaragateira que tanto interesse suscitou à nação bem-falante aqui fica uma musiquinha para pôr no telemóvel.

Escrito com Bic Laranja às 20:59
Verbete | comentar
10 comentários:
De Atentti al Gatti a 28 de Março de 2008
Pois a minha escola (das várias onde estudei), não tinha pavilhões de Lusalite mas tinha nome: chamava-se Escola Industrial Afonso Domingues. E ainda chama,talvez porque ainda ninguém se lembrou de lhe trocar a inscrição da fachada. Se calhar por se encontrar perdida nos recôndidos de Marvila, paredes meias com os cacos das Fábricas do Sabão e do Tijolo. Quando eu lá andei tinha melhor companhia: apenas a linha do comboio a separava do "chic" Bairro Chinês que, dizía-se, era o maior bairro de barracas da Europa. Talvez não. Talvez fossem só veleidades de gente fina, não sei. A generalidade dos alunos provinha da aristocrática e extensa zona compreendida entre a Apelação e a Picheleira. Felizmente que todas as famílias tinham carro. Era tal a fama do ensino desta escola que lhe chamavam a Universidade Afonsina e até os burros do Manel Maricas lhe frequentavam os prados circundantes. Estar na Quinta das Veigas a confrontar com o "Chátalaná" era, para além do prestígio inerente, garantia de ares saudáveis, apesar de muito atreitos a saraivada de pedra grossa. Escola muito informal, os nomes dos profs não eram precedidos pelo grau acadamémico, excepção feita ao seu ilustre director, o Dr. Pedro Machado a quem, em homenagem à sua elevada craveira de homem de letras e muito querido mestre, o regime da outra senhora nunca o deixou passar de director interino. Assim, O Corpo Docente era composto, entre outros, pelo Velho Mota (e o seu ante-diluviano Fiat), O Celso Peneda, O Santos Barreira, o B. B., o Matias Filipe, O Conde Esperto (não, não era alcunha) etc. Entre os alunos, pontificavam nomes sonantes como o Esparguete, o Farinheira, o Passarinho, o Peidínho na Testa e outros mais. Estabelecimento de élite, apenas admitia rapazes, para evitar a promiscuidade da mistura de sexos (uma inovação para a época) e usava métodos pedagógicos de vanguarda, tais como os carôlos do Almeida e Brito, ponteiradas de diversas paternidades e, até, eficientes pontapés dados a preceito pelo Xico Moralista que, para o efeito, usava sólidas botas mexicanas, administrados por via da regra após revista às pastas e consequente confisco de todas e quaisquer histórias em quadradinhos (modernamente diz-se banda desenhada), a título de serem imorais e perniciosas para o bom e saudável desenvolvimento dos jovens alunos.
Como actividades extra-curriculares, tínhamos as viagens à "Doca" de Xabregas, com o intuito de cravar tabaco aos marujos estrangeiros, que entremeava-mos com umas idas às gajas da Verney ou, em alernativa, umas fitas no Pátria, se ainda houvesse verba.
Não obstante a qualidade didacto-pedagógica e os altos valores do ensino ministrado, verificava-se que as criancinhas, aí pelos seus 17 anos, no final do curso, se apresentavam muito traumatizadinhas, apesar de não contarem os traumas crâneo-encefálicos, tratados devidamente nos Bombeiros do Beato.
Alguns encarregados de educação, no intuito de evitarem tão nefastas consequências, colocavam os seus educandos a bulir no duro, após o primeiro chumbo. Mas eram apenas medidas parcelares, desgarradas do conjunto, pelo que o Estado Democrático decidiu e muito bem, pela mão dos eminentes pedagogos que têm ocupado a pasta do Ministério da Educação, extinguir tal ensino, criando em seu lugar aquele que todos conhecem e que tão exelentes resultados tem dado.
De Bic Laranja a 28 de Março de 2008
Pois! Para acabar com os males que descreve os patronos do eduquês fizeram na bonita...
Obrigado pela viva memória (mais uma)!
Cumpts.
De cabo carvoeiro a 28 de Março de 2008
Era 8 ou 80, nem tanto ao mar nem tanto a terra, naquele tempo muitas vezes era um exagero, também sofri da violência dos professores, mas em Peniche ela era bastante física pelo menos no primário as professoras eram esposas de policias da PIDE e funcionários no forte prisão de Peniche, repito nem tanto ao mar nem tanto a terra mas sofremos bastante, e tínhamos medo de ir para a escola.
Cumprimentos
De Bic Laranja a 28 de Março de 2008
Concordo. Mas já baixámos do 8. Cumpts.
De O Réprobo a 29 de Março de 2008
Se o professor Maurício tem calhado àquela aluna telefonadeira, o desgraçado que lhe ligou também não escapava.
Agora ninguém me tira da cabeça que a professora estava a querer ser Maurícia. Não era de Geografia, certamente, ou saberia que esse é o nome de uma ilha.
Abraço
De Bic Laranja a 29 de Março de 2008
O caso não passa duma ilha com a importância dum tabefe num oceano social de teorias dialogantes e disparatadas.
Mas isto só vai ficar pior.
Cumpts.
De Luísa a 29 de Março de 2008
Meu caro Bic, espero que não lhe doa só pelos «trabalhos maiores» de que o livrou. Espero que tenha sido «leve», em obediência ao são princípio da «proporcionalidade»… ;-D
De Bic Laranja a 29 de Março de 2008
Olhe que foi uma valente bofetada. Não me impediu de lhe ter roubado um 4 no 2º ano, quando o apanhei.
Cumpts.
De jrd a 29 de Março de 2008
Qual a diferença entre a "menina dos cinco olhos" e a "menina do telemóvel"?
Talvez a mesma que há entre o ensino que nunca foi e o ensino que já não é.
De Bic Laranja a 29 de Março de 2008
A dos cinco olhos, aplicada na justa medida, estou em crer que evitaria a do telemóvel.
Cumpts.

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____