Segunda-feira, 31 de Março de 2008

De Luciana em 16 de Fevereiro de 2008

Um gentil comentário no novo estrato da Rua de Campolide que só agora me dei conta. Obrigado, Dª Luciana!


Sr. Bic Laranja,


 A coisa mais incrível que descobri ainda ontem no seu arquivo veio ao encontro de uma missão à qual tenho dedicado todos os meus tempos livres (poucos): desvendar os mistérios do meu bairro. Através de si consegui unir todos os pontos e referências soltas, que há meses procurava nos sites de arquivo da Câmara e afins.
 A minha mãe viveu junto ao viaduto ferroviário de Sete Rios, perto da Columbano Bordalo Pinheiro, entre 1937 e 1957. Vinte anos parece pouco, mas o seu mundo foi descoberto a partir do nosso Bairro. Toda a vida a ouvi falar das maravilhosas vivendas da Columbano – todas agora desaparecidas – e das casas da agora Professor Lima Basto (de que tão emocionada – como a minha mãe - falou no seu
post a Sra.Verdade). Do Caeiro da Mata e do pai do nosso magnífico Carlos Paredes, cuja casa – diz a minha mãe – ficava onde agora passa o viaduto, ao lado do Colégio. Diz ela que a rua ficava inundada dos acordes de ensaio de pai e filho. A minha mãe lembra-se também duma Praça de Espanha hoje irreconhecível, com vivendas – ou moradias – com lindos jardins, entre as quais viveria uma senhora velhota cujo jardim estava repleto de macacos que a minha mãe todos os dias queria visitar. Lembra também a Rua de Campolide cheia de quintas e árvores, onde mais tarde namorava o meu pai (e que eu imagino de um bucolismo Sintrense).
 Tive a felicidade de – desde há pouco mais de um ano& – poder viver na mesma casa onde a minha mãe se encheu de felicidade e quentes lembranças. As ruas – diz ela quando as revisita das suas velhas janelas – já nem parecem da mesma cidade. Só a alma das memórias continua a flutuar por aqui. E é por ela que eu amo o nosso bairro
 [...]
 Que outras tantas histórias sejam salvas por nós, que ainda as procuramos!
 Um abraço e muita admiração.

 Luciana




Fotografias
:
Av. Columbano Bordalo Pinheiro, Lisboa, 1961.
Artur Inácio Bastos in Arquivo Fotográfico da C.M.L..
 

Escrito com Bic Laranja às 23:59
Verbete | comentar
17 comentários:
De T a 1 de Abril de 2008
Ainda me lembro bem da Columbano assim. Uma a uma as vivendas foram demolidas e nasceram monstruosidades num ápice. A zona de Campolide e da Praça de Espanha está feia e descaracterizada. Nem falo da Malhoa, que é um perfeito museu dos horrores. O edifício onde trabalho, é dos raros sobreviventes e com qualidade. O jardim paralelo à Malhoa é perfeitamente ignorado e raramente utilizado.
Cumpts Sr Bic:) É sempre um prazer lê-lo.
De Bic Laranja a 1 de Abril de 2008
O prazer é todo meu em tê-la por cá.
Cumpts. srª Dona T.
De Luciana a 1 de Abril de 2008
Obrigada eu por permitir esta partilha.
E bem haja por isso!
De Bic Laranja a 2 de Abril de 2008
:) Cumpts.
De Attenti al Gatti a 2 de Abril de 2008
Conhecí essa artéria com o aspecto que a foto mostra. Não muito longe do prédio "modernaço" que lá se vê, apanhava eu o autocarro de regresso a casa. Sería o 11 que vinha da "Estr. da A-da-Maia"? Mistério. Sempre tive fraca memória para números...
A.v.o.
De hh a 2 de Abril de 2008
h
De JA a 2 de Abril de 2008
Bem.....se as vivendas tivessem sido substituídas por prédios como o da imagem, por sinal de arquitectura bastante boa....
O pior foi a porcaria que veio lá para fins de 60, e continuação. Depois chegaram as marquises horríveis......bem, é melhor esquecer.
De Bic Laranja a 4 de Abril de 2008
E se as vivendas têm ficado era sinal de maiores horizontes. Em mais que um sentido.
Cumpts.
De O Réprobo a 2 de Abril de 2008
Quais condecorações, qual Academia, uma carta Destas é que faz justiça ao Amigo Bic e magnífico labor!
Abraço
De Bic Laranja a 4 de Abril de 2008
O meu amigo é sempre generoso. Obrigado!
De a 3 de Abril de 2008
Suponho que duas moradias do lado direito de que vem da Praça de Espanha ainda existam: uma Prémio Valmor 1939, junto à Igreja Luterana; outra, mais adiante, que por sinal até se vê na fotografia, actualmente de pintada de um vermelho torrado, se assim se pode dizer.

Do lado esquerdo, ainda há pouco tempo existiam também duas moradias, mas em ruínas, junto à Basílio Teles.

De qualquer forma, em termos de ordenação urbanística, vendo as imagens que aqui publica, apercebemo-nos de que a ordenação urbanística da cidade se deteriorou terrivelmente nos últimos cinquenta anos. Aliás, dá gosto observar a calma e tranquilidade que as mesmas imagens expressam.
De Luciana a 3 de Abril de 2008
Esse sossego de que fala ainda se sente por aqui aos fins-de-semana, principalmente ao Domingo de manhã. Tirando a paisagem bastante mais cinzenta e fria, tudo o resto - nesses dias - faz lembrar tempos bem mais felizes…
Agora sobram realmente apenas três moradias na Columbano e três na Basílio Teles, para além de alguns dos muitos prédios da década de 20 e 30.
De Bic Laranja a 4 de Abril de 2008
Pois! A ganância impera e a ignorância campeia. Cumpts.
De Luciana a 3 de Abril de 2008
Entretanto, após ter lido pela primeira vez o testemunho da Sra. Verdade, transmiti-o à minha mãe que recordou emocionada muitas das coisas e pessoas de quem falou.
A minha mãe lembra-se, por exemplo, de ouvir contar sobre a terrível morte do tio da Sra. Verdade e das festas em algumas das casas de que falou. A casa que suponho ter sido a dos seus trisavós – actualmente um colégio - foi ela visitar com o meu bisavô, na altura em que estava à venda. Foi comprada logo depois por Caeiro da Mata. O médico da minha mãe era também o Dr.França, da Rua de Campolide.
A minha mãe recorda-se ainda do Chafariz na esquina da Estrada de Benfica (agora final da Lima Basto) e da casa da actriz Adelina Abranches e sua filha, mesmo junto à Praça de Espanha. Era ela quem tinha muitos macacos à janela! :-)
Sei também agora que o colégio onde a minha mãe frequentou a primária pertencia à mãe de Carlos Paredes. Devia ficar mesmo ao lado da casa onde viveu a Sra. Verdade, já no Largo de Sete Rios.

Tudo isto é maravilhoso de recordar! Mesmo em memórias emprestadas…
De Bic Laranja a 4 de Abril de 2008
Sim, é maravilhoso. Mesmo em memórias emprestadas.
Cumpts.
De Atentti al Gatti a 5 de Abril de 2008
Em relação ao comentário de LUCIANA: a léguas de Palhavã (como chamavam à zona), na Picheleira da minha infância, falava-se muito bem de um dr. França. Seria o mesmo?
De Bic Laranja a 5 de Abril de 2008
Não sei. O 11 ligava a Picheleira à Buraca e passava na Palhavã e em Sete Rios. Quer ver um meio de transporte com eficiência superlativa? O esquecido 11, quem diria!
Cumpts.

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____