Sexta-feira, 11 de Abril de 2008

O Acordo de 45 e o que deve ou não pronunciar-se

 No Brasil o debate sobre uma língua brasileira andava em voga nos anos 30. Alguns brasileiros complexados do passado português e com necessidade de afirmação (sempre, só e repetidamente feita pela via anti-portuguesa) promoviam esse debate que mais não era que um sintoma daquilo que ainda hoje se dá no Brasil: uma ânsia irreprimível de se sobrepor a Portugal como matriz do Português, alicerçada na ilusória convicção duma superior tradição brasileira do Português. Isto nos anos 30. Como se o desvio fosse a norma. Como se o enxerto fosse a raiz. Como se a enxertia não tivesse já dado numa ladainha de crioulos sem o influxo contínuo de portugueses desde o séc. XVI até c. 1950.
 Pois o que vejo hoje é aquela mesma ânsia brasileira avolumada pela cobiça do Ultramar português - uma passarada que se cuida no Brasil poder ir comer à mão - para finalmente imperar sobre o idioma. A prova é o subterfúgio dos insignificantes Pá Lopes arregimentados pelo Brasil para conseguir exportar a sua ortografia. E se o conseguem deste modo tão descarado é porque os tristes apagados e vis basbaques que governam Portugal ou se não dão conta - e é impossível que alguém seja assim tão estúpido - ou contam colher no Brasil mais que umas consoantes... (Empreendorismo na tropicália dava um bom título para isto.)
 Pois triste espectáculo este que é ver ínfimos arquipélagos atlânticos ditarem a escrita do idioma a Portugal, que os povoou. Quem sabe é pela demissionária metrópole os ter deixado à sua sorte sem razão nem guerra em 74. Porém pouco me serve de consolo que com isto Abril esteja na calha para vir a ser grafado com letra pequena. A verdade é que este agachar dos madraços de 74 é custoso e humilhante. Só de pensar que nem para cobrir a oferta do Brasil se mexeram?! (Lá está: empreendedorismo na tropicália dava um bom título para isto...)
 E ao depois caramba! Tanta coisa que estes indigentes liquidatários de pátrias copiam lá de fora e nem um único bom exemplo lhes trespassa as caveiras? Tudo o que ensinam é mesquinho: Portugal é pequeno; Portugal é pobre; Portugal é periférico, Portugal é o Calimero... Isto ao mesmo tempo que me vendem livros de pense positivo e conseguirá todos os êxitos e mais algum.
 Onde é que a Inglaterra alguma vez discutiu a sua grafia?...
 Ele há níveis a que se não deve descer. Não será preciso ser sábio e inteligente para perceber quem genuinamente escreve o Inglês; quem não tenha jeito rabiscará metade das letras e passará o resto como os indigentes (v. doughnut e donut). O mesmo com o vinho do Porto e o vinho do Porto produzido na Califórnia.
 Bom! O azedume já vai longo e o que eu ia dizer era afinal que em 1943 Portugal acedeu a negociar as bases da ortografia do seu idioma com o Brasil. O objectivo de uma unificação gráfica era arrojado e Portugal agiu de boa fé; e obteve-a dos negociadores brasileiros que vieram a Lisboa, honra lhes seja feita. Uma razoável condição quanto à ortografia unificada foi tida por todos como boa: quando os portugueses ou os brasileiros pronunciassem alguma consoante ela dever-se-ia sempre grafar. A bem da prosódia de quem na pronunciasse. Os outros escreveriam essas letras ditas mudas, tal como os 'hh', sem nas dizer. Desta forma o Acordo de 45 reintroduziu na escrita de Portugal o 'c' de aspecto e o 'p' de corrupção, (pronunciados à época só pelos brasileiros).
 O resultado foi 1) o Brasil nunca cumpriu o Acordo e 2) corrupção passou a pronunciar-se em Portugal com todas as letras...

 

Ilustração de Carlos Alberto Santos in Tabacaria [inverso].

Escrito com Bic Laranja às 12:00
Verbete | comentar
16 comentários:
De MCV a 11 de Abril de 2008
O amigo toma-os como mais capazes do que eles são.
São umas grandessíssimas e alternadíssimas bestas quadradas e nós os culpados que os deixamos regabofear.
Abraço
De Bic Laranja a 12 de Abril de 2008
Nesse casso são messmo assim muito estúpidos. Mas como nos livramos deles? E onde há outros?
- Há aí alguém?!
Cumpts.
De Luciana a 12 de Abril de 2008
Infelizmente a nossa língua também anda ao sabor das modas e das conveniências…
Eu cá vou fazer questão de continuar a utilizar o “meu” português. E venha de lá algum iluminado emendar-me, que eu lhe darei uma RECEPÇÃO à altura! :-)
De Bic Laranja a 12 de Abril de 2008
Claro! Trata-se apenas e só de o Português.
Cumpts.
De cabo-carvoeiro a 12 de Abril de 2008
Aqui há uns anos recebi um mail com anedotas sobres os brasileiros. Uma delas era um cara, que pedia informações a um lisboeta, as perguntas eram feitas com palavras empregadas pelos populares brasileiros claro (porque as elites falam mesmo português correcto); como o lisboeta rectificava todas as perguntas com o "em Portugal isso chama-se..." etc.
Às duas por três o cara vira-se para o alfacinha e: - "ó cara como é que vocês em Portugal chamam os filhos da mãe?" Resposta do nosso português: nós não chamamos eles vêm do Brasil.
Cumprimentos
De Bic Laranja a 12 de Abril de 2008
Nalguns casos será verdade. No do Acordo já cá temos provisão suficiente.
Cumpts.
De António Viriato a 12 de Abril de 2008

Estão aqui escritas algumas verdades que devem ser ditas em voz alta, sem tibiezas, nem hipocrisias, para que sejamos dignas de nós mesmos, da cultura de que somos herdeiros e para que os demais nos respeitem.

Tenciono continuar a desenvolver estes e outros assuntos correlatos lá na minha tribuna particular, para que fiquem exarados alguns pontos de vista, porventura minoritários, mas, a meu ver, indispensáveis para a salvaguarda da nossa memória colectiva.

Nem todos, felizmente, aceitarão a canga do politicamente correcto ou a subjugação a autoridades políticas demasiado ignorantes, ainda que atrevidas e legitimadas pelo voto popular, o que, em certas matérias, nada acrescenta à razão dos seus argumentos.

Bom fim-de-semana.
De Bic Laranja a 13 de Abril de 2008
Obrigado pelo seu comentário. Boa semana!
Cumpts.
De Carlos Portugal a 12 de Abril de 2008
Caro Bic:

Há pouco, tive uma conversa com um familiar bem informado, que me afirmou que o actual (des)acordo ortográfico que pretende transformar a Língua de Camões numa aberração de iletrados está intimamente ligada com o ataque do desgoverno à Educação e aos Professores, assim como com a visita do gasolineiro de Boliqueime àquelas que FORAM as Terras de Vera Cruz.

Com efeito, e isto já foi verbalizado por um secretário de estado, a ideia é - para além de abastardar o ensino (convém aos novos bárbaros que a população permaneça inculta e funcionalmente analfabeta) - desmotivar os professores ao ponto de eles desistirem da profissão. As palavras da bestiaga armada em secretário foram mais ou menos estas: «há milhares de professores brasileiros desejosos dos vossos lugares, pois no Brasil estão com os vencimentos congelados há dez anos»...

É claro que isto não vem para a imprensa.

Assim, o natural de Boliqueime (a única povoação portuguesa a ser totalmente arrasada em 1755) vai ao Brasil acordar a destruição da Língua Portuguesa para facilitar a integração dos milhares de professores brasucas que virão trabalhar a preços de saldo e em condições de remadores de galés, destruir o que resta da indústria livreira portuguesa, invadir o País e as ex-colónias de África (que não assinaram o «acordo» - e muito bem) com edições brasileiras (geralmente de uma qualidade deplorável, especialmente as «traduções» que eles, simplesmente, não sabem fazer), e dar um passo de «gigante» na via da miscenização e da destruição de culturas e raças, meta bilderberguiana para que tudo seja horrendo, inculto e com sabor a «fast-food». Só assim é que conseguirão atenuar os complexos de inferioridade que têm.

Caro Amigo, por pouco menos foi um Miguel de Vasconcellos defenestrado e estralhaçado pela população no Terreiro do Paço. Estes já deixaram entrar os espanhóis, e preparam-se para nos eliminar ou desterrar (eles gostam de falar em «mobilidade») - cultural, linguística e, se calhar, fisicamente.

«Oh, quem pudesse que fartasse este meu duro génio de vinganças!»

Abraço.
De Bic Laranja a 13 de Abril de 2008
Custa-me a acreditar. É tenebroso demais para ser verdade. Parece-me uma soma de caprichos de incompetentes querendo ficar para a História.
Cumpts.
De O Réprobo a 12 de Abril de 2008
Mas eu nem vejo grande interesse nos políticps ou intelectuais Brasileiros por este acordo, ao contrário dos ecos que me hegam do anterior, com Olegário Mariano, por exemplo. Puros jugo e jogo editoriais, alimentando uma miragem que´funciona mais como desculpa de incompetências próprias, a de que as diferentes grafias são o travão à leitura. Mas claro que republicar uma data de livros com nova ortografia é uma negociata...E para as empresas de cá como para as de lá.
Abraço
De Bic Laranja a 13 de Abril de 2008
Pois não sei...
Cumpts.
De JA a 14 de Abril de 2008
Ele há níveis a que se não deve descer" ....pois é Bic , aqui escreveu tudo, tudinho.
E esses tipos de "fato" que se vão tramar !!!!
De Bic Laranja a 15 de Abril de 2008
Dá-me impressão que são tipos de cá que contra 'fatos' destes se tolhem de argumentos.
Cumpts.
De errezinha a 15 de Abril de 2008
Tenho mta dificuldade em perceber a nossa postura em relação aos países “ex-colónias”. Porque se erros se cometeram à época, e cometem-se sempre, não é c/estas posturas de subserviência, de bater c/a mão no peito, que se resolvem… antes pelo contrário!
No que me diz respeito continuarei a usar a língua que aprendi ao longo de 12anos de escolaridade(já não falo na faculdade), e isso é um FACTO! ;)
De Bic Laranja a 15 de Abril de 2008
Com gente desta Portugal jamais se haveria cumprido. Cumpts.

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____