16 comentários:
De MCV a 11 de Abril de 2008
O amigo toma-os como mais capazes do que eles são.
São umas grandessíssimas e alternadíssimas bestas quadradas e nós os culpados que os deixamos regabofear.
Abraço
De Bic Laranja a 12 de Abril de 2008
Nesse casso são messmo assim muito estúpidos. Mas como nos livramos deles? E onde há outros?
- Há aí alguém?!
Cumpts.
De Luciana a 12 de Abril de 2008
Infelizmente a nossa língua também anda ao sabor das modas e das conveniências…
Eu cá vou fazer questão de continuar a utilizar o “meu” português. E venha de lá algum iluminado emendar-me, que eu lhe darei uma RECEPÇÃO à altura! :-)
De Bic Laranja a 12 de Abril de 2008
Claro! Trata-se apenas e só de o Português.
Cumpts.
De cabo-carvoeiro a 12 de Abril de 2008
Aqui há uns anos recebi um mail com anedotas sobres os brasileiros. Uma delas era um cara, que pedia informações a um lisboeta, as perguntas eram feitas com palavras empregadas pelos populares brasileiros claro (porque as elites falam mesmo português correcto); como o lisboeta rectificava todas as perguntas com o "em Portugal isso chama-se..." etc.
Às duas por três o cara vira-se para o alfacinha e: - "ó cara como é que vocês em Portugal chamam os filhos da mãe?" Resposta do nosso português: nós não chamamos eles vêm do Brasil.
Cumprimentos
De Bic Laranja a 12 de Abril de 2008
Nalguns casos será verdade. No do Acordo já cá temos provisão suficiente.
Cumpts.
De António Viriato a 12 de Abril de 2008

Estão aqui escritas algumas verdades que devem ser ditas em voz alta, sem tibiezas, nem hipocrisias, para que sejamos dignas de nós mesmos, da cultura de que somos herdeiros e para que os demais nos respeitem.

Tenciono continuar a desenvolver estes e outros assuntos correlatos lá na minha tribuna particular, para que fiquem exarados alguns pontos de vista, porventura minoritários, mas, a meu ver, indispensáveis para a salvaguarda da nossa memória colectiva.

Nem todos, felizmente, aceitarão a canga do politicamente correcto ou a subjugação a autoridades políticas demasiado ignorantes, ainda que atrevidas e legitimadas pelo voto popular, o que, em certas matérias, nada acrescenta à razão dos seus argumentos.

Bom fim-de-semana.
De Bic Laranja a 13 de Abril de 2008
Obrigado pelo seu comentário. Boa semana!
Cumpts.
De Carlos Portugal a 12 de Abril de 2008
Caro Bic:

Há pouco, tive uma conversa com um familiar bem informado, que me afirmou que o actual (des)acordo ortográfico que pretende transformar a Língua de Camões numa aberração de iletrados está intimamente ligada com o ataque do desgoverno à Educação e aos Professores, assim como com a visita do gasolineiro de Boliqueime àquelas que FORAM as Terras de Vera Cruz.

Com efeito, e isto já foi verbalizado por um secretário de estado, a ideia é - para além de abastardar o ensino (convém aos novos bárbaros que a população permaneça inculta e funcionalmente analfabeta) - desmotivar os professores ao ponto de eles desistirem da profissão. As palavras da bestiaga armada em secretário foram mais ou menos estas: «há milhares de professores brasileiros desejosos dos vossos lugares, pois no Brasil estão com os vencimentos congelados há dez anos»...

É claro que isto não vem para a imprensa.

Assim, o natural de Boliqueime (a única povoação portuguesa a ser totalmente arrasada em 1755) vai ao Brasil acordar a destruição da Língua Portuguesa para facilitar a integração dos milhares de professores brasucas que virão trabalhar a preços de saldo e em condições de remadores de galés, destruir o que resta da indústria livreira portuguesa, invadir o País e as ex-colónias de África (que não assinaram o «acordo» - e muito bem) com edições brasileiras (geralmente de uma qualidade deplorável, especialmente as «traduções» que eles, simplesmente, não sabem fazer), e dar um passo de «gigante» na via da miscenização e da destruição de culturas e raças, meta bilderberguiana para que tudo seja horrendo, inculto e com sabor a «fast-food». Só assim é que conseguirão atenuar os complexos de inferioridade que têm.

Caro Amigo, por pouco menos foi um Miguel de Vasconcellos defenestrado e estralhaçado pela população no Terreiro do Paço. Estes já deixaram entrar os espanhóis, e preparam-se para nos eliminar ou desterrar (eles gostam de falar em «mobilidade») - cultural, linguística e, se calhar, fisicamente.

«Oh, quem pudesse que fartasse este meu duro génio de vinganças!»

Abraço.
De Bic Laranja a 13 de Abril de 2008
Custa-me a acreditar. É tenebroso demais para ser verdade. Parece-me uma soma de caprichos de incompetentes querendo ficar para a História.
Cumpts.
De O Réprobo a 12 de Abril de 2008
Mas eu nem vejo grande interesse nos políticps ou intelectuais Brasileiros por este acordo, ao contrário dos ecos que me hegam do anterior, com Olegário Mariano, por exemplo. Puros jugo e jogo editoriais, alimentando uma miragem que´funciona mais como desculpa de incompetências próprias, a de que as diferentes grafias são o travão à leitura. Mas claro que republicar uma data de livros com nova ortografia é uma negociata...E para as empresas de cá como para as de lá.
Abraço
De Bic Laranja a 13 de Abril de 2008
Pois não sei...
Cumpts.
De JA a 14 de Abril de 2008
Ele há níveis a que se não deve descer" ....pois é Bic , aqui escreveu tudo, tudinho.
E esses tipos de "fato" que se vão tramar !!!!
De Bic Laranja a 15 de Abril de 2008
Dá-me impressão que são tipos de cá que contra 'fatos' destes se tolhem de argumentos.
Cumpts.
De errezinha a 15 de Abril de 2008
Tenho mta dificuldade em perceber a nossa postura em relação aos países “ex-colónias”. Porque se erros se cometeram à época, e cometem-se sempre, não é c/estas posturas de subserviência, de bater c/a mão no peito, que se resolvem… antes pelo contrário!
No que me diz respeito continuarei a usar a língua que aprendi ao longo de 12anos de escolaridade(já não falo na faculdade), e isso é um FACTO! ;)
De Bic Laranja a 15 de Abril de 2008
Com gente desta Portugal jamais se haveria cumprido. Cumpts.

Comentar