18 comentários:
De T a 17 de Maio de 2008
Belo verbete!
E viva o cidadão:)
De Bic Laranja a 26 de Maio de 2008
Obrigado! Cumpts.
De Agostinho de Paiva Sobreira a 18 de Maio de 2008
Caro Amigo
Tenho acompanhado o seu BLOGUE à algum tempo. Acho-o muito interessante e de salutar oportunidade em alguns temas abordados.
Hoje vi, também, com curiosidade o tema abordado da (Travessa do cidadão João Gonçalves, que está muito
bem elaborado.
Felicidades,
Saudações Bloquistas "
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Caro Amigo <BR>Tenho acompanhado o seu BLOGUE à algum tempo. Acho-o muito interessante e de salutar oportunidade em alguns temas abordados. <BR>Hoje vi, também, com curiosidade o tema abordado da (Travessa do cidadão João Gonçalves, que está muito <BR>bem elaborado. <BR>Felicidades, <BR>Saudações Bloquistas " <BR class=incorrect name="incorrect" <a>APS</A>
De Bic Laranja a 26 de Maio de 2008
Gentileza sua. Obrigado!
De Atentti al Gatti a 18 de Maio de 2008
Esta mercearia há dezenas de anos que mudou de ramo. Apesar de não ser talho, vende-se aquí carne a preços populares, para quem não seja muito exigente. Situação idêntica aconteceu a outros estabelecimentos do bairro, que já viu melhores dias e onde também há coisas interessantes e gente pacata. Bem próximo da antiga mercearia, viveu o intendente Diogo Inácio de Pina Manique e foi brutalmente morto a tiro um dos heróis da República, o almirante Machado Santos, em 19 de Outubro de 1921, no triste episódio da "camioneta-fantasma".
Fala-se muito da reabilitação do local mas, até agora não passou da conversa fiada do costume. Como não conseguem curar a enfermidade, estabeleceram uma espécie de cordão sanitário para evitar que ela se propague. Formou-se, assim, um "habitat" protegido ao dispôr dos estudiosos da matéria.
A.v.o.
De Bic Laranja a 26 de Maio de 2008
Um maná para a Antropologia, concordo. Muito obrigado pelo seu informativo comentário. Cumpts.
De O Réprobo a 18 de Maio de 2008
Esperemos que nas contas das mercearias tenha havido mais honestidade do que era comum no acaudilhamento eleitoral da tendência referida. Abraço, Caro Bic
De Bic Laranja a 26 de Maio de 2008
Admitamos que sim para não agravar... Cumpts.
De Jose Quintela Soares a 19 de Maio de 2008
O grande e tão esquecido Matos Sequeira era uma "enciclopédia" sobre Lisboa.
De Bic Laranja a 26 de Maio de 2008
E tanto assim é que nem reedições da obra aparecem. Que se há-de fazer?!... Cumpts.
De T a 27 de Maio de 2008
Comprei um na Feira da Ladra passada, por cinco euros. Ainda se arranjam!
E artigos dispersos em outras publicações. Tenho estado a postar um artigo dele aparecido num almanaque referente a Alfama, espectacular.
Cumprimentos.
De Bic Laranja a 27 de Maio de 2008
Aparecer aparecem. Mas nos escaparates só há janaria. Cumpts.
De BV a 21 de Maio de 2008
Tem piada. Também o meu pai teve uma Mercearia com umas portas, um cartaz e um letreiro idênticos ao da fotografia.
Situava-se na Av Conde Valbom.
Não teve nenhum nome de rua...
mas também não teria sido organizador de associações de classe.
De Bic Laranja a 26 de Maio de 2008
Foi um cidadão respeitável em todo o caso. A prole, sei-o bem, não o desmente. Cumpts. :)
De T a 25 de Maio de 2008
Querido vizinho:
Olhe que tenho saudades de o ler.
Cumprimentos e escreva um bilhetinho para nos consolarmos.
De Bic Laranja a 26 de Maio de 2008
É muito gentil. Obrigado! :)
De Margarida Barbosa a 28 de Dezembro de 2012
Bom dia,
Cruzei-me com este blog numa pesquisa pelo nome do meu bisavô, Jacinto José Barbosa, de Vila Nova de Cerveira.
Da leitura não entendi se dispõe da referida carta do meu bisavó Jacinto José Barbosa, à qual gostaria de ter acesso.
Cumprimentos,
Margarida Barbosa
De Bic Laranja a 29 de Dezembro de 2012
Prezada Senhora,
A carta de seu bisavô foi dirigida ao jornalista e olisipógrafo, o sr. Gustavo Matos Sequeira. Apenas tenho conhecimento dela e do seu autor, o sr. seu bisavô, pelo excerto da «Lisboa de Lés a Lés» transcrito acima. A existir ainda, a carta deverá estar no espólio do sr. Gustavo Matos Sequeira, provàvelmente na posse de seus herdeiros, não sei ao certo. Feliz ano novo!

Comentar